A Taxa Selic Despencou! O Que Acontece Com A Renda Fixa?

A Taxa Selic Despencou! O Que Acontece Com A Renda Fixa?

 

Oi pessoal, aqui é o Trovó e a perguntinha da semana, aliás, acho que essa foi a pergunta mais feita entre os alunos e os participantes do canal nos últimos tempos: “Trovó, ainda está valendo a pena investir em Renda Fixa com essa queda da Selic”? A resposta é: SIM.

Sempre a Renda Fixa vai valer a pena, ainda mais se comparar com a poupança. Por quê? Funciona assim pessoal, para vocês entenderem a dinâmica: a Selic é uma taxa que é a… Vamos dizer assim: que é a taxa de juros de base. Lembra lá do comecinho do canal? É praticado onde? Quando um banco empresta dinheiro para outro banco, esse é o juros mínimo que pode ser cobrado pelo mercado. Isso é chamado Taxa Selic.

Quando você vai investir numa aplicação financeira, numa Renda Fixa, por exemplo, tem outra taxa que é chamado de CDI, que acompanha a Selic. Então toda vez que a Selic sobe o CDI também sobe, né? E, geralmente, quando a Selic sobe é porque a inflação também está subindo.

Por que a sobe? Porque é uma forma. Quando a inflação está subindo, o governo aumenta os juros. É uma forma de conter o consumismo. Quando os juros sobem, tudo sobe! A taxa de financiamento sobe, a taxa de parcelamento sobe, a do comércio sobe, tudo sobe. Então o que acontece? Para o governo conter a inflação, ele precisa subir os juros.

Então o que acontece: para a gente o que manda são os juros reais, está? O que são os juros reais? É quanto o meu dinheiro vai render quando eu comparo com a inflação.

Então não adianta nada! Não adianta nada a taxa Selic, por exemplo, chegar a sei lá, 15% e aí o CDI ficar aí por volta de 14,75, por exemplo, e a inflação 10% ao ano.

“Nossa, a Renda Fixa está pagando bem, Trovó”.

15% é 14,75 a CDI, só que a inflação tá 10. Então se eu pegar uma Renda Fixa com 100% de CDI, por exemplo, meu capital está aumentando 4,75 de juros reais ao ano nesse exemplo aqui.

Guia Definitivo de Como Investir Em Renda Fixa!

É isso que meu capital está crescendo. Eu estou aumentando poder aquisitivo, perfeito? Então a Renda Fixa está alta, mas em contrapartida a inflação também está alta.

Vocês nunca vão ver a taxa Selic em 15 e a inflação em 4, isso não existe.

Por que o que começa a acontecer: quando a inflação começa a ser controlada, que tem tudo a ver com uma diminuição do consumismo, o governo começa a reduzir a taxa Selic porque a inflação está caindo.

Isso é um bom sinal pra economia do país, está? Aí o CDI cai também e a inflação caí também. Então, hoje, ela está por volta aqui de 13% ao ano e o CDI por volta de 12,88. A meta para a inflação para esse ano de 2017, sendo que estamos em fevereiro de 2017, é por volta de 5% ao ano.

Então se a gente for considerar aqui, é juros reais. 12,88. Estou considerando um rendimen… Uma Renda Fixa de 100% do CDI, está? Juros Reais 7,88.

É muito melhor do que no ano passado para investir em Renda Fixa, mesmo com a Selic caindo! Por quê? Porque a inflação vai cair muito mais, muito mais em relação à queda da Selic.

Isso é bom pra economia e outro ponto: vamos supor que a Selic despenque, tá, vai despencar, vai despencar e vai chegar a 8% ao ano. Se acontecer isso aí, o CDI vai ficar por volta de 7 e alguma coisa ao ano, tá? E a inflação vai ficar por volta de uns 3% ao ano.

“Mas aí não vale mais a pena Trovó, está pagando pouco”.

Só que a poupança pessoal, segundo a nova regra, toda vez que a Selic fica abaixo de 8 e meio, a poupança vai pagar 70% disso, tá?

Então vamos fazer a continha aqui: 8 vezes 0,7. 5,6! É isso que a poupança vai pagar ao ano de rentabilidade. 5,6 vou até circular aqui, ó. Isso é o que a poupança vai pagar. Se eu pegar. por exemplo. um CDB que paga 100% do CDI, ele vai pagar 7,88. Ou seja, mais que a poupança.

Vamos dividir pra ver quantos por cento a mais. 7,88 dividido por 5,6. 40% a mais.

A diferença é que você não vai investir num CDB, num CDB que paga 100% do CDI. Eu já falei isso no outro vídeo. CDB acima de 1 ano e meio. O ideal é 115, 118% do CDI. Então sempre vai ganhar da poupança, mesmo que despenque tudo. Porque o que manda para gente é o poder aquisitivo. São juros reais. Isso aqui é o que manda. Então mesmo a taxa Selic caindo, caindo o CDI num tem problema nenhum porque a inflação também cai. Então seu poder aquisitivo, ele vai tender a aumentar.

E a poupança compensa? Não! Porque, conforme a taxa Selic caindo, caindo, caindo vai chegar uma hora que vai estabilizar. Ela vai pagar 70% da Selic, abaixo de 8 e meio. Então não tem jeito, a Renda Fixa sempre, sempre, sempre, sempre, sempre, vai pagar mais do que a poupança. Independente se vai subir a Selic ou vai cair a Selic, ai a comparação que vocês têm que ter é com relação aos CDB’s, para os prazos maiores. CDB sempre acima de 115% que o CDI e LCI, LCA sempre acima de 93% do CDI. Lembrando que LCI e LCA são isentos de Imposto de Renda.

Você tem dinheiro na poupança? Descubra como investir melhor, mais fácil para obter mais resultados

Show de bola? Então, agora acabou aquele problema de ficar preocupado quando a taxa Selic cai. Se cair é porque a inflação também vai cair. Nunca a taxa Selic vai cair e a inflação disparar ou a inflação despencar e a taxa Selic disparar. Isso não existe, os dois caminham juntos.

Eu sei que você acompanha o nosso conteúdo e pensando nisso eu resolvi criar um curso. 4 vídeos gratuitos ou mini curso como você queira chamar. Sobre 5 segredos que a maioria dos vencedores não sabem como aplicar no mercado financeiro. Para participar é muito simples: basta clicar nesse link aqui, cadastrar seu e-mail e fazer parte desse mini curso, está bom?

Da Redação

Está desempregado, endividado ou com medo de perder o emprego? Veja 26 Dicas Salvadoras para Arrumar as Contas

Está desempregado, endividado ou com medo de perder o emprego? Veja 26 Dicas Salvadoras para Arrumar as Contas

Os tempos difíceis estão com os dias contados. Bom, é o que espera a maioria dos brasileiros e é também que o afirmam alguns economistas, mesmo que isso ainda leve um bom tempo. No entanto, as últimas pesquisas apontaram que o desemprego ainda é grande, e muito significativo no país todo. Então, fizemos esse artigo…

Comprou um veículo? Saiba quais são os gastos

Comprou um veículo? Saiba quais são os gastos

 

Olá pessoal!

Outro dia eu gravei um vídeo sobre os 3 motivos para você pixar fora do financiamento de carro, lembra?

Nele eu cito um exemplo real: de um carro 2009 que vale 36 mil pela tabela FIP, mas que eu pago 49.720 mil reais quando pego ele através de um financiamento. Ah, sim, quando eu termino de quitar todas as parcelas, o carro passa a valer 21.200 mil reais devido à desvalorização.

No fim, com o financiamento, eu tenho uma perda financeira de quase 30 mil reais.

Bom, dá uma olhada lá no blog que você vai entender muito melhor essa história!

Inclusive, depois que esse vídeo foi publicado, eu recebi muitos e muitos e-mails, vocês não fazem ideia da quantidade.

E os principais comentários… Bem, os principais comentários não eram comentários, eram alguns chororôs, vejam:

– “Trovó, não dá para comprar um carro à vista”!

– “Trovó, a única opção que tenho é financiar um carro, se não, fico à pé”.

– “Trovó, está difícil a situação do país”.

Oras, e vocês acham que eu não sei. Mas vocês precisam admitir que financiar um carro em 60 vezes também não dá.

O Financiamento de Carro faz parte das 3 coisas que são dívidas e ninguém considera.

E por que não dá?

Porque esse é um dos comportamentos que vão te levar à falência, é o segundo comportamento que eu cito em um dos meus vídeos: PAGAR JUROS ABUSIVOS.

Veja todos os comportamentos que podem te levar à falência.

Então, é o seguinte, se você acha que não tem mesmo nenhuma opção a não ser financiar o seu tão querido bem de consumo, você tem que seguir uma dica de ouro.

Dica de ouro: qual o valor máximo do carro que você pode financiar?

Saiba que quem dá a resposta é o seu salário e não você.

Leia também: Controle Financeiro de Forma Simples e Eficaz.

Bom, e essa é a 1ª questão!

1 – Qual o valor do veículo que será financiado?

A regra é a seguinte: pegue o valor do seu salário mensal e multiplique por 6. O resultado é o valor máximo do carro que você poderá financiar.

Exemplo: um salário de 3,3 mil reais multiplicado por 6 vai dar um valor médio de 20  mil reais.

“Mas Trovó, quero um carro que custa 50 mil reais”.

Ok. Dê um jeito de melhorar o seu salário e aí você poderá comprar um carro de 50 mil reais.

Preste atenção! E pare de viver em função do que os outros pensam, já falamos sobre isso. Ostentar é jogar dinheiro fora!

Ganhar pouco não significa ser pobre, lembra disso não é?

Se você conseguir o equilíbrio com base nesses valores, você vai financiar o seu carro por pouco tempo e assim pagará menos juros.

2 – Gastos anuais com seu veículo

“Trovó, eu gasto mais ou menos uns 300 reais no mecânico. Pneu quase não precisa trocar mesmo”.

Não é assim que se faz um planejamento, você sabe né?

Aliás, as pessoas se endividam justamente por não contar com aquele gasto extra, o que gera um empréstimo. E pegou empréstimo, pagou juros. Pagou juros, caminhou para a pobreza.

Saiba como funciona a pobreza!

Vamos á regra do tópico 2!

Seu gasto anual com o carro é, em média, 12,5% o valor do automóvel.

Lembre-se que vai entrar IPVA, seguro e manutenção.

No exemplo acima, com uma pessoa que recebe salário de 3,3 mil reais e que tem um carro de 20 mil reais, os 12,5% dará, em média, 2,4 mil reais.

Seu gasto anual com o veículo será de 2,4 mil reais.

Então, pegue esse valor e já deixa reservado para não ter surpresas. Aliás, pode ser que esse gasto venha de uma só vez. E como você já sabe: fazer empréstimo não é um bom negócio.

3 – Depreciação

Esse é o mais importante!

Vamos relembrar o que é a depreciação: a cada ano que passa, o seu carro desvaloriza em média 10%.

Então, olha que interessante, se você comprar um carro que esteja em um valor muito acima dos 6 meses de salário e você não considerar os gastos anuais, você vai entrar em um ciclo vicioso de dívidas.

Nessa aula de hoje o importante é entender que não é preciso comprar um carro muito caro porque quanto maior é o valor do carro, maior será o gasto anual.

E prestem atenção nessa frase de Tony Robbins:

Na vida um monte de gente sabe o que fazer, mas poucos fazem, de fato, o que é preciso. Saber não é suficiente. Você precisa agir”.

Aqui no blog tem mais 9 frases célebres dele, leia.

Gostou? Agora, conheça os 5 Passos Simples que já Transformaram a Vida Financeira de 2.536 Pessoas Comuns em Tempo Recorde. http://trovo.academy/u/nlGaBKN0x_0

Um abraço

Cartão de Crédito – Ter ou não ter

Cartão de Crédito – Ter ou não ter

 

Hoje nós vamos descobrir se o cartão de crédito é realmente amigo ou inimigo.

Falar sobre o Cartão de Crédito é falar, instantaneamente, na facilidade de uso que ele proporciona e, sucessivamente, no alto poder de compra que ele transmite. Sim, ele nos dá poder e autonomia. Ele nos dá facilidades!

Afinal, Mesmo Ganhando pouco não significa que você seja Pobre!

Hoje em dia, com esse tipo de cartão, você pode comprar em qualquer lugar, a qualquer hora, em qualquer momento, situação ou país e, inclusive, através da internet. E na internet é assim: com um clique, você compra.

  1. Caso tenha guardado o cartão, mas não sabe onde e ainda tem o número dele, você compra também.
  2. Precisa abastecer o carro, mas hoje é dia de pagamento e os bancos estão lotados? “Passa no crédito”, você diz ao frentista.
  3. Quer fazer uma compra parcelada? O cartão de crédito te dá essa autonomia, sem precisar correr no banco para buscar folhas de cheques.

Mas todas essas situações acima, bem como todas as compras parceladas, devem ser feitas com controle. Vamos falar disso mais adiante.

Quanto às lojas físicas, praticamente todas, como farmácias e restaurantes, possuem as maquininhas que aceitam esse tipo de cartão. E com isso, você não precisa andar com dinheiro na carteira ou na bolsa. Essa é a maior facilidade.

E, caso alguém roube seus pertences, basta você ligar na operadora e bloquear o cartão. Está tudo resolvido.

Outra vantagem do cartão de crédito é o acúmulo de milhas. As milhas são importantes para quem viaja muito ou para quem quer viajar muito. Funciona mais ou menos assim:

Em cada passagem aérea que você compra com seu cartão de crédito é disponibilidade uma quantidade de milha. Essa milha se duplica e gera outra igual em uma conta adjacente. Com o tempo, as somas dessas milhas podem gerar um novo bilhete para você. Assim, você ganha uma passagem aérea. Ou então, pode obter descontos, da mesma forma.

Então, se você compra muitas passagens aéreas, aí sim, o acumulo de milhas é super importante e, de uma forma ou outra, você tem benefícios.

Mas, é claro, não é porque você pode acumular milha que vai usar o cartão de crédito toda hora. Ele tem que ser apenas uma consequência do que você tem planejado.

Em resumo, listamos três, dos principais pontos positivos. São eles:

  1. A facilidade do poder de compra,
  2. O acúmulo de milhas e
  3. As comprar facilitadas pela internet.

Esses pontos realmente tornam o cartão de crédito o nosso amigo, o nosso herói.

Mas saibam vocês que esse mesmo cartão de crédito é uma das principais causas de dívidas do nosso país. São 59 milhões de brasileiros que estão endividados por comprar por impulso, devido, obviamente, à facilidade do uso do cartão de crédito.

Eis, então, que surgem os problemas. O contraponto dos pontos positivos. É quando o cartão de crédito vira inimigo. Um vilão.

E tudo começa com os juros abusivos e absurdamente altos. Vejam só o que eu tenho ouvido constantemente:

“Trovó, eu gasto aproximadamente R$ 1 mil por mês no cartão de crédito e isso não pesa muito para mim porque eu pago a fatura mínima, que, via de regra, é 15% do valor da fatura”.

Não faça isso!

Quando você paga a fatura mínima me lembro daquela isca que é usada durante a pesca, que você joga a linha para atrair o peixe.

A fatura mínima é exatamente isso porque você está dizendo o seguinte para o seu banco: “Eu quero pagar juros”.

É como financiar um automóvel. Fizemos até uma simulação com um financiamento real, já viram? 3 Motivos para “Pixar Fora” de Financiamento de Carro.

Mas você quer mesmo pagar juros? É claro que não!

Por que isso acontece? Porque o pagamento da parcela mínima é um financiamento da sua dívida. Se você gastou R$ 1 mil no mês e vai pagar só R$ 100, os outros R$ 900 será financiado pelo banco.

E cada vez que você paga a parcela mínima, o valor financiado aumento e o juros também. Consequentemente você paga mais e mais e mais e mais.

Então, a dica é: se for para usar o cartão de crédito, quite a fatura integral.

Se você não tem condição de quitar, você está tendo um descontrole financeiro, que é quando você não tem noção do quanto está gastando. Em outras palavras, você está gastando mais do que ganha e logo vai ficar endividado.  

Você voltou a fazer dívidas? Isto não é brincadeira!

Temos, na contramão, outros três pontos, agora, negativos:

  1. Os juros abusivos cobrados pelos bancos,
  2. A armadilha da fatura mínima e
  3. A perda de controle financeiro.
É por isso que 59 milhões de brasileiros estão em endividados.

Afinal, como visto aqui, nem tudo são flores. Mas, olhem só, se você tiver controle sobre as suas finanças não há problemas. Você pode fazer as compras normalmente usando o seu belo cartão de crédito, desde que tenha controle.

Mas e, então, Trovó, voltando ao questionamento inicial do texto:

É melhor ter ou não ter cartão de crédito, eis a questão?

Essa dúvida eu vou deixar para vocês responderem. Respondam aqui embaixo, nos comentários. Eu quero saber a sua opinião.

Se você gostou desse vídeo e quer aprender um pouquinho mais, clique no banner, cadastre seu e-mail e se inscreva gratuitamente no nosso curso: Risco Zero de Investimentos.