Descubra 3 maneiras de investir no exterior sem dor de cabeça

ANÚNCIO

Você também é daqueles novos investidores que está começando a cogitar a possibilidade de investir em outro tipo de ativo, como em dólar ou até mesmo em imóveis americanos? Saiba que, na verdade, existem 3 formas de investir no exterior sem dor de cabeça. E a gente conta!

Realmente, são modelos simples de investimentos que você já deve conhecer. Porém, pode ser que ainda não tenha considerado que eles sejam possíveis por lá também. Até mesmo porque investir no exterior é uma forma de você manter o seu patrimônio protegido, né.

ANÚNCIO

É o que mais experientes gostam de chamar de hedge, isto é, um tipo de ativo que é para evitar as oscilações que temos aqui no país. Para quem está montando um portfólio e uma carteira variada, esse é uma opção e tanto a ser pensada.

Por que investir nesses ativos

Antes de citar as opções, você pode estar se perguntando sobre os motivos que se tem para fazer esse tipo de investimento financeiro. Além de ser um hedge, saiba que há outros motivos importantes também. Por exemplo, o retorno das aplicações.

Em uma situação de alta de dólar por aqui (como esses que estamos vivendo), alguns produtos importados estarão mais caros, assim como outros que sofrem influência da moeda norte-americana. Porém, para quem tem investimentos por lá, a carteira se equilibra eficientemente.

ANÚNCIO

Resumidamente, o que temos é que esse tipo de aplicação minimiza a perda e é uma forma de manter a estratégia sempre positiva. Logo, temos uma carteira menos volátil e mais equilibrada. Mas, quais são esses ativos que são simples a ponto de não dar de cabeça?

1 – Os fundos de investimentos no exterior

Os fundos são bem conhecidos aqui no Brasil e costumam ser opções para os investidores novatos, que ainda não possuem firmeza para entrar na bolsa de valores, por exemplo. Atualmente, há fundos de renda fixa e variável, além de moedas, ouro, etc.

O fato é que também há fundos que investem no exterior. Nesse caso, o que acontece é que quem faz a gestão dos recursos acaba sendo a responsável por comprar os ativos. Então, você evita toda aquela burocracia para ter que criar uma carteira boa.

É sem dúvidas uma das formas mais simples de investir no exterior sem dor de cabeça que temos hoje em dia. Porém, há ressalvas. Você tem que tomar cuidados com a avaliação do fundo, com as taxas que são cobradas e o histórico dele.

2 – Exchange Traded Funds (ETFs)

Esses produtos são negociados diretamente na bolsa de valores. É como se fosse um fundo também, já que concentra várias ações em um mesmo ativo. Mas, não é um fundo, ok? Ele permite comprar cotas de um fundo, como se fosse ações.

Aqui no Brasil nós temos apenas dois tipos de ETFs para investir em ações no exterior, sendo iShares S&P 500 e It Now S&P 500. Ambos se baseiam no índice S&P 500, que nada mais é do que uma lista das 500 maiores empresas listadas na bolsa de Nova Iorque, a NYSE.

Porém, o que você deve saber é que esse meio ainda não é popular por aqui. Como assim? Você precisaria ter mais do que R$ 1 milhão em patrimônio para investir no exterior com as ETFs.

3 – A conta em corretoras de valores

Por fim, a última e mais direta maneira de investir no exterior sem dor de cabeça é através de uma conta em uma corretora de valores local ou de um banco. Obviamente, eles devem estar habilitados para fazer os vários tipos de aplicações que existem por lá.

O que você vai fazer após ter a conta aberta é transferir o seu dinheiro para lá e começar a investir. Mas, aqui tem um cuidado que é bastante importante: regulamentação. Saiba que para quem aplica mais de 100 mil dólares é preciso comunicar ao Banco Central sobre isso.

Então, é uma forma simples também e apesar de não gerar tanta dor de cabeça, costuma dar um pouco mais de trabalho que as opções citadas acima. Ainda assim, acaba tendo a vantagem de ser a forma mais direta de investir em ativos americanos ou de outros países.

A diferença dos investimentos americanos

investir no exterior sem dor de cabeça

Para terminar, criamos um tópico aqui que pode ser interessante para você. Saiba que investir no exterior pode ser bem diferente do que você está acostumado por aqui. Primeiro porque a gente deve considerar a cultura e a bolsa de valores local.

Enquanto na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo) temos pouco mais de 300 empresas listadas, por lá temos mais de 5 mil. Tanto é que existem mais de um bolsa em um único país, né.

O outro detalhe é para o fato de que você poderá comprar ações de empresas que são altamente conhecidas no mundo, como o Google ou a Nike, a Apple, Disney, etc. Aqui no Brasil também há empresas de qualidade, obviamente. Mas, com impactos diferentes.

Você também pode gostar de ler:

S&P 500

E também vamos trazer a última curiosidade, que é sobre o S&P 500, que já foi citado anteriormente. Saiba que ele é visto como um termômetro da economia local, a norte-americana.

Assim sendo, é o índice de ações mais famoso do mundo. Inclusive, para ser listado nesse índice, a empresa precisa ter valor de mercado acima de 6,1 bilhões de dólares, ser sediada nos Estados Unidos e ter ao menos 250 mil ações negociadas em cada mês nos últimos 6 meses.

ANÚNCIO