O que é marcação a mercado no Tesouro Direto – entenda tudo

ANÚNCIO

Existe uma questão que gera muitas dúvidas nas pessoas hoje em dia e é sobre a marcação a mercado no Tesouro Direto. Aliás, no Tesouro Direto é mais comum. Porém, essa marcação acaba gerando complicações na vida de muitos investidores de toda renda fixa.

Então, criamos esse conteúdo para falar do MtM (mark to Market) como também é chamada essa marcação. A ideia é que você entenda porque, as vezes, o seu título do Tesouro pode estar negativo, já que esse é o ativo mais seguro do país.

ANÚNCIO

Curiosamente, saiba que essa marcação também acontece nos fundos. Sendo que nesse caso, o objetivo principal é fazer com que o investidor ou cotista receba a remuneração correta no resgate, sem que haja transferência de lucro ou de prejuízos.

Então, para que serve a marcação a mercado

Se há uma forma resumida de responder essa dúvida, saiba que a marcação permite um “amparo” às negociações de títulos de forma imediata. Assim, apresenta ao investidor a performance de um ativo, com valorização ou desvalorização do título.

Ficou confuso, né? Vamos tentar de novo. Essa marcação visa uma melhor fluidez, no momento presente, das transações do mercado financeiro. Assim, ela visa adequar os títulos liquidados antes do vencimento com aqueles que estão sendo emitidos.

ANÚNCIO

Ainda ficou confuso? Tudo bem, realmente é um assunto um pouco mais técnico. Mas, para, finalmente, a gente entender tudo sobre isso, vamos a um exemplo prático e simples.

O exemplo

O exemplo foi dado por especialistas da XP Investimentos. Eles citam que um investidor comprou um apartamento de R$ 1 milhão em janeiro. Assim, o pagamento foi feito à vista e sem obras adicionais.

Ao mesmo tempo, eles levam em conta que a vendedora é a irmã do comprador. E, assim, ela comprometeu a recomprar o apartamento daqui há 5 anos com o valor corrigido por uma taxa de 10% ao ano.

Porém, ela é uma empresária que está mudando de país. Logo, há um risco de ela não cumprir esse acordo. Mas, é um risco baixo porque ela é rica, estável e a irmã do investidor.

Então, além do compromisso de recompra garantido, você pode vender o apartamento a mercado quando quiser. Se isso acontecer, é como se você estivesse em um mercado secundário, com outro interessado.

Mas, ainda existe a chance de você ficar no apartamento por 5 anos, também. A história ainda não acabou ok? Agora, precisamos ver “o que pode acontecer”. Isso vai ser importante para entender o que é marcação a mercado no Tesouro Direto depois.

Cenário de alta

Em cenário de alta pode acontecer que na região do apartamento houve valorizações. E o potencial de venda do apartamento está em R$ 1,3 milhão. Nesse caso, a marcação a mercado subiu 30% em um mercado secundário.

Cenário de baixa

Por outro lado, pode ser que coisas ruins aconteceram perto do seu apartamento, o que fez ele se desvalorizar. Agora, os anúncios indicam um preço de venda de R$ 800 mil. Isso seria um prejuízo, certo? Em tese sim, mas só se concretizará como prejuízo se você vender o apê.

Assim, a marcação a mercado está abaixo do preço de compra. No entanto, o apartamento pode valorizar de novo. E lembre-se que em 5 anos você poderá vende-lo de novo com aquela taxa combinada de 10% ao ano.

A marcação a mercado na renda fixa

É claro que o assunto é para falar do que é marcação a mercado no Tesouro Direto. No entanto, a gente vai acabar falando da renda fixa de um modo geral porque outros ativos também possuem essa marcação, como CRI e CRA, por exemplo.

Na prática, como vimos no exemplo acima, a emissão de novos títulos como esses (Tesouro, por exemplo) pode pagar juros melhores do que aqueles que estavam sendo pagos antes. Isso gera uma desvalorização do papel.

Vamos supor que você comprou o ativo com rentabilidade de 10% ao ano. Mas, agora saiu um novo título no mercado primário com rentabilidade de 12% ao ano. Então, o seu título é desvalorizado. É como se fosse “um desconto no valor da compra do seu ativo”.

Mas, o que é mais importante aqui é você considerar que sempre que conseguir levar o seu ativo até o prazo final, você não será desvalorizado. Ao menos, você vai manter sempre o que foi combinado, que no caso é 10% ao ano. Ok?

Se você quer entender isso ainda mais, saiba que a BTG Pactual, com o seu “garoto propaganda” Gustavo Cerbasi, fez um vídeo explicativo sobre o que é a marcação a mercado. Assista:

O que pode influenciar na marcação a mercado

Já chegando ao final do conteúdo, vamos trazer aqui, por curiosidade, 2 pontos que podem influenciar muito nessa marcação a mercado dos investimentos.

A liquidez é a primeira delas. Isso porque os ativos de maior liquidez (como títulos públicos) pode ter a marcação mais rapidamente, baseando no preço dos ativos no fim do dia. E esse embasamento se dá por taxas como do CDI e da inflação.

A tributação no Brasil: a inflação nos investimentos financeiros

A rentabilidade também importa. Assim, os títulos de renda fixa pós-fixados possuem preços ajustados diariamente também, como é o caso do Tesouro Selic. Por isso é que se o resgate acontecer antes do tempo, o investidor poderá ter rendimento negativo.

O que é marcação a mercado no Tesouro Direto

Em resumo, a renda fixa é a que mais sofre com a marcação a mercado. Por isso, apesar de serem ativos seguros é muito importante conseguir considerar eles como os seus objetivos. Afinal, sempre que cumprir o prazo final, você não terá perdas ou resultados negativos.

ANÚNCIO