Veja essas 7 dúvidas mais frequentes sobre a previdência da Caixa

ANÚNCIO

A previdência privada, também chamada de previdência complementar, é uma opção que muito brasileiro tem considerado frente à previdência social. A ideia é unir as duas rendas e ter uma velhice e aposentadoria mais tranquila. E uma das opções é a previdência da Caixa.

Saiba que essa instituição financeira, a Caixa Econômica Federal, é um banco totalmente confiável aqui no Brasil. Sendo que é responsável pelo pagamento de vários benefícios trabalhistas e é um dos bancos mais tradicionais daqui.

ANÚNCIO

Veja essas 7 dúvidas mais frequentes sobre a previdência da Caixa

Se você quer adquirir uma previdência, simular o produto ou tirar as principais dúvidas que as pessoas têm, continue lendo. Abaixo, temos as 7 dúvidas mais frequentes sobre esse produto que o banco oferece.

1 – Quanto investir

A Caixa Seguradora tem com uma das principais dúvidas sobre a previdência privada a questão do quanto investir. E isso tem a ver com a escolha do melhor plano para cada pessoa. Já que existe a flexibilidade de escolher planos de acordo com o perfil de cada brasileiro.

ANÚNCIO

É a própria seguradora que diz que “o melhor plano sempre será aquele que cabe no bolso e atende aos anseios do consumidor”. Dessa forma, é possível aumentar, diminuir ou até mesmo fazer contribuições a mais nesse tipo de produto durante o tempo de vigência.

2 – PGBL ou VGBL

A segunda dúvida é sobre a questão das siglas que são totalmente famosas no assunto da previdência privada. Só que não é tão complicado assim entender isso. Vamos lá!

PGBL é para quem faz contribuições com o INSS ou outras previdências. E também para quem declara o Imposto de Renda. Isso porque o valor da previdência pode ser declarado no IR, exatamente como as despesas médicas e da educação.

VGBL é outro tipo de previdência, indicada especialmente para quem ainda não faz a declaração do IR ou declara de forma simplificada. Esse modelo, assim sendo, não oferece o benefício fiscal. Só que o imposto vai ser cobrado na retirada.

Veja o que a Seguradora diz: “se você faz a declaração do IR completo e quer investir mais do que 12% da sua renda anual, faça isso em um PGBL. E o que ultrapassar dos 12% invista em VGBL”.

3 – A tributação

A tributação também é uma questão importante na previdência da Caixa e em outras previdências que existem no país. Isso porque todo tipo de produto financeiro (ou quase todos) tem a cobrança de impostos.

E existem dois modelos de tributos na previdência.

O Progressivo é para quem não sabe quanto tempo vai deixar o dinheiro investido. Ou para quem vai sacar em menos de 10 anos. Nesse caso, o pagamento é de 15% do imposto.

O Regressivo é para quem vai investir por mais de 10 anos. E aí, o imposto será o menor cobrado, sendo de 10%. Vale lembrar que quem investe em até 2 anos pode ter uma tributação de 35%.

4 – A taxa

Também existe a questão sobre as taxas que são cobradas, né.

A taxa de administração é o que é cobrado para a gestão, portanto, é um dinheiro que fica na Caixa. E existe uma variação desse valor, conforme o tipo de fundo de investimento.

A taxa de carregamento é a porcentagem descontada ao aplicar ou retirar o dinheiro do plano. Sendo que existe tanto a de entrada como a de saída, sendo que são 2, ok?

No caso da Caixa, a partir de 3 anos de aplicação não é cobrada a taxa de saída. E a de entrada fica em 0,50% para contribuições acima de R$ 1.000 e acima de 3 anos.

5 – A transferência

Na previdência da Caixa dá para fazer transferência, assim como em outros bancos. Portanto, se você tem a previdência em um banco e depois quer migrar, saiba que dá para fazer isso. Essa transferência, no caso da Caixa, não tem custos e nem impostos, no que é chamado de portabilidade.

A única regra é que “para fazer isso é preciso aguardar um período de, pelo menos, 60 dias da contratação do plano”. E a Caixa deixa disponível até mesmo um termo de portabilidade. Você pode acessar gratuitamente.

6 – Os tipos de renda

Atualmente, existe a renda vitalícia para um plano de previdência. Essa é aquela que a pessoa receberá uma renda mensal enquanto estiver viva, após o término do contrato que foi feito.

Tem ainda a renda por prazo indeterminado, que permite receber a renda por alguns anos, o que varia de 1 a 35 anos. Nesse caso, se o beneficiário falecer, a família continua recebendo a renda, conforme contrato.

E tem ainda a renda temporária, que é de 5 a 35 anos. Mas, nesse caso, a família não continua recebendo em caso de morte do beneficiário.

Veja as diferenças entre previdência privada e seguro de vida

7 – A simulação

Por fim, a última dúvida frequente que a Caixa Seguradora traz no seu site é sobre a simulação da previdência da Caixa. Essa é uma forma inteligente de saber se esse é um bom produto para você ou não.

O simulador online funciona o tempo todo e a qualquer hora do dia o interessado pode simular os dados. Para isso, vai ser preciso preencher algumas informações pessoais e profissionais. Como: idade, e-mail, declaração do IR, tempo, valores, etc.

Se você gostou do produto e tem o interesse em simular, saiba que dá para fazer isso no site da Caixa Seguradora, aqui. Agora, se você já tem um produto e apenas quer saber mais informações, considere os contatos por telefone: 3004-4000 ou 0800-702-4000.

ANÚNCIO