Os 13 erros financeiros mais comuns após fazer 20 anos

É só chegar aos 20 anos de idade que parece que a vida de adolescente realmente ficou para trás – mas é aí que os problemas financeiros começam a aparecer. No entanto, para ficar milionário, é nessa fase da vida que se deve começar um trabalho financeiro muito justo ao perfil da pessoa e isso começa a partir do momento que se evita alguns erros. Confira os principais!

Se você está nessa fase da vida, melhor ler cada um dos tópicos agora e começar logo a ganhar dinheiro – procure não cometê-los novamente.

1 – O Erro de Se Exibir

Na faixa dos 20 anos, todo jovem costuma se impor pelas aparências físicas – buscando comprar e ter aquilo que não é possível analisando o poder financeiro atual. Isso acontece porque, de grosso modo, eles gostam de se exibir.

O desejo maior é adotar uma visão acima do padrão real, com carros de luxo, roupas de marca e, no fim das contas, uma conta bancária no vermelho, cheia de dívidas e juros comendo.

Para não cometer esse erro, basta buscar formas de equilibrar o orçamento financeiro e não gastar mais do que se ganha, em nenhuma hipótese – é possível se divertir e andar bem vestido sem prejudicar as finanças.

Pesquise preços, estabeleça prioridades e adquira somente o que for realmente necessário.

Suas Roupas Dizem Muito Sobre Você

Na publicação, ele ainda afirma que “Ricos não gastam dinheiro em passivos que se depreciam, mas colocam em ativos que geram renda”. O que, na real, temos que concordar – é verdade. Tanto é que você não vê Bill Gates ou Warren Buffet usando as mais caras roupas do mundo e não fazem questão de ter os carros mais luxuosos existentes no Planeta Terra.

A questão é sobre: “você quer ficar rico mesmo ou apenas aparecer”? Gastar dinheiro para manter a aparência pode te deixar pobre, assim como o uso desenfreado do cartão de crédito, empréstimos pessoais com juros altos ou cheques especiais com a mesma taxação.

Na imagem publicada por André e que vamos disponibilizar abaixo, a diferença entre o rico e o pobre está no valor das roupas. Fizemos a breve comparação:

O Rico gasta 322 reais para se vestir:

  • Óculos – 120 reais,
  • Camisa – 34 reais,
  • Calça – 70 reais,
  • Calçado – 98 reais.

O Pobre gasta bem mais – 13,7 mil reais – para se vestir:

  • Boné – 270 reais,
  • Óculos – 1,2 mil reais,
  • Fone de Ouvido – 950 reais,
  • Corrente de Ouro – 2,5 mil reais,
  • Blusa – 650 reais,
  • Relógio – 980 reais,
  • Celular – 6 mil reais,
  • Calça – 400 reais,
  • Tênis – 800 reais.

Para os comentaristas da imagem, a visão está correta e representa muito bem a realidade do Brasil, onde “pobre ostenta e rico valoriza o dinheiro”. E você, qual sua opinião, deixe-nos um comentário abaixo.

2 – O Erro de Não Pensar no Futuro

Também é por volta dos 20 anos que as pessoas não se dão conta que elas vão ficar mais velhas a cada dia – parece que esses jovens acham que existe uma fórmula da juventude.

De modo geral, homens e mulheres se apegam ao presente e negligenciando o futuro, especialmente no que diz respeito à aposentadoria – essa é uma falha.

A partir do momento em que uma pessoa começa a lidar com o próprio dinheiro – ela tem, obrigatoriamente, que começar a poupar dinheiro para ter um futuro mais confortável e tranquilo.

Quando mais tempo faltar para chegar ao futuro, mais tempo o investidor terá para juntar dinheiro para quando parar de trabalhar – pensar na aposentadoria deve começar desde essa idade, ou seja, a partir de agora!

Aposentadoria por Idade – Passos para Juntar Dinheiro e Viver de Juros

3 – O Erro de Comprar um Carro Zero

Os carros são considerados bens de consumo úteis – embora tenham alta taxa de depreciação. A vantagem é chegar ao trabalho ou à faculdade mais rapidamente, no entanto, em termos financeiros não existem muitos benefícios, ainda mais se for um carro zero quilômetro.

O erro está na falsa sensação de ter um carro do ano, mesmo que tenham parcelas baixas, o valor do seguro, da manutenção e do combustível eleva o gasto total de ter um veículo.

Um automóvel, qualquer que seja, acarreta os gastos.

Parece uma medida exagerada, mas evitar esse problema, as melhores alternativas ainda são os carros usados ou as bicicletas, além de levar em conta o uso de transporte coletivo, como ônibus ou metrô.

4 – O Erro de Precipitar Decisões Importantes

Durante a juventude, é muito fácil resolver questões pessoais de forma efetiva.

Por isso, é importante levar em conta que, na fase juvenil e adulta, qualquer decisão tomada de forma errada pode comprometer a vida financeira de forma absurda.

Tudo pode virar uma dor de cabeça inconstante, a se começar pelas finanças do jovem. Só o fato de ter entrado em um status conjugal sem estar preparado para tamanhas mudanças que a vida de casado tem, já é um ponto a se pensar.

5 – O Erro de Não Aproveitar a Chance de Ganhar Dinheiro

Também é comum que nessa época da vida os jovens iniciem a carreira e amadurecem as experiências pessoais e profissionais – porém, nesse período, as pessoas tendem a se acomodar financeiramente, acreditando que o que ganham é suficiente para suprir as necessidades.

Há de se pensar que é aos 20 anos que temos mais força e mais tempo para trabalhar e acumular patrimônio financeiro. Portanto, o momento ideal para fazer a chamada Reserva de Emergência.

Na real, esse é o momento também de usar a criatividade para idealizar o próprio negócio. Além de definir as metas financeiras, estabelecendo como você quer estar daqui 10 ou 30 anos.

7 Dicas Essenciais para Conseguir cumprir todas as Metas e Objetivos financeiros sem Falhar

6 – O Erro de Não Considerar o Orçamento Financeiro

Dar a devida atenção ao orçamento financeiro é importante desde cedo e isso tem que começar, no mais tardar, aos 20 anos para que as dívidas não se acumulem no decorrer do tempo e da vida.

Se você tem objetivos financeiros definidos, então, tudo fica mais fácil. Mas, nem sempre gastar menos do que se ganha é tarefa fácil. O ideal é ser sempre realista com a renda mensal e observar quais gastos estão pesando no seu bolso.

Sempre é possível encontrar opções mais baratas e mais populares – adote um plano mais acessível na academia ou opte por fazer a Academia ao Ar Livre, por exemplo.

7 – O Erro de não Negociar

Negociar é muito importante – seja na hora de rever o salário, de pechinchar a compra ou de renegociar as dívidas. A ousadia, nessas horas, é sumamente importante e pode trazer muitos benefícios diretos ao seu bolso.

Mesmo que a situação seja desconfortável, arrisque. Um salário maior faz diferença tanto no curto quanto no longo prazo – ganhando mais desde cedo, com responsabilidade, o dinheiro pode se multiplicar se for bem usado.

O Passo a Passo para Renegociar as Dívidas do Cartão de Crédito

8 – O Erro de Guardar Dinheiro na Poupança

Quando você começa a se preocupar com o dinheiro, pensa logo em juntar dinheiro na poupança. Verdade?

Então, melhor rever seus conceitos porque existem variados tipos de investimentos financeiros que tem rendimentos melhores e são opções mais voltadas para o seu perfil investidor.

Par isso, defina seus objetivos de curto, médio e longo prazo, revendo as aplicações financeiras, o perfil, o risco, as vantagens, as taxas e tudo mais que diz respeito ao seu dinheiro.

Lembre-se que é seu direito perguntar tudo o que precisar.

9 – O Erro de Postergar Pagamentos

As pessoas que são mais jovens tendem a usar Cartões de Crédito de forma incorreta – sem pensar nos custos futuros ou calcular os pagamentos dos meses seguintes.

Os especialistas recomendam usar o cartão apenas para rastrear os gastos, não usando mais do que realmente tem.

10 – O Erro de Descuidar da Saúde

Pode não parecer, mas isso custará muito caro no futuro.

“Jovens têm a tendência de acreditar que são imortais, onipotentes, porque sua pilha está novinha, então eles aguentam ficar três dias sem dormir, não comer. Mas, alguém que viveu apenas duas décadas não consegue visualizar que algumas coisas que são feitas agora vão cobrar o pedágio lá na frente”, diz a especialista Vera Rita.

Por isso, ela recomenda ter mais consciência aos 20 anos.

11 – O Erro de Comprar por Impulso

Definitivamente, comprar por impulso, para curar a dor de um amor perdido, por exemplo, não é a coisa certa a se fazer.

É inegável que as pessoas tenham mais opções e oportunidades para exceder no consumo, principalmente aquelas que estão ligadas nas tendências e novos produtos.

É importante notar que a compra não é terapia e muito menos uma ferramenta para suprir lacunas emocionais e tensões – chegar em casa com sacolas é prazeroso, mas só momentaneamente e no futuro isso é horrível, negativo.

Para evitar esse tipo de comportamento, sempre que for comprar, pare por alguns minutos. Respire, adie o pagamento por 10 minutos e pense se essa compra é realmente importante.

12 – O Erro de Nunca Dizer Não

Independente da forma em que se encontra na sociedade, toda pessoa tem que aprender a definir suas prioridades – dizer não é uma forma de educar filhos e se educar, por isso, é necessária.

Evite emprestar dinheiro ou cartão de crédito para amigos e familiares, por exemplo, isso te ajudar a manter as boas amizades e, de quebra, evita que você tenha prejuízos financeiros.

Valorize o seu dinheiro e se disponha a ficar atento à tudo que planejou – focando nas suas prioridades desde agora!

9 Razões que Provam Por Que “Bonzinhos” Nunca Vão Ficar Rico na Vida

13 – O Erro de Não Falar sobre Dinheiro

  • O assunto de finanças ainda é um tabu para muitas pessoas, mas não deveria.
  • Está na cultura do brasileiro evitar o assunto do dinheiro.
  • Mas, não deveria. Naturalmente, o assunto é desconhecido.
  • Mas também não deveria.

Quando se fala ainda em crianças ou mulheres, o tabu torna-se muito maior.

Se a dificuldade para a sociedade é grande, melhor começar a fazer sua parte e mudar desde já. Muitas pessoas se complicam financeiramente simplesmente por não estudar ou buscar conhecimento sobre o assunto.

A dica é encarar os números e pensar para frente – buscando resolver as coisas agora mesmo.

Os 13 erros financeiros mais comuns após fazer 20 anos

Reprodução: Google

Leia Também: Economizar Dinheiro no 1º Emprego

Quem já passou por essa fase da vida sabe – o 1º emprego é um dos mais doloridos para o bolso porque é quando você está entrando no mercado de trabalho e tem que dar tudo que tem de melhor, mesmo que para isso ganhe muito pouco dinheiro.

Em alguns casos, é o mesmo que o estágio – muito trabalho e pouco dinheiro.

Aí, soma-se à isso as contas que começam a aparecer: contas da faculdade, gastos domésticos e a vontade enorme de comprar uma casa e formar uma família – isso sem contar gastos com o cachorro, entre outros.

Está desempregado, endividado ou com medo de perder o emprego? Veja 26 Dicas Salvadoras para Arrumar as Contas

Para essa fase da vida, o importante é suar a camisa, literalmente, e saber fazer as escolhas que melhor lhe condiz com a sua realidade, confira as dicas.

 Estabeleça suas Prioridades Financeiras

Tenha um planejamento financeiro em vista e siga-o. Tente entender o que é realmente importante para você e se pergunte quais serão os seus gastos para isso – tudo tem que estar de acordo com seu plano.

Você não vai estar errado se quiser se dedicar aos estudos, ao trabalho, à família, aos cachorros. Não há erro nisso. Mas você tem que saber qual é a sua prioridade.

  • “Eu não sei o que fazer da minha vida”.
  • “Eu trabalho o dia todo e chego em casa disposto apenas à dormir”.
  • “Eu trabalho em um lugar que odeio”.
  • “Minha Vida é muito corrida e eu não consigo ficar disposto a fazer nada”.
  • “Eu não faço a mínima ideia de onde devo começar”.

Agora, se você não sabe exatamente o que são metas financeiras e objetivos financeiros, então, tem que ler esse artigo, que explicaremos tim por tim.

7 Dicas para Conseguir cumprir todas as Metas e Objetivos financeiros sem Falhar

Utilize a Facilidade da Tecnologia

Hoje em dia existem muitos aplicativos de celular que podem te ajudar nessa missão financeira de economizar dinheiro em todas as fases da vida – o controle de gastos é importante.

Só com esse controle você vai entender para onde está indo o seu dinheiro, o que pode ser reduzido, o que pode ser cortado, o que pode ser aumentado, o que pode ser revisto… Se você não tem noção dos gastos, perde-se todo fio da meada.

Gastos com a Diversão

Se o salário é curto, um dos primeiros gastos que precisam ser reduzidos é a diversão. Note que não estamos dizendo para você não fazer nada que é divertido, ao contrário, você precisa disso. Mas opte pelos programas gratuitos.

Por exemplo, prefira reunir os amigos em casa ao invés de irem a barzinhos e restaurantes caros. É disso que estamos falando, jovem!

Crie o Hábito de Pesquisar os Preços

Para quem quer economizar dinheiro em compras, essa é praticamente uma regra: pesquise os preços de tudo. Evite sair comprando tudo que vê pela primeira vez – além disso, nunca saia de casa para comprar algo sem saber o valor que se pode gastar para tal produto.

Custo benefício também é uma palavra de ordem nesse caso – existem bons produtos que tem qualidade alta e preço baixo, basta encontra-los.

Entenda a Necessidade de ter um Carro

Não estamos falando para você não comprar um carro – mas você tem que aceitar que ele vai te dar um gasto muito alto e não só pelo poder de compra, sendo principalmente com impostos e manutenções.

Se você tem disposição e disponibilidade, opte por ir trabalhar a pé, de bicicleta, de ônibus ou mesmo de Uber, que tantas vezes acaba por ser mais vantajoso… Pense nisso e se você tem dúvidas, veja o vídeo abaixo – é bem rapidinho!

Aproveite os Exercícios Físicos Gratuitos

Se você for trabalhar a pé ou de bicicleta, vai conseguir se exercitar sem gastar nada para isso – “matou dois coelhos com uma cajadada”, meu caro!

Mas, vamos supor que você não fez isso. Então, nesse caso, tem que prestar a atenção para não gastar muito dinheiro na hora de praticar atividades físicas – elas são importantes sim, mas não podem representar muito da sua renda se você está pensando em economizar dinheiro.

Leve em conta as Academias ao Ar Livre, os passeios aos finais de semana nos parques e praças, caminhadas rotineiras e diárias, a academia do seu condomínio, entre outras opções.

Leve Almoço para o Trabalho

Essa dica já foi citada na fase anterior, mas vale muito a pena. Comer em restaurantes ou qualquer lugar que fique fora de casa, vai te fazer gastar mais dinheiro do que comprar os alimentos e fazer em casa, não duvide disso.

Veja a Necessidade de Cortar Gastos

Coloque todos os seus gastos no papel e comece a cortar os menos importantes para não atrasar as contas e entrar em dívidas. Entrar em dívidas, por sinal, tem que ser um dos seus maiores objetivos financeiros nessa parte da vida – e isso vai significar muito no futuro!

Diminua o plano de celular, corte os canais da TV, substitua as lâmpadas por de LED (que são mais econômicas) e por aí vai… Tudo que gere economia de dinheiro para o seu orçamento financeiro.

Opte pelos Pagamentos à Vista

Você começou a trabalhar – isso é bom. Mas não vá pensando que ter um Cartão de Crédito é sinal de credibilidade ou de poder, não caia nessa bobagem. Evite sempre os pagamentos parcelados e opte pelo à vista.

Isso te gera desconto e evita que você se endivide. A melhor forma de pagamento, que é opinião única entre os especialistas, é comprar à vista – a ideia é se programar para isso!

Os 13 erros financeiros mais comuns após fazer 20 anos

Reprodução: Google

O que Fazer com o Dinheiro Economizado?

Com tanta economia de dinheiro, é importante saber que tudo isso precisa ter um foco, um objetivo maior. Afinal, para que você está economizando dinheiro? Uma das melhores respostas é aquela que diz que com a economia de dinheiro se deve investir para gerar ainda mais riqueza.

Poupar Dinheiro para Ficar Rico Definitivamente – 70 Dicas

Existem várias formas de economizar dinheiro, mas poucas de ganhar dinheiro extra, sem ser pelo esforço do trabalho diário ou com a venda de produtos.

Uma dessas formas de ganhar dinheiro é investindo dinheiro – imagine que você vai ganhar rentabilidade, ganhar dinheiro, simplesmente por investir dinheiro. É assim que funciona.

Como Investir em Renda Fixa: O Guia Definitivo

Por exemplo, sabe na poupança, quando você deixa o dinheiro lá e no final do ano tem um pouquinho a mais do que você deixou? Então, nas aplicações financeiras acontece o mesmo, só que de forma muito mais rentável e segura.

“A fuga da caderneta é uma consequência da falta de planejamento financeiro dos brasileiros”, diz Dany Rogers, que doutor e pesquisador do dinheiro.

Onde Aplicar Dinheiro com essa Selic?

Ainda assim, os especialistas recomendam aos investidores convencionais continuar aplicando seus recursos no Tesouro Direto – que não tem taxa de administração e em fundos de baixas taxas, já que são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Marcelo Billi, da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), diz que conforme os juros caem, mais os investidores precisam observar o custo de cada uma das aplicações financeiras disponibilizadas no mercado.

“Quando as pessoas vão comprar uma geladeira ou um carro, elas pesquisam, vão em várias lojas, veem vários modelos e comparam as características e condições do negócio. Na hora de escolher investimento, elas acabam não dedicando tanta energia e tempo para fazer essa comparação e pesquisar as melhores condições”, ele diz.

E completa: “Sempre foi importante fazer isso, mas neste cenário atual, é mais ainda”.

Para Paulo Azevedo, que é professor de estratégia financeira do Ibmec-SP (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais), as aplicações financeiras feitas na poupança ainda vão ter ganho em relação à inflação.

“Por mais que a Selic esteja caindo, a meta da inflação está abaixo do centro da meta. O governo pode se dar ao luxo de diminuir a Selic e isso não vai influenciar negativamente na última linha do investidor final”, garante.

Billi orienta o investidor a optar pela poupança  apenas para quem vai manter o dinheiro pelo menos por 30 dias.

“A poupança não paga a rentabilidade antes do aniversário. Às vezes, as pessoas usam a poupança e ao longo do mês vão sacando recursos. Assim, não ganha rentabilidade alguma”.

Com informações da Organizze