Carro Próprio, Uber ou Aluguel de Carro: O que Compensa Mais?

Carro Próprio, Uber ou Aluguel de Carro: O que Compensa Mais?

 

Mais um vídeo, mais uma solicitação. Tem alguns assuntos aí que estão “bombando” na internet e o pessoal fica: “Trovó, passe a sua visão sobre esse assunto”. E hoje o assunto é: Compensa andar de Carro, andar de Uber, alugar um Carro, Pegar um táxi, Andar de bicicleta… Em que momento vale a pena ter um carro?

A gente vai começar primeiro comparando algumas hipóteses: Transporte público, ter um Carro Próprio, Uber (se você mora numa capital) e Alugar um Carro.

O primeiro ponto aqui é o Aluguel de Carro! Vou considerar aqui que o aluguel é, via de regra, de 8 horas por dia. Então, você não consegue alugar o carro por alguns períodos somente. Você só consegue alugar 8 horas por dia, com uma média, mais ou menos, de 4 reais por hora. Ou seja, uma mensalidade de 50 reais por mês com um custo aproximado de 90 centavos por quilômetro rodado.

No caso do Uber, parte de 3 reais. É claro que depende muito do horário de pico. Se vocês não sabem, dependendo do horário de pico, o preço do Uber pode subir, principalmente nas grandes capitais. Então, a gente vai partir de um preço base de 3 reais, aproximadamente, do Uber. Por minuto, é cobrado 35 centavos, aproximadamente. E o quilômetro rodado fica por volta de 1,43.

Agora, no caso de um Carro Próprio, a gente vai considerar um carro com um valor aproximado de uns 30 mil reais. Mais ou menos, o IPVA deve ficar na casa dos 1.700,00. Um seguro de, mais ou menos, 1.400,00. A manutenção é por volta de 100 reais por mês e uns 350 reais de estacionamento. Porque se você trabalha, vai pagar área azul ou se vai ter que deixar o carro em algum lugar.  E tem uma depreciação, já que todo ano seu carro perde 10% ao ano.

Se você não viu esse vídeo onde eu falo da desvantagem de financiar um carro, Vale a pena! Tem o link abaixo desses vídeos aqui, onde você pode estar revendo esse vídeo que eu estou falando da parte de financiamento.

3 Motivos para “Pixar Fora” de Financiamento de Carro

Então assim ó, a premissa é a seguinte: quanto menos você usa o carro, menos compensa ter.

Vou passar aqui alguns “macetinhos” que eu tomo pela minha experiência. Se o seu trabalho for menos de 4 quilômetros da sua casa e você tiver condição de você tomar um banho na empresa… (Você não vai chegar fedidão lá, né?) A melhor opção seria uma bicicleta.

Porque você faz exercício e economiza para a academia. Você pedala, chega ao serviço com antecedência ao seu trabalho, toma o banho e vai trabalhar. Isso aí você vai economizar um monte de coisa. E vou supor, vou além, se você precisasse comprar todo ano uma bicicleta nova seu custo seria aproximadamente de 2 mil reais por ano. Esse é o meio mais barato que existe.

“Ah, mais e o dia que chove Trovó, que que eu faço”?

O dia que chove, aí sim, você pode pegar uma carona ou um transporte público. Um ônibus, um metrô ou até mesmo um táxi, mas vai ser esporádico.

Se o seu trabalho fica acima de 5 quilômetros da sua casa e você mora em uma capital, aí compensa um Uber.  Até, mais ou menos, 20 quilômetros de distância, o Uber é mais vantajoso. Por ano, você vai gastar por volta de 16 mil reais.

Se você tiver um carro e tiver que andar menos de 20 km (por isso que eu falo que se for pertinho não compensa carro), vai te custar, mais ou menos, 19 mil reais por ano, considerando os valores do IPVA, Seguro, Depreciação do carro, etc, etc, etc.

Nessa conta aí eu considerei mais ou menos 10 km por litro, que é o que um carro gasta com combustível. Você vai gastar, mais ou menos, 19 mil reais por ano.

Se no Uber você gasta 16 mil, então, se a casa for perto, compensa mais o Uber.

  • Abaixo de 5 quilômetros, bicicleta. Desde que você tenha lugar para tomar banho no seu trabalho.
  • Entre 5 e 20 quilômetros compensa o Uber. Uber você vai gastar 16 mil, um carro 19 mil.
  • Se você tiver que andar mais que 20 km, aproximadamente 40 km por dia, aí o carro fica mais vantajoso. No Uber você vai gastar por volta de 23 mil e o carro por volta de 21 mil.

E alugar o carro?

O aluguel não compensa, nunca. Porque mesmo que a distância seja pequenininha, você vai gastar por ano, aproximadamente, 23 mil reais se a distância for curta. Se a distancia for longa, acima de 10 quilômetros, você vai gastar por volta de 30 mil. Então das 3 opções, o aluguel de carro é o mais caro, depois pode ser Uber ou Carro. Depende da distância.

Se for menor que 20 quilômetros de distância da casa ao trabalho, o Uber compensa. Não é o Uber Black, não. Larga a mão de ser metido. Uber normal, tá?

Se a distância for curtinha, aproveita para fazer exercício e investe numa bicicleta. Economiza com a academia e você vai poder chegar ao seu trabalho, tomar um banho relaxado. Fez o exercício e manda bala. São custos muito menores e o dinheiro que você gastaria com automóvel, você pode estar investindo. Esse que é o macete.

Então se você vai usar Uber ou vai usar Carro, depende de quanto você anda por dia. Basicamente, se for acima de 40 km por dia o carro vale a pena, se for entre 5 e 20 km por dia o Uber vale a pena, desde que não tenha uma cidade que não tenha Uber. Se for abaixo de 5 quilômetro, compensa pedalar.

Da Redação

Comprou um veículo? Saiba quais são os gastos

Comprou um veículo? Saiba quais são os gastos

 

Olá pessoal!

Outro dia eu gravei um vídeo sobre os 3 motivos para você pixar fora do financiamento de carro, lembra?

Nele eu cito um exemplo real: de um carro 2009 que vale 36 mil pela tabela FIP, mas que eu pago 49.720 mil reais quando pego ele através de um financiamento. Ah, sim, quando eu termino de quitar todas as parcelas, o carro passa a valer 21.200 mil reais devido à desvalorização.

No fim, com o financiamento, eu tenho uma perda financeira de quase 30 mil reais.

Bom, dá uma olhada lá no blog que você vai entender muito melhor essa história!

Inclusive, depois que esse vídeo foi publicado, eu recebi muitos e muitos e-mails, vocês não fazem ideia da quantidade.

E os principais comentários… Bem, os principais comentários não eram comentários, eram alguns chororôs, vejam:

– “Trovó, não dá para comprar um carro à vista”!

– “Trovó, a única opção que tenho é financiar um carro, se não, fico à pé”.

– “Trovó, está difícil a situação do país”.

Oras, e vocês acham que eu não sei. Mas vocês precisam admitir que financiar um carro em 60 vezes também não dá.

O Financiamento de Carro faz parte das 3 coisas que são dívidas e ninguém considera.

E por que não dá?

Porque esse é um dos comportamentos que vão te levar à falência, é o segundo comportamento que eu cito em um dos meus vídeos: PAGAR JUROS ABUSIVOS.

Veja todos os comportamentos que podem te levar à falência.

Então, é o seguinte, se você acha que não tem mesmo nenhuma opção a não ser financiar o seu tão querido bem de consumo, você tem que seguir uma dica de ouro.

Dica de ouro: qual o valor máximo do carro que você pode financiar?

Saiba que quem dá a resposta é o seu salário e não você.

Leia também: Controle Financeiro de Forma Simples e Eficaz.

Bom, e essa é a 1ª questão!

1 – Qual o valor do veículo que será financiado?

A regra é a seguinte: pegue o valor do seu salário mensal e multiplique por 6. O resultado é o valor máximo do carro que você poderá financiar.

Exemplo: um salário de 3,3 mil reais multiplicado por 6 vai dar um valor médio de 20  mil reais.

“Mas Trovó, quero um carro que custa 50 mil reais”.

Ok. Dê um jeito de melhorar o seu salário e aí você poderá comprar um carro de 50 mil reais.

Preste atenção! E pare de viver em função do que os outros pensam, já falamos sobre isso. Ostentar é jogar dinheiro fora!

Ganhar pouco não significa ser pobre, lembra disso não é?

Se você conseguir o equilíbrio com base nesses valores, você vai financiar o seu carro por pouco tempo e assim pagará menos juros.

2 – Gastos anuais com seu veículo

“Trovó, eu gasto mais ou menos uns 300 reais no mecânico. Pneu quase não precisa trocar mesmo”.

Não é assim que se faz um planejamento, você sabe né?

Aliás, as pessoas se endividam justamente por não contar com aquele gasto extra, o que gera um empréstimo. E pegou empréstimo, pagou juros. Pagou juros, caminhou para a pobreza.

Saiba como funciona a pobreza!

Vamos á regra do tópico 2!

Seu gasto anual com o carro é, em média, 12,5% o valor do automóvel.

Lembre-se que vai entrar IPVA, seguro e manutenção.

No exemplo acima, com uma pessoa que recebe salário de 3,3 mil reais e que tem um carro de 20 mil reais, os 12,5% dará, em média, 2,4 mil reais.

Seu gasto anual com o veículo será de 2,4 mil reais.

Então, pegue esse valor e já deixa reservado para não ter surpresas. Aliás, pode ser que esse gasto venha de uma só vez. E como você já sabe: fazer empréstimo não é um bom negócio.

3 – Depreciação

Esse é o mais importante!

Vamos relembrar o que é a depreciação: a cada ano que passa, o seu carro desvaloriza em média 10%.

Então, olha que interessante, se você comprar um carro que esteja em um valor muito acima dos 6 meses de salário e você não considerar os gastos anuais, você vai entrar em um ciclo vicioso de dívidas.

Nessa aula de hoje o importante é entender que não é preciso comprar um carro muito caro porque quanto maior é o valor do carro, maior será o gasto anual.

E prestem atenção nessa frase de Tony Robbins:

Na vida um monte de gente sabe o que fazer, mas poucos fazem, de fato, o que é preciso. Saber não é suficiente. Você precisa agir”.

Aqui no blog tem mais 9 frases célebres dele, leia.

Gostou? Agora, conheça os 5 Passos Simples que já Transformaram a Vida Financeira de 2.536 Pessoas Comuns em Tempo Recorde. http://trovo.academy/u/nlGaBKN0x_0

Um abraço

3 coisas que são dívidas e ninguém considera

3 coisas que são dívidas e ninguém considera

 

Hoje vamos falar sobre 3 coisas que são dívidas e ninguém as consideram como tal.

1 – Financiamento de Casa

É dívida ou não é dívida?

O critério de dívida é o seguinte: dívida é quando você caminha para a pobreza. E você caminha para a pobreza quando paga juros. Você paga juros, normalmente, quando faz um empréstimo.

SAIBA COMO FUNCIONA A POBREZA.

Então, podemos concluir que o financiamento de uma casa é um pagamento de empréstimo, que gera juros para você, então, sim, é uma dívida.

Fato diferente de quando você faz um investimento, que você recebe juros. É quando você está caminhando para a riqueza.

Ah, oras oras, você ainda tem medo de investir ou não faz ideia por onde começar? Bem, nesse caso, você tem uma ótima opção: ler esse texto que publiquei mostrando de onde vem esse medo de investir.

Voltando ao assunto da sua nova habitação, vamos imaginar que você queira me dizer: “Mas, quando eu terminar de pagar a minha casa, ela estará super valorizada”.

A resposta é: não, não e não!

Essa valorização que você diz, acontecerá daqui a três décadas. E eu estou falando do agora: você está pagando juros? Então você tem uma dívida e não um investimento.

“Mas a casa é minha”, você pode querer retrucar.

E eu lhes digo: não! A casa só será sua quando você terminar de pagá-la. Se em 30 anos, você não conseguir pagar, a casa não será sua! Enquanto isso, ela é do banco.

Você vai querer me perguntar o seguinte:

“Trovó, então o que compensa mais: financiar uma casa ou viver pagando mensalidades de aluguel”?

Esse é um assunto ótimo, mas que reservamos para o próximo vídeo. Porém, vou adiantar o seguinte: se os juros que você recebe do seu investimento for suficiente para pagar o aluguel, então, a resposta é: compensa pagar o aluguel.

Por quê?

Eu não estou utilizando o meu capital para pagar o aluguel! Eu estou utilizando os juros que rendeu desse capital para pagar o aluguel. Isso faz toda diferença.

“Mas, a única opção que tenho é financiar uma casa”, você afirma.

Bom, nesse caso eu tenho uma regrinha de ouro para vocês: saiba qual é o valor da casa que você pode financiar!

Como fazer isso?

Segue um exemplo: você recebe um salário mensal de 3 mil reais. Ok?

Você vai pegar esses 3 mil reais e multiplicar por 12 meses, o que vai dar em 36 mil reais por ano.

Esse é o seu salário anual, que quando multiplicado por 3, resulta em 100 mil reais, aproximadamente.

Esse é o resultado. 100 mil reais é o valor máximo para você financiar uma casa, se for acima disso, você vai caminhar para a pobreza e entrar em ruína financeira.

Falando de ruína financeira, eu selecionei um texto muito bom para você com as melhores dicas para você não entrar em estado de falência.

3 comportamentos que podem te levar à falência”.

Vai chegar uma hora que seu orçamento ficará muito apertado com o valor da parcela e isso vai te comprometer.

Ah, e antes que eu me esqueça, saiba que “Mesmo ganhando pouco não significa que você seja pobre”. Dúvida? Leia esse post.

2 – Financiamento de Carro

Ficou fácil: Você está pagando juros ou recebendo juros?

Então, você já pode considerar esse financiamento como uma dívida.

Por sinal, eu gravei um vídeo mostrando como perder 28 mil reais em 5 anos. Porque é exatamente isso que você perderá, se financiar um carro 2009, como usei de exemplo. Veja agora esse vídeo.

“Como eu vou comprar um carro à vista”?

Saiba que é possível. E vamos falar disso em uma próxima oportunidade!

3 – Fatura mínima do cartão de crédito

Esse é o grande vilão.

E já vou avisando: seu cartão de crédito não é salário! E nem complemento do salário. Ele é como a kriptonita do superman: terrível, destruidora.

O cartão de crédito pode até facilitar a sua vida e parcelar as suas compras, mas olhem só: pagando a parcela mínima, você está pagando juros.

Você está falando assim para o banco: “Eu quero pagar juros!”.

Saibam que o cartão de crédito é legal sim, mas só quando você quita o valor integral porque aí você não paga juros!

E por que é bom? Porque você pode comprar parcelado e ganhar milhas, além de outras bonificações.

Temos vários vídeos explicando tudo isso – Cartão de Crédito: Ter ou não Ter – mas vou adiantar a regra para você saber se está caminhando para pobreza ou para riqueza. É a seguinte:

Se você está pagando juros, você está enriquecendo alguém e se está enriquecendo alguém, você está caminhando para a pobreza. Se o objetivo é enriquecer você próprio, você tem que receber juros.

A partir de agora, então, vamos focar no jeito certo: com estratégias corretas e agindo com a razão para você ficar buscar equilíbrio financeiro.

Aproveite e veja nosso vídeo sobre Controle Financeiro Simples e Eficaz.

Se você gostou desse vídeo quer aprender um pouco mais se inscreva gratuitamente no nosso curso Risco Zero de Investimentos.

Um abraço e até o próximo vídeo.