Tudo o que você precisa saber para Investir em CDB (Certificado de Depósito Bancário)

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um ativo de Renda Fixa, sendo assim, é um empréstimo que uma pessoa física ou jurídica faz a um banco. Essa ação gera um lucro para o investidor, que ao final do prazo de duração do investimento, recebe de volta o valor aplicado acrescido de juros proporcionais.

Como a maioria das aplicações financeiras, os CDBs cobram taxas, como a taxa de administração que vai para o banco e o Imposto de Renda, que vai para o governo.

Atualmente, o Tesouro Direto, que é outra aplicação em Renda Fixa, tem ganhado o mercado financeiro, principalmente com questão aos novos investidores. Isso deve-se à facilidade de aplicação, mas, principalmente, pelo baixo valor da mesma, sendo que, assim, é preciso um aporte inicial de apenas 30 reais. Tal motivo faz com que esse empréstimo ao Tesouro Nacional seja considerado como a Nova Poupança.

Até aqui, ainda que seja cedo, você, com certeza, já notou que as opções de investimentos em Renda Fixa são várias, não é? É por isso que cada vez mais os investidores estão migrando da poupança para essas aplicações, que tem maiores rentabilidades. Sobre as Rendas Fixas, fizemos, com muito carinho, um e-book gratuito. Nele, explicamos cada uma dessas aplicações financeiras. Confere lá, é GRATUITO:

Como Investir em Renda Fixa: O Guia Definitivo

No entanto, antes dessa super popularização do Tesouro, os CDBs eram considerados os investimentos mais seguros e atuavam como a melhor alternativa à poupança. Isso porque, primeiro, tinha a mesma segurança, já que ambos são emitidos pelos bancos e contam, então, com a segurança do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). E, o outro ponto é que, mesmo com as taxas cobradas, os CDBs têm melhores rentabilidades.

O Fundo Garantidor de Crédito é uma associação civil sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado do Brasil, que administra um mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores, permitindo recuperar os depósitos ou créditos mantidos em instituição financeira, em caso de falência ou de sua liquidação. Saiba Mais sobre o FGC!

Com a popularização do Tesouro, os CDBs ficaram um pouco de lado, porém, nesse artigo, vamos mostrar para vocês como ainda é possível ganhar muito dinheiro nessa aplicação financeira. Lembrando que, mesmo assim, na atualidade, o CDBs ainda é o título mais popular e está baseado na lei pela qual foi criado (Lei 4.728/1965).

Como Funciona o Investimento em CDB

O investimento em CDB não é como as Letras de Crédito (LC) ou os Certificados de Recebíveis (CR) que são direcionados para setores como imobiliários e agronegócio. Ao contrário, ele não tem vinculação especifica. Sendo assim, você empresta dinheiro ao banco e ele pode usar para qualquer operação de crédito e, independente disso, você fica suscetível apenas ao risco do banco, que, como já dito, está seguro pelo FGC.

Já conhece os Certificados de Recebíveis (CRA e CRI)? “Eles viraram as novas LCAs e LCIs”

O grande diferencial e talvez a maior particularidade do CDB é que ele tem uma rentabilidade que usa o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) como base. Com isso, e por isso, os bancos médios e pequenos tem sido os melhores quando o assunto é investir em CDB. Mesmo porque eles também tem a Garantia do FGC, vamos falar disso abaixo!

Afinal de contas, guardar dinheiro debaixo do colchão (ou na poupança) é quase uma atitude da Antiguidade, então, se você pensar em economizar e na rentabilidade seu dinheiro, tem que ir além do cofrinho. “O mercado hoje é bastante democrático e permite alternativas viáveis mesmo para os pequenos investidores”, conta Juliana Inhasz, professora da Fecap (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado)

Tipos de CDBs

No mercado, é possível encontrar 3 tipos de CDBs: o prefixado, o pós-fixado e aqueles híbridos, que pagam juros e mais o índice de inflação, normalmente o IPCA (Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo). Nesse primeiro caso, o investidor combina, previamente, uma taxa com a instituição financeira, que deve obedecer até a validade do título.

Já o segundo caso, é o mais comum e, até o final do texto, vamos falar com mais ênfase sobre ele. O CDB pós-fixado terá a rentabilidade baseada em uma taxa de referência (TR), normalmente, o CDI. Atualmente, as remunerações pagas sobre o CDI variam de 70 à 125% e isso é muito perigoso. Continue Lendo que vamos falar sobre isso nos próximos tópicos.

Por fim, o 3º tipo é o CDB que segue o índice de inflação, com uma taxa de juros prefixada. Se optar por essa opção, o investidor precisará ficar atento às variações dos índices diante dos diversos cenários.

Como Usar o CDI em favor do CDB

O CDB, como acabamos de ver, é um título de Renda Fixa e o CDI, por sua vez, é uma taxa de juros. Assim, o Certificado de Depósito Interbancário (CDI) é a taxa mais próxima da taxa livre de risco, a Taxa Selic. Essa taxa, o CDI, é usado entre os bancos quando um faz empréstimo para o outro.

“Trovó, ainda está valendo a pena investir em Renda Fixa com essa queda da Selic”? A resposta é: SIM.

Sempre a Renda Fixa vai valer a pena, ainda mais se comparar com a poupança. Por quê? Funciona assim pessoal, para vocês entenderem a dinâmica: a Selic é uma taxa que é a… Vamos dizer assim: que é a taxa de juros de base. Lembra lá do comecinho do canal? É praticado onde? Quando um banco empresta dinheiro para outro banco, esse é o juros mínimo que pode ser cobrado pelo mercado. Isso é chamado Taxa Selic.

Quer saber mais sobre os motivos pelos quais Investir em Renda Fixa ainda é válido, mesmo com a queda dos Juros Básicos? Então, veja o vídeo abaixo!

Algumas pessoas costumam confundir o termo porque cada aplicação a Renda Fixa tem uma forma de remuneração, com prazos, regras e taxas específicas. Portanto, quando vamos comparar um investimento com outro, precisamos utilizar um índice, ou indicador, que seja igual para todos. Obviamente, não podemos comparar banana com maça.

Com isso, no caso das Rendas Fixas, o indicador mais usado é o CDI, e serve como comparação entre os investimentos. Por exemplo, como falamos, a rentabilidade do CDB é simulada sempre em cima da taxa CDI. Assim, vamos supor que você tenha 10 mil reais para investir e o gerente do seu banco diga que em uma aplicação anual com esse valor, a taxa de rentabilidade seria de 90% do CDI.

Veja um Guia Completo de como se comportar com o seu banco!

Então, temos uma simulação pronta e vamos usar dados um pouco antigos, mas apenas para você entender como funciona todo o procedimento, tudo bem?

  • Valor da Aplicação? 10 mil reais
  • Prazo? 365 Dias
  • Rentabilidade Bruta? 12,72% ao ano

A rentabilidade foi feita da seguinte forma: pegamos os 90% do CDI, conforme dito pelo gerente e multiplicamos pelo CDI usado na época dessa simulação, que era de 14,13% ao ano.

Com isso, ao final do período, o banco deve repassar ao cliente o valor de 10 mil reais que é o valor emprestado e mais os juros do período, que foi de 1.272 reais. (Obs.: Isso, por enquanto, sem considerar as taxas e alíquotas de impostos, da qual vamos falar mais abaixo).

Como Encontrar o Melhor Banco para Investir em CDB

Você já viu, lá em cima, que a escolha do banco para o investimento em CDB é fundamental, não é? Afinal, cada instituição financeira dessa pode rentabilizar o produto com uma porcentagem do CDI.

A semelhança entre esses bancos é que alguns são menores e, teoricamente, teriam menos segurança. No entanto, como já sabemos, todos os bancos, independente do tamanho, tem a segurança do FGC.

Bem, esse o grande X da questão. Na maior parte dos casos, os produtos de CDBs serão melhores em bancos médios ou pequenos, porque eles pagam uma taxa maior do CDI. Essa é a grande dica!

No caso do CDB, especificamente, a notoriedade do banco não é tão importante quanto a remuneração do investimento. “Ao contrário do senso comum, a qualidade dos bancos não tem a ver com o seu tamanho. O investidor não deve ser preconceituoso com instituições menores e deve procurar a maior taxa de retorno”, comenta André Massaro.

Adeus Bancos? Descubra por que as Fintechs estão revolucionando o setor financeiro global

Mas, o que acontece no mercado financeiro atualmente, é o seguinte: a pessoa já tem a conta em um determinado banco, que, seja por causa da empresa ou da facilidade, é um banco grande, de nome. Então, certo dia, ele vai ao banco e o gerente oferece o tal do CDB, aí, o cliente aceita, sem pesquisar ou sem ir mais a fundo no assunto.

Na real, não é assim que deveria ser! Investir em um CDB pode ser, sim, muito vantajoso, no que diz respeito à rentabilidade. Porém, como falamos, nem sempre os maiores bancos vão pagar os melhores lucros.

“O brasileiro tem o hábito errado de casar com o seu banco. Mas, mesmo cliente de um, pode ser melhor comprar o CDB de outro lugar”, aconselha Juliana Inhasz, professora de economia de graduação do Insper.

A dica, mais uma vez, é: pesquise, compare e só depois, escolha o seu banco para essa aplicação. Esse trabalho, que parece braçal, até pode ser cansativo, mas é compensador, afinal, é o seu dinheiro que está em jogo.

Para comprovar isto que estamos falando agora, vamos citar uma notícia da Folha: Remuneração de CDB nos grandes bancos é parecida com a da poupança. Isso é assustador, porque, vamos combinar, a remuneração da poupança é pífia.

Porém, note bem a manchete! A frase “Grandes Bancos” faz toda a diferença porque é exatamente o que havíamos falado a pouco. Os melhores CDBs estão nos médios e pequenos bancos, de fato.

Quanto você opta pelo grande banco, como no caso de quando o seu gerente te oferece o produto e você aceita sem questionar, é o que o jornal chama de “trocar seis por meia dúzia”.

A folha fez uma simulação e concluiu que: “Enquanto o rendimento estimado para a poupança nos próximos 12 meses é de 8,8%, aplicar em CDBs no curto prazo pode render de 8,4% à 9,3%, dependendo do banco. Por um período de 2 anos, a remuneração iria à 10%”.

Tudo o que você precisa saber para Investir em CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Reprodução: Google

A conclusão da notícia é que “para quem ainda prefere investir em CDB, os bancos médios oferecem taxas mais atrativas, acima de 100% do CDI. A desvantagem é abrir mão de resgatar o dinheiro a qualquer momento, antes da data de vencimento”.

A data de vencimento e a aplicação inicial são itens que são desfavoráveis quando comparado, por exemplo, ao Tesouro Direto, o qual já falamos acima. Mas, essas 2 desvantagens não são tão grandes, se você tiver um bom planejamento financeiro e saber para que está aplicando o dinheiro. Vamos falar disso adiante.

Planejamento financeiro definitivo: 7 passos para fazer sobrar dinheiro e investir! “Gastar menos do que o que você ganha e terminar o mês no azul é o grande segredo, por isso decidi ensinar como se planejar financeiramente. Então, vou listar todos os passos necessários para ter um planejamento financeiro, economizar pelo menos 10% do salário, e então estar preparado para investir”. Continue Lendo…

Por que existe a diferença de remuneração entre os bancos?

A resposta é simples: porque a receita de cada banco vem da diferença entre a taxa que ele paga pelo dinheiro do cliente e o juro que ele cobra de quem pede o empréstimo. Porém, atualmente, os bancos estão com medo dos calotes e, assim, limitam novos financiamentos. Resultado:

“O banco capta de acordo com a necessidade. Se ele não está precisando de dinheiro agora – e ele não está porque não está emprestando -, não quer pegar o dinheiro do correntista. E, se o cliente mesmo assim quiser deixar o dinheiro lá, o banco vai pagar baratinho por isso”, conta Michael Viriato, do Insper.

Existem bancos bons para investir dinheiro? A FGV diz que sim! Descubra quais são os melhores

A pesquisa foi feita entre a FGV (Fundação Getúlio Vargas) e a Fractal Consult, visando apresentar os melhores bancos para investimentos em Renda Fixa, Fundos e Ações, e outras aplicações. E o Santander levou o prêmio como Melhor Banco para Investir (MBI), seguido do Itaú e do Bradesco, que apareceram nas consecutivas posições.

A pesquisa levou em consideração mais de 50 agências físicas e que tem distribuições nos maiores estados do país. 5 delas fizeram parte das finalistas: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander. E os requisitos para as colocações fora: ações, fundos multimercados, Money Market, Renda Fixa, varejo e Varejo Seletivo.

E, além da análise desses itens, a pesquisa levou em conta também fatores como taxa de administração dos fundos, valores mínimos para investir, número de reclamações registradas pelo Banco Central e custo dos pacotes bancários.

Ficou Curioso para Saber quais os Melhores Bancos Para Investir, segundo a FGV? Então, leia a notícia na íntegra:

Existem bancos bons para investir dinheiro? A FGV diz que sim! Descubra quais são os melhores

Qual deve ser a remuneração para um CDB ser um bom investimento?

Antes de qualquer coisa e para qualquer investimento, a dica inicial é ter cautela. “A pessoa tem que ter certeza de que o capital investido não fará falta naquele espaço de tempo, ou seja, de que poderá lidar com as contas sem necessitar daquele montante, pois há uma liquidez exigida”, lembra Juliana.

Nos dias atuais, na maior parte da opinião dos especialistas, um CDB que parte dos 100% do CDI já pode começar a ser pesquisado. Menos do que isso, não! “É possível encontrar no mercado CDBs que pagam mais ou menos do que 100% da taxa CDI. Mas, qualquer rendimento abaixo de 85% já não vai compensar nem mesmo com relação à poupança”, diz Juliana.

“Quando você vai comprar uma geladeira, vai em 3 ou 4 lojas, compara os produtos e adquire o que vai te trazer maior retorno, ou seja, o mais barato. Com investimentos, é assim que deveria funcionar também”, questiona Joelson Sampaio, da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap).

Até o final do ano passado, 2 bancos haviam oferecidos bons investimentos em CDB. O 1º deles foi o Banco Topázio, que ofereceu rendimento de 113,5% do CDI em aplicações a partir de 1 mil reais por um período de 2 anos. E o Banco Original, que estava pagando 100% do CDI para aplicações de 1 mil reais também por 2 anos. Você quer saber qual banco oferece um bom pagamento de CDB hoje em dia? Leia até o final, a resposta está lá.

3 Dicas sobre o que você precisa saber na Hora de Escolher um Banco para Investir em CDB

Sinceramente, você não precisa saber de muita coisa.

1 – Valor Limite: Ao investir em uma instituição financeira, sendo banco, você já sabe que terá a garantia do FGC, então, independente do investimento e do banco, nunca invista um valor que vá render mais do que 250 mil reais. Esse é o primeiro e primordial passo, ok?

2 – Rentabilidade: Depois, você tem que analisar a rentabilidade, como falamos é cobrada com base no CDI e, obviamente, quanto maior a porcentagem paga em cima do CDI, maior será o seu lucro.

Tudo o que você precisa saber para Investir em CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Reprodução: Google

3 – Taxas: Principalmente a de administração. A dica básica é que essas aplicações devem ter taxas menores do que 1,5% ao mês. Porque, por exemplo, mesmo que tenha um CDI bom, se você pagar uma taxa de 2,5 ao mês, talvez a rentabilidade já não seja tão boa quanto parece. Essa é uma dica muito importante porque pode fazer você dar um tiro no próprio pé.

Algumas instituições, e principalmente corretoras, não cobram essa taxa de administração e, sinceramente, isso pode ser um grande diferencial para o seu negócio.

Tempo de Aplicação e Taxas dos CDBs

Já comentados lá em cima que uma desvantagem do CDB para outros investimentos financeiros é o tempo de aplicação. Isso acontece porque o CDB não tem liquidez diária, ou seja, se você precisa do dinheiro, para uma urgência, até pode retirá-lo, mas aí vai precisar pagar taxas ou mesmo perder a rentabilidade, o que, de fato, é muito ruim.

Por sinal, nesse caso, não basta retirar o dinheiro, é preciso revender à outro investidor, que, com certeza, vai pagar um valor bem abaixo!

Entenda os prazos:

  1. Prazo de Vencimento: É o momento em que você recebe de volta o seu capital junto com os juros adicionais. É o prazo combinado entre o investidor e a instituição. Quando o título não tem carência, o capital precisa ficar investido até o vencimento combinado.
  2. Prazo de Carência: O título com carência é a união de um investimento com o prazo de vencimento e a liquidez. Ou seja, o dinheiro vai precisar ficar investido por um tempo determinado, depois do prazo de carência, passará a ter liquidez diária, o que possibilita o resgate.

Sendo uma aplicação sem liquidez diária, não há muito que se comentar, apenas que você, enquanto investidor, precisa ter um bom planejamento financeiro. Por exemplo, se a ideia é guardar o dinheiro para o casamento, que vai acontecer daqui há, no mínimo, 2 anos, então, vale a pena.

Preocupado com o INSS? Conheça 3 opções de investimentos que oferecem renda de mais de R$ 1 milhão na aposentadoria! Temos uma simulação feita com uma base de rentabilidade real média de 6% ao ano, pensando em um período de tempo de 25 anos. Seguem as 3 opções…

Clique aqui e Descubra como Aposentar com 1 Milhão de Reais!

Agora, se você estiver aplicando para usar como reserva de emergência, saiba que existem outras opções mais indicadas, que, obviamente, tenha a liquidez diária.

E, caso você aplique e precise retirar o dinheiro em um prazo menor do que 30 dias, saiba que, além de tudo, vai precisar pagar mais uma taxa: o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Sobre o IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) é simples, e muito comum para todas as aplicações: as alíquotas variam conforme o prazo de aplicação, no que o mercado chama de tabela regressiva. Sendo assim:

  • Se a aplicação for menor do que 6 meses, a taxa cobrada é 22,5% do lucro,
  • Se a aplicação for menor do que 12 meses (e maior do que 6 meses), a taxa cobrada é de 20% do lucro,
  • Se a aplicação for maior do que 12 meses, porém menor do que 24 meses, a taxa cobrada é de 17,5% do lucro,
  • E para aplicação acima de 24 meses, a taxa cobrada é de 15% do lucro.

Letras de Crédito ou CBD

Para responder esse tópico, vamos usar um texto do especialista José Luiz Masini, do Valor. “O melhor é optar pelo título mais rentável em igualdade de condições (prazo, liquidez e risco)”, ele afirma, comentando, inclusive, que logo de cara é preciso levar em consideração o fato de que as Letras de Crédito não cobram o Imposto de Renda.

A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e a LCA (Letra de Crédito Agropecuário) funcionam assim: você empresta dinheiro para as instituições financeiras e elas utilizam a grana para investirem no setor imobiliário ou agropecuário. É diferente do CDB (Certificado de Depósito Bancário) na qual a instituição usa do dinheiro para o fim que julgar necessário. A diferença está apenas para os fins, no entanto, eles têm os mesmos mecanismos de aplicação, remuneração e resgate.

Observação! Uma notícia importante saiu no final do ano passado sobre a LCA. Leia: Letra de Crédito do Agronegócio agora pode ser contratada para investimento rural – A partir de agora, os recursos da Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) passarão também a contemplar os financiamentos de investimento, além do custeio rural. A normativa foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Mais informações no site!

Conheça tudo sobre as Letras de Crédito!

Segundo o especialista, a dica é fazer o gross up, ou seja, embutir os títulos cobrados sobre o rendimento nos títulos isentos. Para tal, usaremos o seguinte exemplo: Uma LCI pós fixada com rendimento de 90% do CDI ao ano, com vencimento posterior à 2 anos, o que equivale à um rendimento bruto de 105,88% do CDI ao ano.

Pronto, essa é a resposta. Em um mesmo banco, um CDB tem que pagar, no mínimo, 105,88% do CDI para equivaler à aplicação em uma Letra de Crédito, no caso Imobiliária.

Então, concluirmos a primeira parte da resposta. Em termos de rentabilidade, uma LC com rendimento de 90% do CDI com vencimento de 2 anos terá o mesmo rendimento de um CDB com 105,88% do CDI.

Em termos de liquidez, pode ser que encontramos um CDB com liquidez diária, mas aí, provavelmente, a taxa paga não será tão boa. E as LCs, por questões regulatórias, não tem liquidez, podendo apenas, em alguns casos, terem a liquidez a partir dos 90 dias. Já com relação ao risco de crédito, é o mesmo para ambos, já que são assegurados pelo FGC.

A conclusão é que, levando em conta as remuneração ditas acima, os CDBs podem ser tão bons quantos as Letras de Crédito. “A questão é levar em consideração a igualdade de condições de rentabilidade”.

CDB (Certificado de Depósito Bancário) ou RDB (Recibo de Depósito Bancário)

Os RDBs são como os CDBs, ou seja, títulos de Renda Fixa que servem como captação de recursos dos bancos. A diferença é que o CDB permite a negociação do título antes do vencimento (mesmo que tem a perda de remuneração) enquanto que o RDB é inegociável e intransferível. Assim, nesse caso, o resgate só poderá ser feito após o prazo mínimo da aplicação, que é de, no mínimo 12 meses, dependendo da escolha.

CDB ou Tesouro Selic

Essa comparação é muito extensa para ser feita e isso porque os indicadores desses investimentos são diferentes: enquanto o Tesouro Selic é atrelado à Selic, o CBD é atrelado ao CDI. “Historicamente, essas taxas costumam andar bem próximas, então, as rentabilidades tenderão a ser similares. As duas opções de aplicações são tributadas da mesma maneira, com o IR regressivo”, comenta Luiz Corrêa, da Ouro Investimentos.

Sensacional: Selic caiu para 12,25% ao ano e “A recomendação é a Renda Fixa

Para ele, o que pode fazer diferença é que no caso do Tesouro Selic haverá cobrança de taxa de custódia e, possivelmente, taxa da corretora. “Por isso, a rentabilidade líquida do Tesouro Selic tende a ser um pouco menor”. Veja um Guia Completo sobre O que é e Como Investir no Tesouro Direto!

Mas, em relação à segurança, ambas aplicações financeiras são de baixo risco, enquanto o Tesouro é garantido pelo Governo Federal, o CDB tem a segurança do FGC.

Esqueça a poupança e aprenda a investir seu dinheiro no Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um excelente substituto para a poupança. A liquidez é diária e a rentabilidade também – diferente da poupança que é mensal. Assim, se você precisar sacar o dinheiro antes de 30 dias, ele já terá sido remunerado.

E se o problema for o fato de você ser “muito conservador”, acredite, isso não será um problema. A Renda Fixa da Selic é o investimento mais conservador que existe. Bancos, empresas, fundos e todos os “peixes grandes” colocam grandes quantias de dinheiro nesse tipo de título. Leia Mais sobre Isso!

Por que investir o dinheiro do FGTS no CDB é um bom negócio

A explicação não precisa ser longa, afinal, o rendimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) é muito menor do que da poupança, que, digamos, já é horrível. Mas, criamos esse tópico para deixar tudo muito claro e vamos ser finos nas respostas e na explicação, prometemos.

“A aplicação em CDB é segura porque, assim como a poupança, é coberta pelo FGC. Os CDBs servem justamente para diversificar carteiras de investidores mais conservadores, que priorizam segurança, sem, porém, abdicar dos ganhos. É mais indicado do que a poupança para quem quer rendimento maior à médio e longo prazo”, afirma a Órama Investimentos, que faz esse tipo de aplicação, a partir de 1 mil reais.

Bem, o FGTS Inativo estão sendo sacados após anúncio do presidente Michel Temer. O objetivo é movimentar a economia e isso não é novidade para ninguém. A grande questão é que a pergunta que estão sendo feita (e respondida) pela mídia é: “Será que devo sacar o FGTS”? No entanto, o correto seria: “Aonde devo investir meu dinheiro do FGTS”.

Porque… É simples! O FGTS não rende nada (a frase é um pleonasmo, mas é para enfatizar o fato mesmo), só que tirar o dinheiro de lá para torrar é pior ainda.

Tudo o que você precisa saber para Investir em CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Reprodução: Google

A questão é: todos devem tirar o dinheiro de lá e investir em uma boa aplicação para fazer o dinheiro render. Prático demais! O Fundo de Garantia, ainda que não pague nada, é um Fundo de Garantia, de fato. Ou seja, um dinheiro que deve ser guardado para possíveis desastres pessoais, como a perda do emprego ou uma doença muito grave.

Bom, está mais do que claro que é preciso tirar o dinheiro de lá e aplicar! Mas, aonde investir? São várias as opções, mas hoje vamos falar do CDB, que é a nossa pauta!

“Considerando que a TR fechou 2016 em torno de 2% ao ano, a rentabilidade do dinheiro no fundo ficou em torno de 5% ao ano. Essa rentabilidade fica abaixo da poupança, que é de 8,5% e até mesmo da inflação, que foi de 6,29% em 2016”, lembra o especialista Juliano Custodio.

Simulando um CDB que pague 100% do CDI, o investidor irá ganhar, sem sombra de dúvidas, muito mais do que ganharia na poupança e cerca de 4 vezes mais o que está rendendo, atualmente, no FGTS. Entendeu por que é preciso tirar o seu dinheiro de lá e aplicar? Ele pode render 4 vezes mais sem você fazer nenhum esforço!

A dica é… Se o investidor precisar do dinheiro no curto prazo, então, é preciso procurar um CDB que tenha liquidez diária. Já para os que não vão precisar do dinheiro para já, é possível encontrar aplicações que pagam maiores rentabilidades, já que o tempo investido será maior, também.

Leia, agora, 4 notícias para você entender, exatamente, tudo sobre o saque do FGTS:

  1. Saiu o calendário do FGTS Inativo: chegou a sua hora de ganhar dinheiro
  2. Como Transformar 1 mil reais em 26 mil reais? Pegue o dinheiro do FGTS Inativo e Invista!
  3. Banco Santander antecipa saque do FGTS Inativo: 5 Motivos para saber se Vale a Pena
  4. 3 Motivos para Não Antecipar o Saque do FGTS Inativo

Como fazer Simulações sem precisar ir ao Banco

Quando o assunto é Renda Fixa, o site www.rendafixa.rocks é indicado porque faz várias simulações nesse tipo de investimento. Ele “permite a consulta e pesquisa de investimento em Renda Fixa em diversas corretoras existentes, assim você poderá comparar os tipos de investimentos reais e encontrar os melhores para o seu perfil”.

Ainda não descobriu qual é o seu perfil investidor? Faça o teste, no link abaixo:

Qual é o seu Perfil Para Investir?

Por exemplo, quando você pesquisar lá os CDBs, aparece uma boa opção: Easynvest, através do Banco Máxima, que paga 119% do CDI. Porém, tem uma aplicação mínima inicial de 5 mil reais e, além disso, o tempo para aplicação é de 5 anos. Um período considerado longo para os especialistas.

Daí, encontramos outra indicação, dessa vez para um prazo de 2 anos. Só que o valor inicial continua alto, sendo de 5 mil reais. A remuneração é de 113% do CDI, assim, ao final do período, você terá uma rentabilidade de mais de 1,3 reais.

Bem, tudo vai depender do seu tempo de investimento. Vamos supor que você tenha recebido uma herança e não vá precisar do dinheiro por 5 anos. Então, tem uma opção muito indicada, do Spineli, através do Banco BMG. A aplicação, mínimo de 50 mil reais, se tornará 90 mil reais no prazo, já que o CDI pago é de 116%.

O site da proteste (www.proteste.org.br) também pode ser usado para simular investimentos em CDB. Inclusive, no início, você já define o seu perfil, que facilitará a escolha da melhor aplicação financeira. Os perfis sugeridos são esses: 500 reais por 6 meses, 1 mil reais por 1 ano ou 5 mil reais por 2 anos.

Banco Oferece Rentabilidade de 118% do CDI

A notícia é relativamente nova, do mês passado, e foi divulgada após a redução na taxa básica de juros para um dígito até o final do ano. Assim, o Banco BMG decidiu elevar a rentabilidade do CDB para 118% do CDI, com uma aplicação inicial de 5 mil reais e um prazo de vencimento de 4 anos, com liquidez apenas no vencimento.

Escolhendo a Melhor Renda Fixa

Leu a notícia toda e continuou achando que o CDB não é um bom investimento? Você gosta mais quando a liquidez é diária, assim como acontece na poupança? Bom, temos então os títulos púbicos… Afinal, você só conhece o CDB como opção de Renda Fixa? É aquilo que falamos desde o começo do texto, você precisa pesquisar (muito) para encontrar o melhor produto para você… E sabe por onde pode começar? Veja a matéria abaixo:

Escolhendo a Melhor Renda Fixa

8 opções de Renda Fixa para este mês

“Estamos com um juro real corrente por volta dos 7%, então o CDI está nos proporcionando um ganho melhor do que está explicito”, disse Michael Viriato, do Insper. “Já para o longo prazo, como a aposentadoria, é importante que o investidor tenha um pedaço do seu portfólio referenciado à inflação para se proteger”. “Renda Fixa ainda é muito vantajosa”, disse a Anefac.

A carteira abaixo foi divulgada pela Inva Capital e, segundo analistas, os juros futuros influenciaram a escolha já que mostraram estabilidade nas últimas semanas. Conforme o documento, a opção de elaborar uma carteira com uma menor duration em relação ao IMA Geral ex-C, tem o objetivo de evitar grandes volatilidades. Veja a tabela:

  1. LCI/LCA AAA      Peso de 33%
  2. NTN-B 2024       Peso de 10%
  3. NTN-B 2035       Peso de 10%
  4. LCI A+               Peso de 15%
  5. LTN 2019           Peso de 10%
  6. LTN 2018           Peso de 7%
  7. BNP Paribas        Peso de 10%
  8. NTN-B 2050       Peso de 5%

Quer ler essa notícia na íntegra? Clique Aqui!

Com informações da Exame, iG, Valor e Folha