5 Princípios Básicos e Fundamentais da Educação Financeira Infantil

PROPAGANDA

O país tem vivido um momento conhecido por muitos, chamado de Crise Financeira. As principais resultantes são: o aumento da inflação e do desemprego, que mudou a rotina de milhares de brasileiros, que precisaram cortar os seus gastos e outros, que não conseguiram, entraram em dívidas financeiras.

Assim, isso tem tudo a ver com a Educação Financeira para Crianças.

PROPAGANDA

Por quê? Porque você, como pai e adulto, com certeza, queria ter se preparado melhor para enfrentar esse momento de forma mais justa, não queria? Se você tivesse a chance de voltar no tempo, não ousaria a estudar um pouco mais sobre o setor financeiro? Não iria querer se dedicar um pouco mais à economizar dinheiro e tentar acumular uma reserva financeira?

Pois bem, se você teve mil motivos para não conseguir isso, saiba que o momento continua sendo de crise, mas o que muda é que agora você tem mais mil motivos para ensinar os seus filhos como fazer isso, como poupar dinheiro e ter controle sobre ele.

Sendo assim, essa educação que você deve passar é ainda mais importante se pensar que a escola não exerce essa função. Mas também, não temos que culpar apenas a escola, afinal, os seus problemas financeiros são seus e foram causados por você, então, mude isso e dê os melhores exemplos possíveis, a partir de agora.

PROPAGANDA

Outra informação que ainda cabe aqui, nessa introdução, é sobre as ultimas pesquisas que tem apontado que os adolescentes e jovens tem mantido hábitos muito consumistas e desenfreados. Dá para contar nos dedos aqueles que se importam em poupar dinheiro para o futuro e para a aposentadoria, infelizmente.

O lado bom é que tudo é questão de hábito. É só uma mudança de costume e, pense bem, se eles aprenderem antes vão ter mais facilidade para entender todo o processo. Antes de listar os princípios fundamentais, vamos dar algumas dicas bem simples, confira.

7 Dicas Simples para Apresentar o Dinheiro aos Filhos

O melhor momento para ensinar educação aos filhos não é APENAS na fase da adolescência, como muitos pensam, e sim na infância. Claro que você não precisa começar dando uma mesa de 100 reais por semana para uma criança, mas pode começar mostrando a importância do dinheiro, sendo ele, uma moeda de troca.

Todas as crianças estão expostas ao consumismo, todas. As propagandas são as mais extravagantes e exageradas. E mesmo que seja considerada uma venda casa, basta leva-los ao shopping e vai notar com essas crianças adoram os alimentos que vem com brinquedos juntos. A vontade da criança, em muitos casos, é justamente por isso e não, necessariamente, pelo alimento, o que não é saudável, obviamente.

3 Formas Infalíveis de Consumir de Forma Sustentável, Economizar Dinheiro e evitar o Endividamento

Não há segredos: quanto antes você inserir a definição de consumo consciente ao seu filho, melhor será a formação dele. Conforme a Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil), na voz da superintendente Cláudia Forte, “na educação financeira, o futuro começa quando a gente nasce. A estratégia passa tanto por incentivar a autonomia de crianças e jovens na tomada da decisão quanto a como gastar seu dinheiro”.

Para terminar esse tópico, confira as 7 Dicas Simples sobre o Dinheiro para as Crianças:

  1. Comece Cedo: Crianças são seres humanos e, por isso, também são vulneráveis à publicidade. A questão é que enquanto a publicidade atua fortemente, a criança ainda não sabe o valor e a importância do dinheiro, logo, o trabalho dos pais no incentivo ao conhecimento é fundamental.
  2. Valores Financeiros: Os pais devem ser os melhores para as crianças no ato de poupar dinheiro, que é essencial para manter o controle financeiro familiar. Nunca passe um valor que não é verdadeiramente praticado para as crianças, afinal, elas estão observando e vão aderir ao que acontece.
  3. Comportamentos Infantis: As crianças tem um instinto de querer dinheiro para comprar o que quiserem. É uma questão de poder e quando ela vê um pote cheio de moedas, com certeza, acha que aquele é maior prêmio do mundo. Então, converse de forma ética, e sempre demonstrando as atividades que precisam ser realizadas para a conquista daqueles valores.
  4. Plantar agora: É importante para colher depois. Quando mais cedo a criança começar a investir e se educar, mais frutos doces elas vão colher. Logo, quanto mais cedo os assuntos forem discutidos, mais natural será falar sobre o dinheiro.
  5. A Mesada: É uma escolha dos pais, mas os especialistas recomendam. Nesse caso, vão existir vários requisitos, como quantidade, benefícios e períodos. A idade também é importante. E tudo tem que ser muito bem pensado. Como um aumento, um empréstimo, um investimento.
  6. Adolescente: Na adolescência, as pessoas querem o famoso Cartão de Crédito e o recomendável é que os pais conversem com os filhos sobre isso. Não há resposta para o sim ou para o não, o importante é mostrar que o uso indiscriminado que pode levar ao endividamento, que, por sua vez, leva à muitos outros problemas.
  7. Investir Dinheiro: É um assunto que sempre precisa estar alinhado à educação financeira, principalmente, para os adolescentes. Isso porque os investimentos financeiros também são baseados no tempo, logo, quanto maior o tempo, maior a rentabilidade.

Como saber o valor da mesada levando em conta a mesada?

Bom, se você sofre por não saber exatamente por onde começar, listamos outras dicas, dessa vez bem curtinha, com foco na idade, para que você tenha uma ideia melhor. Esses comentários são baseados na opinião dos especialistas que, como já dito, indicam a mesada como uma das fórmulas para ensinar educação financeira para os filhos.

Entre 2 e 3 anos, é possível mostrar as diferenças entre o que é caro, o que é barato, o que é muito caro. Também é possível mostrar a diferença entre o que é uma compra feita por necessidade e o que é uma compra consumista, normalmente, feita por impulso. Aqui, a criança pode aprender que o dinheiro não deve ser desperdiçado.

A mesada é uma prática que pode começar aos 5 anos, ainda com muita cautela, já que ela ainda não faz uma ideia geral de como o dinheiro funciona. Aqui, ainda predomina o pensamento mágico, então, elas poderão entender o comportamento e função da troca do dinheiro, principalmente ao ver os pais fazerem compras.

Aos 6 anos, é possível oferecer uma semanada, diminuindo o tempo de recebimento. Porém, é recomendável que seja um valor máximo de 1 real por idade e por semana. Logo, uma criança de 6 anos deve receber 6 reais.

5 Princípios Básicos e Fundamentais da Educação Financeira Infantil

Reprodução: Google

A partir dos 10 anos, os pais já podem decidir, com os filhos, com quais gastos eles vão gastar pela semanada: lanche, cinema, revistas. O valor deve ser negociado para que a criança comece a entender a noção de limite, que é uma boa medida para estimular a criança a economizar dinheiro em uma compra menor, se quiser comprar algo maior. Ah, aqui, os valores podem ser quinzenais.

Aos 12 anos, então, as crianças já conseguem ter uma noção do valor financeiro das coisas e, assim, os pais tem que interpretar a maturidade dos filhos, que se tornaram adolescentes. A partir desse momento há novas formas de fazer a contabilidade:

  • Dos 12 aos 13 anos, multiplicar a idade por 8 reais,
  • Dos 15 aos 18 anos, multiplica-se por 12 reais.

Leia Também: 10 Dicas Surpreendentes para Divertir as Crianças Sem Gastar Dinheiro

Você até consegue aceitar a opção de passar o feriado prolongado em casa, o que vai ajudar você a manter a rédea do seu orçamento familiar, no entanto, quem não te deixa em paz são os pequenos. Eles querem fazer algo diferente, brincar e se divertir parece ser as melhores opções. Mas, como? Como divertir as crianças sem gastar muito dinheiro? Será possível?

Sim, é possível. Aproveite esse momento, que é único, e fique mais perto dos seus filhos e, de quebra, aguce a criatividade dele, faça trabalhar o raciocínio lógico e tudo sem gastar dinheiro. Veja como fazer isso através dessas 10 dicas surpreendentes.

10 Dicas Surpreendentes para Divertir as Crianças Sem Gastar Dinheiro no Carnaval

Educação Financeira para toda a Família

Agora, se você realmente acha importante ensinar a Educação Financeira para os seus filhos, mas ainda não se sente à vontade para fazer, você pode fazer um Curso Online e Gratuito com algumas Dicas Básicas sobre isso. Ao todo são 4 vídeos-aulas, curtinhas e muito didáticas, gravadas pelo Robinson Trovó.

Nos vídeos, ele fala um pouco sobre tudo o que envolve o dinheiro. A educação financeira é a chave para o seu sucesso financeiro, sabendo que tudo se inicia com a quitação das dívidas, a economia do dinheiro e o investimento, que é, de fato, o que vai fazer você sair da pobreza e entrar na riqueza.

Saiba Como Funciona a Pobreza – Genial

Os vídeos são todos gratuitos e para ter acesso, você só precisa se cadastrar, nada mais.

  • Aproveite que é gratuito,
  • Aproveite que é Online,
  • Aproveite que é Didático,
  • Aproveite que é Rápido,
  • Aproveite que ainda dá tempo que saber o que você vai passar para os seus filhos!

Se você ainda não conhece o trabalho do Trovó, dá uma breve passadinha no Canal, lá no Youtube, são centenas de vídeos curtos e com temas interessantíssimos. Por exemplo: Você sabe o que compensar mais, se é andar de Carro, Táxi ou Uber? Ele fez as contas e tem a resposta! E sobre Economizar Dinheiro com a Despesa do Supermercado, sabe como fazer isso? Dá uma olhada lá:

  • Carro Próprio, Uber ou Aluguel de Carro: O que Compensa Mais? Mais um vídeo, mais uma solicitação. Tem alguns assuntos aí que estão “bombando” na internet e o pessoal fica: “Trovó, passe a sua visão sobre esse assunto”. E hoje o assunto é: Compensa andar de Carro, andar de Uber, alugar um Carro, Pegar um táxi, Andar de bicicletaEm que momento vale a pena ter um carro?
  • 13 Maneiras Eficazes de Fazer o Vale Alimentação Durar até o Final do Mês! Se você é um trabalhador de Carteira Assinada, provavelmente, recebe um depósito no seu Vale-Alimentação todo início de mês. Se não é, com certeza, separa uma parte da sua renda para comprar tais itens, necessários para a sobrevivência. Mas, e quando esse dinheiro acaba antes do fim do mês?

E nunca se esqueçam de que para qualquer assunto, o mais importante sempre vai ser o conhecimento, por isso, tenha coragem e descubra o desconhecido, seja o diferencial, compreenda como é fácil ter uma vida financeiramente equilibrada. Sucesso sempre!

5 Princípios Básicos e Fundamentais da Educação Financeira Infantil

O maior tesouro que qualquer pessoa pode dar aos filhos é a educação. Na área da educação não é diferente porque as crianças precisam desenvolver uma relação ética e saudável com o dinheiro. Não há dúvidas que a sociedade do futuro depende da competência dos pais e das mães no presente.

Agora, vamos citar os princípios básicos, conforme informações da especialista Ana Paula Hornos!

  1. Princípio da Gratidão: Ninguém precisa ter tudo para ser feliz, mas se você amar tudo que tem pode ser feliz. O fundamental é passar aos filhos o principio da gratidão. Se você não é agradecido pelo que tem e pelo que conquistou, sempre vai existir uma insatisfação pessoal, que pode gerar um vazio no seu filho. E, atenção: você não tem que enriquecer para só depois ser grato. A gratidão é que te enriquecerá!
  2. Princípio do Cuidado: Faz parte itens como ética, honestidade e respeito ao próximo. Quando a criança pega um livro ou brinquedo emprestado, o bem tem que ser cuidado já que pertence à outra pessoa. As crianças devem entender o valor financeiro dos objetos, assim como os valores sentimentais dele. Se a criança tem essa visão, ela passa a respeitar os patrimônios públicos, por exemplo.
  3. Princípio da Paciência: E essa não é só para as crianças. Todo mundo precisa aprender um pouco mais sobre a paciência. As pessoas, todas, tem que ser educadas para que possam planejar e comprar tudo aquilo que desejam. Planejar é simples, basta trabalhar, poupar, investir e realizar. Quem não consegue esperar, pede dinheiro emprestado e compromete a renda da forma errada, pagando juros. Aprenda e ensine que tudo tem o seu tempo, o tempo certo.
  4. Princípio do Valor do Trabalho: Todo trabalho tem seu valor e as crianças precisam saber disso. A melhor forma de ganhar dinheiro é trabalhando e, depois do capital inicial, a melhor forma é investi-lo. O dinheiro só tem valor quando é ganho com honestidade, fruto do trabalho. Tente considerar sempre o trabalho como uma graça e não como um fardo.
  5. Princípio da Doação: Não significa doar todo o dinheiro para uma casa de caridade, e sim dedicar um tempo a escrever artigos gratuitos para ajudar pessoas que não sabem sobre algum assunto. Compartilhar conhecimento, inclusive, é uma forma muito prazerosa de ensinar e aprender. Tanto é que é um hábito comum entre as pessoas mais ricas do mundo.

Então, para além dessas dicas, é preciso entender que o sucesso é um processo continuo, mas a questão de continuar crescendo é totalmente emocional, intelectual e financeira. Se você está preparado para atingir aquilo que definiu, então, siga nessa caminhada.

Para Refletir: o que falta para sairmos das dívidas e sermos bons investidores?

A S&P Ratings Services Global Financial Literacy Survey é uma agência de pesquisas globais e foi destinada à desenvolver um estudo sobre a educação financeira do mundo e o resultado foi: 3,4 bilhões de pessoas têm baixo nível de educação financeira. O Brasil ficou na 74ª posição entre os países pesquisados.

Educação Financeira: o que falta para sairmos das dívidas e sermos bons investidores?

Livros de Educação Financeira Infantil

Reinaldo Domingos é muito conhecido no setor financeiro, principalmente quando o assunto é Educação Financeira para Crianças. A ideologia dele é a mesma praticada pelo Trovó, aqui da Trovó Academy, que afirma que boa parte dos problemas financeiros dos adultos poderia ser resolvida se a Educação Financeira fosse tratada com mais seriedade, desde a infância ou, porque não, dentro das escolas.

Domingos, então, como presidente da DSOP Educação Financeira e da editora DSOP publicou vários livros com esse foco, a Educação Financeira para Crianças. Então, se você compartilha desse pensamento desses 2 grandes conhecedores do dinheiro, pode conhecer um pouco dessas obras literárias e fazer com que os seus filhos se eduquem desde criança.

As 10 Melhores Maneiras de Ensinar Educação Financeira para os seus filhos: O seu filho já aprendeu a contar? Então, já está mais que na hora de falar para ele sobre o dinheiro também. Você, como responsável, não deve deixar isso se tornar um tabu. Ensinar o valor das coisas e o preço dos produtos é tão importante quanto mostrar o significado das moedas e de poupá-las. Ah, você ainda não sabe muito bem o que fazer, é isso?

As 10 Melhores Maneiras de Ensinar Educação Financeira para os seus filhos

Entre os livros, estão: Livre-se das Dívidas, Eu Mereço ter Dinheiro!, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, Mesada Não é Só Dinheiro, Sabedoria Financeira e Papo Empreendedor. Já na série infantil, que é o nosso foco, estão os seguintes títulos: O Menino do Dinheiro – Sonhos de Família, Vai à Escola, Ação Entre Amigos, Num Mundo Sustentável, Pequeno Cidadão, O Menino e o Dinheiro, entre outros.

Agora, mas antes de citar algumas informações especificas sobre as obras, confira um pouco mais sobre o autor.

É doutor em Educação Financeira pela Florida University, criou a Coleção Didática de Educação Financeira para o Ensino Básico Brasileiro, desenvolveu um programa especial para o Jovem Aprendiz e criou o livro para a Educação de Jovens e Adultos. Também é fundador do Abefin (Associação de Educadores Financeiros), que é uma associação que visa promover o fortalecimento do educador financeiro.

3 Livros de Educação Infantil

  1. O Menino e o Dinheiro: Nascido em uma cidadezinha pacata, com rios e montanhas, o protagonista é um garoto que aprendeu, desde cedo, a observar e respeitar a natureza, como as formigas e os passarinhos. Mais tarde, ele passou a contemplar as nuvens no céu e descobriu que elas poderiam realizar o seu sonho de criança. Assim, prosseguindo com as descobertas, ele descobre que muitos sonhos dependem de uma coisa chamada “dinheiro”…
  2. O Menino, o Dinheiro e os Três Cofrinhos: É o 2º livro da série e traz o acontecimento do menino ter ganho inusitados presentes da mãe: três cofrinhos em formato de porquinhos. Inicialmente, ele não vê importância nisso, mas, acaba por entender que eles poderão o ajudar a conseguir realizar os sonhos e guardar ali parte das suas economias.
  3. O Menino, o Dinheiro e a Formigarra: É o último volume da série e, desta vez, a história faz uma importante descoberta sobre valores como o trabalho, a diversão e a relação das pessoas com o dinheiro. Ele consegue comparar a formiga ao próprio pai, que dirigia o trem na estrada de ferro todo dia, trabalhando arduamente, depois, lembrou-se da mãe que é como uma cigarra e fica cantarolando o dia todo, em casa.

Dica Final: A Compensação Pela Ausência

Está no fim, mas esse ponto vale muito a pena ser citado! Alguns pais que optam por se separar judicialmente acabam tendo comportamentos que não são corretos com seus filhos. Aqui, estamos falando sobre dinheiro e não sobre emoção ou quaisquer outras atitudes que não envolvam finanças, tudo bem?

5 Princípios Básicos e Fundamentais da Educação Financeira Infantil

Reprodução: Google

O fato é que por serem ausentes, muitas vezes, os pais tendem a querer compensar isso com a doação de vários presentes caros e dinheiro. Isso acontece com as melhores das intenções, no entanto, ainda que separados, os pais precisam acolherem seus filhos com sentimentos, com emoção, beijos e abraços.

Claro que o auxílio financeiro é importante, mas um não compensa o outro. Nunca. No Brasil, há 3 grandes datas que se reservam para os melhores presentes: o aniversário, o dia das crianças e o natal. Esses, por sinal, são momentos que podem servir como grande oportunidade para ensinar sobre a Educação Financeira.

Com informações do Dsop, clubedospoupadores

 

PROPAGANDA