Mais de 62% das famílias brasileiras estão endividadas. Saiba quais são os 7 principais motivos

ANÚNCIO

O assunto da Educação Financeira – ou a falta de investimentos nela – é assunto comumente falado aqui no Blog. Segundo uma pesquisa global sobre o tema, a S&P Ratings Services Global Financial Literacy Survey, aproximadamente 3,4 bilhões de pessoas têm nível baixo nível de educação financeira.

Ao todo foram entrevistados mais de 150 mil adultos, dos quais 33% foram considerados educados, que eram aqueles que tinham domínio em pelo menos três dos conceitos financeiros básicos apontados pelo estudo: Aritmética, Diversificação de Risco, Inflação e Juros Compostos.

ANÚNCIO

6 Dicas para entender Como Calcular os Juros Compostos e Ficar Milionário

O Brasil ficou na 74ª posição do ranking mundial.

Outra pesquisa, a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), apontou que em outubro de 2016, mais de 62% das famílias brasileiras estavam endividadas.

Voltou a fazer dívidas, né? Isso não é brincadeira não! Encontramos uma pesquisa, feita durante 2 décadas, que mostra o comportamento comum de pessoas ricas. Sabia que 80% das pessoas chegaram ao Primeiro Milhão de Reais, saíram das dívidas e começaram do zero!

ANÚNCIO

Ah, dúvida, é? Assisti a esse vídeo abaixo, é rapidinho:

https://youtu.be/mjgTFj_4MjM

A pesquisa acontece mensalmente desde 2010 e os dados são coletados em todas as capitais dos Estados e no Distrital Federal. Desta vez, foram consultados mais de 18 mil consumidores. Já em termos motivos, os principais destaques são:

  1. Cheque Pré-datado,
  2. Cartão de Crédito,
  3. Cheque Especial,
  4. Carnê de Loja,
  5. Empréstimo Pessoal,
  6. Prestação de Carro, e
  7. Seguro.

3 Motivos para Cair Fora do Financiamento de Carro

Aliás, vocês sabia quem os Juros Médios do Cartão de Crédito Brasileiro são de 436% ao ano? Um valor bem assustador, não é? “Aqui no Brasil é praticamente impossível pagar o rotativo do cartão, mesmo sendo um crédito pré-aprovado, não deveria haver taxas tão abusivas”, afirmou uma economista.

Clique aqui e leia tudo o que ela disse.

Como sair das dívidas?

Engana-se quem pensa que fazer uma dívida para pagar outra é a melhor solução. Isso pode criar o efeito bola de neve e aumentar ainda mais as consequências financeiras.

“A disciplina começa aqui e vou provar para vocês, que mesmo estando endividado, você pode começar a investir, e em um ano, você quita toda a dívida”. O problema, normalmente, vai estar nos gastos, por isso, vamos precisar aplicar uma regrinha muito simples, considerando, claro, custos como o do aluguel, por exemplo.

Então, o primeiro passo é não se desesperar e o segundo é ler esse artigo: Está com a corda no pescoço? Respire a saia da dívida.

PIB Brasileiro acumula queda de 4%

De janeiro até setembro, o PIB apresentou queda de 4% em relação ao mesmo período de 2015, a maior queda do período desde 1996, segundo informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Reprodução: Google
Reprodução: Google

Em valores, o PIB representa a soma dos bens e serviços do país, que alcançou mais de 1,58 trilhão de reais, sendo que a agropecuária, indústria e serviços representaram quedas de 1,4%, 1,3% e 0,6% respectivamente.

Trovó comenta a queda da Taxa Selic no G1, relembre!

O desempregou somou 12 milhões. Assim, o consumo das famílias voltou a retrair e caiu 0,6%, a 7ª queda consecutiva. As exportações caíram 2,8% e as importações recuaram 3,1%, em relação ao 2º trimestre deste ano.

Ibovespa perde 38 milhões de reais

A pesquisa feita pela CMA, sobre o índice da Bolsa de Valores, vale para o período pós-eleição de Trump (9 de novembro) até o dia 25 de novembro e, além disso, no mesmo período, o dólar teve valorização de 6,32%.

O que Trump vai fazer ainda é uma incógnita, mas, segundo o estudo, existem 3 causas para explicar a depreciação do mercado financeiro:

  1. Insegurança e Intolerância,
  2. Alta Volatilidade, e
  3. Valorização do Dólar.

Leia mais sobre a eleição de Donald Trump e a influência disso para o mercado financeiro:

Da Redação

 

ANÚNCIO