Como educar os filhos pensando em investimentos financeiros?

O desafio de ensinar as crianças sobre as boas ferramentas de inteligência financeira e sobre tudo que gira em torno da vida financeira pessoal não é algo fácil e todo mundo sabe disso.

Ainda mais aqui no Brasil, onde os investimentos nesse assunto são frágeis demais.

Agora, você já se perguntou sobre como “você já ensina sobre investimentos as suas crianças”?

  • E se ensina, como é que faz isso?
  • Fazer escolhas é algo natural para elas?
  • Elas sabem se comportar frente ao consumo?

Tudo bem, tudo bem. Não se sinta culpado porque no Brasil temos sim esse déficit.

Agora, isso se agrava ainda mais quando pensamos em como educamos nossos filhos para os investimentos. Investir dinheiro é algo difícil para nós, imagine para eles!

Educação Financeira Estruturada

Se a gente tivesse uma educação financeira um pouco mais estruturada, com certeza, nós teríamos uma mudança no comportamento geral da nação.

Mas, isso não se alivia a preocupação e o fato de termos que entender que, na verdade, você já ensina seus filhos sobre investimento mesmo que não saiba.

Sim. Você ensina seus filhos sobre investimentos e qualquer pai ou qualquer mãe ensina seus filhos sobre investimentos naturalmente.

Por que? Obviamente porque os investimentos não é simplesmente entender sobre a melhor alíquota ou sobre o melhor rendimento ou sobre o que é uma LCA, LCI ou um fundo.

O investimento tem a ver com o comportamento diário que nós temos com o dinheiro.

A Inserção dos Investimentos

O bom investidor é uma pessoa que sabe dominar os aspectos de riscos do bom investimento para que não sofra. Uma boa ideia é ter um investimento de longo prazo para ter uma aposentadoria mais tranquila, por exemplo.

Para isso, tem que desenvolver comportamentos de disciplina, de organização, de consulta periódica e tanto das informações como de aprendizagens sobre tudo que existe no mercado.

Então, um posicionamento é uma postura que combina organização com planejamento.

Quando você pensa em fazer alguma atividades com seus filhos, o que você faz?

Bom, o ideal é que você programe uma viagem e deixe claro para seus filhos que está organizando algo para que todos aproveitam juntos.

E que, para isso, está separando dinheiro, poupando dinheiro, juntando dinheiro e investindo dinheiro.

Logo, está tomando o cuidado de negociar na hora certa, para conseguir um desconto, incluindo mais pessoas para o grupo, talvez pagar um pouco mais barato. E assim vai.

Esse planejamento é importante para a sua viagem e para o seu filho, acredite!

Como educar os filhos pensando em investimentos financeiros?

Investimento como Algo Natural

Você está transmitindo uma série de informações precisas para os seus filhos.

Quando mais teatral demonstrar isso, melhor. Mas, teatral no sentido real mesmo, de fazer aquilo com verdade e de incluir ele na cena. Entende?

Mostre a sua preocupação em fazer com que aquela conquista seja feita por todos.

Isso nada mais é do que um planejamento financeiro com e para todo mundo.

Aí, tem o conceito de orçamento, onde uma boa ideia é que você poderia inserir a mesada.

E, assim, o investimento nada mais é do que a consequência de um bom planejamento.

Você tem que identificar no mercado qual é o produto investimento que se encaixa no seu planejamento.

Pra criança, obviamente, nós não vamos orientar sobre investimento em renda variável ou investimento em produtos complexos, mas a noção de porque poupar um dinheiro e porque dedicar um tempo para fazer escolhas!

Mesmo porque isso ainda está muito longe da vida deles… E você deve ir inserindo aos poucos.

De forma mais prática, considere ainda um acompanhamento para que faça algo interessante, que faça algum sentido as crianças e que gere um rendimento um pouco mais vitaminado.

Como Escolher os Investimentos?

Pelo menos 1% de rendimento existe sobre investimento deles a cada mês.

E eles sabem que sobrou dinheiro. Então, aquele saldo acumulado ao final do mês renderá mais 1% se permanecer 30 dias aplicado.

Então, isso faz com que os filhos, por exemplo, entenda que quando mais esperar para comprar um brinquedo, mais ganhos eles terão como benefício desse exercício de disciplina.

Orientar os filhos com dinheiro diariamente é ter uma postura um pouco mais teatral, uma postura mais proativa em relação a construir e demonstrar que está construindo algo valioso.

Para isso, não é preciso de muito. Algo simples, como conversar com eles, já é um bom começo.

Depois, celebrar o esforço em mostrar que de repente a cada R$ 100 aplicados, R$ 6 vieram dos adicionais de rendimento – os bons e velhos juros.

Esse exercício contínuo vai fazer com que eles entendam o papel de bancos, de títulos, de investimentos… E de forma natural.

Pensando em jovens até 12 anos essa postura é suficient e muito boa!

Da Infância para a Vida Adulta

Esse envolvimento interessado nos projetos pessoais será suficiente  para demonstrar que a vida adulta se for uma vida com cuidados pode gerar ganhos.

A partir dos 14 anos, a abertura de uma conta em um banco  digital para começar a fazer investimentos é uma boa escolha.

A partir daí dá paraorientar com frequência sobre esses investimentos.

O importante é ver que qualquer bom investimento nascerá de um bom planejamento também.

É interessante explorar figuras, como dar mesada ou qualquer tipo de instrumento que provoque as crianças e as façam se organizarem para cuidar de algum momento futuro e até mesmo celebrar uma  conquista que é fruto de sacrifício.

Sim, educação financeira dos pequenos virá de uma educação dos adultos.

E para isso, precisamos ser mais proativos nessa condição de demonstrar que esforços são feitos para  que escolha seja é mais selecionadas e para que os resultados sejam mais eficazes.