Conheça a regra do 70-20-10 e descubra como se livrar das dívidas

Atualmente, existem diversas regras disponíveis no mercado financeiro. Obviamente, eles servem para várias finalidades. A que vamos mencionar hoje é a regra do 70-20-10, que é menos conhecida do que as outras. Porém, ainda assim, ela funciona.

Logo, uma boa ideia é pensar nela como forma de sair das dívidas. Isso porque muita gente diz que “não tem como sair das dívidas” com contas e gastos tão altos. Inclusive, essas pessoas acham que a única solução é ter um salário maior. Porém, isso não é verdade.

Então, também dá para conseguir reverter o quadro simplesmente mudando alguns hábitos, revendo gastos e pensando nessa técnica. Para quem ainda não entendeu, nós vamos contar uma coisa bem importante nesse primeiro tópico, abaixo.

A maioria das pessoas endividadas tem um salário

Você pode achar que essa frase não faz o mínimo sentido. Mas, faz sim. Considere que a principal causa do endividamento das pessoas, na maioria das vezes, não é falta de receitas. E sim a falta de gestão dessa receita. Ou seja, isso representa 70% dos endividados.

O que quer dizer que a pessoa tem um salário, porém gasta mais do que ele permitiria. Como assim? Isso é muito fácil de ser explicado. Inclusive, a gente vai usar aqui um exemplo real para você entender como é, na prática. E é possível que você se identifique com a história.

Uma pessoa que tenha um salário de R$ 2.800, o que não é um salário ruim pode ter gastos altos todos os meses. Entre eles, R$ 800 de aluguel ou parcela do imóvel. Só que fora isso, acaba tendo também gastos gerais que passam dos R$ 2.000. Ou seja, ela fica endividada.

É raro encontrar situações assim? Não, não é. Dessa forma, ela nunca tem jeito para começar a investir dinheiro ou pensar em planos de independência, como abrir o próprio negócio. Por isso, a regra do 70-20-10 pode funcionar.

O que é a regra do 70-20-10

Essa regra é muito simples de ser entendida na teoria e aplicada na prática. Vamos lá. Basicamente, a gente tem a divisão conforme os números, todos em porcentagens. Assim, cada uma vai para uma “área” das finanças. Veja abaixo:

  • 70% é para os gastos mensais
  • 20% é para o pagamento da dívida
  • 10% é para investimentos financeiros

Logo, aqui está alguma surpresa. Aliás, algumas. A primeira é que você vai ter que enquadrar o seu padrão de vida em 70% da renda. Ou seja, não tem outra saída. Você vai ter que cortar gastos e diminuir despesas. Sendo que a saída é descobrir o que é prioridade.

A próxima surpresa da regra do 70-20-10 está no fato de que até mesmo endividados podem começar a investir dinheiro. Porém, desde que também se dediquem a usar parte da renda para pagar o atraso.

Na prática!

E quando a gente leva o assunto para a prática, a gente tem o fato de que muita gente acaba consumindo demais na parcela do imóvel ou do aluguel. Por exemplo, 70% do salário de R$ 2.800 vai dar R$ 1.960. Logo, os R$ 800 do aluguel vai fazer sobrar apenas R$ 1.160.

Então, esse é o problema: a pessoa tem que se virar com esses R$ 1.160 para custear o restante das contas de casa e da vida. Mas, ainda assim, é possível conseguir isso. Até mesmo porque um monte de gente consegue.

E se há uma boa dica para isso ela tem a ver com o controle de gastos. Por exemplo, comece por cortar tudo aquilo que não é essencial para você. E aqui entra um monte de gastos, a maioria do lazer, como cinema, comer fora, pizza, churrasco, feijoada.

Depois, considere diminuir drasticamente o custo daquilo que é importante. Porém, não é essencial. Dá para pensar em planos de celular e internet, além da academia. E no fim tente diminuir o máximo possível do que é essencial, como água e energia elétrica.

O pagamento das dívidas

Sendo assim, a gente tem a regra do 70-20-10 que considera 70% para os gastos gerais, como falamos acima. Depois, vem os 20% para pagamento das dívidas. Então, esse vai ser o verdadeiro pulo do gato porque deixar de pagar juros é uma ótima ideia para todo mundo.

Nas contas que simulamos acima, a gente vai ter R$ 560 para pagar as dívidas. Ou seja, é um bom valor de parcela mensal. Assim, considere ainda a opção de fazer um empréstimo mais barato para quitar aqueles mais caros. Como assim? A gente explica.

A dívida do cartão de crédito e do cheque especial são caras porque possuem juros altos. Logo, seria inteligente e da sua parte conseguir um empréstimo consignado ou pessoa, que é mais barato, para fazer a substituição. E lembre-se de saber que você só tem R$ 560 para a parcela.

O investimento financeiro

Já essa última parte, que é aqueles 10% do investimento, ela não vai ajudar, a princípio, no pagamento das dívidas. Porém, é importante para você começar a enriquecer. Ou seja, você vai começar a receber juros.

regra do 70-20-10

Assim, a gente tem R$ 280 de investimento mensalmente. Pode parecer pouco no começo, mas considere sempre o longo prazo. Assim, se a gente considerar uma média de retorno de 10% ao ano, a gente tem resultados incríveis.

Ou seja, em 1 único ano você vai ter acumulado praticamente 1 salário integral, que é de R$ 2.800. Além do mais, após algum tempo você vai ter quitado a dívida. Então, dá para investir 30%. E, agora sim, você vai começar a enriquecer cada vez mais rápido.

Dependendo de qual é o seu salário real e o tamanho de sua dívida em alguns meses ou anos, você poderá deixar de ser um endividado para ser um investidor. Tudo isso a partir da regra do 70-20-10, gostou?