Veja o que as pesquisas dizem sobre as vendas na Black Friday brasileira no pós-pandemia

ANÚNCIO

Que o ano de 2020 foi atípico todo mundo sabe. Porém, o comércio todo espera que os próximos meses sirvam como uma espécie de “retomada da economia”. Pensando nisso, as vendas na Black Friday brasileira e do Natal são as maiores apostas dos lojistas e comerciantes.

No entanto, será que as pesquisas indicam mesmo esse otimismo do mercado? De uma coisa nós temos certeza: a data é muito esperada por quem venda e também por quem compra. Afinal, quem é que não gosta de um descontou ou comprar mais barato, né?

ANÚNCIO

Porém, temos ainda um outro ponto a ser observado. Por exemplo, a redução de salários. Logo, fica uma certeza para os próximos dias, meses e eventos comerciais, como é o caso da Black Friday, que é assunto principal dessa matéria.

E para que a gente tenha uma ideia mais assertiva, vamos nos basear em pesquisas, estudos e comentários que são feitos a partir disso. Bora lá.

As expectativas, conforme pesquisas

Antes dos números, saiba que o comércio eletrônico está otimista. Logo, a primeira pesquisa que temos aqui é a da Compre&Confie. Ela diz que o e-commerce brasileiro faturou R$ 9,4 bilhões em abril e isso é um aumento de mais de 80% em relação a abril de 2019.

ANÚNCIO

Bom, o dado é resultante das medidas de isolamento social, de fato. Inclusive, esse mesmo dado pode dizer que o consumo nos próximos meses poderá seguir a tendência – que é de alta.

Outra pesquisa é da TracyLocke Brasil, que foi feita junto com a Behup. Assim, os números mostraram que 43% dos brasileiros estão pensando sim em comprar na Black Friday. E desse total, 67% dizem que vão em busca de comprar pagando menos.

Então, isso é bom, não é? É bom. Porém, o número fica abaixo do que foi mostrado no estudo do ano passado, quando 80% dos entrevistados afirmaram que aproveitaram a data para comprar. De qualquer modo, é um número positivo.

O que pode impactar as vendas, conforme pesquisas

Agora, considere que há alguns fatores que também podem impactar muito nas vendas na Black Friday brasileira desse ano. Logo, um levantamento feito em parceria com a MindMiners, chamado de “Pesquisa e Audiência do UOL AD LAB”, mostrou esses pontos:

  • 42% diz que está contendo gastos por conta da pandemia
  • 26% afirma que não precisa de nada no momento
  • 17% não acredita que os descontos sejam verdadeiros
  • 10% avalia que os descontos da Black Friday são atrativos

Em resumo, o que podemos dizer é que o cliente está sim mais cauteloso do que no último na. Logo, ele está prestando mais atenção no seu padrão de consumo e isso pode impactar as vendas, ao que indica os especialistas.

O perfil do consumidor durante a Black Friday

E já que falamos sobre o consumidor, o que mais podemos analisar sobre as vendas na Black Friday brasileira? Que há pesquisas que falam sobre os comportamentos ou perfis dessas pessoas. Logo, isso é importantíssimo para quem vende online ou na Black Friday.

A Inteligência do Mercado da Globo entrevistou 1,7 mil pessoas e conseguiu uma amostragem de dados relevantes sobre a tendência do consumo. Assim, conforme a pesquisa, saiba que 68% dos entrevistados dizem que farão compras nessa data.

Além deles, outros grupos falaram também. Sendo assim, 35% dizem que ainda não possuem certeza sobre isso. E outros 23% garantem que não vão comprar nada no evento.

Logo, os analistas do estudo acreditam que, de fato, os consumidores estão mais reflexivos e conscientes sobre o consumo. Tanto é que mais de 50% disse que vai priorizar marcas que tiveram ações positivas durante a pandemia. E 55% garantem que usarão canais digitais.

Os produtos em alta na Black Friday

E para irmos finalizando a matéria citando pesquisas e estudos, vamos continuar com a da Globo. Mas, agora para falar sobre as vendas na Black Friday brasileira pensando no tipo de produto que pode ser mais comercializado durante esse dia.

Assim, entre as categorias de maior interesse da população, conforme pesquisa, temos:

  • Roupas e acessórios (31%)
  • Smartphones (30%)
  • Eletrônicos (30%)
  • Calçados (26%)
  • Eletrodomésticos (23%)
  • Perfumes e cosméticos (21%)
  • Móveis (21%)
  • Computador (20%)

E por mais que móveis e computadores tenham ficado abaixo da lista, saiba que são os grandes destaques. Afinal, eles tiveram crescimento significativo no interesse de compra com base na comparação com anos anteriores.

Os meios de pagamento

Esse último tópico talvez seja mais interessante para o empresário, vendedor, lojista do que para o consumidor. De qualquer modo, também pode servir como curiosidade. Então, saiba que a pesquisa também perguntou sobre as formas de pagamento.

Assim, o resultado foi o de que:

  • 76% diz que vai usar o cartão de crédito
  • 42% vai usar o dinheiro
  • 35% garante que usará o cartão de débito
  • 22% preferirá pelos boletos bancários
  • 21% optou pela carteira digital

Para analistas e educadores financeiros, esse último tópico é preocupante. Afinal, as pessoas estão usando muito cartão de crédito, o que não seria recomendado, ainda mais em um período que ainda está na “retomada da economia”.

Bônus – aprenda a descobrir se um site é confiável para comprar na Black Friday

vendas na Black Friday brasileira

Nessa última semana, a gente se dedicou a criar vários artigos com dicas sobre comprar na Black Friday. Afinal, a nossa ideia é ajudar os leitores a fazerem compras mais conscientes e mais seguras também.

Em uma das matérias, a gente fala sobre como saber se um site é confiável. Para isso, existem 5 passos rápidos e que podem representar muito a sua segurança. Leia e saiba como comprar de forma mais segura durante o evento mais esperado pelo comércio.

ANÚNCIO