5 siglas que todo investidor iniciante tem que saber

PROPAGANDA

A ideia de criar este conteúdo foi para auxiliar o investidor iniciante que tem medo ou dúvidas na hora de começar a investir dinheiro. Muitas vezes, esses sentimentos vem da falta de conhecimento sobre algumas siglas do mercado financeiro.

Por isso, separamos 5 das principais e vamos explicar de forma muito simplificada. Para todo mundo ver que o mercado de investimentos não é um bicho papão de 7 cabeças.

PROPAGANDA

Aliás, antes de tudo, saiba que é uma genial ideia não se apavorar e não sair por aí concordando com tudo o que as pessoas dizem. Buscar o conhecimento é a forma mais inteligente e madura de começar a investir dinheiro.

Então, sem mais demora e sem mais enrolação, vamos à listagem dessas 5 siglas importantes!

iniciante

Foto: (reprodução/internet)

PROPAGANDA

1 – Selic

A primeira sigla que você deve conhecer no mundo do mercado financeiro é Selic.

Aliás, tem muita gente que sabe o que é, mas nem sabia que Selic é um sigla. Mas, é sim e significa Sistema Especial de Liquidação de Custódia.

No resumo mais simples de todos, a Selic é a Taxa Básica de Juros da Economia.

Nesse momento, a Selic está em 6,5% ao ano.

Inclusive, provavelmente você vai ouvir falar muito da taxa Selic quando for investir no Tesouro Selic, por exemplo. Esse é um título do governo atrelado a essa taxa de juros.

Resumidamente, o Tesouro Selic acompanha o desempenho da taxa Selic. Ao passo que se ela diminuir, a rentabilidade do título também diminui. E se a selic aumenta, a rentabilidade do título aumenta.

Mas, você nunca perde dinheiro no Tesouro porque ele é seguro, se você manter o seu título até o vencimento. Entenda que o que diminui é o rendimento e não o seu patrimônio todo.

2 – CDB

Outra sigla que você precisa conhecer é CDB, que é a abreviação de Certificado de Depósito Bancário.

Se você tem conta em grande banco é comum eles te empurrarem os CDBs. Portanto, tratam-se títulos bancários que possuem rendimentos. É um investimento financeiro.

Agora, o CDB pode ser um bom investimento para você, mas nem sempre. O fato de ser um produto bancário quer dizer que está longe de ser o melhor do mercado.

Mas, antes de criticar, vamos entender como funciona.

Ao colocar seu dinheiro em um CDB você está emprestando seu dinheiro para uma instituição bancária e ela vai te pagar juros por isso. É assim que funciona.

Agora, já vem aqui uma regra de ouro que existem em todo o mundo dos investimentos: quanto maior o retorno, maior o risco também. O CDB não tem praticamente nada de risco, portanto, a taxa de rendimento é baixa.

Outra curiosidade é que os grandes bancos, geralmente, pagam menos nos CDBs porque são instituições sólidas que possuem bastante dinheiro em circulação.

Por outro lado, para um banco médio atrair mais investidores, eles têm que oferecer algo a mais e por isso você encontra rentabilidade mais atrativa em instituições de médio a pequeno porte.

Aliás, existem vários desses bancos seguros para a gente emprestar dinheiro e ganhar juros com isso.

3 – LCI e LCA

A terceira sigla que vamos citar aqui é praticamente um combo, né: LCI e LCA.

LCI significa Letra de Crédito Imobiliário e é um investimento de renda fixa como o CDB.

Ela também é emitida pelos bancos para captar recursos para o financiamento de atividades do setor imobiliário.

Já LCA significa Letra de Crédito do Agronegócio. Também é um investimento de renda fixa emitido pelos bancos para captar recursos para o financiamento de atividades do setor do agronegócio.

E as duas não têm cobrança de imposto de renda, sendo esse o grande diferencial.

4 – CDI

O CDI significa Certificado de Depósito Interbancário.

O CDI é uma taxa que lastrea e que mede as operações interbancárias, ou seja, entre os bancos.

E por que existe o CDI? Para os bancos manterem seus caixas com saldo positivo no final do dia. Aí, o que eles fazem é ficarem emprestando dinheiro em curto prazo entre eles.

A instituição de saldo positivo empresta para a instituição de saldo negativo. Sim, parece algo muito simples, mas é exatamente assim que funciona.

E o que é mais importante é que a taxa cobrada entre eles regula o mercado de renda fixa.

Essa taxa é o CDI.

Onde você vê esse tal de CDI? Por exemplo, quando você for investir num CDB é muito comum ver CDB rendendo 100% do CDI ou 110% do CDI. O mesmo vale para as letras de crédito.

Ou seja, o CDI é um referencial.

5 – FGC

A última sigla que vamos citar aqui e que você ainda vai ouvir muito no mundo do investimento é o FGC. FGC significa Funda Garantidor de Crédito.

Essa é uma entidade privada sem fins lucrativos com o objetivo de dar robustez ao sistema financeiro.

Então, basicamente, ao emprestar dinheiro para uma instituição financeira, nós temos a garantia do FGC. Hoje em dia, existem regras para que essa garantia seja cumprida.

O FGC cobre o valor máximo de R$ 250 mil por CPF para cada instituição financeira. Portanto, se você tem um valor maior do que esse, o melhor é dividir o investimento em vários bancos ou instituições garantidas pelo FGC.

Vale lembrar que não são todos os produtos que têm essa cobertura, mas a maioria, como a caderneta da poupança, os CDBs, as Letras de Crédito, etc.

PROPAGANDA