3 Motivos que os Empreendedores Precisam Saber Sobre o Mercado de Investimentos e o Passo-a-Passo do Tesouro Direto

ANÚNCIO

Como a pessoa física, a pessoa jurídica também não deve manter o dinheiro guardado na poupança e para acessar os melhores investimentos é preciso ter conta em uma corretora, na maioria das vezes, fora dos grandes bancos. A melhor maneira de fazer isso é com o Mercado de Investimentos, em opções como o Tesouro Direto.

Justamente por isso, todo empresário precisa conhecer sobre esse mercado. Esse artigo tem o objetivo de unir a necessidade do empreendedor de investir, guardar dinheiro e fazer um planejamento financeiro efetivo com as melhores opções que existem, atualmente, no mercado de finanças.

ANÚNCIO

Ter o Próprio Negócio

Ter o próprio negócio é o sonho de muitas pessoas. E os motivos para tal são os mais variados: estar no controle de tudo, ter autonomia para tomar as decisões, enriquecer, entre outros. E, pelos mesmos motivos, muitos empreendedores já têm o próprio negócio.

O resultado disso é que 2016, mesmo considerado um ano de crise, bateu recorde na criação de novas empresas: entre janeiro e maio foram contabilizados mais de 851 mil novos negócios. Um recorde para o período, que não acontecia desde a criação do Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas, em 2010. O número foi 3,5% maior do que o registrado em 2015.

Reprodução: Google
Reprodução: Google

A região sudeste predominou nessa lista, com mais de 50% do total das novas empresas. Essa contabilidade é feita com base em todos os tipos de empresas, seja Sociedade Anônima (S.A.), Microempreendedor Individual (MEI), Empresário Individual ou outros, desde que sejam registradas nas juntas comerciais das Unidades Federativas do Brasil e com a apuração dos CNPJs (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) consultados pela primeira vez.

ANÚNCIO

Mas, convenhamos, o tamanho do seu negócio não é tão importante para esse nosso artigo, mesmo porque, sendo de pequeno ou grande porte, você vai precisar fazer um planejamento financeiro empresarial embasado no seu Capital de Giro, Reservas para Futuros Investimentos, Fluxo de Caixa, Receitas e Despesas.

E, seja você um novo empreendedor ou um futuro empreendedor, você vai precisa conhecer cada um desses itens, por isso, os definimos, conforme o Wikipedia e o Sebrae.

  • Capital de Giro: também conhecido como Ativo Corrente (Working Capital) é um recurso de rápida renovação que representa a liquidez da operação disponível. Em outras palavras, é o necessário para financiar a continuidade das operações de uma empresa.
  • Fluxo de Caixa: Refere-se ao fluxo do dinheiro no caixa da empresa, ou seja, o montante de caixa recebido e gasto em um determinado período.
  • Receitas e Despesas: Despesa é o gasto necessário para a obtenção da receita. Já a receita é a entrada monetária de uma empresa, o seu patrimônio.
  • Reservas para Futuros Investimentos: Assim como na pessoa física, na pessoa jurídica, você também precisa ter uma reversa, mesmo porque os Futuros Investimentos serão diversos, seja para o pagamento do 13º salário dos funcionários ou para a aquisição de um novo equipamento, por exemplo.

Para todos os itens acima, mas principalmente para a reserva dos investimentos, o empresário vai precisar poupar dinheiro durante toda a contabilidade anual. Porque, se não economizar essa grana, ele vai precisar fazer um empréstimo financeiro – ou usar o cheque especial ou o cartão de crédito – e aí, xiiiiii, já sabe né? É dívida atrás de dívidas. (Fuja dos Empréstimos dos Bancos).

Definitivamente, é preciso economizar dinheiro e aí que entra o nosso queridíssimo Mercado de Investimentos.

Por que quem tem o Próprio Negócio precisa conhecer sobre o Mercado de Investimentos

Bom, agora você sabe que vai precisar fazer um planejamento financeiro exato e poupar dinheiro durante todo o ano. Mas como você pretende fazer isso? Deixando o seu dinheiro na poupança? NÃO FAÇA ISSO, pelo amor de Deus! Por que não?

1 – Rendimento da Poupança

A inflação, como é comum, tem variado durante os meses. Mas, em qualquer dessas variações, se você deixar o seu dinheiro lá, você vai estar descapitalizando. E, para a sua empresa, isso não é nada bom. Aliás, nem para a sua empresa, nem para você, nem para ninguém.

Isso tudo acontece porque em 2012 uma nova regra da poupança entrou em vigor e com isso, todas as vezes que a Taxa Selic estiver acima de 8,5% a poupança vai pagar apenas 6,5% ao ano, mais uma TR.

Você gostou desse assunto, né? Agora, se quer saber tudo sobre a poupança e os vários porquês de não investir nela, leia esses 2 artigos: 3 Motivos Para Não Investir na Poupança e Quantos Brasileiros tem Dinheiro na Poupança.

2 – Corretoras de Investimentos

Depois que escolher um investimento, assim como a pessoa física, a pessoa jurídica também precisa enviar alguns documentos para a corretora em escolha. Inclusive, selecionamos esses documentos:

  • Cópia do Contrato Social e última alteração contratual consolidada,
  • Cópia do Demonstrativo de Resultado (DRE),
  • Cópia do Balanço Patrimonial e
  • Cópia dos RG e CPF dos sócios.

Atenção: na maioria das corretoras só é possível investir por meio da conta da empresa, ou seja, não são aceitas transferências vindas das contas de pessoas físicas. Fiquem atentos à isso!

Atenção 2: É super, mega, blaster importante escolher uma corretora confiável. Sendo empresário, muito provavelmente você não vai poder se dedicar integralmente à esse negócio, por isso, sua corretora deverá ser super confiável.

Se você tem dúvidas de como escolher uma corretora, leia: Corretora de Investimentos: Como Escolher a Melhor para Você.

É importante que se escolha uma corretora de investimentos ao invés de um banco. Por quê? Os bancos vão oferecer, de todas as formas, outras formas de investimentos porque assim, eles vão lucrar mais. Se você dúvida disso, leia esse outro artigo: Em Ranking de 10 Empresas que Mais Valorizaram em 2016, 5 são Bancos.

3 – Melhor Investimento para os Empreendedores

Atualmente, existe uma infinidade de formas de investir o seu dinheiro, tais como as Rendas Fixas (CDB, LCI, LCA, Tesouro Direto) e as Rendas Variáveis (Fundos de Investimentos em Ações e Câmbio). Temos vários textos explicando cada um desses, mas o resumo para esse artigo é que a maior diferença entre ambos está no risco do investimento e no retorno do mesmo.

Para um empresário, em um primeiro momento, é claro que o mais indicado é um investimento que tenha um retorno consistente e que seja muito mais seguro, mesmo que ele não tenha o percentual de retorno mais alto.

Reprodução: Google
Reprodução: Google

Por exemplo, é possível entrar em um investimento que oferece excelente rentabilidade com o risco muito baixo, na qual, é possível remunerar o capital com a Taxa Selic (que até tempos atrás estava em 13,25% ao ano). Esse é um investimento que tem na base a liquidez e a segurança.

E, por isso, é o mais indicado para os futuros empresários, empresários ou velhos empresários. Estamos falando do Tesouro Direto, que tem como principais características:

  • Segurança
  • Alta Rentabilidade
  • Liquidez
  • Acessibilidade
  • Facilidade
  • Flexibilidade

Vamos ter um próximo artigo explicando, especificamente sobre o Tesouro Direto: o que é, como investir nele, quem pode investir, etc. Abaixo, está o passo-a-passo do Tesouro Direto para os empreendedores.

Passo-a-Passo para Investir no Tesouro Direto

No primeiro tópico, você já viu que vai precisar de uma corretora de investimentos para entrar no Tesouro Direto. Agora, vamos dar o passo-a-passo de Como Investir no Tesouro Direto.

1 – Cria uma conta na Corretora de Investimentos

É ela que vai intermediar suas transações com o Tesouro Direto, por isso, é chamada também de agente de custódia. O site da Fazenda tem, inclusive, uma lista de todas as instituições habilitadas à operar com os títulos federais. Veja aqui. É preciso atenção porque essas corretoras cobram taxas de administração, vale a pesquisa.

Nem sempre a mais cara é a melhor e vice-versa.

Criar essa conta é muito importante porque conforme orientações do site Tesouro Nacional, da Fazenda: “A Pessoa Jurídica Não Financeira, tais como as empresas, somente podem adquirir títulos públicos federais, no mercado primário e no mercado secundário, por meio de uma instituição financeira ou instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil”.

Agora, vamos definir 2 termos citados no trecho acima:

I – Mercado Primário

São ofertas públicas. As propostas do leilão efetuadas pelos agentes competentes devem conter a quantidade e o preço para a compra (ou venda) dos títulos. Para cada título ofertado, são utilizados específicos tipos de critérios, tais como os Preços Múltiplos e o Preço Único.

II – Mercado Secundário

Os preços dos títulos públicos negociados no mercado secundário são livremente pactuados entre as partes (comprador/vendedor).

Reprodução: Google
Reprodução: Google

2 – Senha para o Primeiro Acesso

Você receberá uma senha provisória da BM&F Bovespa para o primeiro acesso à área restrita do Tesouro Direto, em que são realizadas as operações de compra e venda, assim como possíveis consultas de saldos.

Você deve trocar a sua senha, tornando-se um investidor habilitado.

3 – Escolha dos títulos mais adequados para o seu objetivo

No próprio site do Tesouro Nacional existe uma ferramenta chamada “Orientador Financeiro” que auxilia o investidor a definir o título e efetuar a compra.

Atenção: com o tempo, a vantagem de aplicar os recursos financeiros disponíveis nesse mercado é o da possiblidade de diversificação. Ou seja, você pode criar uma carteira com vários tipos de investimentos, diminuindo o risco do total do investimento e, ao mesmo tempo, buscando maior rentabilidade ao longo prazo.

Em Qual Tipo de Tesouro Direto Investir

Temos uma dica. Mas, atenção! Você precisa definir seu perfil investidor e aconselhar isso com a necessidade da sua empresa, tudo bem? E, aqui vamos apenar citar quais as melhores opções, mas é no próximo artigo que vamos especificar cada uma dessas opções.

Descubra o seu Perfil Investidor:

O dinheiro de emergência, aquele que você precisa à curto prazo, pode ser investido na LFT. Já o dinheiro de médio prazo, pode ser investido em LTN ou NTN-F. Já à longo prazo, que pode ser o carro chefe da sua aposentadoria, pode ser o NTN-B ou NTN-B Principal.

Agora que você já sabe quais os tipos de Tesouro Direto e já tem as dicas de quais deve fazer pensando nos tempos de investimentos, faça um teste na calculadora online, fornecida pelo próprio Tesouro Nacional.

A dica para este subtítulo é: tenha um planejamento. Veja o Tesouro Direto, mesmo não sendo garantido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), é um investimento extremamente seguro, já que tem como Garantidor o próprio Estado. E, você só vai perder dinheiro nele, se não cumprir os prazos da data de vencimento do título.

Investidor-Anjo: saiba o que é

Quando falamos em abrir o próprio negócio, muitos textos na internet e comentários das pessoas destinam-se à ideia do Investidor-Anjo. Mas, você sabe o que é isso e como funciona? Vamos explicar!

Ele é um empreendedor, pessoa física, que, normalmente, tem experiência em administrar negócios e quer aplicar dinheiro em alguma empresa que esteja a um passo de crescer. Em pequenas palavras, ele é um conselheiro, que tem por objetivo ajudar no crescimento da empresa.

Qual é a troca? Simples! Em troca ele se torna sócio da empresa. Geralmente, no Brasil, as pesquisas mostram que a porcentagem que fica para o investidor-anjo é um valor entre 15 e 35% dos lucros totais da companhia em destaque.

3-motivos-que-os-empreendedores-precisam-saber-sobre-o-mercado-de-investimentos-e-o-passo-a-passo-do-tesouro-direto-5
Reprodução: Google

Mas, atenção: Esse investimento que ele faz, ele vai receber em partes pelo lucro. E, dividir a empresa com outros sócios, gera riscos. Por isso, é preciso pensar muito e saber escolher quem será o seu anjo. Isso se você considerar essa uma boa opção. Algumas pessoas preferem esses investidores aos empréstimos bancários, por exemplo.

E você o que deve fazer? Analisar e refletir!

Abrir o Próprio Negócio ou Investir

Vamos abrir uma aspa importante nesse artigo. Mas, por favor, não pensem que estamos criticando o seu comportamento empresarial ou de investidor. Estamos apenas sugerindo uma reflexão. E aqui, essa parte do texto, vale para todos: aqueles que querem abrir o próprio negócio, os que já abriram ou os que nunca pensaram nisso.

Todo mundo um dia já pensou: “Devo abrir meu próprio negócio ou pegar o dinheiro e investir no mercado financeiro”. Essa dúvida se mantém ainda mais acentuada nos dias atuais, em que o país e o mundo passam por um ajuste financeiro-econômico. Ainda mais quando somado com a cultura do brasileiro, que é a de ser criativo.

Bom, e então, o que fazer?

Reprodução: Google
Reprodução: Google

Nós não temos a melhor resposta. O que podemos dizer que é, na leitura desse texto, você já viu que é possível ser os dois. Você pode ter uma empresa e se tornar investidor, tanto como pessoa física quanto pessoa jurídica. Em ambos os casos, você vai estar melhor posicionado no mercado de finanças do que se estivesse deixado seu dinheiro na poupança.

Gestão Financeira para Empresas e para Investidores

Fizemos uma lista comparativa entre os dois negócios, sejam os empresariais ou de investimentos. Como já mostrado nesse artigo, vamos usar o exemplo do investimento em Tesouro Direto. Então, sabendo que para uma pessoa física o mínimo investido precisa ser de 30 reais, quais serão as posteriores dificuldades:

  1. Ter uma Corretora de Investimentos
  2. Criar uma senha e acompanhar de maneira online
  3. Pesquisar sobre os títulos para mais adequados para o seu perfil

Em apenas três itens, você se torna um investidor e, convenhamos, sem ter muito trabalho. Mas, e com a gestão de uma empresa, será que funciona da mesma forma? É, a resposta você já sabe: gerir uma empresa é muito mais difícil do que muitos imaginam.

Usando uma apostila básica de gestão de empresas, disponibilizada pelo Sebrae, podemos notar que existem 3 tópicos super importante que devem ser averiguadas pelo empresário. Isso apenas na Estruturação Financeira, sem contar outros pontos contábeis ou sociais.

  1. Caixa – Controle Financeiros Básicos
  2. Lucro – Apuração de Resultado
  3. Patrimônio – Estrutura Patrimonial

Pensando no bem-estar de quem já é empreendedor, fizemos também uma lista dos 5 fatores em comuns que os dois negócios apresentam. Isso é para provar que ambos precisam de planejamento e um plano de negócios, tais como um objetivo muito bem centrado. Vejam os tópicos em comum:

1 – Seja inovador

Em um, você precisa vender serviços e produtos que tenham diferencial para a sua clientela. Em outro, você precisa acreditar em uma visão diferente do que todos veem.

2 – Tenha cuidado ao eleger um sócio

Na empresa, os sócios precisam se completar e trabalhar juntos. Já nas finanças, a empresa de qual você é sócio precisa ter um bom desempenho para gerar lucros.

3 – Evite retirada de dinheiro

No primeiro, se você tirar o dinheiro logo no começo, você não vai ter fluxo de caixa. Já no segundo, quanto mais tempo você deixa o dinheiro investido, mais você ganha.

4 – Separe o dinheiro

Quando você é empreendedor, precisa destinar o dinheiro para cada ação. E, logicamente, separar algum para uma emergência. Na vida de investidor também acontece isso. Você precisa ter uma parte do salário para gastos, outra para emergência e uma terceira para o investimento em si.

5 – Crie soluções simples

Todos os problemas tem solução. E quanto mais simples e agilmente você resolvê-las, melhor é. Quando lidamos com número, é preciso por a razão em destaque, lembrem-se disso.

Negócios para quem tem pouco dinheiro

Outra vantagem do Mercado de Finanças comparado ao Negócio Próprio é que com o Mercado de Investimentos é possível investir mesmo que seu ordenado seja baixo e você esteja ganhando pouco dinheiro. Especialistas confirmam que o maior empecilho para os empreendedores que vão começar um negócio é a falta de capital inicial.

No entanto, quem já conhece o nosso Blog, sabe que eu, Trovó, consegui faturar 1 milhão de reais com um valor inicial de 14 mil reais. Aliás, logo de cara, eu perdi 3 mil reais, então, fiquei com 11. Vocês se lembram disso, não é? Foi assim que eu comecei: sem ter um grande capital, mas com muita dedicação.

Resumindo…

Nossa dica para quem já é empresário é: invista nos dois. Se você tem o “dom” de comercializar produtos ou entregar os melhores serviços, continue nessa entoada. Mas, não deixe de investir no mercado financeiro. Isso é extremamente saudável para a sua empresa.

No livro “Pai Rico, Pai Pobre”, Robert Kiyosaki sugere que você migre da função de empregado para a de dono ou investidor. Afinal, como ele mesmo diz: ser investidor significa ser proprietário de uma (ou mais) empresa e não precisar, diretamente, administrá-la, mas, com certeza, fazendo parte dos lucros finais.

Nossa dica para quem ainda não é empresário é: planeje. Planeje tudo o que puder sobre o seu negócio, sobre os produtos ou serviços, sobre a sua equipe, local de trabalho, região. Mas, antes de fazer isso, conheça um pouco mais sobre o Mercado Financeiro e não se iluda com o que as pessoas falam sobre ele.

Abrir o próprio negócio pode exigir muito mais tempo e dedicação do que administrar as aplicações financeiras, o que resulta, por exemplo, em uma qualidade de vida mais insegura.

Reprodução: Google
Reprodução: Google

Há muitas mentiras instaladas no mercado financeiro, vindas, na maioria das vezes, de pessoas que não conhece, de fato, essa área. Investir é legal. Não é fácil, mas é muito prazeroso. Digo por experiência própria. Talvez você esteja no nosso blog pela primeira e ainda não saiba, mas – como citei acima – eu fui um dos 5 brasileiros a conseguir chegar à 1 milhão de reais antes de completar 30 anos de idade.

Porém, eu não quero ficar aqui fazendo a minha própria fama. Eu só quero que você, por si próprio, conheça um pouco mais sobre o mercado financeiro de investimentos. Selecionei abaixo 5 artigos que publicamos recentemente com informações super didáticas para você entender um pouco mais dessa área, leia com calma e reflita:

Workshop 100% Online e Gratuito: Risco Zero nos Investimentos

Depois de ler esses textos, tenho certeza que você ficará muito curioso e vai querer aprender mais e mais. É um mundo novo que se abre, sem mitos, sem ilusões. E o melhor é um mundo real. Foi pensando nisso, nessa educação financeira, que criei um método único para conseguir entender o mercado financeiro.

Tudo está em um curso – ONLINE E GRATUITO – que disponibilizamos para vocês, que ainda não conhecem tudo para conseguir atingir a Independência Financeira. Isso vale para você e para a sua família ou para você e para a sua empresa.

São apenas 4 vídeos-aulas. E para participar, você só precisa fazer o cadastro e por a mão na massa. Lembrem-se que o Mercado Financeiro não é um bicho de 7 cabeças, mas ele exige muito estudo e dedicação. Acesse o curso e descubra um mundo novo: Workshop 100% Online e Gratuito: Risco Zero nos Investimentos.

ANÚNCIO