Saiba como funciona o sistema de pagamento eletrônico, o PIX do governo

ANÚNCIO

O PIX do governo federal é uma forma de pagamento online, que surgiu para substituir a TED (transferência eletrônica) e o DOC (que também é uma transferência eletrônica de dinheiro). No entanto, para substituir, o novo sistema de pagamento eletrônico tem muitas vantagens.

A ideia que é demonstrada pelo governo é chamada de “pagamento instantâneo”. Assim, o foco é permitir que transações de envio de recursos financeiros sejam feitas a qualquer hora do dia. Já que as TEDs e DOCs podem ter algumas regras quanto aos horários.

ANÚNCIO

Assim, o conceito diz que isso vai permitir que o consumidor faça transações financeiras com a mesma facilidade que se envia uma mensagem para algum contato do celular. E para quem costuma ficar com o pé atrás, saiba que o sistema é embasado pelo governo do país.

Para quem está com dúvidas, mas já ouviu falar do PIX, a gente criou essa matéria para explicar um pouco mais em detalhes sobre esse novo serviço. Até mesmo porque o projeto é ousado e visa, inclusive, acabar com as bandeiras de cartões – ou competir com elas.

Como vai funcionar o PIX no Brasil

O PIX do governo vai acontecer em parceria com os bancos, obviamente. Mas, não somente com eles. A ideia é integrar todos: pessoas consumidoras, bancos, fintechs e todas as empresas do setor financeiro. Até mesmo mercados vão receber pagamentos por PIX.

ANÚNCIO

Por isso, tanto se fala em sistema de pagamento eletrônico. Ao passo que outro dos objetivos é criar um sistema único. E isso pode simplificar as movimentações financeiras no país, criando uma comunicação direta entre todos.

Para quem entende mais de tecnologia, isso vai ser algo como a conexão peer-to-peer (P2P). E para o consumidor, o processo é simples, ainda mais se ele tiver tido contato com os meios digitais, como os apps de bancos, por exemplo. Entenda esse passo a passo.

Existirá o aplicativo PIX gratuito. Nele, o consumidor vai inserir dados, como nome completo, CPF, conta bancária. Então, terá uma chave PIX. Essa chave vai ser o identificador do consumidor e pode ser um QR Code. Assim será permitindo transferir e receber recursos.

O G1 fez uma imagem para explicar isso em desenho, veja:

Saiba como funciona o sistema de pagamento eletrônico, o PIX do governo

As vantagens do PIX

A gente sabe como funciona, mas ainda não sabe quais as verdadeiras vantagens do PIX, né? Bom, a gente não tem como pensar em outro começo a não ser para falar da agilidade de transferências e transações, já que o objetivo é fazer isso em 10 segundos.

E como já comentamos acima, TEDs e DOCs possuem limite de horários e o PIX não vai ter esse limite. O que engloba, por exemplo, outros pontos, como: a não necessidade de ter que ir em agências bancárias ou sair de casa para fazer transferências ou depósitos.

Outra coisa interessante é saber que será um processo que vai facilitar a vida de pessoas e empresas. Isso porque dá para usar o PIX para pagamentos e transferências entre pessoas, para estabelecimentos comerciais, entre estabelecimentos, para o governo.

Além de isso minimizar muito o uso do DOC ou da TED e também do cartão, considere que vai tornar obsoleto o uso de boletos bancários. Afinal, o PIX também será uma alternativa para essa forma de pagamento, que demora até 3 dias para ser compensada.

Leia tambémDescubra como fazer pagamentos via Whatsapp

Uma próxima vantagem que precisa ser destacada aqui é que a chave PIX, que pode ser o QR Code, é o que vai garantir a segurança para quem está transferindo ou recebendo os recursos. Inclusive, as pessoas físicas terão 5 chaves por conta e as empresas até 20.

E para fechar, temos que falar da vantagem de que o PIX do governo não terá custo – nem para empresas e nem para pessoas. E também não terá limite para os valores das transferências online. Enquanto que as TEDs, por exemplo, possuem limite de menos de R$ 5 mil.

O nascimento do PIX

Para fechar o texto, considere que é importante falarmos também que a ideia foi lançada em fevereiro deste ano, 2020. Assim, o sistema é considerado inovador e pode significar um grande avanço para toda área financeira do país.

E quer saber? Nem mesmo países desenvolvidos, como Estados Unidos ou China, possuem um sistema eletrônico assim. Logo, o Brasil acaba sendo um dos modelos para o uso da tecnologia do PIX. E que tem todo respaldo de um órgão público de respeito por trás, o BC.

PIX do governo

Se você ainda não se ligou muito bem do que estamos falando, saiba que é o mesmo sistema de pagamentos e transferências que são oferecidos por várias fintechs de hoje em dia, que também disponibilizam isso gratuitamente. Só que agora, o PIX é do governo.

Saiba mais do PIX

Se você ainda tem dúvidas sobre o PIX do governo, considere que a melhor forma de obter mais notícias é justamente acompanhando a página do Banco Central, que é o principal órgão responsável pelo sistema.

Na página do BC tem todas as informações, inclusive com vídeos e infográficos, falando sobre esse lançamento que deve acontecer nos próximos meses. O lançamento, inclusive, já aconteceu e você pode ver no vídeo abaixo:

O BC explica por exemplo, um pouco mais, sobre os tipos de QR Code. Sendo que há 2 deles: dinâmico e estático. Ambos possuem vantagens. Sendo que o estático é ótimo para pequenos varejistas e prestadores de serviços, além de pessoas físicas.

O dinâmico acaba sendo mais recomendado para automações comerciais.

ANÚNCIO