13 Ideias Criativas e Práticas para Economizar Dinheiro no Natal deste ano

ANÚNCIO

O Natal é conhecido por ser uma época festiva, mas também comemorativa. Para os cristãos, comemora-se o nascimento de Jesus e para todas as outras (ou quase todas) é um dia de presentar, comer, compartilhar e dividir muito amor.

Nem por isso, o nosso bolso tira férias – nessa época, inclusive, é que as pessoas mais costumam gastar dinheiro, justamente por ser uma data especial e muito emotiva.

ANÚNCIO

As pessoas não se cansam de presentar as outras em forma de agradecimento ou, simplesmente, de desejo de boas novas.

Sem contar os presentes, ainda há a árvore para decorar e as despesas extras, que sempre acontecem de forma acentuada e impensável.

No Final do Artigo, leia também – História para se Inspirar: o menino que comprou um Fusca aos 10 anos

ANÚNCIO

Os economistas dizem “não gastem todo o dinheiro” ou “gaste com consciência”. Mas, trazer isso para a prática é que é bem difícil.

A ideia deste artigo é justamente essa – listar ideias simples, mas que sejam reais e práticas, para economizar dinheiro no natal, nesta data tão especial.

1 – Aprenda a Priorizar

Se você é do tipo de pessoa que compra presente para todo mundo, então, é hora de começar a presentear você mesmo – as pessoas vão entender se você passar em branco desta vez.

Tente entender que a prioridade maior é estar junto com a sua família ou com os amigos e isso não quer dizer, necessariamente, comprar presentes.

Se achar que isso é importante, a dica é listar as pessoas que realmente merecem os presentes e, depois, encontrar produtos baratos ou, no mínimo, mais acessíveis.

Uma forma criativa de conseguir isso sem ficar “sem graça” é participar do bom e velho “amigo secreto”.

Por exemplo, faça isso na empresa, com os amigos ou em casa. E assim você terá que comprar um único presente, afinal, todo mundo vai receber ainda que não seja seu.

2 – Estipule um valor para cada fim

Você não deve, em hipótese alguma, pegar o seu cartão de crédito e ir para as compras. Isso seria um péssimo comportamento financeiro.

Faça um breve orçamento de quanto pode gastar no mês, mesmo que a data seja toda especial e mereça um pouco de exagero. Se você tem um valor estipulado, ficará mais fácil trabalhar em cima desse montante.

Isso será fundamental, inclusive, para conseguir por em prática os próximos tópicos.

3 – Aposte no Faça Você Mesmo

Os presentes mais caros, nem sempre são os mais legais.

Acredite: as pessoas gostam de produtos artesanais, do quais você precisou ficar um bom tempo preparando e produzindo.

Isso, obviamente, te ajudar a poupar dinheiro e agrada a outra pessoa.

É uma atitude que está na moda, justamente por ser muito eficaz para ambas as pessoas – as que produzem e aquelas que recebem.

4 – Volte ao Passado e Envie Cartões

Se você acha mesmo que não dá para passar o Natal em branco, sem um único presentinho, então, pode aproveitar a onda dos cartões – ela está de volta.

Você pode se dar ao luxo de pagar barato por alguns simples e personalizar conforme seu gosto e sua criatividade – é uma forma fabulosa de mostrar às pessoas que você se preocupa e pensa nelas.

Nunca se esqueça de deixar uma mensagem pessoal no cartão.

5 – Faça Listas de Compras

Existem muitos estudos que mostram que as pessoas gastam mais dinheiro do que poderiam justamente por não ter uma lista de compras efetiva nas mãos quando vão às lojas.

Isso é importante porque te levará aonde você quer chegar.

Mesmo que você não saiba exatamente o que comprar, liste as probabilidades e, inclusive, adicione o valor que você pode gastar em cada presente. Isso afunila muito o seu poder de compra e as suas ideias.

Essa lista, além de tudo, pode ser feita antes mesmo das prioridades. A partir dela, você observar os valores e aí sim começar a definir o que realmente é importante.

Outra dica é sempre levar algum dinheiro a mais, mas não muito para não corroer seu orçamento financeiro pessoal.

6 – Antecipe as Compras

Nós estamos no final de outubro e logo já é o Natal, portanto, está mais do que na hora de você começar a antecipar as compras. Isso é importante porque na época, os preços aumentam.

E, além disso, tem outra vantagem financeira – se comprar antecipadamente, você pode fazer pedidos pela internet, em compras online, onde os preços, quase sempre, são mais baixos mesmo que exista a inclusão do frete.

Um desses sites, que é muito conhecido, é o eBay, que tem produtos de qualidade por preços mais em conta e, nesse caso, você não vai precisar acreditar na sua sorte.

7 – Pesquise os Valores antes de Comprar

Seja na hora de comprar presentes ou os alimentos da ceia, o importante é pesquisar os preços dos produtos em vários lugares, comparando e pechinchando.

Existe sim a chance de encontrar alternativas mais baratas ou lugares que tenha preços melhores.

Ainda que se trata de comida, estocar alguns alimentos pode ser também uma opção, assim como acontece com os presentes.

13 Ideias Criativas e Práticas para Economizar Dinheiro no Natal deste ano
Reprodução: Google

8 – Escolha Atividades Econômicas

Obviamente que as suas atividades vão depender do seu perfil pessoal, mas a grande recomendação desse tópico é trazer a ideia de praticar atividades diferentes – e econômicas.

Aproveite que haverá reunião, grupos e muitas pessoas juntas e pratique jogos de tabuleiro, de cartas, de ação. Além fazer bem para o seu bolso, isso é uma ótima forma de trabalhar com o cérebro, com a imaginação, o raciocínio lógico.

A data é festiva, mas não quer dizer que tenha que ser regada à festas noturnas com bebidas sem limites. Diversificar pode te fazer bem e isso ajuda a não furar o seu planejamento.

Além de tudo, as bebidas alcoólicas são as que mais pesam na sua lista de compras que será feita no mercado, comece a pensar um pouco mais sobre isso.

9 – Pague em Dinheiro Vivo

A recomendação dos especialistas do dinheiro é optar por levar o dinheiro vivo, em espécie, como gostam de chamar.

Nos tópicos acima, você viu muito sobre planejar os gastos para o Natal. Agora, usar o dinheiro para isso faz todo sentido. Se você começar a passar tudo no crédito, seus limites vão estourar e você vai gastar bem mais do que esperava.

Aí, no mês seguinte, que é janeiro, essa fatura vai se somar à outras já previsíveis, como a compra do material escolar, os impostos do carro e da casa, os reajustes das contas domésticas, entre outras.

Se, por ventura, você atrasar a conta do cartão de crédito, aí você vai começar 2018 de forma bem complicada – pagando os juros mais caros do mundo.

Então, melhor prevenir, não é? Use o dinheiro!

Ah, além de tudo, pagar em dinheiro te dá o benefício do desconto. É muito comum que as compras pagas à vista geram descontos consideráveis, que podem chegar até 20% do total, dependendo do estabelecimento comercial.

10 – Vá as compras Sozinho (ou com alguém que seja econômico)

Esse tópico é apenas como forma de te alertar que nem sempre levar o seu melhor amigo nas compras será uma atitude memorável. Se ele for um verdadeiro “gastão”, o comportamento só vai te prejudicar e não ajudar, como deveria ser.

Quando for as compras, foque no que é realmente importante e lembre-se que você tem um valor limitado para gastar – as “coisinhas a mais” você pode deixar para o próximo ano.

11 – Tenha em vista o custo/benefício

Mesmo que você planeje comprar o mais barato, tenha em vista que é preciso analisar o custo/benefício do produto levando em conta que nem sempre o mais caro é o melhor.

Aqui, vai valer a máxima de que “o barato pode sair caro”.

Isso precisa ser pensado para não dar aquela dor de barriga nos dias seguintes à ceia natalina, além do mais, nesse, caso, você teria que gastar dinheiro com remédios e perderia dias de trabalho, ou seja, o barato sai caro.

12 – Aprenda a Viver dentro da sua Realidade Financeira

Isso é importante porque se o seu filho pedir para você comprar a coleção de todos os carrinhos da hot wells, você tem que saber a falar a não. E mais do que isso, explicar os motivos para que tal compra não seja possível de ser feita.

É por não se reconhecer dentro de uma realidade financeira que as pessoas se endividam. Está mais do que na hora de começar e pensar em você mesmo – se está endividado, não compre presentes para todo mundo, simples assim.

No geral, a sua realidade financeira é aquele valor que você ganha, subtraído os 10% que você investe – se você não investe dinheiro ainda, precisa a começar rever isso agora mesmo!

13 – Use a Regra da Substituição

Para quem não sabe, a regra da substituição é aquela muito usada pelos ricos, que fazem de tudo para manter seus patrimônios, mas pouco vista pelos pobres, que não abrem mão do Peru no natal, por exemplo.

Esse já é um belo exemplo.

Quando for as compras, se o peru estiver muito caro, opte pelo frangão mesmo. Se o chester não cabe no seu bolso, leve um presunto mais econômico. Ameixas estão com o preço lá em cima, opte pelas uvas, que costumam ser mais em conta.

No geral, a ideia é essa – substituir os produtos mais baratos pelos mais caros.

Considerações Finais

Para nunca errar ou não se sentir um boi contra a boiada, lembre-se da frase abaixo:

“Muitas pessoas gastam dinheiro que não tem, para comprar coisas que não precisam, para impressionar pessoas que não gostam”.

Bônus – História para se Inspirar: o menino que comprou um Fusca aos 10 anos

No site do G1, a história de Thiago Morales Berce foi contada e nós vamos replicar aqui com o único intuito de provar que todo mundo pode realizar os próprios sonhos apenas com a mudança de alguns comportamentos.

Em 2014, em Assis Chateaubriand, no Paraná, o jovem Thiago comprou um Fusca com o próprio dinheiro quando ainda tinha 10 anos.

Para conseguir essa façanha, ele precisou levantar a quantia de 2,5 mil reais.

“É muito bom ajudar as pessoas a entenderem que é possível economizar e realizar os sonhos, assim como eu estou realizando os meus”, diz Thiago, que hoje tem 13 anos.

Como tudo aconteceu?

“A inspiração veio do meu pai, que comprou um Fusca quando tinha 13 anos. Daí para frente foi fazer minha própria economia, juntando as moedas que ganhava dos meus pais do troco de alguma compra e o que eu ganha de alguns parentes”, conta.

“Desde criança sempre preferi ganhar dinheiro que presente”, afirma o jovem.

Depois de comprar o Fusca, Thiago continuou poupando dinheiro e já conseguiu comprar um telefone celular, um vídeo game, além de roupas e calçados.

Hábitos para ficar rico ainda este ano

Começaremos então pelo assunto “Planejamento Financeiro”.

Controlar as finanças é fundamental para quem quer prosperar na vida financeira. Ele pode ser considerado uma ferramenta de gerenciamento cotidiano, por isso, um hábito.

Independente de tudo, o planejamento financeiro pode te fazer evitar erros que são capazes de colocar o seu objetivo (de ficar rico) em xeque!

Confira, inicialmente, alguns hábitos para ficar rico pensando no planejamento financeiro.

O hábito de classificar as despesas

Se você ainda não tem o hábito de classificar as suas despesas, com certeza está longe de criar um hábito para ficar rico.

O que é normal é que as pessoas não considerem a importância dos gastos e, com isso, misturam todos os rendimentos pessoais, com empresariais, com gastos efetivos, com gastos supérfluos, com gastos essenciais.

O resultado disso é que os cálculos são feitos de forma inadequada. Um hábito para ficar rico é separar as despesas entre as fixas e as variáveis, por exemplo.

Uma dica é selecionar as despesas fixas como aquelas que já fazem parte da rotina de pagamentos mensais e que são consideradas essenciais para a sobrevivência, como a conta de água, a conta de luz, a conta de telefone.

Já as despesas variáveis são aquelas que são consideradas como “gastos imprevisíveis”, como almoço fora de casa, lazer.

O hábito de ter uma reserva financeira

Não é improvável que você conheça alguém que não tenha alguma reserva financeira. E também não é improvável que essa pessoa não tenha boas projeções para ficar rico.

Logo, separar uma parte do dinheiro mensal para possíveis emergências é um hábito para ficar rico.

Sabe por quê? Porque em momentos de instabilidade, se você tem essa reserva financeira, você torna possível tomar uma decisão de forma mais inteligente independente da sua realidade.

Quer um exemplo? Suponha (#deusmelivre) que você perca o emprego hoje. O que você faria, se não tivesse uma reserva financeira?

Você faria um empréstimo bancário para pagar as suas contas fixas, não é verdade?

Mas, sinceramente, fazer um empréstimo financeiro não é um bom hábito para ficar rico porque você vai pagar juros para o banco e empobrecer.

A melhor alternativa seria usar a sua reserva de emergência e pagar as contas, sem precisar do empréstimo financeiro.

Notou a importância da reserva de emergência como hábito para ficar rico?

O hábito de registrar as transações

Na real, não importa qual seja o seu objetivo: poupar dinheiro, investir dinheiro, ficar rico ou simplesmente sair do vermelho… Você vai precisar criar o hábito de registrar as suas transações financeiras.

No começo pode até parecer algo meio “desafiador”, mas o resultado disso é a criação de outro hábito para ficar rico, que vai ser útil para o seu andamento na chegada do objetivo final: ter independência financeira.

Isso acontece porque, quando você criar uma planilha de gastos e registra as transações, você sabe exatamente para onde o dinheiro está indo ou de onde está vindo.

Independente do tamanho do gasto, da importância ou forma, eles são gastos e devem fazer parte do seu planejamento financeiro pessoal.

E para criar esse hábito para ficar rico de forma efetiva, você precisa usar alguma artimanha. Aqui, nós não vamos julgar qual é a essa forma – apesar de termos 2 indicações: Sr. Invest ou Técnica dos Envelopes.

O hábito de avaliar o desempenho

É uma continuação do tópico anterior e é peça importante na criação de hábitos para ficar rico!

Pense cá: se você criou o infalível hábito de adicionar as informações na planilha do excel ou nos envelopes, resta agora fazer uma análise do que está errado ali.

Afinal de contas, só escrever não funciona. Para o hábito fazer sentido e te deixar verdadeiramente rico, você precisa analisar como está entrando o dinheiro e para onde ele está indo.

O importante é sempre se orientar para que a entrada seja maior do que a saída.

Existem muitas pessoas que já tem o hábito para ficar rico de registrar as transações, mas pecam na hora de analisar, vias de fato, os números. Compreender quais os lucros e quais os gastos é fundamentalmente importante.

A dica, neste caso, é fazer relatórios: Essa autoanálise vai te fazer ter uma visão crítica sobre o seu dinheiro.

O hábito de ter disciplina financeira

Ainda continuando os tópicos anteriores, chegamos à disciplina financeira.

Parece óbvio, mas seguir as dicas que demos acima é bastante difícil.

Quando vamos criar um hábito (inclusive o hábito para ficar rico), precisamos ser persistentes e focados no propósito final. É como emagrecer, você tem que criar o hábito mental para só depois ir para a prática.

Imagina você, que não tem o costume de anotar os gastos mensais e menos ainda de analisar eles… Quando começar a fazer isso, com certeza, vai ter alguns dias que vão passar em branco. Afinal, você ainda não criou esse hábito para ficar rico.

É engraçado que nunca nos esquecemos de tomar banho, não é? Mas é diferente porque isso é uma necessidade fisiológica.

Se bem que o planejamento financeiro também deveria ser considerado como tal porque isso é fundamental para uma vida próspera. Mas, deixa que falaremos disso em outro artigo.

O mesmo vale para aplicativos de celulares, já que alguns têm a opção de te “alertar” diariamente sobre o registro das transações financeiras.

O hábito de ter objetivos

  • Por que você tem o interesse de criar hábitos para fica rico?
  • O que te leva a pensar que isso te trará uma vida financeira melhor?
  • Para que você quer uma vida financeira melhor?
  • Quais os seus sonhos?
  • O que você faria se tivesse muito dinheiro?
  • O que você espera do futuro?

Depois que você estiver todas essas respostas, você estará apto para conseguir criar hábitos para ficar rico porque, antes disso, sem essas respostas, você pode até começar no processo, mas, com certeza, vai desistir no meio do caminho.

É como prestar um concurso público. Se o candidato não tem um objetivo (que pode ser melhorar de vida, ganhar um salário melhor, ter estabilidade financeira e profissional), ele dificilmente vai ter êxito durante os estudos e a prova.

O hábito de estimar os gastos

Neste ponto, entenda que estimar nada mais é do que prever os futuros gastos.

Calma lá, jovem! Você não vai precisar adivinhar o futuro e nem ir até a mãe Diná. Aliás, você precisa apenas saber que eles podem vir a acontecer, sem que saiba, necessariamente, o valor exato.

Ainda não entendeu como estimar os gastos pode ser um bom hábito para ficar rico?

Bom, vamos aos exemplos antes de continuar, então!

O que você sabe sobre janeiro? Isso, sobre o mês de janeiro… Sabe que o mês é um dos piores para quem quer criar o hábito de ficar rico, não sabe? E por quê? Porque tem gastos com materiais escolares, IPVA, IPTU, rematrículas… e outros!

Viu, esse é só um exemplo de como é possível estimar gastos.

Portanto, assim que você receber o 13º salário ou as férias, sabe que vai precisar manter aquele velho hábito para ficar rico que é o de poupar dinheiro porque no mês seguinte você terá alguns gastos excessivos, que até então não estava no seu planejamento financeiro dos meses anteriores.

Por sinal, você não precisa usar essa grana extra para usar em janeiro, desde que comece a poupar dinheiro bem antes.

O hábito de falar sobre dinheiro

Uma perguntinha básica: quantas vezes você falou sobre dinheiro nesses últimos dias?

Pouquíssimas, com certeza. Mas esse não é um problema exclusivo seu, fique tranquilo. O brasileiro não mantém bons hábitos para ficar rico, como esse, de falar sobre o mercado financeiro, sobre juros, sobre dinheiro.

No entanto, as consequências disso são as piores possíveis. Confira algumas delas!

Pessoas continuam aceitando produtos bancários: Por não entender sobre o mercado financeiro, as pessoas acatam o que os gerentes dos bancos dizem.

Pessoas continuam ostentando: A “arte” de ostentar não é hábito comum entre as pessoas mais ricas do mundo. Ao contrário: quem gosta de ostentar, tem grandes chances de caminhar para a pobreza.

Esses são só alguns motivos do por que falar sobre dinheiro sem constrangimentos é tão importante! Estamos vivendo um mundo de quebra de paradigmas e temos certeza que esse também será quebrado em breve!

O hábito de conhecer tudo sobre as taxas (Selic e IPCA, principalmente)

Todo e qualquer investimento financeiro tem influencias de taxas. Portanto, conhecer sobre elas é um hábito para ficar rico.

Neste tópico não vamos falar muito porque já temos alguns artigos que explicam tim por tim das taxas, dos índices, das rentabilidades.

LEIA TAMBÉM: O QUE É A TAXA REFERENCIAL?

Se você não tem noção nenhum sobre essas duas forças econômicas, vai ser difícil conseguir argumentar com o seu gerente do banco quando ele dizer que a poupança vale a pena. Pense nisso!

 

Com informações do Economias PT, G1

ANÚNCIO