Quanto investir para se aposentar? 10%: veja a fórmula em 5 passos

Esse é um dos nossos artigos mais ousados porque vamos falar de números e da realidade de muitos brasileiros. Partindo de um único pressuposto: investir 10% do salário para o longo prazo – e isso se você quiser realmente saber quanto investir para se aposentar, né.

Só que o artigo não vai falar apenas sobre a aposentadoria.

Incluímos na receita outros fins que devem ser usados para o seu dinheiro, como os gastos fixos, as emergências financeiras, a educação, a diversão, as férias e, também, a aposentadoria.

Nossa redação confessa: é um artigo bem legal e que realmente vai mexer com você.

Bom, é o seguinte: para chegarmos ao número de 10% do salário, levamos em conta muitos e muitos fatores.

Além de análises, além dos comentários que recebemos, das instruções que lemos nos guias, dos livros que vimos nos últimos meses.

Tudo isso para concluir que 10% é o suficiente para você se aposentar bem.

Então, como não podemos atender à todo nosso público, separamos uma parte dele, a maior parte: são pessoas que tem entre 20 e 30 anos e que se preocupam com o futuro financeiro.

Mesmo porque a previdência social, com a reforma aprovada ou não, está lamentável.

A fórmula

E usamos uma “fórmula” muito comum e muito citada entre vários consultores financeiros.

Segue:

  • 55% em gastos fixos
  • 10% na aposentadoria
  • 10% para emergências
  • 10% para educação
  • 15% para diversão

Partindo desse pressuposto, quanto investir para se aposentar? 10% do seu salário.

Bem, só que ainda que nosso público seja focado (pessoas entre 20 e 30 anos), ainda não cogitamos pensar no salário dessas pessoas.

Como resultado, trouxemos os números para a prática.

Selecionamos 2 salários mensais, sendo um de 4 mil reais e outro mais baixo, de um salário mínimo (que vamos arredondar para 1 mil reais – para facilitar as contas).

Está bem?

Será que ganhando 1 mil reais por mês dá para usar essa fórmula? É isso que vamos descobrir!

Só que antes vamos falar brevemente dos tópicos citados, né. Afinal, o que são gastos fixos, reserva de emergência, o que se encaixa em educação e lazer?

Os gastos mensais

No começo deste artigo falamos que fomos ousados.

E isso é realmente verdade, sabe por quê?

Porque ousamos em tocar em um ponto que é muito criticado pelas pessoas: as porcentagens do que fazer com a sua renda.

As pessoas vão dizer: “Uma faculdade no Brasil, custa, chutando por baixo, uns 1 mil reais por mês – fora os gastos com livros, cursos e matrículas”.

E: “Logo, essa fórmula não daria para pagar uma universidade”.

Ok. Sem problemas. Todo mundo tem direito a opinar.

Mesmo porque nosso intuito é trazer uma reflexão sobre o tema, levando em conta que a dúvida geral é “quanto investir para se aposentar”.

E é para tentar compreender esses questionamentos que publicamos esse material.

Bom, antes de nos criticar ou de nos jogar um monte de pedras, vamos entender o que são esses gastos e como eles devem ser separados, ok?

Aí sim, ao final disso, vamos comentar sobre ser possível ou não usar a tal fórmula.

Gastos Fixos

Os gastos fixos são aqueles que, como o nome diz, são fixos, né.

Mas, se você comprar um tênis de 800 reais no cartão de crédito, em 10 pagamentos mensais, não tem que considerar isto como um gasto fixo – porque uma hora ele vai terminar.

Como definir um gasto fixo, então?

Considerando que ele tem que ser “perpétuo”.

Ainda que a expressão “perpétua” seja forte, a ideia é justamente essa: gasto fixo é aquele gasto que é importante para a sua sobrevivência e que vai durar, no mínimo, muitos anos.

Uma conta de energia e água é algo que se encaixa muito bem nisso, não é?

Daí, podemos pensar também em outras contas mensais e corriqueiras, como a conta do celular, do telefone, da internet, da assinatura da TV, da lista do supermercado, do convênio médico.

Ah, e na fórmula, não foi criada um tópico “saúde”, portanto, dá para crer que ele estará em gastos fixos, está bem?

E ainda que não seja uma opinião tão comum entre os analistas, aqui podemos incluir os financiamentos – tanto de veículos quanto de imóveis.

Então, chegamos a conclusão de que os gastos fixos nunca vão mudar, é isso?

Na verdade, não! Ele muda sim, mas são gastos que você sabe que sempre vão existir, entende?

Os gastos fixos estão muito altos?

Então, já podemos tirar algumas conclusões daqui.

Uma delas é que os gastos fixos podem se alterar, mas não muito. No máximo, vão sofrer reajustes anuais e com impostos.

E, dessa forma, na média, você vai saber quanto tem de gasto fixo.

Aí, voltamos rapidamente à fórmula, que diz que 55% de todo salário tem que ser para gastos fixos.

Mas, vamos supor que você tenha renda de 2 mil reais e esteja gastando bem mais do que os 55% com esses custos tão importantes na sua vida.

E agora, o que fazer?

Não há solução melhor do que: economizar dinheiro com os gastos fixos, especialmente os domésticos.

Você pode fazer várias coisas: diminuir o consumo de energia e água, conseguir um plano mais em conta para a sua TV, telefone e internet.

Mesmo porque muitas pessoas consideram a saúde importantíssima, logo, nem sempre é possível diminuir esse gasto.

O mais importante é você entender que se você tem um gasto fixo maior do que 55%, é muito provável que você esteja vivendo acima do seu padrão de vida – que é algo que você tem que respeitar.

Sempre dá para economizar com isso e temos uma dica de ouro: geralmente, o que mais consome a renda dos brasileiros nos gastos fixos são os financiamentos de longo prazo – como de casas.

Leia TambémMelhor modo de Ganhar Dinheiro com Imóveis: vender ou alugar?

Portanto, fique atento à isso!

Diminuir ou cortar gastos e reduzir o padrão  de vida é o segredo para ter sucesso com os gastos fixos, tá bom?

Isso tudo vai ser importante para o próximo ponto, levando em conta que estamos considerando quanto investir para se aposentar, ok?

Aposentadoria

Bem, vamos lá: a aposentadoria.

Quanto investir para se aposentar? Chegamos à uma média de 10% da sua renda.

Mas, por que separar esse dinheiro para esse fim é tão importante?

Hoje, o Brasil e o mundo têm vivido uma realidade um tanto quanto diferente do que aconteceu até então: as pessoas estão mais livres do trabalho árduo da CLT (de responsabilidade das Leis Trabalhistas).

Isso quer dizer que ter uma carteira de trabalho é ruim?

Não é isso!

O fato é que mesmo quem tem esse direito, o da previdência social, acaba se prejudicando quando chega à velhice, à aposentadoria.

Se você é um trabalhador de mais de 40 anos e que ficou a maior parte da sua vida trabalhando e pagando impostos, deve estar P da vida porque o governo que aprovar a Reforma da Previdência, né.

Nós não estamos defendendo um lado ou outro, mas você tem que notar que dificilmente vai receber de aposentadoria tudo que “merecia”.

E para piorar, mais uma informação: na velhice é que as contas ficam caras.

O convênio médio sobe assustadoramente, além disso, há gastos com remédios, com transportes mais confortáveis, com alimentação mais restrita também.

Se sobe o gasto e diminui a renda, óbvio que a aposentadoria que vem apenas do governo é fracassada e vai te deixar na pior.

É por isso que insistimos em, se você quer saber quanto investir para se aposentar, poupar 10%, no mínimo, do seu salário.

Onde investir no longo prazo

Bom, se você entendeu que tem que criar a própria aposentadoria e não ficar a mercê do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), então, tem que começar a pensar no investimento a longo prazo.

Se você tem mais de 40 anos, tem que pensar em algo que não seja tão longo assim, tá?

Então, outra suposição: se você ganha 1,5 mil reais líquidos todos os meses, deve investir, ao menos, 150 reais pensando apenas na aposentadoria.

E, supondo que você ainda não tenha nada para fazer um aporte inicial, e que vai começar com os 150 reais, você tem muitas opções.

A saída é estudar os tipos de aplicações que existem no mercado financeiro. Se pensarmos em longo prazo e segurança.

Temos os fundos de investimentos com taxas de administração baixa, por exemplo.

Além das debêntures (que são um pouco menos seguras, mas vantajosas) e o tesouro direto, que é a nova poupança e muito indicada no longo prazo também.

Temos um e-book inteiramente gratuito para você conhecer todos os tipos de renda fixa, que são indicadas para o longo prazo e para a aposentadoria. Clique aqui para ler.

Reserva de Emergências

Além de saber quanto investir para se aposentar, você tem que considerar também quanto ter para os futuros e imprevisíveis imprevistos – que vão acontecer na sua vida.

Sim, eles vão acontecer porque sempre acontecem.

  • É o carro que quebra de repente e ficar super caro o conserto.
  • É uma doença que aparece e exige muito recurso para medicações.
  • É a crise econômica-politica do país que resulta em uma avalanche de desemprego.

No fim, são muitos os motivos para você pensar sim, e com entusiasmo, em montar a sua reserva de emergência, tá bom?

Os imprevistos, mais cedo ou mais tarde, vão acontecer, acredite nisso.

E aí, as pessoas perguntam: mas, de quanto deve ser essa reserva?

E a resposta é muito pessoal e variável.

Para você entender, vamos considerar um trabalhador que está há muito tempo em uma empresa e tem todos os benefícios da CLT – neste caso, ter uma reserva de 6 meses é uma boa opção.

Assim, se a renda da família é de 3 mil reais por mês, a reserva montada pode ser de 18 ou 20 mil reais na média, por exemplo.

Agora, se você é um autônomo e sofre com períodos de altas e baixas, o ideal é ter uma reserva que some algo equivalente à 1 ano de trabalho.

Então, você pega os 3 mil de renda e multiplica por 12 – o que vai dar 36 mil reais de fundo emergencial.

Bastante simples entender a importância de pensar na reserva e entender esse valor proposto pela fórmula (10%), né?

Onde investir pensando na reserva de emergência?

Ter uma reserva de emergência é diferente de ter uma aplicação financeira para a aposentadoria. Sabe por quê? Porque um é para o longo prazo e o outro é para…

Qualquer momento, afinal é para imprevistos.

Então, o investimento tem que ser pensado no curto prazo.

Mas, não é só isso não.

Tem outro ponto diferencial: tem que ter liquidez diária.

Isso quer dizer você tem que ter a liberdade de sacar os seus recursos quando precisar – mesmo porque você nunca vai conseguir planejar um acidente de carro ou uma doença, né.

Então, busque conhecer opções da renda fixa que tenha liquidez, como alguns CDBs de bancos pequenos e médios (que tem taxas de rendimentos melhores do que os bancos grandes).

Muitas pessoas, para fins emergenciais, optam pela caderneta da poupança para investir dinheiro no curto prazo.

Só que quem conhece do mercado financeiro, sabe que isso não é lá tão aconselhável do ponto de vista rentável.

Isso porque a poupança está rendendo pouco e seu dinheiro vai demorar mais a se multiplicar.

Por isso, a dica é conhecer os CDBs dos bancos pequenos, tá?

Educação

O que dizer da educação, meus jovens?

Você já sabe quanto investir para se aposentar, para ter uma reserva de emergência e saiba que na mesma proporção é preciso ter um investimento para a educação também.

Nem todo mundo considera isso importante, né.

Só que no mercado financeiro, o estudo é imprescindível, assim como em outras áreas.

O fato é que a educação brasileira tem mostrado resultados ruins e as pessoas começaram a buscar alternativas particulares, ainda que isso custe dinheiro alto.

E, por isso, muita gente diz que investir apenas 10% da renda nisso é praticamente impossível.

Aliás, uma faculdade custa mais de 1 mil reais, né.

Mas, nós não queremos desconsiderar a educação, então, sugerimos que você pense de forma diferente: que tal buscar formas de aprender sem que gaste muito por isso.

Hoje há opções EAD, que são bem mais baratas. E há cursos online que são ótimos também.

A grande dificuldade é encontrar aqueles que realmente valem a pena, né.

Bem, mas o importante é entender que, independente da forma que você o faça, estudar é imprescindível para quem quer se dar bem na vida – e não apenas na financeira, mas na pessoal e profissional também.

E antes de terminar esse tópico, ainda podemos falar das várias formas de aprender. Por exemplo, você não tem que ficar preso à um professor ou sistema. Não precisa disso.

A educação não é apenas escolar, está bem?

Conversar com algum mentor é uma forma de aprender, assim como dedicar mais tempo com os avós, com consultores, com coaches.

Ler livros, revistas, jornais, ver TV (alguns programas específicos), assistir séries, ver filmes, debater assuntos, refletir sobre temas… Tudo que te faça aprender é uma forma de se educar.

Ter educação sem gastar muito

Aqui na Trovó Academy temos 2 formas bastante úteis de aprender sem gastar muito.

Um é um e-book, que já foi citado, sobre a renda fixa.

Outro é sobre um curso online e também gratuito, só que mais focado em investimentos arrojados, como na bolsa de valores.

Basta clicar nos links acima e conhecer esses nossos dois produtos que tem custo zero!

Diversão

Por fim, mas não menos importante, tem a diversão.

  • Será que a diversão é mesmo importante?
  • Será que temos que considera-las?
  • O que vocês acham?

Acreditem: o lazer é muito importante para a vida de qualquer pessoal.

Tem gente que não abre a mão de uma viagem de fim de ano, mas não é só isso.

Os médicos da saúde física e mental não cansam de afirmar que esses momentos são importantes para quebrar a rotina intensa de trabalho dos brasileiros e propiciar situações mais relaxantes.

E o que é lazer?

Bem, lazer é tudo aquilo que não se inclui nas opções acima, né.

Mas, além disso, é também opções que trazem prazer e o convívio social.

Sair com os amigos para tomar um suco, comer petiscos e bater papo é lazer, né.

Ir ao cinema, ao parque de diversões, circo, teatro, shows, eventos culturais, músicas.

Lazer também pode ser o sorvete do final de semana, mesmo que a lista de compras do supermercado esteja incluída nos gastos fixos, tá?

Os gastos fixos são aqueles essenciais para a sobrevivência, né. E o sorvete não. Então, você pode incluir ele aqui mesmo.

O mais importante é você entender que não importa qual é o seu lazer, mas você tem que considerar ele, de alguma forma.

Diversão tem mais gasto que educação?

Uma dúvida que você pode estar tendo é: mas o lazer é mais importante (porque consome mais) do que a educação?

Na verdade, não é nada disso.

É que na fórmula, o lazer tem a ver com a diversão e mais um monte de outras coisas.

Por exemplo, é aqui você deve incluir a compra de roupas, uma festa de aniversário e assim por diante.

Inclusive, é aqui que você deve incluir a sua viagem de férias, tá? Ou outros gastos que você terá nas férias, como a reforma da casa, por exemplo.

A grande questão é você entender que a flexibilidade da diversão é maior, só que isso não quer dizer que você tenha que consumir todo 15% apenas nos bares, está bem?

Quanto investir para se aposentar

 A fórmula usada na prática

Bem, como prometido, vamos levar as porcentagens à prática.

Recapitulando, a fórmula é a seguinte:

  • 55% em gastos fixos
  • 10% na aposentadoria
  • 10% para emergências
  • 10% para educação
  • 15% para diversão

E temos que considerar tudo que já falamos até aqui, ok?

Incluindo a importância de se considerar investimentos financeiros distintos para a aposentadoria, emergências e educação.

E que na diversão também se deve incluir aplicações para a viagem de férias.

Renda de 1 mil reais

Assim sendo, para alguém que tem uma renda de um salário mínimo (arredondado para 1 mil reais), teria as seguintes condições:

  • 550,00 para gastos fixos
  • 100,00 para a aposentadoria
  • 100,00 para as emergências
  • 100,00 para a educação
  • 150,00 para diversão

Logo, o que fica claro é que para quem recebe um salário mínimo, investir na educação a ponto de pagar uma faculdade particular seria algo bastante distante da realidade, né.

Temos que ser sinceros: não vai dar.

Talvez, a saída seja investir em cursos EAD, a principio.

Além disso, os gastos fixos, devem se adequar aos 550 reais – portanto, evite financiamentos.

Se você fizer um empréstimo para comprar uma casa nova e a parcela ficar em 300 reais, saiba que terá apenas 250 reais para custear outros gastos, como telefone, água, alimentação.

Daí, é uma questão de escolha sua, ok?

Agora, se você acha que o dinheiro está pouco demais, tem que encontrar formas de ganhar dinheiro extra neste ano – vamos citar opções no final do artigo.

E, considere que quem tem renda maior, de 4 mil reais, tem mais flexibilidade, veja!

Renda de 4 mil reais

Por outro lado, considerando uma renda mensal um pouco maior, de 4 mil reais, as divisões ficariam da seguinte forma:

  • 2.200,00 para gastos fixos
  • 400,00 para a aposentadoria
  • 400,00 para as emergências
  • 400,00 para a educação
  • 600,00 para diversão

Como você está vendo, aqui há uma maior flexibilidade, né.

Ainda que não seja possível custear uma faculdade, já é possível pagar cursos online ou uma graduação EAD, em várias universidades.

Além disso, os 600 reais da diversão poderia custear uma vida mais saudável, com alimentos orgânicos e academia, por exemplo.

De qualquer forma, considere que as porcentagens de mantiveram, sendo a mesma de quem ganha apenas um salário mínimo.

E agora, fica a pergunta final – será que essa fórmula funciona?

O fato é que viver com apenas 55% de gastos fixos é um dos maiores desafios, considerando que a maior parte dos brasileiros está vivendo acima das suas condições.

E isso quer dizer que essas pessoas têm grandes e luxuosos carros no qual o orçamento financeiro não permite custear – lembrando que os financiamentos são os maiores vilões.

Ou, então, pagam financiamentos imobiliários bem acima do que deveriam e tudo para ter um cantinho para morar e montar uma família (por que não morar de aluguel?).

Isso também quer dizer que pagamos impostos exagerados. E nesse ponto, a culpa do brasileiro está apenas na hora de votar – vale a reflexão.

O importante é entender que temos em mãos apenas uma ideia, um protótipo, vamos assim dizer.

E que se você conseguir se guiar com ele, com certeza, terá uma vida mais equilibrada.

Assim sendo, o desafio é conseguir ajustar os gastos fixos para buscar uma vida equilibrada nas outras porcentagens, maximizando aquilo que é possível poupar sem deixar o lazer de lado.

Bônus – ganhar renda extra

Independente das opções que vamos listar abaixo, você precisa saber que existem fatores que influenciam o trabalho caseiro com a possível chance de retorno financeiro.

Uma delas é a ocupação.

Isso é importante porque trabalhar de casa não quer dizer que você terá que ficar focado no serviço o tempo todo.

Da mesma forma, tem que saber que será preciso se dedicar à tarefa de alguma forma – mesmo que o tempo seja maleável.

Neste caso, o planejamento pessoal e profissional é imprescindível.

Outro ponto a se considerar é a organização.

A autonomia do trabalho feito em casa é um ponto positivo, mas tem armadilhas – você não vai ter ninguém para te cobrar sobre produtividade ou rendimento.

Assim, as distrações podem ser grandes vilãs da sua organização. Para dar certo, você precisará aplicar tempo e dedicação nessa nova atividade.

Por fim, vale citar também o capital inicial – nem sempre você vai precisar dele para começar um projeto novo, mas em outros casos sim.

Se for preciso, você pode começar a pensar em usar parte do seu trabalho formal, como 13º salário ou alguma bonificação.

Quanto investir para se aposentar

Formas de Ganhar Dinheiro Extra em Casa

Descobrir formas de aumentar a renda ou ter uma fonte principal trabalhando de casa pode ser o grande segredo para você mudar de vida, ainda mais se considerarmos uma economia tão instável.

A internet é uma tecnologia que facilitou a forma de conseguir esse dinheiro extra, em busca de sonhos, mudanças, objetivos.

O comércio de produtos digitais, por exemplo, oferece uma carta de alforria para quem busca a liberdade financeira.

Confira algumas opções de como ganhar dinheiro em casa – para posteriormente considerar quanto investir para se aposentar.

Freelancer

Essa é a opção número 1 para quem quer ganhar dinheiro de casa.

Geralmente, você oferece o seu trabalho para empresas que fazem um tipo de contratação conforme o acordo.

Por exemplo, se você é jornalista, publicitário, assessor, fotógrafo ou desenvolvedor de sites, podem encontrar muitas oportunidades nesse mercado.

Para as pessoas que atuam em outras áreas também. Para isso, basta definir qual serviço vai prestar e se especializar nele.

Inclusive, existem sites e plataformas que colocam os freelancers em contato com as empresas, conforme o tipo de serviço prestado.

Artesanatos

Essa é a uma grande tendência que nunca sai de moda.

Existe um mercado que valoriza muito os produtos feitos manualmente, portanto, se você tem essas habilidades pode começar a pensar sobre ganhar dinheiro com elas, trabalhando de casa.

E, caso você não tenha o conhecimento especifico exigido pelo mercado, a internet pode te ajudar com isso – existem vários tutoriais e cursos que ensinam de tudo.

São listas, guias e passo a passo que estão cheio de ideias criativas.

Você precisa fazer a sua parte, levando em conta que as possibilidades são infinitas e qualquer produto pode ser vendido – roupas, acessórios, doces, comidas, decoração.

A internet pode funcionar como uma vitrine e você precisará criar a sua loja online para divulgar seus produtos.

Existem opções gratuitas, como o próprio Facebook que pode dar um retorno financeiro significativo.

Coaching

Outra ideia é você ganhar dinheiro ensinando aquilo que você domina.

Talvez você não acredite, mas existem muitas pessoas que tem dúvidas sobre assuntos que você tem facilidade. Você já pensou que poderia ser um especialista de algum assunto?

Na internet não é difícil encontrar blogs e canais do Youtube de pessoas que compartilham o seu conhecimento sobre moda, maquiagem, culinária, programas de emagrecimento, entre outros e ganham dinheiro com isso.

Não estamos falando, necessariamente, sobre teoria, como materiais escolares. Mas sim na prática – você pode gravar vídeos ensinando alguém a confeccionar produtos para o dia das mães, por exemplo.

As pessoas buscam aprender de tudo na internet hoje em dia. Se existe uma demanda, talvez você tenha a resposta.

Estruture aulas particulares, vídeos organizados, e-books, cursos.

Franquia

Esse é um caso um pouco mais ousado. Se você tem algum capital inicial para investir, pode pensar em trabalhar em casa como franqueado.

Se você ainda não sabe, as franquias são modelos de negócios que já estão atuantes no mercado e, portanto, tendem a dar certo. A marca já é conhecida e existe um público-alvo definido.

Além disso, as franquias oferecem suportes em áreas como a de marketing e vendas.

Muitos modelos de franquias possibilitam a chance de ganhar dinheiro trabalhando em casa, de forma remota, a distância.

Se você tem interesse em empreender, o mais importante é encontrar algo que lhe dê retorno financeiro.

Afiliados

Aqui o assunto é um tanto quanto mais especifico. Ganhar dinheiro como afiliados é para quem já entende, ao menos um pouco, sobre as vendas online e o comércio da internet.

Na prática, esse é um mercado onde você ganhará dinheiro divulgando links de produtos digitais que são disponibilizados em plataformas online, como o Hotmart.

O afiliado, portanto, busca o cliente e age como se fosse um intermediário da venda – entre o cliente e o produtor do conteúdo.

Como o afiliado ganha dinheiro? Com a comissão da venda. Isso pode gerar liberdade financeira e é uma opção no mercado online.

Conteúdo

Se por um lado você pode ganhar dinheiro como afiliado, de outro pode ser o criador de tais produtos que serão vendidos – essa também é uma maneira interessante de divulgar seus produtos na internet.

Existem muitas empresas que precisam de pessoas que produzam bons conteúdos e essa pode ser uma boa chance para você ganhar dinheiro.

Se você entende de sites, de marketing digital, youtube, plataformas online… As chances são infinitas.

Nos dias de hoje existem agências especializadas em produzir conteúdos.

Day Trade

O mercado financeiro também oferece uma boa alternativa para quem quer ganhar dinheiro trabalhando na internet, em casa.

Aqui não se deve pegar um dinheiro inicial e investir de olhos vendados, ao contrário. Você precisa estudar o mercado, conhecer a bolsa de valores e saber o que comprar e quando comprar.

Como visto nas últimas notícias, a B3 (nova bolsa de valores) está a todo vapor e com muitas expectativas.

índice Ibovespa bateu recordes e o assunto das privatizações tem beneficiado empresas de infraestrutura, vale a pena conferir.

Se você dispõe de tempo e dedicação, faça cursos, estude o mercado e ganhe dinheiro investindo no mercado acionário.

Da redação