Onde investir dinheiro para render mais do que na poupança? [10 preciosidades]

ANÚNCIO

O medo de sair da caderneta da poupança pode estar te fazendo andar para trás. Se você quer ter uma vida financeiramente mais estável, vai precisar sair da poupança. Agora, se você quer saber onde investir dinheiro para render mais, melhor ler este artigo.

O medo de investir é uma realidade na vida de muitos brasileiros.

ANÚNCIO

Aliás, nem sempre é medo. Pode ser também desconfiança ou falta de interesse.

Mas, neste artigo, vamos resumir tudo em “medo”.

Porque se você não sabe como investir dinheiro com segurança, fica receoso. E isso já é um passo para sentir medo do novo, mesmo que ele possa ser melhor e mais vantajoso.

ANÚNCIO

Um dos primeiros conselhos que você tem que considerar é: esqueça essa ideia de que investir é perigoso e arriscado. Se você sabe o que está fazendo, não é nada perigoso.

A pergunta, então, é: qual a melhor forma de investir dinheiro?

E aí, a resposta é dura: existem algumas, mas entre elas não estão a poupança, nem a previdência, nem as capitalizações.

E sim, estamos falando com como investir dinheiro com segurança também, ok?

Leia TambémComo investir com segurança: o guia mais rápido do mundo!

E, para início de conversa, vamos listar alguns dos mitos criados na hora de investir.

Para cada dúvida, há uma resposta muito simples e que vai tirar de você essa ideia de que investir dinheiro é algo sobrenatural, de outro mundo.

Acompanhe!

Como investir dinheiro com segurança? – Os mitos

Todo mundo que se lembra do 1º dia de aula ou da 1ª paixão sabe que o fato de encontrar o desconhecido gera sim um friozinho na barriga.

Só que depois, passado o medo, com sabedoria, os benefícios são os melhores possíveis.

Você pode ficar mais sábio do que já é ou simplesmente encontrar o amor da sua vida.

No mercado financeiro, a história é bastante parecida: existe o medo, mas por trás existem muitos benefícios que fazem valer a pena.

E não estamos falando em correr riscos, ein.

O tópico aqui é todo voltado para investir dinheiro com segurança, então, vamos lá!

1 – Perder todo o dinheiro

Foi-se o tempo em que as pessoas perdiam todo o dinheiro na bolsa de valores.

Hoje em dia, ainda existem raros casos.

Mas, sabe por quê?

Porque as pessoas tem preguiça de estudar o mercado.

Algumas entram na bolsa sem nem saber o que é uma ação, propriamente dita.

Fica fácil entender porque perdem dinheiro né.

Aliás, hoje em dias existem muitos mecanismos de segurança que não te deixarão perder todo o dinheiro – um deles é o Stop Loss, por exemplo.

Agora, se você ficar aí achando que a caderneta da poupança é a melhor solução do mundo, lembre-se do governo brasileiro, que há alguns anos congelou esse investimento das pessoas.

E aí, acha mesmo que a poupança é o investimento mais seguro do país?

A ideia aqui é você entender que existem muitas opções mais rentáveis do que a poupança e que sim, elas são também seguras.

Ao final do artigo, você vai encontrar onde investir dinheiro para render mais e vai notar que a segurança é praticamente a mesma – ou até maior.

Então, deixe de bobagem: você não vai perder todo o dinheiro se investir ele (agora, saiba como fazer isso, né – estude!).

2 – O melhor momento para investir

Essa é uma das desculpas mais esfarrapadas de quem ainda não teve coragem para investir.

Cara, você quer saber mesmo qual o melhor momento para investir? É hoje! É agora!

Isso é importante porque todo investimento financeiro (ao menos os verdadeiros, com os CDBs, LCIs, Debêntures, Ações) trabalham com os juros compostos.

E os juros compostos são ótimos para o longo prazo.

E, se você quer saber, é uma forma inteligente de como investi dinheiro com segurança porque você sabe que seus recursos estarão sendo rentabilizados (acima da inflação, inclusive).

Descubra como ganhar dinheiro acima da inflação!

“Ah, mas a Selic estão em queda”.

Tudo bem se você pensar assim. Só que justamente porque ela estar em queda, isso mexe com a inflação também. E, se você tem o dinheiro parado, ele vai se desvalorizar.

E você perder dinheiro ao invés de ganhar.

Você tem que entender que investir no mercado financeiro não é um bicho de sete cabeças e que não é apenas para quem já tem muito dinheiro. Nada disso.

Se você começar hoje, investindo pouquinho a cada mês, você vai ter o que é chamado de segurança financeira (no curto prazo) e independência financeira (no longo prazo).

Claro que você tem que fazer isso com sabedoria, ok?

Não adianta correr lá no seu gerente do banco, dar 5 mil reais na mão dele, e falar vou investir. Você precisa saber onde investir dinheiro para render mais (nunca se esqueça disso).

3 – Os altos e baixos dos investimentos

Outro medo que as pessoas têm é sobre as turbulências que o mercado financeiro sofre.

Isso acontece muito na renda variável, com a bolsa de valores.

Mas, ainda assim, você não precisa temer.

Na verdade, como falamos, existem mecanismos que vão te ajudar com isso.

Tem uma técnica que se chama diversificação de investimentos.

E é usada em todo mercado.

Será que tem como investir dinheiro com segurança na bolsa? Sim, tem sim!

E é diversificando ativos que você consegue isso!

“Nunca coloque todos os ovos na mesma cesta” – esse é um conselho de ouro.

Então, você vai comprar ações? Monte um portfólio que tenha empresas da construção civil, bancos, commodities, varejo, etc.

Daí, se uma delas tiver queda, provavelmente as outras não terão e você mantém seus recursos todos equilibrados.

Ou balanceados, como os analistas gostam de falar.

No caso da renda fixa, os altos e baixos também podem influenciar, mas menos.

E o que vai mudar é um pouco da sua rentabilidade.

Aí, o que acontece? Você analisa novamente seu ativo, faz as contas e vê quanto ele tá rendendo.

Obviamente que a regra número 1 é: estar acima da inflação.

Em caso contrário, você muda de estratégia. Simples assim e não é difícil, tá.

4 – Falta tempo para investir

Agora, chagamos em um ponto extremamente importante.

Depois que falamos tudo isso, você pode dizer que não tem tempo para investir.

Isso seria um erro, mas também dá para reverter a situação.

Você já deve ter ouvido falar em fundos de investimentos, não é?

Para quem já está no mercado há bastante tempo, eles não são a melhor forma de investir dinheiro, é verdade.

E isso acontece porque eles têm taxas que corroem a rentabilidade – como a de administração, corretagem, etc.

Por outro lado, eles são muito aconselháveis para quem está começando a investir dinheiro e ainda não dispõe de muito tempo para acompanhar o mercado.

É por isso que se paga taxas a mais – porque algum gestor vai fazer esse trabalho por você.

Se você perguntar onde investir dinheiro para render mais do que na poupança, mesmo que não tenha tempo para isso; com certeza, a dica será: os fundos de investimentos.

E o detalhe é que existem muitos e muitos fundos, de todos os tipos: multimercado, de renda fixa, de ações, de câmbio, etc.

Se você quer aprender como investir dinheiro com segurança, comece pelos fundos de renda fixa, que são conservadores a ponto de não oscilar quase nada com o mercado.

Sim, é como se você já soubesse quanto vai lucrar ao longo do período de investimento.

Bastante simples, né.

Bom, para terminar o tópico, a última dica é: nunca assuma um fundo que tenha taxa de administração superior a 1%, ok?

Essa é basicamente uma regra do mercado – porque nesse caso o rendimento cairia muito.

5 – Investimentos com liquidez

Outro argumento que é muito comum de ouvirmos: “E se eu precisar do dinheiro investido”?

E, na real, esse é um bom argumento, tá.

Porque em alguns casos, as pessoas não podem resgatar o recurso até o prazo final porque perderiam rentabilidade – e aí, o que fazer?

Se nós estamos falando em onde investir dinheiro para render mais, não podemos deixar de lado a rentabilidade, né.

Então, realmente, não dá para sacar o dinheiro antes do prazo.

É o seguinte, a dica aqui é muito importante par quem está formando a reserva de emergência – que é um dinheiro que tem que estar disponível o tempo todo, para saque imediato.

Leia Também O que é Liquidez em investimentos financeiros!

Então, estamos falando de investimentos com liquidez diária.

Isto é: são opções indicadas para quem está nessa situação – de poder tirar o dinheiro quando quiser.

É claro que essas aplicações não vão render como as outras (de prazos mais longos), só que ainda assim é indicada para quem quer ter mais juros do que tem na poupança.

Geralmente, após sair da poupança e querer liquidez diária, os investidores novatos para os CDBs com liquidez diária.

Eles rendem com base na Selic e (quase) sempre ficam acima da inflação.

São boas opções de como investir pouco dinheiro e de como investir dinheiro com segurança, sem perder a oportunidade de ter um rendimento mais palpável.

Então, chega de desculpas sobre precisar do dinheiro, está bem?

6 – Um novo congelamento dos investimentos

Como já falamos do congelamento da poupança há algumas décadas, vamos voltar ao assunto – afinal, quem tem mais de 30 anos lembra muito bem de como isso dá medo.

Para isso, temos que fazer uma breve análise histórica porque se foi o tempo em que os governos e os bancos usavam o dinheiro dos seus clientes para encontrar a estabilidade econômica do país.

Depois do Plano Real, o governo conseguiu um grau de confiabilidade para lidar com dinheiro.

E a resposta está no Tesouro Direto, que a cada dia ganhar mais investidores. (Esse é um título emitido e garantido pelo governo federal).

7 – Conheça as rendas fixas

Se você não sabe muito bem onde investir dinheiro para render mais, tem que conhecer a renda fixa, está bem?

Existem vários títulos que são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) e isso para o caso de você estar interessado em saber qual a melhor forma de investir dinheiro com segurança, né.

Vamos considerar basicamente todos os mais importantes tipos de renda fixa no mercado.

Só que na outra parte do artigo, vamos citar apenas aqueles que realmente serão rentáveis neste ano. Afinal, estamos falando na melhor renda fixa de 2018.

Fundos de Investimentos

Os fundos de investimentos também são acessíveis à todos os investidores porque tem uma diversificação grande de ativos.

No entanto, eles têm a cobrança dos impostos e das taxas, o que pode diminuir a rentabilidade.

“O pequeno investidor tende a fugir dos fundos DI com taxas de administração alta – o que é totalmente correto. Mas, nesses casos, o investimento inicial pode ser um pouco mais alto”, diz Cabral.

A dica é que corretoras e bancos médios podem ter fundos interessantes mesmo para os pequenos investidores, levando em conta que a taxa de administração deve ser menor do que 0,5% ao ano.

Agora, será que essa é a melhor renda fixa de 2018?

Leia Mais – O melhor investimento financeiro para 2018: renda fixa ou multimercados?

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

Os CDBs, ao que tudo indica, devem ter os melhores ganhos do ano – ao menos, acima da poupança e do tesouro Selic.

Antes, entenda que os CDBs são os investimentos da renda fixa mais simples do mercado financeiro.

Eles, nada mais são, do que empréstimos financeiros feitos por investidores aos bancos. Logo, os bancos usam tais recursos para financiar seus próprios projetos (investimentos).

Leia Mais – Qual é o melhor banco para investir em renda fixa!

A dica, nesse caso, é que para serem melhores a remuneração precise ficar acima de 100% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Os bancos médios e as corretoras de valores costumam oferecer opções melhores do que os grandes bancos em CDBs.

Os CDBs, no entanto, podem não ser tão bons no curto prazo.

Letras de Crédito (LCI e LCA)

São investimentos financeiros parecidos com os CDBs.

Porém, com algumas diferenças: eles são isentos do imposto de renda e devem ser usados para fins específicos, como imobiliários e do agronegócio.

A ideia é a mesma do CDB – ou seja, muito indicado para o médio e longo prazo.

Sendo isento de imposto de renda, seria essa então a melhor renda fixa de 2018?

A resposta vai aparecer ao longo do texto, acompanhe!

Tesouro Direto

São títulos públicos do governo federal.

O governo usa esses recursos para quitar suas dívidas e remunera o investidor pelo empréstimo.

Esses títulos costumam ter liquidez ainda mais longo do que as outras opções de renda fixa.

Por outro lado, é um investimento financeiro totalmente seguro.

Há dois tipos de opções:

  • os pré-fixados (remuneração estabelecida),
  • pós-fixados (atrelados no IPCA ou na Selic).

Para comprar os títulos do tesouro, o investidor precisa ter conta em uma corretora de valores.

Existem outras opções de renda fixa, mas não citaremos aqui. Se você quiser conhecer o leque integral dessa opção de investimento, leia nosso guia definitivo e gratuito!

8 – Entenda a renda variável

Os ativos da renda variável não têm parâmetros de remuneração como da renda fixa.

Eles não se baseiam em Selic, CDI ou outros índices econômicos.

Por isso, são mais arriscados para o investidor iniciante.

Ainda assim, é possível encontrar maneiras de saber como investir dinheiro com segurança na bolsa de valores.

Entenda, brevemente, o que são ações.

A bolsa de valores para iniciantes é a mesma do que para os experientes.

A compra das ações funciona da mesma forma – sem que haja algum benefício em particular.

A única diferença é que quem já conhece o mercado, sabe quais as nuances o mercado da renda variável apresenta.

Na teoria, as ações são como pequenas fatias de uma empresa que tenha o capital aberto.

A maior parte das empresas brasileiras (onde se inclui Petrobras, Vale, Itaú) tem ações para serem negociadas na B3 (antiga Bovespa – bolsa de valores de São Paulo).

O que muda é o valor, que fica na variação da oferta e da procura por tais títulos.

E é fácil entender isso: se uma companhia tem muita procura por parte dos investidores, as ações sobem – justamente porque aumenta a demanda.

O contrário funciona da mesma forma.

E daí o investidor que comprou pode vendê-las se houve interessados.

O valor vai ser o do momento e é isso que vai garantir o lucro ou a perda financeira.

A bolsa de valores é indicada para iniciantes?

As ações são indicadas para todas as pessoas que tem conhecimento sobre a economia.

Você pode fazer isso de várias formas: estudando o mercado, acompanhando os índices, lendo as notícias da área e analisando os relatórios das empresas.

Os analistas costumam dizer que apesar de poder render bons lucros no curto prazo, a bolsa de valores é muito recomendada para o longo período, a partir dos 10 anos.

Isso devido a perspectiva de crescimento da economia.

Portanto, a bolsa de valores para iniciantes também é uma realidade. O que não se pode é esperar que os resultados caiam do céu – bote a mão na massa e estude o mercado.

9 – A diversificação dos investimentos

Montar uma carteira de investimentos é uma estratégia muito comum na vida dos grandes investidores e que tem que fazer parte da sua vida também. São dois os motivos principais: reduzir riscos e elevar o potencial de ganhos.

O que se sabe é que se você consegue montar uma carteira de investimentos diversificada você fica, praticamente, imune ao cenário econômico.

Bom, vamos colocar os pingos nos is.

O que é uma carteira de investimentos? Ela nada mais é do que um conjunto de aplicações financeiras de um mesmo investidor – que pode ser pessoa física ou jurídica.

No linguajar financeiro, ela também é chamada de cesta de investimentos ou portfólio de investimentos.

Agora que você já sabe o que é uma carteira de investimentos, resta saber para que ela serve.

Ela reúne todos os ativos financeiros de uma pessoa – que podem ser da renda fixa ou da renda variável, assim como dólar, imóveis, ouro. Tudo o que uma pessoa tem investido.

Lembrando que o foco é lucrar mais, mas também proteger o seu patrimônio.

A diversificação de investimentos vale a qualquer custo?

É mais ou menos assim: “o risco de uma carteira é menor do que a soma dos riscos individuais de cada ativo”, entende isso?

A frase acima é de Harry Markowitz, que estudou o mercado financeiro em 1960 e foi considerado o pai moderno da teoria dos portfólios.

Mais tarde, criaram a expressão: “nunca colocar todos os ovos na mesma cesta”.

E tudo isso contribui para o que chamamos hoje de carteira de investimentos diversificada.

Na prática, isso quer dizer que se você tem 10 mil reais ou qualquer outro valor, não deve aplicar tudo no mesmo ativo financeiro porque ele pode variar.

O ideal é dividir em 2 ou 3 opções diferentes, de rendas diferentes (fixa e variável) e de mercados diferentes também.

Vamos à outro exemplo hipotético: você destinou 10 mil à bolsa de valores…

Então, o que é melhor fazer:

  • Investir tudo na Petrobras? Claro que não.
  • Investir tudo no Itaú? Também não.
  • E se investir tudo na Droga Raia? Também não.

O ideal sempre vai ser a diversificação de investimentos.

Você pode aplicar seus recursos nas 3 empresas, por exemplo. Levando em conta que uma é estatal, outra é de bancos e a outra é uma small cap que tem apresentado bons números. Isso é diversificar investimentos.

Daí, se por acaso, alguma delas tiver resultado negativo, é possível que as outras tenha números positivos e compense essa perda.

Entende o que estamos falando?

Proteger o seu patrimônio, essa é a melhor expressão!

Isso explica porque a recomendação é aplicar em ativos que tenham pouca correlação entre si – é o que chamamos de diferentes mercados.

10 – Investir no exterior

Quando o assunto é investir dinheiro em imóveis internacionais, todo cuidado é pouco.

Pyles diz que esse é como toda outra aplicação – precisa de análises e percepção de riscos, levando em conta a possibilidade de valorização.

Se o comprador está atento, ganhará dinheiro.

“Quem comprou apartamentos na Flórida na crise de 2008 por 20 mil dólares, hoje tem um bem valendo mais de 250 mil dólares. Fora o ganho gerado ao longo dos anos em alugueis, que foi na média de 1,5 mil dólares por mês”, garante Pyles.

Ele também fala sobre a oportunidade de ter 1% de renda em relação ao investimento, como os imóveis que são indicados para alguns clientes.

A recomendação do especialista é ficar atento ao mercado – não se deve focar apenas em Nova York e Miami, que são rotas já conhecidas.

“O que se deve pensar é nas formas de ganho, que é a valorização do imóvel e a renda do aluguel”.

São vários os motivos que levam as pessoas a investir no exterior, levantamos os principais.

A segurança! Como o Brasil passa por intensas mudanças políticas, os planos econômicos acabam sofrendo com a inflação e a Selic – assim, investir em imóveis no exterior, para muitos, parece ser um porto seguro.

Lá nos Estados Unidos, para se ter uma ideia, a modalidade desfruta de uma reputação de solidez e segurança.

Fora isso, casas e apartamentos são bens físicos, que tem forte valor psicológico.

Com informações do Foxbit, Credito ou Debito

ANÚNCIO