O que é hedge? A gente explica de forma simples e didática

ANÚNCIO

Depois de comprar um carro zero quilômetro, uma das primeiras atitudes de muitas pessoas é procurar por algum seguro veicular. O motivo é simples: proteger o carro ou minimizar os gastos se algum acidente acontecer. Assim, você começa a entender o que é hedge.

Afinal de contas, ele pode ser visto como uma espécie de seguro também, só que para investimentos financeiros. Obviamente, é aquele tipo de ativo que muitos investidores têm justamente para minimizar as perdas, quando elas ocorrem.

ANÚNCIO

Só que antes de contratar esse serviço, é importante entender mais sobre ele e quando será possível usar na carteira de ativos. Por isso, fizemos um conteúdo para tirar dúvidas sobre o assunto e ajudar você a proteger os investimentos.

O que é hedge de investimentos?

Se formos procurar pela tradução da palavra hedge, no seu formato mais simples, nós vamos nos deparar com os termos “cerca” e “barreira”. No entanto, para nós o melhor significado está muito mais ligado à palavra “proteção”.

E o que esse tipo de seguro assegura? Na teoria, ele é usado contra o Risco Não Sistêmico. Isso quer dizer que não é algo que vai afetar o mercado de forma total.

ANÚNCIO

Sendo assim, o hedge é acionado justamente na hora que algum dos seus ativos apresenta algumas situações que não correspondam com aquilo que estava esperando. Então, o hedge entra reduzindo possíveis prejuízos.

É exatamente a mesma ideia do seguro do carro. Vamos supor que você se envolveu em um acidente de carro. Logo, ainda que tenha que pagar a franquia, o seu maior prejuízo será minimizado porque o seguro vai atuar na cobertura de danos. Entendeu?

Os ativos que funcionam como hedge

E vamos continuar entendendo o que é hedge. Logo, saiba que um hedge não precisa ser feito somente no mercado de derivativos. Ao passo que também pode ser usado em outros ativos que são relacionados de um método oposto entre si.

Mas, de fato, os derivativos são extremamente procurados para quem buscar fazer um hedge. Ou seja, o hedge mais conhecido e mais usado é o derivativo.

Para você entender melhor sobre isso, saiba que derivativos são contratos que dependem de outros valores para definir o seu próprio valor. A gente explica isso em exemplo, para facilitar, vamos lá.

Exemplo dos derivativos!

Vamos supor que você fez um contrato de DI futuro. Ele irá lhe apontar quanto conseguirá obter de juros futuramente, podendo ser previsto por meses ou anos. Mesmo com essas previsões muito bem fundamentadas ainda ocorrem riscos de oscilações.

E o motivo é o fato de que essas perspectivas de taxas de juros podem ser alteradas com o passar do tempo. Assim, ao chegar ao final do seu contrato, será conferido o valor que representa as taxas de juros daquele momento e quanto havia sido previsto no inicio.

Nesse momento que se pode perceber a importância do hedge, pois ele irá usar outros contratos para lhe dar uma segurança maior contra essas oscilações, garantindo que o lucro seja mais próximo daquilo que foi combinado no começo.

Esse foi apenas um exemplo de como empregar o hedge, mas saiba que ele é largamente usado por inúmeros investidores e tipos de investimentos também.

Os instrumentos de hedge atuais

Existem alguns instrumentos que constituem o hedge e são eles que vamos lhe explicar agora. Assim como os derivativos, você vai ver que dá para pensar em outros ativos também. Quer ver só? Continue lendo.

Contratos futuros

Vamos começar pelos contratos futuros que é o método mais direto para aplicar o hedge. O comprador do ativo e o vendedor irão fechar um acordo com um valor específico e que terá validade até o vencimento.

Contudo, podem acontecer variações. Caso o valor fique acima do combinado, o comprador ganha na hora do vencimento. Se for menor, o vendedor é que ganha.

Veja que o hedge é acordado quando se é definido um valor que “trave” aquele valor que está sendo negociado, podendo ser juros, preço de ação ou qualquer outra coisa. Depois que definirem esse valor razoável para ambos, deverão esperar o momento do vencimento.

O último passo é justamente o de avaliar como foram as oscilações. Se for notado um crescimento acima do que estava esperando, você não ganhará. No entanto, ao notar que o valor da evolução seja ruim, não será obrigado a pagar a mais que o hedge que foi fixado.

Opções

O próximo contrato é o de opções e como parece bem óbvio, tem esse nome por apresentar alternativas, que se referem ao benefício de poder comprar ou vender algum ativo, seja ações ou qualquer outro tipo de título. Entre as formas de fazer hedge, essa é a mais comum.

Swap

O último instrumento que vamos falar é o swap, que vem da palavra em inglês troca. Inclusive, ela representa exatamente a ação dele, a troca entre um ativo e um outro. A ideia de fazer isso é para que sejam trocados os riscos dos investimentos.

Fundos de Investimentos no Exterior – descubra o que é capital estrangeiro

O swap só pode ser usado como hedge também, pois os riscos e percepções que abrangem os ativos são distintos entre os agentes.

O hedge para minimizar as perdas

E para terminar esse texto sobre o que é hedge, saiba que se você já está no mundo dos negócios, deve ter notado que hedge é bem comum entre os grandes investidores. Logo, caso esteja pensando em se aventurar por ele, então, terá de dominar esse conceito.

O que é hedge

Segurança é algo que sempre deve ser investido, só que isso tem alguns custos. Assim, o hedge lhe ajuda a deixar o valor dos seus investimentos “travados” e com uma previsibilidade bem melhor. Mesmo sem preservar o ganho ao máximo é uma ideia para evitar um prejuízo maior.

ANÚNCIO