5 Jeitos Simples de Economizar Dinheiro na Compra de Remédios

ANÚNCIO

Pagar mais Barato é expressão de ordem em toda crise econômica. Ao mesmo tempo, isso indica deixar de lado alguns produtos líderes de mercado, de marcas famosas. Nem sempre a melhor alternativa vai ser o mais barato ou o mais caro ou o que tem melhor custo-benefício. Tudo vai depender da necessidade e do poder de compra – o mesmo vale com os remédios.

Por exemplo, todo consumidor que quer economizar dinheiro em compras de casa, como alimentos, pode optar por produtos de marcas conhecidas, mas isso não tem acontecido devido ao alto valor.

ANÚNCIO

Ao mesmo tempo, ainda há quem recusa as marcas dos próprios estabelecimentos comerciais, alegando uma não vantagem.

Isso prova que o consumidor final, de maneira geral, passou a buscar os itens com preços mais em conta, independente da marca, mas sem deixar de lado a qualidade do produto.

Um levantamento feito pelo Jornal Correio Braziliense mostrou que o consumidor poderia comprar um pacote de feijão por 3,8 reais em um mercado ou por 8,5 em outro.

ANÚNCIO

“Eu analiso os preços e acabo averiguando as marcas também. Muitos mercados tinham artigos bem mais em conta e valia muito a pena comprar nesses locais”, disse o representante comercial Antônio Lustosa.

Para ele, o hábito da pesquisa de preços é fundamental para não furar o bolso do brasileiro.

“Deixar a marca de lado e levar o produto mais barato traz uma boa economia nas contas de casa”.

Para especialistas, a troca dos produtos conceituados por outros mais em conta é sim uma ótima maneira de conseguir poupar dinheiro.

“Nem sempre o mais barato significa qualidade inferior. Existem produtos semelhantes às de boas marcas que podem ser bem mais acessíveis”, diz o professor de finanças do Ibmec, Marcos Melo.

Para Melo, a melhor dica na hora de ir ao mercado é ficar atento aos preços promocionais e calcular a quantidade mais vantajosa para poupar dinheiro.

“É importante o cliente ver se vale a pena comprar o produto de 500 gramas ou o de 1 quilo. Às vezes a diferença pode ser grande quando se faz essa conta”.

10 Cuidados na hora de economizar dinheiro com a compra de remédios

Economizar Dinheiro com Remédios

Neste ano, o valor dos medicamentos ficou bem mais caro, só o último aumento foi de quase 5%. Isso piora o bolso do brasileiro, que já está sofrendo com a crise econômica. O jeito, como vimos acima, é pesquisar preços, consultar lojas para conseguir economizar dinheiro.

Diferente de outros setores, por outro lado, a crise não afetou a venda de remédios nas farmácias nacionais. Conforme pesquisa do IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Continuada), o aumento nos preços não levou à queda na venda de remédios.

Conforme entrevistados, a maior parte (70%) compraram mais remédios em farmácias enquanto que a menor parte (20%) compraram apenas o que já era previsto.

Do total, 30% modificou parte da compra e 45% trocou o remédio por vontade própria ou indicação dos farmacêuticos pelos mais em conta.

Quase que a totalidade dos consumidores de remédios (97%) que trocaram de medicamentos foi por causa do valor.

Para o presidente da Febrafar (Federação Brasileira das Redes Associativas e Independentes de Farmácias), Edison Tamascia, o brasileiro busca economia e, por isso, deixa de ser fiel à marca que procura.

5 Jeitos Simples de Economizar Dinheiro na Compra de Remédios
Reprodução: Google

5 Dicas para Economizar Dinheiro na Compra de Remédios

Com base nesses indícios, a IFEPEC e a Proteste, associação dos consumidores, listaram algumas dicas para o consumidor economizar na compra de medicamentos.

1 – Pesquisa de Preços

Conforme a pesquisa já citada neste artigo, o comportamento do consumidor não é o mais correto – o de pesquisar preços em diferentes estabelecimentos. Assim, o interesse em saber se a farmácia oferece uma alternativa mais em conta é o que acontece.

Para os especialistas, porém, a comparação de preços é essencial para garantir a economia do dinheiro na hora da compra.

As diferentes redes de farmácias e drogarias e os próprios comparadores online de preços de remédios podem dar a oportunidade de uma pesquisa em busca do melhor preço.

Depois de escolher, além de tudo, pode-se aderir ao programa de fidelidade oferecido, onde existe a chance de conseguir mais descontos nas próximas compras ou em outros produtos.

Se você tiver um plano de saúde, também vale ficar atento à drogarias especificas, que podem dar descontos para os conveniados. Dependendo do valor, o consumidor poderá dar preferencias à farmácias diferentes.

2 – Marcas e Genéricos

Também com base na pesquisa, o consumidor sempre procura economizar dinheiro na compra optando pelos medicamentos genéricos.

Isso dá um indício de que, quando for na consulta médica, o paciente pode perguntar ao médico se há a possibilidade de prescrever aquele produto não pelo seu nome comercial e sim pelo principio ativo.

Isso facilita a compra na hora de encontrar o genérico, que, na quase totalidade das vezes, é mais barato.

Na prática, a Proteste cita o seguinte exemplo: Novalgina pode ser descrito como dipirona sódica e Cataflan é um nome comercial para Diclofenaco Sódico.

Os preços também variam muito entre os laboratórios, portanto nunca se esqueça de pesquisar os valores do mesmo genérico em diferentes laboratórios.

3 – Programas de Fidelidade em Laboratórios

Além das farmácias e das drogarias, os laboratórios também tem programas de fidelidade que dão descontos aos consumidores.

Para tanto, basta cadastrar nos programas dos laboratórios que são aceitos em muitas farmácias, sendo possível economizar até 70% do valor total do produto.

4 – Remédios Gratuitos pelo SUS (Sistema Único de Saúde)

Nas Unidades Básicas de Saúde, o Ministério da Saúde disponibiliza remédios gratuitos para diversas doenças. Basta levar a receita assinada por qualquer médico e o documento de identidade para retirar o medicamento.

No caso de doenças crônicas ou raras (asma, diabetes, hemofilia, câncer) também é possível conseguir remédios de forma gratuita, sendo necessário, apenas, um cadastro no Programa de Medicamentos Excepcionais.

5 – Programa Farmácia Popular

A Farmácia Popular é uma parceria feita entre o Ministério da Saúde e as farmácias privadas que está presente em 80% do país, conforme informações oficiais. Ao todo, são disponibilizados 42 tipos de remédios para doenças como hipertensão, diabetes ou asma.

Esses remédios podem ser adquiridos gratuitamente pelo programa.

Já as pessoas que precisam de remédios para dislipidemia, rinite, mal de Parkinson, osteoporose e glaucoma, além de contraceptivos e fraldas geriátricas para incontinência podem comprar os produtos com até 90% de desconto a partir do programa.

Para participar do Farmácia Popular, é preciso ir até uma farmácia credenciada, apresentar a receita assinada, que não tem que ser de um médico do SUS e o documento de identidade.

Com informações da Globo e CorreioBraziliense

ANÚNCIO