Viver de renda no Tesouro Direto: entenda os riscos e aprenda a ganhar

Viver de renda é o sonho de milhões de brasileiros. Mas, viver de renda no Tesouro Direto é um sonho que tem ficado mais próximo da vida das pessoas devido às facilidades que esse investimento apresenta.

A aplicação é fácil, segura e pode te deixar rico quando você mais precisar [na velhice, na aposentadoria, no futuro].

E conseguir isso não é, realmente, uma missão impossível se você sabe o que quer.

Comece por entender os riscos, saiba como é possível perder o seu dinheiro e, a partir daí, você estará preparado para aprender a ganhar dinheiro no Tesouro Direto.

Achou essa sequência muito complexa?

Não é!

Observe: Risco > Perda > Ganhos!

Primeiro você entende os riscos, depois descubra as possíveis perdas e, por fim, com conhecimento, fica apto para começar a ganhar dinheiro de verdade com essa aplicação financeira.

Tesouro Direto – o que é e como funciona

Mas, antes de iniciar esse breve guia, vamos entender, inicialmente, o que é o Tesouro Direto, já que é um dos investimentos financeiros mais falados e recomendados do Brasil?

De maneira sintética, o Tesouro Direto nada mais é do que um programa de compra de títulos do governo brasileiro, que devem ser feitos pela internet.

E fique calma: se você acha que investir dinheiro online é complicado ou não tem segurança, você está enganado, mesmo porque esse é um dos mais seguros do Brasil.

Dessa forma, quando você compra um título do Tesouro Direto, independente de qual ele seja, você está fazendo algo como emprestar dinheiro para o governo nacional.

Sobre os investimentos financeiros é exatamente isso que você tem que reconhecer: diferente das dívidas, você passa a ser o tomador de crédito porque é você que está emprestando.

E isso é ótimo porque você vai ganhar dinheiro com isso, você vai ter uma renda passiva– é como se você fosse ganhar dinheiro pelo simples fato de emprestar ao governo, sacou?

Especificamente sobre o Tesouro Direito, ele tem um risco de ter uma quebra ou um calote muito baixo, a ponto de que a segurança é altíssima.

Viver de renda no Tesouro Direto

O Tesouro como investimento financeiro…

Se você não notou ainda, esse é um investimento financeiro super conservador, que dá total segurança ao investidor, especialmente aquele que está conhecendo o mercado financeiro.

Só que como a gente vive no país das maiores taxas de juros do mundo, isso quer dizer que você tem um investimento conservador com retornos interessantes!

Novamente, isso é positivo, mas apenas para quem investe dinheiro.

No Brasil, temos uma combinação fantástica disso, o que não acontece em praticamente nenhum outro país.

E o melhor você faz isso pela internet, sendo que é muito simples de fazer.

Se assim como nós você também acredita que isso é possível, leia o artigo que segue, que foi escrito na seguinte sequência:

  • Existe risco no Tesouro Direto?
  • É possível perder dinheiro no Tesouro Direto?
  • Como ganhar dinheiro no Tesouro Direto?

Esse será o tripé central deste conteúdo e se você estiver curtindo, poderá continuar com a leitura, já que vamos incluir um bônus no final.

Existe risco no Tesouro Direto?

Para que você consiga, algum dia, viver de renda no Tesouro Direto, vamos começar por entender como funcionam os riscos desse investimento, já que é considerado o mais seguro do país.

Esse risco nada mais é do que uma simples desconfiança que muita gente ainda tem sobre aplicar o dinheiro em títulos públicos, através do programa Tesouro Direto.

É uma desconfiança porque esse medo parte da simples falta de conhecimento.

Esse tipo de modalidade de investimento financeiro, feito em títulos públicos, nada mais é do que uma das formas utilizadas pelo Tesouro Nacional para captar recursos.

E por que o governo precisa captar recursos?

Para as atividades do Governo Federal.

Ou seja, quando se coloca o dinheiro nessa modalidade de investimento, você automaticamente se torna um credor do governo!

E é aqui que está a sua garantia, que você tem sobre o retorno da sua aplicação.

A descrença no Governo Federal

O problema é que ao ouvir falar em governo, muita gente acaba pensando que emprestar dinheiro a ele é um enorme erro financeiro.

É aquela história de governo corrupto e de toda loucura que isso faz na economia.

Olha, não somos defensores da corrupção, jamais!

Só que ainda que a nossa política de hoje em dia esteja distante da justiça, o governo é um bom credor para os investidores financeiros.

Aqui, é preciso saber separar bem as coisas, mesmo porque elas são completamente diferentes.

A venda de títulos públicos não é feita pelo presidente Michel Temer ou pelo Ex-Presidente Lula. Nem mesmo por deputados, vereadores, prefeitos!

E sim pelo Tesouro Nacional.

É o Tesouro que a captação de todo recurso que entra e que sai.

É ele que vai direcionar esses recursos do orçamento público para a infraestrutura e para todos os projetos que demandam o uso desse dinheiro.

Viver de renda no Tesouro Direto será impossível se você não acredita que o governo é um bom devedor, tá bom?

E isso não é puxar a sardinha para o governo, mas é ser sincero. Está mais do que na hora de você começar a pensar como um investidor e ver o que é realmente verdade e o que não é.

Investir em títulos públicos no Brasil hoje em dia é seguro!

Os investimentos em títulos públicos

No futuro, a venda da concessão e a arrecadação de tributos serão resultantes desse projeto, que pagará os juros prometidos aos investidores.

É claro que eventualmente pode ocorrer desvios ou perdas nesses projetos.

Mas, a devolução dos investimentos é uma garantia dada pelo Governo Federal.

E tudo, novamente dizendo, é feito por meio do Tesouro Nacional, que também tem capacidade de aplicar os impostos para cobrir suas despesas se assim julgar necessário.

Por esses motivos os títulos públicos são considerados investimentos totalmente livres de risco.

E essa situação só irá mudar caso aconteça um colapso na nossa economia!

E isso sim poderia levar o governo a dar um calote impensável nos dias de hoje e que ainda assim poderia ser previsto com um ano de antecedência.

As coisas não vão acontecer como o congelamento da poupança, na época do Collor.

Não vão!

Ah, e só para você saber, se esse colapso acontecesse até mesmo os bancos seriam prejudicados e aí ninguém mais, nenhuma instituição, seria suficientemente segura para se investir dinheiro.

Na verdade, o único risco real atualmente para os títulos públicos acontece por equivoco dos próprios investidores.

O risco do Tesouro Direto que vem dos investidores

Sabe aquele investidor que saca o dinheiro aplicado antes data de vencimento?

Então, nesse caso pode haver perdas raramente significativas, sim!

Mas, também pode existir ganhos acima do esperado!

Por isso, o que nós sempre aconselhamos aqui é que você tenha muita clareza e sabedoria sobre os seus objetivos!

A partir disso, você vai fazer um planejamento financeiro focado em investimentos e com boas reservas financeiras para lidar com os contratempos que eventualmente irão surgir.

Todo mundo está sujeito aos imprevistos.

A diferença é que alguns estão preparados e outros não.

De qual lado você está mesmo?

Além disso, nunca é demais lembrar: estude aquilo que você investe para evitar armadilhas!

E aproveite todas as oportunidades que tiver com boas escolhas.

Até a renda fixa dos títulos públicos pode trazer ganhos bem acima da média.

E sim, é realmente verdade que dá para viver de renda no Tesouro Direto e você vai descobrir isso ao longo da leitura.

É possível perder dinheiro no Tesouro Direto?

Bem, como acima falamos dos riscos e agora vamos falar das possíveis perdas, está claro para você que se trata de um complemento, não é?

A ideia aqui é tirar a dúvida da cabeça das pessoas – porque se é um investimento financeiro seguro, como pode haver perdas?

Então, vamos lá!

Você já abriu o seu extrato do Tesouro Direto e ficou desesperado achando que você tivesse perdido dinheiro?

Ou, então, você é daquelas que tem vontade de investir, mas morre de medo de perder o dinheiro ao fazer isso?

E isso acontece porque vive ouvindo por aí que existe o risco de calote!

Então, espera aí, não pare de ler agora porque nós vamos te mostrar se dá ou não para perder dinheiro no Tesouro Direto.

Novamente, repetindo o que já foi dito: o Tesouro Direto é um dos investimentos financeiros mais seguro que existem hoje em dia no mercado financeiro.

O medo de investir no Tesouro Direto

Quem tem medo de levar um calote no Tesouro Direto, geralmente toma a seguinte decisão:

“Eu acho melhor, e mais seguro, deixar o dinheiro aplicado no banco”.

Mas, o que acontece é que se isso acontecer, o governo vai dar calote no Tesouro Direto, mas vai dar calote também em todo mundo que tem conta no Itaú, Santander, Bradesco entre outros bancos.

No fim, todo mundo vai perder dinheiro – inclusive, quem está com os seus digníssimos CDBs, fundos e letras nos bancos.

Agora, vamos ser sinceros, a real chance de isso acontecer é tão baixa, mais tão baixa que você não precisa ter medo, não.

Então, você pode investir dinheiro no Tesouro Direto e claro, isso se quiser mesmo conseguir viver de renda no Tesouro Direto.

Veja o vídeo abaixo sobre o medo que as pessoas têm de investir dinheiro:

Os tipos de títulos do Tesouro Direto

É importante destacar que tem dois tipos de títulos de Tesouro Direto.

Você tem o título pré-fixado, que sabe exatamente o quanto você vai receber na data de vencimento do título.

Ou então, pós-fixado, onde as pessoas tendem achar prefixado é mais seguro, só que não é assim que acontece necessariamente.

Então, pode ter recomendações também sobre o título pós-fixado ou taxa Selic ou IPCA.

Tem gente que vê o extrato que o título está valendo menos do que o valor que pagou na data da compra e se assusta!

Mas, não! Você não, você não perdeu dinheiro…

Por que é o seguinte: o valor que está no extrato do Tesouro Direto é um valor que o título está valendo se você o vendesse hoje.

Mas, você não vai vender hoje, vai?

Se você esperar ele vencer, você vai receber exatamente o combinado!

Então, não tem como perder dinheiro se você cumprir sua palavra e seguir o investimento até o prazo final, até o vencimento do ativo.

Só que se você precisar vender título antes da hora, o que acontece?

Dependendo da oscilação do mercado, aí sim pode ser um daqueles dias em que você abre o extrato e vê lá que realmente está menos.

O resultado é que você vai vender esse ativo e vai levar prejuízo sim.

Então, existe o risco da perda do dinheiro no Tesouro Direto!

E para não correr o risco de perder dinheiro…

Bom, nesse caso, qual é a recomendação para quem quer viver de renda no Tesouro Direto?

Se você não tem a segurança que você vai conseguir até a data de vencimento, coloca todo seu dinheiro em outro investimento, que tenha rentabilidade no curto prazo.

Ou, melhor dizendo, se você não sabe quando vai usar o dinheiro, como se for para um fundo de emergência, então, opte por aquelas aplicações que tenham liquidez diária.

Até dá para investir no Tesouro Direto, mas em uma opção que fique acima da inflação.

Só que assim, se formos falar friamente e calculadamente, temos que entender que o Tesouro Direto é por um sonho que você está querendo realizar em médio prazo.

E o médio prazo é um tempo que, geralmente, varia entre 2 e 3 anos!

Bem, cumprimos nossa meta até aqui: falamos sobre como é possível viver de renda no Tesouro Direto a partir do estudo do risco do Tesouro e também da perda de dinheiro, que realmente existe.

Agora, vamos ao último tópico mais importante desse artigo, que é sobre ganhar mais usando algumas tecnologias especificas para isso.

Como ganhar mais no Tesouro Direto com robôs investidores

Existe um jeito diferente para investir no Tesouro Direto com mais facilidade.

Isso pode ser bom para você, mas só se você já investiu antes e sabe como funciona.

E por que você faria isso? Simplesmente porque isso pode te trazer uma rentabilidade bem maior. Topa?

Então, como é que você investe no Tesouro Direto com robôs?

Olha, o meio que vamos citar aqui é apenas para exemplificar, está bem?

Nós não estamos ganhando nenhuma comissão para citar essa empresa.

Mas, de fato, ela tem uma plataforma que pode ser citada para que você entenda onde estamos querendo chegar.

O meio que vamos citar é uma startup chamada Vérios!

A Vérios tem um robô investidor chamado Wesley.

E o Wesley ajuda você a ver qual é o seu perfil de investidor!

Daí, a partir disso, ele seleciona os melhores títulos do Tesouro Direto para você!

Tudo é feito com base nos seus objetivos financeiros, e também no seu prazo e no quanto de dinheiro você vai investir naquele momento da sua vida.

É muito bacana, de verdade! É uma ajuda e tanto.

É um esquema super diferente e muito mais fácil porque você não precisa saber do IPCA+, você deixa o seu dinheiro com Robô Wesley e ele vai aplicando para você.

E você consegue ver direto como é que seu dinheiro está rendendo, tudo pelo app.

Análise geral do seu investimento

No app da Vérios você vai ver uma visão geral.

Vai saber para onde foi o seu dinheiro e quanto ele está rendendo.

E há uma comparação feita com a inflação, tudo para garantir que você tenha um rendimento real e positivo.

Em seguida, você vai ver os custos.

Nos custos está tudo aquilo que está sendo cobrado para você fazer os seus investimentos.

Também mostra as taxas que você já tem para investir no Tesouro Direto, tipo a taxa de custódia, sabe?

A Vérios cobra uma taxa de administração de 0,2 a 0,55% ao ano.

E é baixa, se comparado com os investimentos gerais.

Por fim, você vai ver a evolução de tudo isso, exatamente o quanto você tinha quando começou aplicar e quantas vezes você colocou dinheiro a mais, para onde está indo…

Enfim, dá para você ver tudo!

Viver de renda no Tesouro Direto

O que é viver de renda no Tesouro Direto

Bom, visto essa maior parte sobre o Tesouro Direto, resta entendermos o simples fato de viver de renda, que também é tema central desse conteúdo.

Renda não é apenas o seu salário, tá?

O seu salário é uma renda ativa, isto é aquilo que você trabalha para conseguir.

Ele é proveniente de um trabalho contínuo, que exige empenho e se você parar a rotina, não vai ter mais a renda ativa.

Nesse caso, você está trabalhando pelo dinheiro.

Estão nesse grupo os trabalhadores remunerados, os autônomos, empresários, etc.

Depois, temos a renda passiva – é isso que estamos falando quando citamos o viver de renda, tá bom?

O que é uma renda passiva?

É que você não precisa trabalhar para ganhar dinheiro. Você precisa de um trabalho inicial, o inicio e isso basta – depois você continua ganhando dinheiro sem fazer nada.

Aqui, a ideia é central é a de “fazer o seu dinheiro trabalhar para você”.

Então, chegamos ao ponto interessante sobre viver de renda no Tesouro Direto.

De tudo que você aprendeu do Tesouro e agora que já sabe sobre a renda passiva, o que você conclui? Pense alto, mas não responda ainda.

A fonte para viver de renda no Tesouro Direto

Por que você acha que escolhemos o Tesouro Direto para falar do seu sonho de viver de renda?

A explicação está em um estudo feito no final do ano passado, que mostrou que o Tesouro Direto rendeu o dobro da poupança em 10 anos.

Mas, claro, esse é só um número.

E um número importante para você começar a considerar essa forma de investir dinheiro.

  • Quem aplicou 100 mil real na poupança nesse período somou 201 mil reais.
  • Já quem optou pelo Tesouro IPCA+ ficou com saldo de 319 mil reais.

Bom, aqui terminamos o artigo e você tem todas as informações que precisa para entender que é possível viver de renda no Tesouro Direto.

Agora, temos um bônus, bem simples, que é sobre como fazer isso.

Bônus: Como investir no Tesouro Direto todos os meses

Como eu posso saber como investir no Tesouro Direto todos os meses se eu conheço muito pouco [ou quase nada] sobre os investimentos financeiros no Brasil?

No artigo de hoje vamos mostrar um processo de alguns passos no qual qualquer pessoa pode seguir para entender como investir no Tesouro Direto mensalmente.

E o melhor: começando hoje, nesse mês!

A ideia é saber como investir mesmo, na prática.

Com muita clareza e entendendo sobre quais ativos se deve aplicar conforme o seu tipo de perfil, as suas vontades, os seus ideais e projetos.

E você vai entender também sobre como comprar cada um desses ativos.

A partir, obviamente, de um plano bem claro e detalhado.

Mas, sem deixar de lado a segurança de estar tomando as decisões corretas acerca dos investimentos.

Parece bem interessante, não é mesmo?

E o melhor de tudo: isso é bem mais fácil do que você imagina.

Hoje, o assunto é para falar diretamente para você que precisa sentir muita segurança antes de realizar suas operações nessa plataforma online.

Por isso, vamos te passar um processo, na real funciona muito bem como um passo a passo, que faz muito sentido sobre como agir para investir todos os meses no Tesouro Direto.

E, ao final desse conteúdo, a sua insegurança [se é que existe] antes de realizar aplicações financeiras vai ser muito menor.

Você vai se sentir muito mais tranquilo antes de operar por conta própria nesta plataforma, que apostar? Então, leia.

Passos para entender como investir no Tesouro Direto

Então, vamos lá!

Viver de renda no Tesouro Direto

Abrir conta em uma corretora de valores

O 1º passo para que você que quer entender como investir no Tesouro Direto todos os meses é abrir uma conta em uma corretora de valores.

Na verdade não tem como fugir disso.

Mais do que isso, o melhor que você pode fazer é abrir uma conta numa boa corretora de valores!

E essa diferença entre escolher uma corretora de valores qualquer e uma boa corretora de valores é muito grande e pode significar, inclusive, o seu lucro maior ou menor!

Mas, o que é uma boa corretora de valores?

É aquela que não cobra taxas sobre os investimentos realizados no Tesouro Direto.

Isso porque ao investir no Tesouro Direto, você, automaticamente, tem que saber que existem duas taxas:

  • Uma de 0,3% ao ano cobrado pela B3,
  • Outra é variável e depende da corretora de valores.

A da B3 (que é a nova bolsa de valores do Brasil) é igual para todos os investidores que aplicam em títulos públicos.

Felizmente, nos dias de hoje, uma grande gama de corretoras de valores aderiu ao conceito de “Taxa Zero” para o Tesouro Direto.

Isso quer dizer que elas isentam seus investidores desse custo – o que, em termos financeiros e rentáveis, é ótimo.

Você pode verificar quais são essas corretoras que cobram taxa zero!

Mas, fique esperto porque nem toda corretora que não cobra essa taxa é boa, o ideal é você identificar outros fatores também. Veja abaixo algumas dicas.

Conhecer os principais títulos do Tesouro Direto

O 2º passo é conhecer os principais títulos do Tesouro Direto.

Acredite: para você que está buscando informações de como investir no Tesouro Direto, continue fazendo isso.

Mesmo porque aplicar em ativos que você não conhece muito bem ou que você não entende o funcionamento, não dá certo. Nunca dá certo!

Afinal, cada tipo de título do Tesouro Direto possui suas características próprias de remunerações diferentes aos investidores.

Existem os títulos pós-fixados, por exemplo, cuja a remuneração está atrelada diretamente a Taxa Básica de Juros da Economia, a Selic.

Já os pré-fixados, cuja a remuneração varia entre a data de aplicação e a data de vencimento, são conhecidos exatamente no momento da compra.

Porém, eles podem se desvalorizar no prazo entre o ano da compra e a data de vencimento.

E por fim, os títulos atrelados à inflação pós-fixados e pré-fixados, ao mesmo tempo oferecendo ao investidor a variação da inflação mais uma taxa de juros ao ano que é feita a inflação.

E o que é importante nesse tópico?

Simples: conhecer melhor cada tipo de título, sua volatilidade, seus riscos e suas características gerais.

A boa notícia é que conhecer cada um desses títulos não é uma tarefa tão difícil quanto parece.

Esse foi apenas um resumo, confira agora cada tipo de título do Tesouro.

Tesouro Prefixado (LTN)

Nesse caso, o investidor sabe quanto vai receber no momento da compra e receberá o valor todo após o vencimento, independente de como fica o cenário.

A rentabilidade é um pouco mais baixa, só que é totalmente segura.

Logo, quanto maior é o prazo de vencimento, maior é a taxa de rentabilidade paga.

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F)

Nesse caso, o investidor também sabe quanto vai receber, como acima.

A diferença é que o fluxo de pagamento é diferente: feito a cada 6 meses.

É como uma antecipação da rentabilidade encontrada.

Tesouro Selic (LFT)

É um título que se baseia na taxa Selic – por isso, muito indicado para os investidores conservadores.

A taxa tem uma meta definida sempre pelo Banco Central e isso faz com que os investidores tenha alguma previsão.

O pagamento integral é feito após o vencimento do ativo.

Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)

Nesse caso, a rentabilidade do título é dividida em duas partes: uma é fixada e a outra é atrelada ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor).

A composição quase sempre dá um retorno acima da inflação e por isso é indicado ao longo prazo.

O pagamento também é feito após o vencimento.

Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B)

Semelhante ao IPCA+, sendo que a diferença é que os pagamentos são semestrais.

Criar seu planejamento financeiro

Não invista, nunca, sem ter um plano financeiro devidamente criado, tá bom?

Um plano financeiro nada mais é do que um documento explicando qual é a sua visão do dinheiro, porque você está investindo seu dinheiro, quais são seus objetivos financeiros, etc.

Como ter um bom planejamento financeiro pessoal?

Se você se identificou com a maior parte dos brasileiros citados na pesquisa, que não poupam dinheiro, então, é preciso reconsiderar o seu planejamento financeiro pessoal.

Separamos esse tópico exclusivamente para falar disso, aliás, nunca é tarde para organizar a vida financeira.

Confira como fazer isso em subtópicos!

Se conheça

Alexandre Fragoso é do Instituto Eu Defino e diz que não basta pensar em quitar as dívidas – o ideal é mudar o comportamento desde o início.

“Sem fazer isso, a pessoa saí de uma dívida e assume outra. É necessário priorizar os gastos”.

O autoconhecimento é a chave, na opinião dele.

“Se não me conheço financeiramente, não consigo adotar uma estratégia para me organizar. Um modo simples de fazer isso é anotar os gastos”.

Dividindo as suas aplicações financeiras

O passo 4 é: depois de criar o seu plano financeiro, aprenda a dividir as suas aplicações conforme os seus prazos de seus objetivos financeiros e respeitando a sua tolerância ao risco.

Isso é possível a partir da análise do seu perfil de investidor.

E aqui entra um conceito importantíssimo de investimentos que é: investir com base em seus objetivos financeiros.

Ou seja, atrelar os seus investimentos e o prazo dos ativos da sua carteira com o prazo de seus objetivos financeiros definidos do seu planejamento financeiro.

Isso tudo é claro respeitando também a sua tolerância ao risco.

Se os seus objetivos são de curto prazo, você não pode se dar ao luxo de investir num título atrelado à inflação com vencimento em 2050. Sacou?

Afinal, você já passou do passo 2 e sabe que existe o risco deste ativo desvalorizar em curtos períodos temporais e até mesmo médios períodos temporais inferior médio prazo.

Agora, se o seu objetivo por sua vez é o de conquistar a sua independência financeira em 20 anos, então, você pode se dar ao luxo de incluir na sua carteira de ativos com vencimento em 2030.

E diversificar bastante os seus investimentos em diferentes títulos do tesouro direto.

O importante aqui é ter clareza sobre os seus objetivos, os prazos deles e sobre investir com base em cada objetivo.

Enfim, existem dezenas de diferentes cenários para o futuro, a gente não pode ter a pretensão de achar que a gente vai conseguir determinar qual o cenário realmente vai acontecer.

Então, o que nós fazemos?

Diversificamos! Desenhamos uma carteira com vários títulos e vários prazos de vencimentos diferentes, e essa é a minha principal dica aqui nesse passo.

Formalizar a sua alocação de ativos

O passo 5 nada mais do que é do que formalizar qual vai ser a sua alocação de ativos ideal para a parte de renda fixa  da sua carteira.

Porque mesmo que você saiba muito da renda variável, vai ter que ter um pouco na renda fixa também – afinal, estamos falando em investir com segurança, né.

Esse passo aqui é bastante simples: basta você pegar o que você definiu no passo 4 e formalizar isso.

E como formalizar? Escrever no planejamento financeiro qual é a divisão ideal da sua carteira de investimento por classe de ativo.

Algo mais ou menos como usar gráficos no formato de pizza, que mostram o quanto investir em percentual por cada classe de ativos do Tesouro Direto.

Não subestime o poder de colocar os planos e as suas decisões no papel.

Isso vai servir para te dar muito mais tranquilidade nas ações tomadas.

E também clareza sobre as próximas compras a serem realizadas, afinal, você vai investir todos os meses, lembra?

Abrir uma conta corrente digital e sem custos

O passo 6 é abrir uma conta digital, justamente porque ela não tem custos.

Mas, ele é um passo importantíssimo, sobretudo para o pequeno investidor que movimenta valores menores mensalmente.

A importância deste tipo de conta digital e sem custo é que ela não possui anuidade e nem custo de manutenção ou custos também para fazer transferências.

É por esse motivo que adicionamos esse passo para você!

Eu recomendo que você acumule um valor maior da sua conta corrente antes de fazer a transferência para a sua corretora para que você consiga diluir melhor o custo da TED.

Realizar mensalmente TED para sua corretora

E por fim chegamos a um verdadeiro passo final, o ultimato!

Ele nada mais é do que realizar todos os meses uma TED (transferência entre bancos) para a sua corretora.

Afinal, o último passo para saber como investir no Tesouro Direto todos os meses é essencial fazer aplicações mensais.

A importância de investir recorrentemente vai muito além do propósito desse texto.

Você realmente está comprometido em conquistar a sua independência financeira?

Então, se esse é o sonho de viver de renda no futuro, terá que o fazer.

Então, fazer um investimento esporádico e único não basta! Essa que é a fita.

Você precisa criar o hábito de poupar e investir todos os meses.

Ter a disciplina de todos os meses e investir para o seu futuro – essa é a regra.

Então, vá ao seu banco e agende uma transferência programada para a conta da sua corretora todos os meses.

Coloque essa transferência sempre para o dia ou para o dia seguinte do recebimento do seu salário para que você siga o conceito “paga-se primeiro”.

Que nada mais é do que tratar o plano para sua conquista de independência financeira como uma conta recorrente mensal.

E também você pode programar compras de títulos da plataforma do Tesouro Direto, que ela permite a você programar compras mensais de títulos.

Mas, tome cuidado!

A ideia aqui não é você comprar todos os meses o mesmo título ou a mesma quantidade de cada título…

E sim comprar os títulos necessários para seguir a estratégia de alocação de ativos,

Dessa forma sem agendar as compras pela plataforma do Tesouro Direto você acaba ficando com a liberdade em qual título ou em quais títulos investir cada mês.

E isso muda de mês a mês.

Consideração final sobre Investir dinheiro no tesouro direto

Está mais do que provado que viver de renda no tesouro direto é possível.

E logo mais vamos falar sobre viver de renda com os aluguéis dos imóveis.

Mas, para o momento, vamos considerar a vantagem desse título público na atualidade.

No cenário atual, o rendimento de um investimento em Tesouro IPCA+2024 será superior ao de uma LCI ou LCA (Letra de Crédito Imobiliário e do Agronegócio) que paguem 90% do CDI.

Isso mesmo com o recuo da inflação no ano, já que o rendimento do Tesouro Direto é em parte composto pelo resultado do IPCA (antigas NTN-B)…

Que devem, portanto, continuar atraentes em relação aos seus concorrentes financeiros.

Espera-se que até o fim do ano, o IPCA esteja em 3,46%, conforme economistas consultados pelo Banco Central.

Assim, conforme o prazo do título e da perspectiva de melhora da economia, o rendimento pode superar as LCA e LCI, que são as queridinhas do mercado.

Já que tem a isenção do Imposto de Renda e são garantidas pelo FGC em um limite de até 250 mil reais.

O atual cenário

O professor de finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA), Alexandre Cabral, mostrou que, como o atual cenário, o rendimento pode ser maior.

Isso porque o IR pode ser de 17,5% sobre o rendimento se manter um bom prazo de aplicação.

Mas, se você quer viver de juros por um bom tempo, também terá que investir em um bom prazo.

Na simulação do especialista, em um investimento de 10 mil reais o ganho líquido – já descontando o IR – seria de 784,17 para o Tesouro IPCA com vencimento em 2024.

Ou de 767,21 para LCI ou LCA de 90% do CDI, após 1 ano de aplicação.

Para um CDB (Certificado de Depósito Bancário) que pague até 100% do CDI, o ganho líquido seria de 706,20 reais no mesmo prazo.

Sendo que a maior parte das LCs estão atreladas ao CDI, esse indexador acompanha a taxa de juros, sendo o que o rendimento deve ser menor à medida que a Selic cair.

Com informações do Youtube