Passo a Passo para organizar a vida financeira após o divórcio

O momento não é fácil para nenhuma pessoa. Algumas sofrem por um longo tempo e outras conseguem superar o desafio mais rapidamente. O fato é que as finanças não podem esperar.

Aqui no blog falamos muito de quando duas pessoas decidem morar juntas. No começo é um pouco difícil, mas com disciplina, a união faz a força e o planejamento financeiro fica positivo. Mas, e quando o oposto acontece?

No caso da separação, além do desgaste emocional, como organizar as contas, as rendas, o dinheiro? Essa vai continuar sendo uma tarefa que exige disciplina – e isso não é simples.

Provavelmente, você não vai ter com quem dividir as contas. Porém, isso não quer dizer que você precisa entrar em estado de endividamento, afinal, os gastos também serão menores.

Se você está passando por um momento como esse, precisa ler este passo a passo que é muito simples. Se você não tem problemas na vida conjugal, mas conhece quem tem, vale a pena compartilhar esse conteúdo.

O objetivo é um só: mostrar como é possível organizar a vida financeira após o divórcio.

Entenda como será feita a divisão dos bens

Apesar de ser um momento muito difícil, você vai precisar falar com o seu ex-companheiro, ainda que isso seja feito por meio de um advogado.

Defina como vai acontecer a divisão dos bens: casa, carros, pensão. Aliás, quem vai ficar responsável pelas contas dos filhos? Mensalidade escolar e plano de saúde são caros. Tudo isso precisa ser considerado e estar em “contrato”.

Só a partir disso será possível organizar a nova vida financeira.

Leve em conta as contas bancárias

Alguns casais optam por fazer contas conjuntas e compartilham do mesmo cartão de crédito.

Agora, ao pensar em um novo cronograma financeiro, é essencial que todas as contas sejam individualizadas, sem que haja vínculos bancários.

Em caso de conta conjunta, o ideal é cancelar ela. Se apenas um ficar usando pode ser complicado e gerar problemas futuros. Evite as surpresas desagradáveis com movimentações estranhos ou compras indevidas.

Reveja todos os Créditos em Comum

Além das contas bancárias destacadas acima, alguns casais também tem débitos ou créditos em comum – o ideal é que eles sejam totalmente pagos. Afinal, as dívidas vão continuar a existir e não serão regularizadas sozinhas.

Confira o valor que falta a ser pago e entre em acordo conjugal.

Para se ter uma ideia, há a partilha de habitação, que é uma questão pertinente e envolve debate antes da tomada de decisão.

Geralmente, o que costuma acontecer é que o imóvel declarado fique com um dos membros. Tudo vai depender do crédito, do banco, da forma de contratação. Por isso, ainda que não seja comum, o mais recomendável é que se faça a venda do bem.

Isso faz parte da divisão dos bens, como falamos acima.

Faça um novo Orçamento Financeiro

Essa é a primeira coisa a se fazer – mapeie novamente todas as suas despesas e a sua receita disponível. Para isso, use aplicativos de celular ou crie planilhas de orçamento no excel. As duas formas dá certo desde que você realmente use com eficiência.

“É preciso focar no que é essencial, nas necessidades primordiais. O objetivo é encontrar um custo médio, a partir disso você vai incluindo outros tipos de gastos”, orienta Eliza Lippe, que é especialista em contabilidade e gestão financeira na IBE-FGV.

Como não deixar faltar dinheiro em casa e Prosperar em 3 passos

Saiba, exatamente, quanto você ganha

Pode parecer simplista demais, mas muitas pessoas superestima o quanto ganha, considerando ainda que há uma porcentagem muito grande de impostos que diminuem a renda.

A principal regra do planejamento financeiro tem a ver com ganhar mais do que se gasta – para que as contas fiquem no azul.

Considere a nova Economia Doméstica

As anotações sobre as despesas são importantes e precisam ser feitas com seriedade. Inclua tudo: as contas fixas, variáveis e a porcentagem que elas representam no salário mensal.

Com isso, mês a mês você poderá comparar os seus gastos:

  • Será que eles aumentaram?
  • Será que diminuíram?
  • Estão iguais?

Com as respostas você vai entender o que precisa ser cortado ou reduzido.

“É uma forma de ver como você pode economizar, onde está gastando mais dinheiro do que deveria. Pode ser o chuveiro ligado por muito tempo, a máquina de lavar roupa”, diz.

Repense o seu Espaço Físico

Você vai ter que reavaliar o lugar onde vive – provavelmente vai precisar de um lugar menor e mais econômico.

Se, por direito, você ficou no seu antigo lugar, no qual vivia com seu cônjuge, vai precisar alugar alguma parte da casa ou simplesmente alugar para viver em outro local.

Manter os custos de uma casa ou apartamento maior do que a necessidade certamente vai apertar no seu bolso.

Cuidado com as despesas fora de casa

Os jantares fora de casa, cinema e os passeios caros podem corroer o seu orçamento financeiro. Porque, mesmo que você seja uma pessoa financeiramente organizada, o aumento das contas e a reavaliação das despesas em geral impactam o seu bolso.

Considere que ter divertimento, lazer, convívio social faz parte da vida de qualquer pessoa e assim tem que ser, mas tudo com moderação.

Os sacrifícios devem acontecer para organizar a vida financeira, mas lembre-se que agora, durante o divórcio, você precisará muito dos seus momentos de lazer, alegria.

Nunca pare de sonhar

A vida continua. Os momentos ruins sempre vão acontecer, mas a vida continua.

O mais importante para você é criar novos sonhos. Aproveite o momento para desenhar novos objetivos, faça o que você sempre quis fazer, invente uma viagem especial, dê continuidade aos estudos, renove a carreira, prepare-se para uma aposentadoria tranquila.

Tenha novas formas de aumentar a renda

O tópico acima, sobre nunca parar de sonhar, tem a ver com conseguir novas formas de ganhar dinheiro. Você não precisa sair do seu trabalho, mas pode encontrar algum tempo para se dedicar a algum hobby, por exemplo.

Já pensou em usar seu período noturno para fazer um curso de receitas de doces… E depois começar a vender isso? Já pensou em estudar a bolsa de valores, como você sempre sonhou?

Invente formas de ganhar dinheiro, dedique seu tempo para estudar como fazer isso.

Investir Dinheiro ainda é “coisa de homem”?

Não mais! Pelo menos é o que mostra uma pesquisa da XP Investimentos, que mostrou que a participação feminina tem trilhado uma evolução constante nos últimos anos, e já representa cerca de 20% do total de contas ativas da corretora. O

número é constatado também pelos cargos de empregos formais, que dependente de grande poder de decisão, dos quais as mulheres têm se destacado.

“Por uma questão cultura que carregamos do passado, sempre foi mais comum os homens cuidarem da parte financeira, uma vez que ele era o principal provedor de renda e a mulher ficava mais voltada ao amparo da família”, comenta Suelen Kath, da Manchester Investimentos.

E continua: “O que precisa ficar claro é que a mulher tem uma elevada contribuição na sociedade, e precisa cada vez mais saber se está investindo corretamente, seja de forma independente ou familiar”.

Invista na sua vida e no seu futuro

Quando você era casado, você tinha o hábito de fazer investimentos financeiros? Se tinha, melhor continuar com ele. Se não, comece já! Aconselha-se ter uma aplicação para o longo prazo, por exemplo, pensando na aposentadoria.

Apesar de ser um tempo de mudanças, esse não é o fim do mundo.

“A criação de um plano financeiro e de uma estratégia de investimento é apenas o passo inicial para alcançar seus objetivos financeiros. Já na condição de recém-solteiro, algumas obrigações financeiras que eram de responsabilidade do cônjuge são suas”, diz Robert Stammers, do CFA Institute.

Passo a Passo para organizar a vida financeira após o divórcio
Reprodução: Google

Bônus – Problemas com Dinheiro é a principal causa dos divórcios

Ano novo, vida nova! Essa é a ideia. Como é bom poder recomeçar a vida. Mesmo sabendo que ela é cíclica e nunca para, em cada começo de ano, em cada janeiro, nós fazemos uma listagem de promessas e propostas para os próximos 12 meses.

Os objetivos envolvem de tudo: encontrar um grande amor, realizar aquela viagem dos sonhos, se recuperar de um problema de saúde ou, para os mais agradecidos, continuar com uma vida bem vivida.

E para você, que já tem uma família, nada como imaginar os próximos dias do ano ao lado dessas pessoas que você tanto ama. E isso é muito (muito) importante mesmo para conseguir ter uma vida tranquila e equilibrada.

A participação da família (e também dos amigos) pode ser uma resultante direta no seu direcionamento pessoal e profissional.

Educação Financeira: o que falta para sairmos das dívidas e sermos bons investidores?

Porém, infelizmente, o que sabemos hoje é que a maioria dos casais (e da família) se desconstrói, na maioria das vezes, por causa do dinheiro. Ou então, da falta dele. E, podemos dizer mais, as vezes nem é a falta dele, e sim, a falta de planejamento.

Isso é quase que instintivo para o brasileiro: gastar mais do que se ganha. É a “mania” de viver a vida, viver o hoje, sem se preocupar com o dia de amanhã.

E isto não está errado, de forma alguma. Essa visão faz parte da personalidade de cada pessoa. Assim como uns preferem a lua e outros, o sol.

É totalmente aceitável. Mas, precisamos trabalhar em cima de fatos e dados. E o que temos em mão hoje é: o principal motivo dos divórcios é causado por problemas financeiros.

Educação Financeira

Para seguir qualquer dos passos citados acima, você e sua família, vão precisar quebrar alguns paradigmas sobre o mercado financeiro. Aquilo que aprendes com os nossos pais, por mais sinceros que eles sejam, já não se aplica, em grande parte, nos dias de hoje.

Quer um exemplo?

Guardar Dinheiro na poupança já não é o mais indicado, comprar imóveis para alugar também não é uma coisa muito sensata a se fazer (Alugar Imóvel ou Comprar Casa) e, por fim, a previdência privada já não tem os mesmos méritos de antes (7 Mentiras que os Bancos Contam).

A Educação Financeira não é uma teoria matemática que usa fórmulas fixas, ao contrário, ela está mais para uma ciência humana que se modifica com o tempo.

E, por isso, você deve sempre estar antenado para buscar as melhores maneiras de deixar a sua família equilibrada economicamente.

Se você ficou com dúvida sobre os investimentos, temos duas opções para você ler e saber mais.

O primeiro é um Guia Completo Sobre a Renda Fixa, que tão segura quanto a poupança, tem maior rentabilidade (talvez você já tenha ouvida falar sobre Tesouro Direto, CDB e Fundos).

O segundo é sobre um curso para investir com Risco Zero, aqui, a questão é voltada para os mais arrojados que gostam do mercado de ações.

Por fim, um resumão, para você não se esquecer de como ter um bom planejamento financeiro familiar: conversar com a família, ser organizar, verificar receitas e despesas, cortar gastos, pagar dívidas e investir.

Essa é a fórmula do sucesso para botar um sorriso em cada um dos integrantes da sua família e não fazer parte da grande maioria que chega ao triste divórcio.

Para Saber Mais

Se você gostou desse texto e quer todas as informações na palma da sua mão, baixe o aplicativo SR Invest.

Lá tem informações diárias e, além disso, é possível simular investimentos para ver qual te mais rentabilidade. Sobre esse aplicativo, fizemos uma matéria recentemente explicando como usar e quais os benefícios. Leia.

Com informações da UOL, Infomoney