Veja se é uma boa ideia fazer um financiamento para abrir o próprio negócio

O tema de hoje é para puxar um pouquinho o assunto para os novos empreendedores que, de um modo geral, costumam ter muitas dúvidas sobre esse passo importante que estão dando na vida profissional.

Você que deseja montar o negócio e começar uma atividade própria para ser o seu próprio chefe já se perguntou se vale a pena fazer um financiamento para investir na empresa?

Aliás, qual é o caminho seguro para iniciar o seu negócio?

Esse é o nosso assunto de hoje, portanto, fique ligado!

Veja o relato de uma pessoa que está nessa situação: sem dinheiro para investir no negócio próprio, mas com muita vontade de fazer isso porque vê possibilidades de algo que vai dar certo.

– “Tenho o desejo de abrir uma loja de roupas infantis. Porém, não tenho dinheiro para investir nessa ideia agora. Estou pensando em um financiamento. Mas, fica aquela velha dúvida que tem a ver com os valores altos dos juros. Mesmo porque pretendo começar pequeno e ir crescendo aos poucos. Como faço e o que faço?”.

Pode ser que sua dúvida seja algo parecida com essa ou que, pelo menos, tenha algo a ver com isso. Então, vamos entender e refletir sobre o assunto agora mesmo.

O começo de tudo

Em primeiro lugar: uma boa ideia para todos aqueles que querem começar um negócio do zero é visitar o site do Sebrae.

Lá, você vai encontrar várias orientações, vários tutoriais, vários vídeos de profissionais e tudo mais o que é importante para lhe ensinar exatamente como começar um negócio dando os passos certos.

Isso é bem legal porque ter um negócio próprio envolve mais desafios do que muita gente pensa.

É legal, é muito bom, é uma ótima ideia, mas só dá certo quando você sabe como se organizar para isso. Então, aqui entra a importância do Sebrae.

Mas, e sobre o financiamento?

Veja se é uma boa ideia fazer um financiamento para abrir o próprio negócio

Bom, vamos agora para o caso do financiamento.

O financiamento para comprar produtos, peças, equipamentos ou investir na capacitação de pessoas é algo que você pode encontrar lá no Sebrae também.

Lá tem textos e dicas, por exemplo, de como fazer um financiamento para o microempreendedor individual, o chamado chamado MEI.

Agora, quais as vantagens e os cuidados que devem ser tomados?

Na realidade, você vai procurar uma instituição financeira e você vai apresentar ali um projeto estruturado de como será a sua atividade e você vai apresentar ali também a solicitação de empréstimo.

É isso que você tem que fazer quando for solicitar o financiamento para a sua empresa.

Mas, naturalmente, a instituição quer ter segurança de que você está dando os passos certos.

Portanto, este projeto  estruturado se torna fundamental para que você consiga a aprovação do seu empréstimo.

As condições do empréstimo

Você vai solicitar um empréstimo que vai ser proporcional àquilo que você pretende fazer no momento com a sua empresa.

Pode ser comprar os suprimentos. Pode ser contratar pessoas. Pode ser pagar os custos da manutenção mensal. Pode ser abrir uma nova sala.

Só que como vimos na frase de um dos leitores, um dos problemas são as taxas de juros.

Então, você tem que estar atento de que você vai fazer um empréstimo e você vai pagar mensalidades. Assim, o faturamento desse seu negócio vai estar comprometido em uma parte.

E não importa se ele vai começar grande ou pequeno.

O importante é que ele tem que ser compatível para que ele mantém os custos fixos e os custos variáveis e para que você, empreendedor, retire também o básico para a sua subsistência.

Detalhe: sempre pague a parcela do financiamento!

Agora, prestem atenção!

O recurso que você vai tomar não é para você ficar cobrindo eventuais déficits do seu faturamento. Está bem?

O empréstimo ele deve ser para comprar matéria prima para você montar o estabelecimento, para você comprar equipamentos, entre essas coisas que tem a ver com investir no negócio.

Ou seja, é algo voltado e focado para você iniciar a atividade e não é para cobrir déficits de um negócio que quem sabe não está dando certo.

Você tem que entender que o investimento que você vai obter que é para que você obtenha faturamento maior.

Isso é muito importante!

Portanto, é imprescindível que você tenha a certeza absoluta de que o que você está tomando a decisão certo na hora de montar um negócio que vai gerar faturamento.

Por fim, o plano de retorno de investimento

E o passo seguinte é que você deve ter sempre em mente o plano de retorno do seu investimento.

É importante que aquele que está emprestando seu credor, saiba exatamente qual é o seu planejamento estratégico.

E saiba também quais as ações que você vai tomar para que você tenha um retorno deste investimento que você está realizando, uma vez que você tenha um plano estruturado.

E fazer isso é fácil, você já sabe: busque as orientações certas.

Primeiro, você faz o seu registro como microempreendedor individual, para o seu negócio esteja regularizado e que você esteja com a sua vida financeira em dia hoje.

Junto com isso, estuda a possibilidade do empréstimo, mas só faça isso se tiver certeza de que é uma boa ideia e de que não vai comprometer o seu orçamento empresarial.

A última dica é a mais comum aqui no blog: sempre análise o CET e todos os custos do produto que você vai contratar. Se os juros forem absurdos, como é comum no Brasil, opte por alternativas.