As 10 Melhores Dicas para Viver de Juros com Pouco Dinheiro

ANÚNCIO

Imagine você ganhar dinheiro sem ter que trabalhar! Sim, isso verdadeiramente existe e é chamado de viver de juros, que nada mais é do que ter chego ao topo do que é conhecido como independência financeira.

Este cenário te parece um sonho? Saiba que você não é o único. Porém, diferente de muitas outras pessoas, você pode conseguir realiza-lo se seguir algumas recomendações ditas por quem, simplesmente, já conseguiu.

ANÚNCIO

Sabe como? Fazendo Investimentos Financeiros.

É disso que vamos falar no decorrer deste artigo!

Na real, a maior parte das pessoas passa a vida toda seguindo um plano econômico e acabam vivendo sempre na dependência do dinheiro – a flexibilidade do mercado financeiro é o que gera infinitas oportunidades de se chegar á independência financeira.

ANÚNCIO

Isso tem a ver com viver com qualidade e ter uma vida tranquila – e isso, por sua vez, quer dizer que você poderá acompanhar de perto o crescimento da sua família e ter, quem sabe, uma casa na praia ou em Los Angeles ou onde quiser.

Agora, a pergunta-chave é: Como Conseguir Acumular Patrimônio para Viver de Juros?

Se você quer ter um futuro melhor, pense com a gente nas seguintes hipóteses…

Abrir o Seu Próprio Negócio

Se você tem um negócio que é independente financeiramente, pode controlar os seus ganhos e lucros através do mercado, com a venda de produtos ou serviços, disponibilizando-os na internet, de forma geral.

Para isso, vai precisar de um investimento inicial e alguma estrutura suficiente para por a ideia em prática. O resultado será, não obstante, fruto da administração dos ativos que o negócio vai receber.

Aí, há de se pensar ainda na Lucratividade (quando as receitas sobem e passam as despesas), o Fluxo de Caixa (que é quando se tem o lucro) e a Reserva Financeira (que é a quantia de dinheiro necessária para manter o negócio em funcionamento).

É possível? Com certeza é! Mas, vamos analisar as próximas sugestões.

Alugar Imóveis

Para quem tem uma ou mais casas, uma ideia bastante comum e tradicional é alugar esses espaços para ter uma renda mensalmente – sim, isso também é viver de juros. Mas, temos que concordar que você precisará se dispor de tempo e serviço, como encontrar inquilinos, pagar impostos, fazer reformas.

Alugar imóveis é uma das formas mais antigas de se conseguir uma renda mensal, mas com a crise econômica e a inconstante do setor imobiliário, somado ao exponencial aumento das construtoras de apartamentos, a ideia se tornou um tanto quanto trabalhosa demais.

Ainda que seja uma possível, continuamos a analisar outras opções de viver de juros.

Investir na Bolsa de Valores

É, com certeza, uma das melhores opções para conseguir viver de juros, no entanto, pense também que é um mercado muito volátil, ou seja, de grande risco. “Quem investe em ações, precisa ter estômago”, aconselha os analistas.

Então, ainda que se considere as operações de longo prazo, e considerando a análise fundamentalista, sabe-se que nem todas as empresas possuem ações com grandes alterações no seu valor.

É preciso entender sobre Small Caps, dividendos e muitas outras coisas.

Portanto, essa é uma opção de viver de juros que há de se considerar. Mas, ainda temos mais uma sugestão, leia.

Diversificar os Investimentos Financeiros

Quando você diversifica os investimentos financeiros entre a renda fixa e a renda variável, os riscos são diminuídos, ou melhor, diluídos. Isso torna a sua aplicação muito segura e totalmente rentável.

Para conseguir tal façanha, porém, é preciso ter um planejamento financeiro muito bem feito, com estratégias traçadas e objetivos definidos.

As 10 Melhores Dicas para Viver de Juros com Pouco Dinheiro

Conquistar a independência financeira não é tão complicado como dizem por aí – porém, todo mundo que tem esse sonho sente dificuldade por não conseguir sair da zona de conforto e acabam deixando o medo atrapalhar a busca pela realização pessoa e financeira.

Após toda essa introdução, você já notou que investir dinheiro é preciso para assegurar um futuro tranquilo, não é verdade? Se você ainda tem falta de conhecimento sobre esse assunto, não entre no mercado financeiro sem antes saber o mínimo dele.

Antes de começar a investir dinheiro e tempo nas aplicações financeiras em busca de mais qualidade de vida, vale a pena considerar algumas observações comentadas e ensinadas por quem já conseguiu chegar à esse patamar.

Separamos as melhores delas, confira agora.

1 – Poupar Dinheiro

É extremamente importante saber poupar dinheiro todos os meses, nem que seja mínimo. Nunca se esqueça que estamos trabalhando com juros compostos, portanto, quanto antes iniciar os investimentos, mais rapidamente o retorno virá.

Em um primeiro momento, evitar gastos desnecessários é uma medida imediata e simples de ser feito. Posterior a isso, haverá a necessidade de se pensar em formas de ganhar dinheiro extra e vender objetos em desuso, por exemplo, sempre visando a independência financeira.

2 – Pensar no Longo Prazo

Para todas as pessoas que buscam o sonho de viver de juros o resto da vida, o mais recomendável é, a partir de já, pensar no longo prazo em relação à tudo que for comprado, financiado, parcelado – o que é poupado hoje vai virar um bom dinheiro amanhã. Reconheça.

3 – Controlar os Gastos

Aqui no blog, por diversas vezes, já falamos sobre uma técnica de controlar os gastos através da técnica dos envelopes, que é recomendável para todas as pessoas – por ser fácil e simples.

Se você não a conhece, clique aqui.

Mas, se você é uma pessoa mais tecnológica, que gosta de usar aparelhos eletrônicos, então, pode ser que preferi programas de celular, os famosos aplicativos. E aí, está tudo bem, desde que esse controle seja feito de forma assertiva.

É com esse controle que você saberá para onde está indo o dinheiro, ou seja, com o que você está usando e para quais fins – a regra é que a renda sempre seja maior do que os gastos.

4 – Criar Metas e Objetivos

Quando se tem um objetivo financeiro em vista, tudo fica mais fácil de acontecer.

Estude a possibilidade de ter uma lista e traçar o planejamento de forma física, no papel, para que cada passo seja observado. O consumo imediato nunca será a melhor opção, mesmo que a principio lhe cause satisfação – mas aí você pensa: esse não é meu objetivo maior.

5 – Reserva Financeira

Uma das suas metas é ter uma reserva de dinheiro que te permita sobreviver por um curto período de tempo, que varia entre 6 e 12 meses – considerando algumas situações trágicas, como perder o emprego e ficar a mercê de uma doença grave.

Por mais simples que aparenta ser, essa fase da vida é muito importante, de modo que você não sofra com as contas vencendo, a fim de não deixar as dívidas se acumularem – falaremos disso adiante.

Nesse caso, a dica é cortar as despesas e controlar os gastos, de maneira geral, como você já sabe. O ideal, para assim fazer, é gastar o mínimo de dinheiro possível e deixar o cartão de crédito guardado à 7 chaves, para que seu uso seja totalmente limitado.

6 – Quite as Dívidas

Somar dívidas sobre dívidas cria o efeito bola de neve, o qual cria-se uma situação extremamente complicada de sair. Portanto, para quem já possui dívidas, a dica é assumir esse compromisso de quitar as dívidas – o quanto antes!

Estender o prazo de pagamento desses financiamentos, empréstimos e compras parceladas por muito tempo pode ser prejudicial, considerando as taxas de juros, que aumentam exponencialmente a cada dia. (No Brasil, essas taxas são as mais altas do mundo).

Para conseguir acompanhar essa fase da vida, considere também dar importância aos extratos bancários, controlando melhor os gastos. A construção de um plano financeiro, aliado ao orçamento pessoal é essencial para se chegar ao objetivo de viver de juros.

Pague suas dívidas. E, quanto estiver sem débitos, comece a investir fervorosamente. Isso resulta em um ganho substancial de dinheiro, com ótimos rendimentos.

https://youtu.be/mjgTFj_4MjM

7 – Considerar o Tempo e o Dinheiro

Na real, você pode conseguir o quiser no mundo, desde se dedique para isso. O mesmo vale para o sonho de viver de juros.

E em todo caso, a dedicação tem a ver com investir tempo e estudo. O maior erro de quem perde dinheiro no mercado financeiro é justamente esse – a falta de conhecimento.

8 – A Segurança dos Investimentos Financeiros

A partir do primeiro dia que você começa a aplicar seu dinheiro em investimentos, você já começa a ganhar dinheiro. Se você conseguiu quitar as dívidas, a situação é melhor ainda. Mas, aí você pensa: “Será que investir dinheiro nesse mercado é mesmo seguro”?

Em se tratando de produtos financeiros, a poupança é considerada a mais segurança, mas não deveria. Ela é garantida pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que cobre valores de até 250 mil reais por pessoa e para cada banco.

No entanto, existem produtos financeiros da renda fixa que tem a mesma garantia.

Aí, também podemos falar do Tesouro Direto, que são títulos financeiros emitidos pelo Governo Federal e, mesmo que não tenha o FGC, nem precisamos falar do quão seguro isso é, não é verdade?

Aos poucos o Tesouro tem se tornado um dos melhores investimentos financeiros, entre tantos motivos, pela segurança.

Aí, você pode perguntar: “E o mercado de ações”?

Ele também é seguro porque você terá seu dinheiro garantido pelos órgãos competentes. A questão é outra porque se trata de uma aplicação financeira arrojada, ou seja, onde tem o risco da valorização e da desvalorização.

Mas, se você conseguir evoluir os ativos, seu dinheiro sempre estará garantido e seguro.

9 – Fazer o Dinheiro Trabalhar

A liberdade financeira tem a ver com fazer o dinheiro trabalhar a seu favor, por isso, falamos sempre em investimentos financeiros.

Você poderia ganhar dinheiro de várias outras formas, como abrindo o próprio negócio ou vendendo alguns produtos que tenha feito artesanalmente… Mas isso envolveria a venda de serviço ou produtos. No mercado financeiro, basta conhecimento e nada mais.

Além disso, esse, sem sombra de dúvidas, é o jeito mais fácil.

Imagine ganhar dinheiro com a locação de imóveis. Isso seria possível? Claro que sim. Tanto é que foi assim por muito e muito tempo. Mas veja!

Atualmente, isso daria um trabalho danado – teria que passar pela imobiliária, pensar no tempo até encontrar um inquilino e fazer reformas anualmente, sem se esquecer dos impostos.

É um tanto quanto trabalhoso e, a se pensar, dependeria bravamente de como o mercado estaria se comportando.

No mercado financeiro, é muito mais simplificado. Até mesmo para aqueles que não tem tempo, que podem optar pelos fundos de investimentos, que tem gestores que fazem o trabalho de encontrar os melhores produtos, por exemplo.

10 – Deixe de Trabalhar por Dinheiro

Esse é o último passo da pirâmide do sucesso, se assim podemos falar – é o que muitas pessoas almejam. Viver de juros é possível a partir do momento em que você recebe juros dos investimentos a ponto de cobrir as despesas.

Nessa etapa, você já tem total controle do seu dinheiro e começa a diversificar as aplicações, a fim de diminuir os riscos e evitar perdas.

E, mais do que isso, não importa como você ganhou seu dinheiro durante a vida – se foi com carteira de trabalho ou trabalho informal – o importante agora é saber controlar os recursos.

Mesmo que seus recursos não ofereçam retornos espetaculares, considere que você está recebendo dinheiro e não pagando juros, como era habitual há algum tempo.

Note que você não precisará mais trabalhar por dinheiro quanto seu patrimônio acumulado for grande o suficiente para te dar uma renda mensal necessária para cobrir os gastos.

A cada mudança, precisa-se de tempo. Portanto, paciência é a palavra chave para quem quer viver de juros. Comemore cada resultado positivo que tiver e reconheça os pontos que ainda pode melhorar – o seu futuro só depende de você.

Bônus: Como Viver de Juros com um Salário de até 5 Mil Reais Mensais

No início desse ano fizemos vários cálculos e publicamos a matéria que tem o título desse bônus. O assunto é o mesmo que foi tratado durante todo este artigo, por isso, replicamos parte dele aqui, confira agora!

A simulação é feita assim: para alguém que tem uma renda mensal líquida de 5 mil reais mensais o valor acumulado precisará ser de 1 milhão de reais.

A partir dessa hipótese, você precisará aplicar um dinheiro que tenha um rendimento de, pelo menos, 0,5% ao mês. “Como 5 mil reais corresponde à 0,5% de 1 milhão de reais, a pessoa viverá com os juros enquanto durar a vida”.

As aplicações usadas foram a poupança e o Tesouro Selic, que rende mais. A simulação leva em conta ainda que o poupador começasse a viver de juros após os 60 anos, quando, em termos, começa a aposentadoria.

Os valores foram baseados em uma rentabilidade nominal de 7,5% ao ano para a poupança e de 14,25% ao ano para o Tesouro Selic.

Para ter uma Renda Mensal de 2 mil reais, o poupador precisa fazer os seguintes investimentos:

Tempo de Investimento – Aplicação Poupança (R$) – Aplicação Selic (R$)

  • 40 anos                                    141,86                               21,76
  • 30 anos                                    311,80                               83,60
  • 20 anos                                    744,48                               334,26
  • 10 anos                                    2,2 mil                               1,6 mil

Para ter uma Renda Mensal de 3 mil reais, o poupador precisa fazer os seguintes investimentos:

Tempo de Investimento – Aplicação Poupança (R$) – Aplicação Selic (R$)

  • 40 anos                                     212,80                             32,64
  • 30 anos                                     467,69                             125,41
  • 20 anos                                     1,1 mil                              501,39
  • 10 anos                                     3,4 mil                              2,4 mil

Para ter uma Renda Mensal de 5 mil reais, o poupador precisa fazer os seguintes investimentos:

Tempo de Investimento – Aplicação Poupança (R$) – Aplicação Selic (R$)

  • 40 anos                                      354,66                           54,41
  • 30 anos                                      779,49                           209,01
  • 20 anos                                      1,8 mil                            835,65
  • 10 anos                                      5,6 mil                            4 mil

Qual o principal resultado dessa simulação?

O primeiro é que quem começa a poupar cedo leva vantagem porque tem mais tempo para juntar o montante e assim, consequentemente, torna-se necessário poupar menos.

COMO INVESTIR EM RENDA FIXA: O GUIA DEFINITIVO

Correção dos Valores?

A economista comenta que é super importante corrigir anualmente a inflação.

“Não é para ver a tabela e achar que vai depositar esse valor por mês que vai conseguir esse resultado. Não, é preciso corrigir todo ano o valor da poupança pela inflação, para que o cálculo dê o deferido resultado”.

Se você deposita 200 reais mensais e no outro ano a inflação subiu 10%, você tem que passar a depositar 220 reais por mês, simples assim!

Dica Final?

É preciso respeitar o padrão de vida. Se começar a gastar demais, vai ter que tirar da reserva, aí, tudo vai por água abaixo.

Termos para ficar atento porque tem tudo a ver com os seus Investimentos

“Existem algumas pragas que dificultam muito o caminho do investidor”, afirma Andre Massaro. Então, confiram agora quais são essas pragas e como evita-las!

Inflação

A alta dos preços faz com que o dinheiro fique curto. Um investimento que pague acima da inflação é sempre muito recomendado justamente por isso. O Tesouro IPCA é um exemplo.

Desemprego

Para investir é preciso poupar e sem emprego, não tem como fazer nada disso. Nem mesmo pagar as contas. Então, essa é uma praga, das mais cabeludas, vamos dizer.

A ideia então é sempre ter uma reserva financeira e diversificar as fontes de rendas para não levar nenhum “susto”.

Dólar

Com o dólar em alta, os fundos cambiais e a compra da moeda estrangeira não são muito indicados. Além disso, com o dólar alto, aumenta a inflação e aí, voltamos para o número 1.

Impostos

“Sem dúvida é uma das piores pragas, pois mesmo que haja só alguns pecadores, aqui a punição vai para o povo inteiro. Uma saída é o planejamento tributário mas há bem pouca flexibilidade para fugir dos impostos”, afirma Massaro.

Instituições Financeiras

Se elas quebram fica ruim. A precaução é manter investimentos dentro do limite do FGC e/ou aplicar no governo. Além, claro, de ficar atento às notícias.

Transações

Elas têm custos altos, na maior parte das vezes. Então, quem investe em ações, por exemplo, paga pelas movimentações na Bolsa. Nesses casos, não tem como se proteger.

Instabilidade

Quando há instabilidade política, as empresas recuam e os investimentos também. A economia para. O jeito é se proteger aplicando em empresas que não estão ligadas aos escândalos.

Recomendações

Gerentes de bancos não são bons conselheiros. Eles querem vender os produtos, apenas. Aliás, por isso, está crescendo o movimento da desbancarização. Já conhece?

Consumo

“É como o diabo seduzindo você. Está juntando dinheiro para comprar um carro, mas a marca famosa de celular lança o último modelo e você acaba com a sua aplicação”.

Pressão

“Às vezes, as pessoas acabam contrariando suas crenças financeiras para tentar diminuir o estresse no casamento ou nas amizades”, diz Massaro.

Para se proteger desses males financeiros, então, é preciso minimizar o efeito deles, tendo uma boa educação financeira.

“Quem consegue gerenciar seus próprios recursos, vive relativamente bem em qualquer economia. Não está imune, mas consegue ficar mais resistente do que outras pessoas e até mesmo preparando para aproveitar eventuais oportunidades que surjam nas crises”, finaliza o especialista.

Com informações da ToroRadar e HábitosMilionários

ANÚNCIO