Quer saber quais as taxas cobradas pela corretora? Confira as 3 principais

ANÚNCIO

Atualmente, com a renda fixa tendo um péssimo resultado, muita gente tem migrado para a renda variável. Para isso, quase sempre o melhor é abrir conta em uma corretora de investimentos. A partir disso, a pessoa tem a dúvida: quais as taxas cobradas pela corretora?

Uma boa notícia é que atualmente as maiores corretoras do país isentaram várias taxas. Por exemplo, a Rico Corretora, há algumas semanas, zerou a taxa de corretagem. Além do mais, para alguns investimentos não há a cobrança da taxa de administração.

ANÚNCIO

Por outro lado, ainda assim você pode ter que pagar a taxa da B3 ou do Tesouro, no que é chamado de custódia. Sendo assim, o ideal é você conhecer esses 3 principais custos que se tem na hora de investir em ações ou depois de abrir conta na corretora.

E leve em conta que não estamos listando aqui os impostos, como o de renda, que é descontado diretamente do seu saldo de rentabilidade do investimento. A listagem é focando apenas nas taxas, ok? Bora lá conhecer mais.

1 – A taxa de corretagem

A mais conhecida das taxas cobradas pela corretora é a de corretagem. Geralmente, o valor é sobre cada operação que é feita, seja na venda ou na compra de ações ou outros produtos da bolsa de valores. Também pode ser cobrada na renda fixa, mas isso é bem raro.

ANÚNCIO

O fato é que a taxa de corretagem pode ser fixa. Isso quer dizer que o investidor tem a grande vantagem de poder fazer várias transações sem mudar o custo da corretagem. E isso também é independente do valor da operação ou operações feitas.

Outra forma de cobrança é considerando uma porcentagem sobre o valor da operação. Então, nesse caso, não vai importar o número de transações e sim o valor delas. O percentual se aplica sobre o valor total da operação.

E a cobrança da taxa de corretagem também pode ser feita com base em um valor fixo e mais a taxa de porcentagem. Nessa situação, o modelo é mais comum quando se negocia ações por telefone ou mesa de operações.

As taxas para os contratos futuros

Aqui, a gente decidiu trazer esse pequeno tópico para falar que os contratos futuros também são modalidades de investimentos de produtos na bolsa de valores. Assim, a taxa de corretagem é cobrada em cada novo contrato que é adquirido.

2 – A taxa de administração

A próxima das taxas cobradas pela corretora tem a ver com a administração. Assim, temos um valor pago ao operador de uma aplicação que faz a administração do capital para o investidor. É comum que se aplique a fundos de investimentos.

Logo, quem investe na renda fixa ou em ações dificilmente vai ter que pagar essa taxa. Além do mais, a taxa de administração é expressa em uma porcentagem anual. Além do mais, a cobrança é feita sobre o montante total investidor. Então, quanto mais dinheiro, maior a taxa.

Curiosidade: a taxa é cobrada por ano. Porém, não é raro saber que ela pode ser descontada da conta do investidor mensalmente, fazendo as devidas proporções.

3 – A taxa de custódia

A última das taxas que trouxemos aqui, que está entre as principais, é a de custódia. Ela é uma tarifa que vai para a instituição que fez o registro do investimento. Então, não é um dinheiro que vai para a corretora. Então, para quem vai?

Por exemplo, se falarmos em títulos públicos, o valor vai para o Tesouro Nacional. Atualmente, a taxa de custódia do Tesouro é de 0,25% ao ano sobre o valor total investido, o que se soma capital investido e mais rendimentos.

Se for falarmos em ações, o recurso vai para a B3, que é a Bolsa de Valores do Brasil.

E a taxa da transferência

Atualmente, enquanto o PIX ainda não está funcionando, muita gente tem tido cobranças feitas ao transferir dinheiro para a corretora. Calma, que a gente vai explicar isso. A primeira coisa é saber que é o banco emissor que cobra e não a corretora.

E esse valor varia conforme o banco e o tipo de conta que a pessoa tem. Uma das vantagens é saber que atualmente há vários bancos digitais que permitem TEDs gratuitas. Então, esse custo da transferência pode ser eliminado.

Por outro lado, quem tem conta na Caixa, Itaú e outros bancos mais tradicionais poderá ter esse custo da transferência de dinheiro. Mas, nesse caso, lembre-se que o dinheiro vai para o banco e não para a corretora.

Inclusive, já falamos sobre a TED para a corretora em uma matéria.

Então, é preciso ter sempre dinheiro na conta da corretora?

taxas cobradas pela corretora

A gente viu as 3 principais taxas cobradas pela corretora, certo? É claro que atualmente a maioria das empresas não cobram a taxa de administração, nem a de corretagem. Porém, tem a de custódia, o que é bem comum.

Assim, muita gente tem dúvida sobre ter que ter dinheiro na conta para quando essas cobranças forem feitas. A Easynvest é uma das corretoras mais conhecidas do país e explica isso de uma forma simples, que vale para outras corretoras também. Leia:

“Para saber quanto você deve deixar disponível na sua conta, você pode acessar o aplicativo, ir em ‘acompanhar’, depois em ‘localizar os investimentos’ e ‘taxas’. E se você tem mais de um título, então, basta realizar a soma de todos”.

ANÚNCIO