3 Verdades sobre os Investimentos Financeiros para Iniciantes

Quem nunca teve contato com o mercado financeiro, não precisa se assustar.

Entenda que essa opção de ganhar dinheiro é muito simples de ser feita, mas tem que ter dedicação e estudo. Ninguém aqui está falando em torcer para ganhar dinheiro, como acontece na loteria. E nem em ter um grande número de fãs para conseguir curtidas e lucrar com isso. Nada disso.

Estamos falando em estudar o mercado financeiro e fazer aplicações sábias nele.

Se você não quer correr nenhum risco – que é o mais recomendável para quem está começando – devemos focar nas Rendas Fixas, onde essa chance é praticamente improvável. Aliás, você já deve ter dinheiro investido nesse mercado, se tiver dinheiro na poupança, por exemplo.

Viu, não é tão difícil assim. O grande segredo é reconhecer que existem muitas opções melhores do que a poupança. Isso já basta para você começar a caminhar para a riqueza.

Se tem curiosidade em saber por que a poupança não é uma boa opção, veja o vídeo:

No final do artigo também vamos dar uma notícia quentinha e muito interessante para quem está começando no mercado financeiro. É um investimento com dupla garantia: CMN Regulamenta novo Título Privado do Crédito Imobiliário

O que causa medo é o desconhecido. E também as mentiras que contam sobre o mercado financeiro. Nós não queremos te convencer a nada, mas apenas te mostrar que conhecendo as aplicações é possível fazer o dinheiro render, sem correr praticamente nenhum risco.

Assim, e como meio de trazer informação da educação financeira, separamos 3 verdades sobre os investimentos financeiros para quem é iniciante. Tudo que será escrito abaixo é assimilável, de fácil didática e vai te fazer ter uma nova visão sobre o mercado, temos certeza. Confira!

1 – Perfil para Investir Dinheiro

Se você está começando a investir dinheiro, esqueça a bolsa de valores e o mercado de ações. Sim, nessa opção de investimento, que é chamada de Renda Variável, você corre risco de perder dinheiro porque o mercado oscila muito – é volátil.

Para iniciantes, o mais aconselhável é a boa e velha Renda Fixa.

Pode até ser que conforme for adquirindo conhecimento, você mude o seu perfil, mas para o momento, considerados um perfil conservador, de quem não vai correr riscos. Tudo bem?

Os produtos da renda fixa têm suas rentabilidades já conhecidas no momento da aplicação e, ainda que isso possa variar um pouco conforme o mercado, o risco de perda é extremamente pequeno.

Isso acontece porque ele quase sempre está atrelado à uma taxa básica, então, o seu dinheiro sempre renderá acima da inflação – o que não te faz perder dinheiro.

Ok, visto isso, para o seu perfil – conservador – comece a pesquisar títulos financeiros como CDBs (Certificados de Depósitos Bancários), LCIs (Letras de Crédito Imobiliários), LCA (Letras de Crédito do Agronegócio), Tesouro Direto. Todos são tolerantes ao risco.

2 – Objetivos Financeiros

Para conseguir escolher o melhor investimento financeiro no futuro, você precisará ter em mente uma ideia muito bem formada sobre os motivos que te levaram à isso.

Normalmente, investir dinheiro é sinônimo de ter “uma carta na manga” para momentos mais difíceis ou, simplesmente, enriquecer.

Renda Fixa é Considerada Porto Seguro em época de Crise

Independente do caso, você tem que traçar isso de forma especifica.

  • Comprar uma casa daqui há 10 anos ou trocar o carro no próximo ano?
  • Viajar para a Disney na Formatura ou Passear com a Família no Natal?
  • Aposentar com Segurança Financeira ou Pagar a Faculdade do Filho?

Sabemos que existem muitos motivos para você ter em mente o enriquecimento.

No entanto, conforme opinião de especialistas, o seu primeiro motivo tem que ser o que é chamado de “Reserva de Emergência”, que é o passo inicial para quem quer ver o dinheiro render mais.

Essa reserva trará uma tranquilidade ao investidor porque mesmo que perca o emprego ou aconteça algo “inevitável”, ele estará preparado para arcar com os custos e os gastos.

E, coincidentemente, as rendas fixas são as mais indicadas para a reserva de emergência.

Se você quer saber como encontrar o melhor produto financeiro para o curto prazo, para a reserva de emergência, clique nesse link. Agora, se você já possui uma segurança equivalente à 6 salários atuais, então, podemos prosseguir para o próximo passo.

Onde Investir Dinheiro para a Reserva de Emergência?

Por se tratar de uma reserva emergencial, que pode ser resgatada a qualquer momento, dependendo da situação, o melhor a se pensar é em alguma aplicação que tenha baixo risco (para não perder dinheiro) e que tenha liquidez diária (para resgate a qualquer momento).

Baixo Risco + Liquidez Diária, ok?

Levando isso em consideração, surgem as seguintes possibilidades:

  • Fundos DI ou de Renda Fixa pós-fixadas,
  • CDB, LCA ou LCI com liquidez diária,
  • Título Público (Tesouro Selic / LTF – Letra Financeira do Tesouro),
  • Poupança.

3 – Tipos de Investimentos Financeiros

Nós já citamos alguns títulos da renda fixa, que são mais aconselháveis para os iniciantes.

Mas, como escolher o melhor? A principio, vale saber, que não existe o melhor investimento financeiro no mundo porque eles são totalmente variáveis e vão ser úteis conforme o seu perfil e a sua necessidade.

Nos tópicos anteriores já vimos o perfil e encontramos um motivo para investir dinheiro. A partir disso, fica muito fácil escolher uma aplicação financeira que condiz com a sua realidade.

Também não vamos ter espaço suficiente para explicar cada um dos investimentos financeiros, afinal, são muitos. Mas, vamos listar alguns para você ter uma do que estamos falando.

Se você está pensando na aposentadoria, que normalmente é um investimento longo, então, temos opções como o Tesouro Direto, que tem rendimentos superiores à poupança e que tem a garantia do Governo Federal.

As aplicações mensais são baixas e você pode fazer quando quiser, a partir de 30 reais.

Mas, se você quer usar o dinheiro no ano que vem, para viajar para a praia, essa opção já não serve porque o vencimento dela é longo e não curto. Nesse caso, o aconselhável seria buscar uma opção que tenha a liquidez diária, com os CDBs.

Eles também rendem acima da poupança, só que são dos bancos e não do governo.

Entendeu um pouco da diferença? O melhor investimento financeiro vai depender do seu objetivo, do seu perfil, da sua necessidade.

O ideal, assim como para os iniciantes como para os experientes, é sempre pesquisar sobre as melhores opções do mercado.

Use e abuse da internet e das redes sociais para encontrar essas informações, mas atente-se às veracidades das informações e ao conhecimento de quem está passando a informação.

Se você quer estudar com segurança e sem gastar nada, nós temos um curso online. É muito rápido, gratuito, didático e vai te mostrar, na prática, como é possível caminhar para a riqueza sem que tenha muito capital inicial para investir no começo. Ficou Curioso?

Clique aqui e comprove.

Ah, se você gostou desse material e conhece algum amigo que ainda tem “medo” do mercado financeiro, mostre-o à ele. Vamos começar, a partir de agora, desmistificar algumas inverdades que criaram sobre o fato de investir dinheiro.

Renda Fixa Vale a Pena

Levando em conta vários fatores, a renda fixa continua sendo a melhor opção – juros em queda, inflação menor, eleição de Donald Trump e a alta dos juros por lá.

Isso tudo influência nos mercados financeiros e a segurança dos ativos da renda fixa, faz dela o melhor investimento financeiro.

André Lassance é responsável pela área de Renda Fixa da XP Investimentos e diz que antes de escolher qualquer papel é preciso saber quando você vai precisar usar o dinheiro.

“Se você precisar daquele dinheiro para fazer uma reforma ou comprar um bem, é importante não investir em ativos de muito longo prazo ou que não tenham liquidez”, diz.

Miranda também fala da Renda Fixa.

“Eu acredito que o juro vai cair mais do que o mercado está contemplando, não me surpreenderia em ver a Selic ainda mais baixo até o fim do ano”, afirma.

Ambos recomendam o Tesouro Direto, principalmente o Tesouro IPCA+.

Além disso, no curto prazo também tem o CDB (Certificado de Depósito Bancário) e a LCI (Letra de Crédito Imobiliário), ambas dos bancos, que conta com a garantia do FGC – Fundo Garantidor de Crédito.

“LCIs e LCAs, como são isentas de tributação para pessoas físicas, pagam um pouco mais para os clientes e são uma boa opção para o dinheiro de segurança”, diz Claudio Sanches, que é diretor do Itaú.

Em meio a turbulências, a Renda Fixa é a opção segura para investir dinheiro sem correr riscos, dizem os especialistas.

De um lado, as recentes notícias políticas balançaram a bolsa de valores, de outro, a Selic está caindo… Mesmo assim, as Rendas Fixas continuam valendo a pena e ainda são consideradas um “porto seguro” para os investidores.

Sem deixar de lado os tropeços da bolsa de valores ou as dúvidas sobre a queda do juros – Selic, a orientação dos especialistas do dinheiro é para que os investidores continuem com as suas ações. Quem está fora do mercado de ações, deve direcionar seus ativos para a renda fixa.

“SE ANCORADOS NA RENDA FIXA, MELHOR”.

Isso tudo deve-se ao fato das incertezas que o cenário político tem trazido, tais como em virtudes da economia do país, principalmente em relação às reformas trabalhistas e da Previdência Social.

A recomendação, portanto, é buscar proteção nas aplicações mais conservadoras, que rendem juros e oferecem baixo risco.

“Temos uma perspectiva com o mercado futuro, mas pode ser que ele não se concretize. Ainda não podemos afirmar se é melhor apostar em investimentos pré-fixado ou pós-fixado”, diz o especialista Christin Lupinacci.

As Melhores Aplicações Financeiras para o Final de 2017

Separamos esse último tópico para você que ficou interessado no mercado financeiro.

Aqui estamos falando em conhecer e estudar o mercado, certo? Então, veja  o que disse o especialista Mauro Silveira, que é assessor da Messem Investimentos sobre as melhores opções para o final deste ano.

“Estamos em um momento de queda de juros, que passou de 14% ao ano para menos de 10% ao ano. Então, o ideal é que os investidores mantenham entre 10 e 20% da sua carteira em ativos prefixados, que conferem uma segurança maior e o blindam dessa flutuação”, disse.

Para ele, existem opções para todos os tipos de investidores, como o COE (Certificados de Operação Estruturada), que tem ativos variáveis, portanto, já não é tão indicado para perfis conservadores, apesar de ter o capital protegido.

“Para demais recomendações, é necessário entender o perfil do investidor, que pode variar conforme o valor a ser investido, objetivos e apetite por riscos”, finalizou.

Entendeu? Talvez você não tenha compreendido muito bem o que o COE, não é verdade? E sobre a queda dos juros, você não sabe por que ela é importante?

É por esses motivos que buscar o conhecimento é tão importante – faça logo nosso curso que é gratuito e fique por dentro de tudo que acontece no mundo financeiro.

Clique aqui e comprove.

Abaixo separamos, muito rapidamente, mais duas notícias que acabaram de sair no mercado financeiro. Uma é sobre um novo título privado do crédito imobiliário e a outra é um fundo que mescla ações e renda fixa, que exponencia o potencial de rentabilidade.

Quais Rendas Fixas Escolher ainda para 2017?

O melhor exemplo disso é o Tesouro Direto, que pode ser comprado pela internet. Nele, o Tesouro Selic é o produto mais indicado, que rende o mesmo que a taxa básica de juro – definida pelo Banco Central – logo, o investidor nunca perde dinheiro para a inflação – a não ser que faça o resgate antecipado.

É o que recomenda Alexandre Cabral, professor de Finanças da FIA, que cita ainda o CDB – Certificado de Depósito Bancário.

Clique Aqui e Saiba tudo o que você sobre o Certificado de Depósito Bancário!

Também tem o Tesouro IPCA, que tem um rendimento mesclado com a correção monetária – pela variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Esse é um título que protege o seu dinheiro contra a inflação assegurando o ganho real.

“Até 5 mil reais, o investimento ideal para o curto prazo, entre 1 e 2 anos, é o Tesouro Selic. Para o médio prazo, entre 5 e 6 anos, é o CDB de bancos. E para o longo prazo, com retirada em 2030 ou mais, o ideal é o Tesouro IPCA. Que tem mais de 5 mil, deveria investir em CDBs”, diz o professor.

3 Verdades sobre os Investimentos Financeiros para Iniciantes

Reprodução: Google

Assim, para todos os prazos, vale a pena pensar em papéis que oscilem menos. “Para essas ações, mesmo que o mundo desabe, sua variação é bem menor do que a média. E mesmo quando o mercado sobe, a ação sobe menos que a média. Os investidores que possuem esse tipo de aplicação em sua carteira acabam tendo uma perda menor”, diz Contani, da Fecap – Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado.

“Neste momento, não temos que mudar as recomendações, principalmente na renda fixa”, dizem os especialistas.

“O mercado futuro é nervoso, formado por expectativas. Quando há uma indefinição, imediatamente no mercado futuro as taxas sobem”, diz a professora da Fundação Getúlio Vargas, Myriam Lund.

“Mas, mesmo que haja volatilidade, a orientação é carregar o título até o final, para que o investidor ganhe todo o juro contratado. Já para quem quer entrar agora na Renda Fixa, adquirir papéis prefixados ou atrelados à inflação, como Tesouro IPCA+, é uma boa opção”, ela diz.

“Os títulos públicos aumentaram a taxa de juros. Os prefixados, que estavam abaixo de 10% subiram. O momento é de comprar porque tudo na economia é cíclico”, diz Lund.

É para você começar a se atualizar com as informações do mercado, confira aí.

CMN Regulamenta novo Título Privado do Crédito Imobiliário

Esse é um novo instrumento que tem menor risco do que os títulos privados tradicionais.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) acabou de regulamentar a Letra Imobiliária de Crédito (LIG), em reunião extraordinária.

Conforme o Banco Central, a decisão acontece porque a LEI 13.476 que trata do funcionamento do LIG já foi publicada no Diário Oficial da União.

Ela foi autorizada pela Medida Provisória 656, de 2014.

A diferença da LIG para outras aplicações tradicionais de crédito é o menor risco ao financiamento imobiliário porque o título tem dupla garantia, do banco (emissor do papel) e do conjunto de financiamento imobiliários.

Assim, mesmo que a instituição quebre, o aplicador terá  as perdas reduzidas das duas formas – parte pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) para valores até 250 mil reais e outra parte pelo resultado das operações de crédito com a venda da carteira.

O modelo foi inspirado em títulos privados emitidos na Europa.

O que não se sabe ainda é se a LIG terá a isenção do imposto de renda, como acontece com as Letras de Crédito Imobiliário – LCI.

Para o Banco Central, a LIG vai fomentar novas fontes de financiamento para o crédito imobiliário para o crescimento do setor no país.

Lembrando que no Brasil as principais fontes de recursos para o crédito imobiliário são os recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para imóveis de baixo valor e depósitos da poupança, para unidades mais caras.

Conforme o BC, a poupança fechou 2016 com 664 bilhões de reais.

Fundo que Une Ações e Renda Fixa é Opção para quem quer arriscar pouco

Os Fundos Multimercados estão se consolidando como os queridinhos dos investidores que não se contenta mais com a rentabilidade apenas da renda fixa.

Apenas nos 7 primeiros meses deste ano, esses fundos captaram mais de 48,5 bilhões de reais, um acréscimo de 143% a mais do que todo ano de 2016.

Essa opção de investimento financeiro mescla em um mesmo pacote a renda fixa, ações ou moedas, tornando os retornos maiores.

O motivo para a procura é o desempenho da aplicação, que nos últimos anos ficou acima do Índice Bovespa, que é a principal referencia no mercado brasileiro de ações, que teve uma oscilação entre altos e baixos.

“É possível tomar mais risco evitando toda a volatilidade que esses índices sugerem”, diz o economista da Rio Bravo, Eduardo Levy.

Para o professor de finanças da FGV (Fundação Getúlio Vargas), William Eid, a melhor dica é aquela que diz que é preciso poupar um pouco a mais para conseguir entrar em fundos maiores.

O especialista destaca que os fundos multimercados da Verde Asset e o da Garde D’Artagnan são mais agressivos e tem aportes de 50 mil reais.

Já para a professora do Insper, Juliana Inhasz, a recomendação é olhar as taxas de retorno nos últimos seis ou oito meses e comparar como o fundo ficou.

“Fundos que registram boa performance geralmente têm boa gestão, mas também têm taxas maiores”, ela orienta.

Conhecendo o Mercado Financeiro

Todo começo de mês você sabe quanto ganha porque o dinheiro cai na conta. Só que pouco sabe quanto gasta e onde, afinal, são tantas compras – no supermercado, posto de combustível, lojas, escolas, planos.

Logo, percebe que a falta de um planejamento financeiro dificulta na hora de realizar um sonho.

Se você quer viajar no final do próximo ano, por exemplo. Como vai saber se terá condições se você não tem um cronograma mostrando quando é possível poupar por mês? Aliás, a faculdade do seu filho, que vai demorar cerca de 5 anos para acontecer, ainda está no plano, mas não no papel, o que a torna duvidosa.

Não há dúvidas: ter um planejamento financeiro é essencial para manter as finanças em dia e conseguir planejar o seu futuro, organizando em ordem de prioridades os objetivos financeiros.

Depois que você se concentrar nisso e tiver essas metas traçadas, será hora de pensar no investimento financeiro.

E nosso texto é focado basicamente nisso. A princípio, esse lugar pode parecer inacessível, mas não é. Tudo gira em torno de taxas, siglas e percentuais, mas, no fim das contas, são fáceis de entender se você tiver real interesse.

Você descobre, com o tempo, que o mercado financeiro proporciona uma série de ferramentas para realizar os sonhos e garantir uma vida equilibrada financeiramente. Bora entender?

Com informações do campograndenews