Separar as contas pessoais da empresa – 5 passos breves e certeiros!

Você sabe como separar as suas contas pessoais das contas da sua empresa? Essa pergunta tem a ver com a velha questão sobre a importância de diferenciar a sua pessoa física da sua pessoa jurídica, né.

Então, agora vamos falar sobre isso. Só que mais do que falar da importância disso, vamos te mostrar, em 5 passos, como fazer. E tudo é muito simples, é um bê-á-bá completo, um guia que você pode usar neste ano – para ser mais organizado.

Separar as contas pessoais da empresa – 5 passos breves e certeiros!

Orçamentos Diferenciados

Um dos maiores desafios do microempreendedor é separar as finanças da empresa das finanças pessoais.

De fato, essa não é uma tarefa muito fácil e simples, mas pode ser se você entender a importância dela e como fazer isso sem sofrimentos.

Afinal, ter acesso ao caixa da empresa quando quiser é uma tentação e tanto. Na verdade, é um convite para você fazer retiradas frequentes dos recursos para atender às suas necessidades individuais ou da sua família.

Só que é um erro porque uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa!

A prática, no entanto, é perigosa porque pode trazer quedas significativas no desempenho financeiro da sua empresa e pode até colocar em risco sua própria sobrevivência no mercado.

É uma questão simples de controle financeiro e gestão empresarial.

Então, o que trouxemos aqui são dicas importantes para você administrar o orçamento da pessoa física e da pessoa jurídica sem confusão! É um guia para fazer isso sem sofrimentos, ok?

A regra geral é: nunca misture é o seu orçamento da sua pessoa física com a da pessoa jurídica. Você é você e a sua empresa é a sua empresa! Precisa ter essa noção antes mesmo de começar!

Apesar de você ser o dono, você não deve sair pegando dinheiro quando quiser.

1 – Contas Bancárias

A primeira dica é a seguinte: use contas bancárias separadas – uma para pessoa física e outra para pessoa jurídica. Hoje em dia, os MEIs até podem usar as contas físicas, mas isso não é o ideal, tá bom?

Essa atitude, que até parece óbvia, não é tanto praticada pelos empresários como deveria ser.

Separar cartões de crédito, de débito e extrato também é fundamental para controlar as despesas individualmente.

E, se você pensa que seus cursos vão aumentar muito, saiba que muitos bancos oferece serviços gratuitos e diferentes pacotes e tarifas. Um deles certamente será viável para o seu negócio.

Apenas para que você saiba por onde começar, saiba que o banco Inter oferece essas contas de todos os tipos e o melhor: GRATUITAMENTE! Busque as informações.

2 – Pró-Labore

A segunda dica é: estabeleçam o pro labore em vez de usar todo o dinheiro que entra na sua empresa, tá bom?

Esta verba toda não é a mesma que vai cobrir as despesas da sua casa porque tem gastos da empresa, tem o lucro, tem tudo mais. Portanto, estabeleça para si mesmo salário – assim como para seus funcionários.

Você pode, por exemplo, determinar um salário fixo em um bônus ou premiação para receber mais quando a empresa faturar mais também.

O simples fato de cumprir as metas que você mesmo planejou nos períodos de vacas magras garante uma renda mínima para as suas despesas pessoais e da casa, conforme os seus negócios.

Você será recompensado de acordo com as suas regras, então, se a empresa lucrou mais, tudo bem ter um bônus. Se não lucrou tudo que poderia, você tem o seu salário fixo, que deve ser feito com base em números reais.

O que vai ser seu mesmo sendo dono do negócio. Que é como se fosse o seu salário que a sua própria empresa paga para você.

Nunca se esqueça que a sua empresa é uma coisa e você é outra. Então, para não confundir as coisas, uma boa ideia é você se considerar um funcionário dessa empresa que você administra.

E você não pode pegar o dinheiro da sua empresa gastar com gastos pessoais. Pode?

Então, estabeleça um salário para você mesmo! E nada de pegar o que está, teoricamente, “sobrando”.

Um bom conselho é você reinvestir na empresa para você poder crescer – quando o dinheiro sobrar no final do mês. Conforme vai crescer a sua  empresa você aumenta o seu pró-labore proporcionalmente!

3 – Os Registros

A terceira dica é: escolha a melhor ferramenta para fazer os registros da empresa. Embora as planilhas ainda sejam bastante utilizados para controlar o orçamento das empresas, hoje alguns softwares funcionam muito bem.

Você pode optar por um ou outro desde que faça isso corretamente. Mais importante do que o tipo de ferramenta que vai usar é a forma ajustada com que vai fazer.

Se você pode usar apps que fazem isso gratuitamente e torna todo processo mais simples, então, é uma boa ideia. Se a sua empresa fatura bem, inclusive, vale pagar um programa, que costuma ser ainda melhor e mais rápido.

Em pouco tempo, o valor investido vai ser compensado.

4 – Reservas Financeiras

A quarta dica é a seguinte: junte reservas financeiras para investir na sua empresa.

Aproveite os momentos de alta o faturamento da empresa para fazer o seu pé de meia para os momentos de crise! Isso é muito simples e didático: você vai fazer como o urso que armazena a comida para o frio, tá bom?

Reservas são essenciais para quem deseja manter os orçamentos em dia. Não tenha reserva de emergência não só para sua empresa, mas também como na sua vida pessoal.

5 – Os Aliados

A quinta e última dica é sobre buscar o aliado. É importante manter-se informados sobre seus direitos e todas as novidades envolvidas no setor e que sua empresa atua.

O seu contador vai ser importante para as questões fiscais e tributárias, por exemplo. Um especialista em TI pode ser importante para o seu investimento na tecnologia. Você pode ter consultores, vendedores, parceiros, investidores…

Isso tudo é que faz uma empresa se tornar grande e consistente! Aí, com os aliados, vai ser ainda mais importante você ter as 2 contas separadas – uma para pessoa física e outra para jurídica.