O que é CDB – entenda o CDB pós-fixado e o CDB prefixado

ANÚNCIO

Mesmo que você saiba o que é CDB, considere que nesse conteúdo vamos ir além. A ideia é mostrar as principais diferenças entre os que fazem pagamentos de rendimentos de forma pós-fixado ou prefixada. Mas, também vamos falar obre o que é esse ativo da renda fixa.

Afinal de contas, os últimos meses têm sido bem intensos em vários pontos de vistas. Inclusive, na área dos investimentos financeiros. E entender esse tipo de rentabilidade dos CBDs, que são os preferidos de muitos investidores, é um bom começo para entender o mercado.

ANÚNCIO

Aliás, já vamos trazer uma informação bem legal aqui. Em 2017 muita gente optada pela renda fixa ao invés da renda variável. O motivo era que o pagamento dos juros era bem próximo. Hoje, a história é bem diferente. Por isso, a importância de falar sobre ele.

O que é CDB

Antes de falarmos das formas de remuneração do ativo, vamos entender o que é CDB. Na tradução da sigla temos Certificado de Depósito Bancário. Na prática, temos um título emitido pelos bancos e comprado por investidores.

Assim, é como se o cliente fizesse um empréstimo ao banco. Como resultado, ao final do tempo contratado, ele vai receber o valor que investiu na sua totalidade e mais uma taxa de juros que pode ser prefixada ou pós-fixada (falaremos mais das taxas abaixo).

ANÚNCIO

Então, qual é a vantagem de um CDB? A primeira coisa é que quase sempre rende mais do que a caderneta da poupança. E a outra vantagem é que tem a mesma garantia da caderneta, sendo dada pelo Fundo Garantidor de Crédito, em até R$ 250 mil por pessoa em cada banco.

Outro detalhe é que o CDB costuma ser mais rentável do que a poupança mesmo tendo a cobrança do imposto de renda, que é feita sobre o rendimento. A cobrança segue uma tabela regressiva, sendo que quanto mais tempo o dinheiro fica investido, menor é a taxa.

O CDB pós-fixado e o CDB prefixado

Agora, esse grande tópico é para explicar as diferenças entre esses dois tipos de CDB. E como já mencionamos acima, o que vai mudar é a taxa de pagamento do rendimento ao investidor.

O CDB pós-fixado

Como o nome sugere, ele tem um rendimento que é obtido a partir de um índice. Então, o investidor sabe sobre o que vai receber, mas não sabe o valor exato – porque o índice sobre variações do mercado.

Por exemplo, você pode contratar um CDB de 3 anos que pague 120% do CDI. Então, você sempre vai receber 120% do CDI se continuar até o fim. Mas, o valor do CDI, que é baseado na Selic do país, pode se alterar no decorrer do tempo.

Geralmente, é uma boa ideia para quem quer se manter sempre alinhado com a taxa básica de juros da economia, a Selic.

O CDB prefixado

Nesse caso, o valor contratado é fixo mesmo e não baseado em índices. Então, por exemplo, você pode contratar um CDB para daqui 7 anos e que paga 10% ao ano. Por isso, a sua taxa é fixa em 10% ao ano independente da Selic, do CDI, da inflação, de qualquer coisa.

Isso quer dizer que o CDB pós pode ser bom para quando o CDI tem a tendência de aumentar. Mas, se for para cair, então, o investidor pode ter rentabilidade menor do que se esperava. Isso não significa perda de dinheiro, só uma rentabilidade mais baixa, ok?

Como saber qual é o melhor CDB para mim?

Agora você sabe o que é CDB e sabe os tipos que existem também. No entanto, pode ser que ainda não tenha ficado claro qual é o melhor ativo para você. E a verdade é que isso nem sempre fica tão claro mesmo.

A primeira coisa é saber que ambas opções são seguras pelo FGC. Portanto, até aqui nada muda. Outra coisa é saber que em nenhum caso você perde dinheiro, com poderia acontecer com ações da bolsa de valores. No máximo, você perde rentabilidade, ou seja, juros.

O que é CDB

Agora, o que vai mudar mesmo é a questão do prazo e da taxa. Vamos falar um pouco mais sobre cada um desses detalhes.

A taxa

A taxa importa. No entanto, é muito difícil sabermos se a Selic vai subir ou descer, né? Ainda mais quando somos novatos no mercado de investimentos. Por isso, quase sempre escolher o CDB pós-fixado deve ser visto com uma análise do mercado financeiro e da economia, no geral.

Para se ter uma ideia, como mencionamos lá acima, em 2017, a taxa era alta e a tendência era sempre para cima. Hoje, a gente tem uma Selic em queda constante. Sendo que essa queda partiu dos 14% e chegou aos 2%. Logo, o pós-fixado acabou não sendo bom para muita gente.

O prazo

Já quanto ao prazo, o que acontece é que a maioria dos prefixados possuem prazos mais longos e até mesmo valores iniciais mais altos. Então, pode ser que não seja uma ideia boa para muita gente justamente porque a Selic pode melhorar no futuro.

Assim sendo, só uma recomendação: sempre alinhe o seu investimento com o seu objetivo. Se você está pensando em uma aposentadoria, por exemplo, saiba que um CDB bem longo, mas que tenha uma boa taxa prefixada pode ser a melhor ideia.

Mas, se você só quer fazer uma viagem daqui a 3 anos, então, pode ser que um CDB pós valha mais a pena. Só que essa não é uma indicação de investimento, ok? A gente só está dando exemplos para você entender a importância de alinhar sonhos e ativos.

ANÚNCIO