IPCA+ 2024 é o Melhor Investimento Financeiro em Renda Fixa 2017, diz gestor

ANÚNCIO

A resposta do gestor ainda se completa quando ele diz: “As pessoas estão vendendo este título prevendo a que a inflação ficará abaixo de 4,5% ao ano”. O que para ele, não é verdade. Como o ativo fica acima da inflação, se ela for maior que o esperado quem comprou o papel leva a melhor.

A resposta é do gestor da SulAmerica Investimentos, Marcelo Mello, que administra mais de 34 bilhões de reais e foi dada ao portal Infomoney.

ANÚNCIO

Mas, será que esse é mesmo o melhor investimento financeiro do ano?

Não, pelo menos em termos absolutos.

Sabe por quê?

ANÚNCIO

O melhor investimento financeiro para uma pessoa, não será o melhor para outra, obviamente. Essa responsabilidade tem vários porquês e motivos.

Obviamente que, para quem vai levar os papéis até a data de vencimento – 2024 – essa renda fixa é uma excelente opção de aplicação financeira considerando o baixo risco e a remuneração bastante superior à inflação.

Mas, para quem vai resgatar antes, já não vale tanto a pena. Aliás, se a taxa básica de juros continuar caindo e ficar menor do que o esperado, o título tende a render menos, podendo até mesmo dar prejuízo no curto prazo.

O que Considerar para Levar o IPCA+2024 como melhor investimento do ano?

Ele valerá a pena se:

  • Você estiver disposto a carrega-lo até o vencimento – 2024,
  • Se a rentabilidade vai ser a inflação mais 5,14% ao ano.

Em caso contrário a qualquer uma dessas opções, o investidor correrá risco no papel.

Para todas as pessoas que acreditam que vão precisar do dinheiro antes do vencimento, aconselha-se o Tesouro Selic, que é parecido com o IPCA, só que acompanha a taxa básica de juros da economia.

Para você entender mais essa questão do Melhor Investimento Financeiro, separamos outro tópico, que também é curto. Confira agora.

Qual o Melhor Investimento Financeiro para um Freelancer?

Com uma renda mensal instável, a necessidade de criar uma Reserva de Emergência passa a ser obrigatória. Pensando, obviamente, na tranquilidade profissional. O ideal é sempre juntar dinheiro que tenha equivalência à 6 meses ou 12 meses da renda mensal média.

IPCA+ 2024 é o Melhor Investimento Financeiro em Renda Fixa 2017, diz gestor
Reprodução: Google

Sabendo disso, fica a pergunta:

Onde Investir Dinheiro para a Reserva de Emergência?

Por se tratar de uma reserva emergencial, que pode ser resgatada a qualquer momento, dependendo da situação, o melhor a se pensar é em alguma aplicação que tenha baixo risco (para não perder dinheiro) e que tenha liquidez diária (para resgate a qualquer momento).

Baixo Risco + Liquidez Diária, ok?

Levando isso em consideração, surgem as seguintes possibilidades:

  • Fundos DI ou de Renda Fixa pós-fixadas,
  • CDB, LCA ou LCI com liquidez diária,
  • Título Público (Tesouro Selic / LTF – Letra Financeira do Tesouro),
  • Poupança.

Qual dessas opções é o Melhor Investimento Financeiro?

Para saber a resposta, vamos analisar cada uma.

Poupança

Não tem apresentado bons resultados financeiros, sendo que as vantagens estão voltadas para a praticidade (resgate imediato) e a ausência do Imposto de Renda.

Porém, mesmo sem o IR, a poupança tem perdido rentabilidade para as outras modalidades da Renda Fixa.

Fundos de Investimentos

Têm rentabilidades melhores do que a poupança na maior parte dos casos. O aconselhável é “observar” os fundos pós-fixados dos bancos, analisando a rentabilidade anual e comparando com a poupança.

No caso dos fundos, vale o alerta sobre as taxas de administração e o Imposto de Renda. Isso faz com que o regaste menor do que 6 meses seja bastante duvidoso em termos de rendimentos. Mesmo assim, ele ainda valerá mais do que a poupança.

Existem ainda fundos que rendem bem mais – 20% ao ano, por exemplo. Porém, eles não são pós-fixados e sim prefixados, ou seja, mais arriscados. Para o resgate curto, não vale a pena.

Tesouro Selic

Também chamados de LTF são boas oportunidades para quem tem a ideia de fazer um fundo de emergência. Ele é melhor do que as outras opções do Tesouro Direto porque é o único que é pós-fixado, o que tem menor risco.

A rentabilidade pode ser feita pela calculadora do Tesouro.

Títulos Privados (CDB, LCA e LCI)

Também costumam valer a pena desde que tenham a liquidez diária.

Para encontrar os melhores papéis desses investimentos, é preciso pesquisar muito e ver qual melhor se assemelha com o seu perfil – lembrando que nem sempre o gerente vai te ajudar nisso.

Todos esses títulos de renda fixa privados tem a garantia do FGC – Fundo Garantidor de Crédito. Ou seja, ainda que o governo não garanta, como no Tesouro, eles tem a garantia de até 250 mil reais pelo fundo, para cada pessoal.

Ainda não está Satisfeito com as Análises? Conheça Tudo sobre as Rendas Fixas!

Consideração Final

Depois de analisar todas essas opções financeiras, basta ver qual melhor se enquadra no seu perfil. Normalmente, os títulos privados rendem mais, seguidos dos públicos, dos fundos e da poupança. Mas isso varia muito conforme a economia do país e seus objetivos.

Para quem trabalha como autônomo ou freelancer, o principal objetivo inicial tem que ser montar a reserva de emergência.

Se a situação estiver agravante, vale pensar nos fundos, que permitem o saque no dia seguinte, enquanto os outros, ainda que tenham liquidez diária, demoram um pouco mais.

Bônus: Com Selic em 8,25% como ficam os Investimentos Financeiros?

Luciano Tavares é CEO da Magnetis Investimentos, Arthur Farache é sócio da Desfixa e Fernando Marcondes é do Grupo GGR. Eles comentaram sobre essa nova queda da Selic.

Com a queda da Selic, a rentabilidade da Renda Fixa será menor. Porém, na opinião deles, ela ainda vai continuar sendo uma boa opção de investimento financeiro.

Para Tavares, com a redução dos juros e a inflação em queda, o rendimento real ainda será positivo para essa aplicação. “Qualquer perfil de investidor sempre vai ter uma parcela de renda fixa entre seus investimentos”.

“Se é alguém mais conservador, essa parcela será predominante. Se é alguém mais agressivo, a renda fixa será usada para aplicar o dinheiro de uma reserva de emergência, por exemplo”, diz.

Farache concorda e diz que o mais viável é diversificar os investimentos, tornando o risco menor. Porém, na atualidade existem poucas opções para o pequeno investidor.

“Dentre elas, estão os CDBs de bancos menores, que costumam praticar taxas mais altas. E os fundos Multimercados, que quando há tendência de queda de Selic ganham mais dinheiro, de forma generalizada”, afirma.

Marcondes defende o mesmo pensamento. “A diversificação é um seguro gratuito em momentos de crise, é o que evita grandes perdas”.

Ao mesmo tempo, para Farache, a tendência é que os investidores migrem seus recursos, em partes, para a renda variável, valorizando as ações. “É preciso pensar em empresas que tenham uma volatilidade menor e que esse investimento deve ser de longo prazo”.

“Ter uma parcela em renda fixa é sempre necessário, seja para reserva de emergência ou para realizar um objetivo de menor prazo”, diz Tavares.

Milton Galvão é da FMU e fala sobre a redução dos juros. “As opções dependem do perfil de cada individuo. Profissionais jovens têm menor aversão a riscos e podem investir em renda variável, já aqueles em faixa de idade mais avançada devem buscar a segurança da Renda Fixa”.

Investimentos de 10 mil Reais com a Selic em 8%

PoupançaR$ 10.566
CDB (95% DI)R$ 10.625
LCI/LCA (90% DI)R$ 10.717
Tesouro SelicR$ 10.658
Fundos (taxa administração de 0,3%)R$ 10.606

Investimentos de 50 mil Reais com a Selic em 8%

PoupançaR$ 52.830
CDB (95% DI)R$ 53.129
LCI/LCA (90% DI)R$ 53.587
Tesouro SelicR$ 53.293
Fundos (taxa administração de 0,3%)R$ 53.033

Investimentos de 200 mil Reais com a Selic em 8%

PoupançaR$ 211.323
CDB (95% DI)R$ 212.517
LCI/LCA (90% DI)R$ 214.348
Tesouro SelicR$ 213.175
Fundos (taxa administração de 0,3%)R$ 212.133

As tabelas acima foram baseadas em dados do Banco Central, Tesouro Nacional, Portal Simulador Investimento e ADVFN.

Com informações do DinheiropraViver

ANÚNCIO