O Impulso que Faltava para Você Viver de Juros – Guia Rápido para Ficar Rico

ANÚNCIO

Este artigo foi escrito a partir de uma pergunta muito comum de muitos brasileiros: “Quanto posso Comprometer da minha Renda Mensal para Pagar um Empréstimo Financeiro”? Obviamente, teremos essa resposta no decorrer do texto, mas não sem antes fazer várias e várias ressalvas.

Essas ressalvas são, no mínimo, importantes porque a partir delas você terá uma nova visão do dinheiro. Você vai conseguir enxergar como é possível Ficar Rico sem se esforçar muito. Sim, estamos falando em Ficar Rico e ter muito.

ANÚNCIO

Bom, para sermos politicamente e financeiramente correto, não vamos pressupor um valor de riqueza e sim a congratulação de você, simplesmente, conseguir Viver de Juros.

E por que é bom Viver de Juros? Claro que é porque você terá a liberdade de fazer a próprias escolhas, sem ter que ficar obedecendo a ordens ou trabalhando até tarde da noite.

Separamos esse artigo de uma forma que ficou muito didático – ele segue uma linha de raciocínio lógico que é traçado de forma “alfabética” para os negócios. Os tópicos que seguem serão os seguintes:

ANÚNCIO
  • A Importância da Educação Financeira para Crianças,
  • A Importância de se Pensar no Curto, Médio e Longo Prazo,
  • Quanto é Possível comprometer da Renda todos os meses,
  • Quanto Preciso Ter para Viver de Renda,
  • Guia Rápido para Ficar Rico.

Se você se interessou por este artigo é porque acredita que viver de juros é possível.

E você tem toda razão em pensar assim. Afinal, após a leitura deste artigo você vai comprovar que não é tão difícil assim conseguiu juntar dinheiro o suficiente para que o rendimento seja proporcional ao seu padrão de vida atual.

Aliás, você já está na frente de muitas outras pessoas – ou, como dizem, está andando corretamente do lado oposto da boiada. Porque, para conseguir verdadeiramente Viver de Juros, é preciso buscar conhecimento, informações, entender o mercado financeiro.

E isto você está fazendo agora. Parabéns pela sua iniciativa, temos certeza que em breve, muito mais breve do que você imagina, você estará fazendo o seu dinheiro trabalhar para você e não o contrário.

Leia este artigo com bastante atenção e, se gostar dele, compartilhe com os amigos – afinal, compartilhar conhecimento sempre foi uma característica intrínseca das pessoas mais ricas do mundo, grupo no qual você poderá fazer parte no futuro.

A Importância da Educação Financeira para Crianças

O exemplo não é a melhor forma de ensinar, é a única”, Albert Schweizer.

Esse tópico é curto. A ideia é apenas a de mostrar que os pais, infelizmente, não estão preparando bem os seus filhos para o futuro. Pelo menos não, na maior parte das famílias.

Afinal, você já ouviu algum pai dizer que chama o seu filho e diz: “Hoje vamos falar sobre finanças, orçamento financeiro e fluxo de caixa”. Provavelmente não, não é verdade? Esse é um erro. Deixar a criança “protegida” e fora dos assuntos financeiros de casa é um erro fatal para o futuro.

Ou, melhor dizendo, ela não vai aprender o valor do dinheiro.

Assim como ensiná-la a não falar de boca cheia, escovar os dentes sem deixar a torneira ligada ou falar “por favor” e “obrigado” é missão dos pais, ensinar sobre o dinheiro também é.

Mesmo porque esse assunto, por importuno erro, não está nas escolas. Ou quando está, é visto de forma muito rala, quase invisível.

A Educação Financeira, assim como todo processo de educação, é algo diário.

A criança aprende o que os pais fazem, de fato. Portanto, não adianta você dizer “Economize Dinheiro” se você mesmo não faz isso. A sua disciplina será a disciplina dele, tenha a certeza disso.

Se você não sabe por onde começar, comece revendo seus projetos, suas finanças, seus investimentos no curto, médio e longo prazo. Comece por você. Tanto para você quanto para a sua família, é muito importante começar a ver a vida da seguinte forma:

  • Valor – das coisas vai muito além do preço delas,
  • Celebrar – cada conquista é importante e não dar presente a qualquer hora,
  • Recursos Finitos – todos acabam, portanto, é preciso gastar com sabedoria,
  • Poupadores – são recompensados e os devedores são punidos pelo mercado,
  • Negociar – sempre é possível e gera economia de dinheiro,
  • Equilíbrio – também é palavra de ordem na vida financeira,
  • Repartir – também é possível de acontecer no mercado financeiro.

Para terminar o tópico, não esqueça jamais que o impulsionador da educação infantil sempre será os pais. O seu exemplo é muito valioso. Isso fará todo sentido quando você disser que é necessário poupar dinheiro para a viagem do fim do ano, por exemplo.

A Importância de se Pensar no Curto, Médio e Longo Prazo

Esse tópico também é breve e vamos mostrar um único exemplo de como é preciso pensar em diferentes prazos – a se levar em conta outra dúvida de leitores: “Quero fazer um Curso daqui 2 anos, Como me Preparar”?

Levando em conta que os MBAs são objetivos de carreira profissional, temos que considerar que a análise vai incluir uma lista de programas que atendam à sua necessidade, a começar pelo planejamento financeiro, obviamente.

Quem tem essa dúvida precisará pensar no valor das matrículas, nos gastos de manutenção do programa, localização, hospedagem, alimentação, plano de saúde, transporte, lazer, despesas extras, além do próprio custo do MBA.

A combinação de todos esses pontos sobre o curso e as opções de investimentos financeiros é que fará você ter um bom planejamento. Nesse caso, todo aperto financeiro se valerá por um intercâmbio ao exterior, por exemplo.

Mas e se o objetivo financeiro fosse uma aposentadoria, para daqui 20 anos?

Com certeza, os moldes seriam diferentes.

Enquanto um MBA de 2 anos é considerado de curto prazo, a aposentadoria é algo longo, por um período bem maior. Então, nesse caso, o valor inicial para investimentos, por exemplo, não precisaria ser algo grandioso e aplicar um pouco por mês já seria suficiente.

Mais importante do que entender os prazos é compreender a importância de se objetivos financeiros. Uma viagem ao exterior, a aposentadoria, comprar um carro, pagar a faculdade do filho… Tudo isso são objetivos resta colocar prazos neles.

Mas, como o assunto aqui é viver de juros, levaremos isso em consideração no decorrer deste texto.

Quanto é Possível comprometer da Renda todos os meses

Essa é a pergunta que originou este artigo e poderia sim estar no início do artigo, mas deixamo-la aqui propositalmente. Ter Educação Financeira é Importante e Ter Objetivos Financeiros também. Então, quanto comprometer para empréstimos?

Na real, tudo vai depender dos seus esforços para com os objetivos já traçados. Se você está juntando 30% do seu salário para o MBA, obviamente terá pouca porcentagem para fazer um empréstimo financeiro.

Mas, vamos falar de forma geral – os especialistas recomendam que nunca se use mais do que 30% do salário mensal para pagar empréstimos e, o grande detalhe é que nesses empréstimos estão incluídos os financiamentos e as compras a longo prazo (do cartão de crédito, por exemplo).

Pronto, a resposta está aí.

Aliás, quando as dívidas (empréstimos, financiamentos, compras parceladas) representam mais de 50% do salário, então, os especialistas consideram caso de endividamento.

Outro grande segredo: o custo do empréstimo costuma ser inversamente proporcional à burocracia necessária para adquiri-lo. Isso mostra que esse “objetivo a longo prazo” pode parecer ser fácil de alcançar, mas com os juros o caminho fica bem mais árduo.

O Grande Questionamento aqui é: não estamos levando em conta qual o motivo do seu empréstimo, que pode ser para quitar dívidas por exemplo, mas se você tem todas as possibilidades de fazer esforços para poupar dinheiro em 30% do seu salário porque não consegue fazer isso para aplicar em investimentos financeiros?

Essa é uma pergunta que está posta de forma incorreta na vida dos brasileiros, confira a diferença:

  • Quanto posso comprometer da minha renda para um empréstimo?
  • Quanto posso comprometer da minha renda para um investimento?

Muda uma palavra agora, mas muda todo o sentido da sua vida.

Se você ainda quer viver de juros e acha que isso é possível, vai precisar começar a fazer a segunda pergunta a si mesmo todos os dias.

Já sobre os empréstimos, se for fazer que faça para um bom fim, como quitar as dívidas e nunca para comprar passivos financeiros, que são perca de dinheiro, como carros, objetos, produtos, enfim.

Quanto Preciso Ter para Viver de Juros

Será que com 100 mil reais eu já consigo viver de renda? Na real, provavelmente não.

A liberdade financeira vai vir, vai acontecer e você vai conseguir viver de juros a partir do momento em que mudar alguns padrões de vida – disso vamos falar no tópico seguinte. M

as, aqui, você precisa entender que você tem que estar disposto a alcançar esse objetivo financeiro.

Apenas para concluir a resposta acima, com 100 mil reais investidos em uma LTN, do Tesouro Direto, que tem rendimento acima da inflação, daria uma mensalidade de 500 reais. Isso não é suficiente para você viver de juros, é?

Mas, então, quanto juntar?

No decorrer da semana teremos um artigo muito especifico falando disso. Mas, para leitura imediata, consideremos as seguintes possibilidades.

Investindo no Tesouro IPCA+ (Nota do Tesouro Nacional Série B), para ter uma renda de, pelo menos, 2 mil reais, você teria que somar uma quantia de 538 mil reais em investimentos. Se quer viver com uma renda de 5 mil reais, tem que somar mais de 1,3 milhão de reais em aplicações.

Já se você optar por um fundo que mescla os títulos públicos com os privados, para conseguir a mensalidade de 2 mil reais, teria que ter 430 mil reais investidos ou 1 milhão em aplicações para uma renda maior, de 5 mil reais mensais.

Como Juntar 1 Milhão de Reais?

Essa pergunta parece desesperado demais, não é? Desse jeito você nunca vai conseguir viver de juros, parece. Mas, vai sim. Com disciplina e foco, você consegue juntar esse dinheiro bem mais rápido do que imagina.

Sabe aquele dinheiro, 30% que você usaria para empréstimos, que tal se começar a aplicar ele em algum investimento financeiro? Soma-se à isso o seu 13º salário e algum valor extra… Em pouco tempo você tem o suficiente para viver de juros.

O Guia Rápido para Ficar Rico abaixo tem justamente esse fim – mostrar como é possível juntar dinheiro a fim de formar uma reserva para que o rendimento seja o suficiente para ter uma vida a base de juros, com salários a partir de 2 mil reais.

Quer apostar como você consegue isso em um prazo não muito longo? Leia abaixo!

Guia Rápido para Ficar Rico

Gastar menos do que se ganha, poupar dinheiro, economizar dinheiro, investir dinheiro…

Tudo isso é importante para alcançar os objetivos financeiros. Se o seu objetivo é viver de juros, saiba que você não precisa ficar torcendo para ganhar na loteria ou participar de um reality show.

Você pode conseguir isso através do seu próprio esforço – com planejamento financeiro e disciplina, o que obviamente está ao seu alcance, não é?

Confira essas dicas para você conseguir viver de juros, viver de renda, viver de investimentos financeiros ou como queira chamar essa Liberdade Financeira.

Reveja o Seu Padrão de Vida

Se as contas não estão batendo e o saldo sempre fica no vermelho. Algo vai mal e você precisa rever isso imediatamente. Repense o seu padrão de vida porque com certeza você está gastando mais do que ganha.

Cortar gastos é o foco, nesse caso. Veja tudo que é supérfluo ou que não é essencial para a vida e corte, elimine, reduza.

“Pode parecer difícil, mas é fundamental observar que não é sustentável viver uma realidade que não é a sua”, diz Reinaldo Domingos, do Dsop Educação.

Analise os Pequenos Gastos

É importante atentar-se aos pequenos gastos que podem parecer ingênuos, mas logo transforma-se em vilões. Quem tem a missão de juntar dinheiro, não pode gastar 600 reais por ano com os famosos cafezinhos nas padarias todos os dias.

Essas pequenas compras, feitas de formas desordenadas, acabam se tornando verdadeiros ralos por onde escoam as economias financeiras.

Domingos diz que, na média, 25% dos gastos mensais são supérfluos ou desnecessários: “As pessoas sempre dizem que não têm mais de onde reduzir gastos, mas, ao fazer uma boa análise, observam que é possível”.

10 vícios que podem acabar com o seu dinheiro

Diagnóstico Financeiro

Para conseguir encontrar os gastos extras, Domingos diz que é preciso fazer um diagnóstico da vida financeira por, no mínimo, 30 dias, anotando tudo que gasta e separando os itens das despesas – na real, a realidade vai ser muito diferente do que se imagina.

“Ressalto que não deve virar escravo dessas anotações, pois, quando vira rotina, perde a eficácia”.

Quite as Dívidas

Para investir dinheiro, você não precisa eliminar todas as dívidas, mas pode encontrar alguma forma de conseguir pagá-la simultaneamente.

A ideia é juntar todos os saldos devedores em uma única conta, onde a parcela caiba no seu bolso, sem que destrua a competência de aplicar o dinheiro mensal.

Observe que uma dívida que tenha 0,3% de juros, no longo prazo, é excepcionalmente mais vantajosa do que uma dívida com 0,5% de juros.

Na hora de renegociar dívidas, barganhe. Fale com os credores, encontre taxas baixas e nunca assine nada que não seja possível de ser pago.

Priorize os seus Sonhos

As pessoas costumam deixar para poupar para o objetivo financeiro quando sobra dinheiro no final do mês, mas isso é errado. Se você está fazendo assim, dificilmente vai conseguir chegar até os seus sonhos.

“Recomendo que, a partir de agora, mude o modelo mental relacionando a forma de fazer um orçamento financeiro. É chegada a hora de priorizar aquilo que realmente importa, os sonhos e as metas pessoas e familiares”, aconselha.

Para resultados diferentes, é preciso atitudes diferentes.

Orçamento Diferenciado

Depois de observar como é o seu orçamento financeiro hoje, é preciso começar a poupar dinheiro imediatamente. Domingos diz que as pessoas fazem uma conta errada, da seguinte forma: ganhos – gastos = lucro ou prejuízo.

“Não adianta esperar que, assim, sobre algum dinheiro ao final do mês para poupar”. Pode parecer ideal, mas o especialista diz que isso só leva à frustação já que a maioria, dessa forma, não consegue realizar os sonhos.

O ideal, para ele é a seguinte fórmula: ganhos – sonhos – gastos.

Assim, não haverá prejuízo e as contas vão bater, já que você estará priorizando os seus objetivos financeiros e ajustando-o ao seu padrão de vida ao valor que sobrar.

Para conseguir seguir essa fórmula, o ideal é retirar a parte que vai poupar mensalmente assim que receber o salário, colocando-a na melhor opção de investimento, conforme o prazo.

Ganhe Mais Dinheiro

Se as contas ainda não estão fechando e mesmo fazendo essa fórmula você não está conseguindo alavancar a vida financeira, uma alternativa que costuma dar certo é ganhar mais dinheiro, aumentando a renda mensal e os lucros do negócio.

Para isso, você não precisa sair do seu trabalho, mas pode pensar em algo alternativo para fazer nas horas vagas. Tente encontrar alguma atividade que sinta prazer e que consiga conciliar com o seu trabalho e a sua vida pessoal – talvez costurar para fora ou fazer marmitas fitness.

Além disso, se você já é um empreendedor, pode tentar encontrar formas de agregar valor ao seu produto, buscando soluções imediatas ou aumentando o número de pedidos recebidos.

Invista no seu Conhecimento

O conhecimento é tudo aquilo que agrega valor ao que você já sabe. Aliás, ele pode até mesmo mudar a sua forma de pensar. Ler este artigo é uma forma de buscar conhecimento – talvez você não sabia, até então, que com 430 mil reais seria possível já começar a viver de renda, não é?

Para escolher o melhor investimento financeiro para o seu perfil – a busca pelo conhecimento tem que ser ainda mais incessante porque existem vários tipos e opções. Onde, não tem certo ou errado e sim aquele que melhor se adapta ao seu objetivo.

E esse conhecimento financeiro é fácil de ser encontrado – livros, workshops, vídeos, e-books, livros, apostilas, textos, artigos, imagens, páginas. Está tudo aí, na mão. Basta ter interesse, disciplina e vontade de aprender.

A melhor maneira de você escolher um produto financeiro é você conhecendo o mercado financeiro.

Por exemplo, quando se tem interesse em buscar ativos que realmente tenham bons rendimentos, ninguém fica investindo na poupança, em previdências privadas ou em títulos de capitalização.

Se você faz isso, precisa começar já a buscar o autoconhecimento. Faça agora!

Pense no Curto, Médio e Longo Prazo

É importante que tenha, pelo menos, três sonhos ao mesmo tempo: um de curto prazo (até 2 anos), um de médio prazo (até 5 anos) e um de longo prazo (maior do que 5 anos).

“Veja que é muito mais uma questão de mudança de comportamento do que saber fazer contas ou ter que se privar de algo. Quando temos metas bem definidas em nossas vidas, poupar não se torna um martírio e sim um estilo de vida, que levará a muito mais realizações e conquistas”, afirma Domingos.

Aqui, vale ainda a recomendação de que seus objetivos tem que estar bem delineados, ou seja, tem que ser mensuráveis. Você dizer que quer ficar rico é algo muito amplo, mas dizer que quer viver de juros daqui há 15 anos já é algo bem mais palpável para dar certo.

O objetivo tem que ser aquele que seja firme, breve e que não mude conforme o seu humor: “Hoje quero comprar uma casa”, passa um dia e: “Hoje quero comprar um carro”. Já na semana seguinte: “Eu queria mesmo era viajar para a Inglaterra”. No outro mês: “Quero vive de juros”.

Tenha foco: “No longo prazo, até 2030, quero conseguir acumular um patrimônio de 1 milhão de reais”. Isso é uma meta bem traçada. Aí, a pergunta que fica é: o que você tem feito para chegar ao seu objetivo financeiro?

Para finalizar este tópico, podemos falar também em diversificar investimentos. Oras, se você tem um objetivo a longo prazo, o seu investimento será um. Se tem outro a curto prazo, o investimento pode ser outro.

Mais do que isso, diversificar investimentos é minimizar os riscos – quando um rende menos, o outro rende mais e assim você equilibra sua carteira. Pense também sobre isso.

Conheça os Tipos de Investimentos Financeiros

Os investimentos financeiros são meios que todos nós temos para atingir nossos objetivos. Entendeu? São meios e não o fim.

Eles vão nos levar até onde queremos chegar. Se o foco é a viver de juros, então, eles impulsionam uma quantia para que o rendimento seja suficiente para bancar nossos gastos mensais.

Eles são o transporte e não a chegada, foca nisso.

Daí tem um detalhe importante: como você chega ao seu destino? De trem, de navio, avião, carro, bicicleta, a pé, de helicóptero, de disco voador? Se os investimentos financeiros são o caminho para a viver de juros, os ativos são o meio de transporte.

E existem vários: da renda fixa e da renda variável. Lógico que os mais rápidos são os mais perigosos, portanto, tudo vai girar em torno do retorno-risco e aí, adivinha, para escolher você tem que ser o seu perfil, o seu objetivo, a sua coragem.

Viver de Juros: Quanto eu Preciso

Por fim, você tem que saber quanto precisa para viver de juros. Nós fizemos alguns cálculos MUITO SIMPLES na parte superior deste artigo, mas a ideia era apenas de mostrar como é possível ter um horizonte a seguir.

Com 430 mil reais já dá para ter uma renda de 2 mil reais por mês, por exemplo. E assim por diante, quanto mais dinheiro investido, maior a mensalidade que você tem direito. O importante é buscar formas de fazer essas contas e encontrar o seu valor.

Pode parecer muito juntar dinheiro desse tanto, mas verdadeiramente não é.

Por exemplo, você consegue dispor de 100 reais por mês? Então, se você faz isso por 30 anos em uma aplicação que tenha um rendimento mediano, com certeza, já fica milionário. Se o valor for maior, o tempo pode ser menor.

É assim que funciona. É a mágica dos juros compostos.

Você só tem que aprender a trabalhar com o tempo e saber economizar dinheiro. Seguindo esse guia corretamente você consegue isso muito facilmente. Bora viver de juros?

Bônus – Como Entender os Juros Compostos?

Se você é daquelas pessoas curiosas e já entende como é possível viver de juros, pode ser que esteja se perguntando: “Mas como o dinheiro se multiplica dessa forma nos investimentos financeiros”? A resposta é muito simples: através dos juros compostos.

A nossa parte principal do artigo já terminou, mas se você quer entender como os juros compostos funcionam, pode continuar lendo a partir daqui.

Juros Compostos é o famoso Juros sobre Juros

Nos Juros Compostos, a cada período é acrescentado um valor de juros proporcional ao valor que você já acumulou. Ou seja, você recebe uma taxa de juros sobre o valor que tem acumulado. Isso vai aumentando a cada período. Algumas pessoas os chamam de Capitalização Acumulativa.

Como Ficar Rico?

Esse nome é derivado do fato de que o seu valor deixa de ser apenas uma taxa e se torna um capital, é o lucro sobre juros.

Ele é aplicado tanto para dívidas quanto para investimentos, sendo assim, o banco também utiliza essa mesma matemática tanto na cobrança quanto na remuneração de investimentos.

Aqui, então, é preciso entender que seja em ganhos ou perdas, o crescimento é exponencial e geométrico.

Vamos dar um exemplo simples. Você empresta 300 reais à uma instituição financeira, que paga juros compostos de 3% ao mês. Qual será o seu capital após 6 meses? Funciona assim: Os 300 reais iniciais serão 309 no final do primeiro mês.

Depois, os 3% de juros serão sobre os 309 reais e não sobre os 300 reais apenas, certo? Então, no final do segundo mês, você terá um valor de 318,27. Mais adiante, você fará 3% em cima dos 318 reais. E assim, por diante. No final de 6 meses, você terá 358,21.

Fórmula dos Juros Compostos

Geralmente, o melhor modo de calcular os juros é usando uma calculadora financeira ou em planilhas do excel. Existe ainda quem prefira fazer com o lápis e o papel. Por isso, não importante a forma porque a fórmula é uma só.

E no atual sistema financeiro, os juros compostos tornaram-se a base das comercializações, seja pelas instituições bancárias de cobrança ou recebimento.

Tanto é que hoje esses conteúdos são citados essencialmente em grades curriculares do ensino médio nacional, sendo até destaque nas grandes avaliações educacionais brasileiras, como o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio).

Reprodução: Google
Reprodução: Google

Não é a toa que os grandes bancos brasileiros estão entre as instituições financeiras mais lucrativas de capital aberto da América Latina e também dos Estados Unidos. E também não é a toa que Albert Einstein, disse que Os Juros Compostos são a maior força do universo:

O Juro Composto é a maior invenção da humanidade porque permite uma confiável e sistemática acumulação de riqueza”.

Por sinal, como já vimos, o Juros Compostos é calculado sobre o montante obtido no período anterior. Então, agora sim, segue a fórmula universal:

M = C. (1+i)  ͭ

Sendo M o montante, C o capital, i a taxa e t o período de tempo.

Já para encontrar apenas o valor dos juros, basta que façamos a subtração do capital inicial do montante encontrado. Da seguinte forma: J = M – C.

Como Calcular os Juros Compostos

Ele, normalmente, não é calculado para pagamentos iguais, mês a mês. É um valor que vai crescendo, de forma exponencial. Vamos fazer um exemplo com um empréstimo de mil reais, com juros compostos de 5% ao mês e um tempo para quitação de 5 meses.

Substituindo as siglas acima, teremos: M é o valor que queremos saber, C equivale a mil reais, i é 0,05 (ou seja 5% de juros) e t equivale aos 5 meses.

Então, M = 1000 . (1+0,05) ⁵ , ou seja, M = 1.276,28 reais.

Esse é o valor que você vai pagar, sendo mais de 250 reais em juros.

Detalhe: Você empobreceu 250 reais e o seu banco enriqueceu esse mesmo valor.

Detalhe 2: Veja como o tempo é importante! Por isso, sempre digo que se financiar algo já é ruim, se fizer por muito tempo, pior ainda.

Por que digo isso? Quanto mais tempo você fica pagando juros sobre juros, mais você pagará até o ponto em que a porcentagem dos juros sobre os juros fique maior do que dos juros sobre o capital.

Com informações da Globo e Infomoney

ANÚNCIO