Mora com Amigos? Guia Rápido para Dividir Custos e não Ficar no Prejuízo

É muito comum encontrar pessoas que dividem apartamento com amigos e sofrem muito na hora de pagar as contas, dividir os gastos, somar os custos… Para no fim, a conta ficar justa para todo mundo.

Será que existe uma fórmula mágica para não falhar nessa missão sem que o prejuízo financeiro fique para alguém?

Na internet encontramos o relato da designer Maristela Caires – ela só percebeu que tinha algo errado na conta quando chegou em casa e estava tudo escuro.

“A região onde eu morava tem instalações antigas e com ligações clandestinas. Achei que a força tinha caído por isso. Foi então que, após ligar para a companhia elétrica, descobriu que a conta estava atrasada em 3 meses – ou seja, nada de fusível queimado”, ela diz.

O combinado prévio era de que a designer pagaria o aluguel e o combo da internet enquanto sua colega arcasse com a outra parte do aluguel, que incluía água e energia elétrica.

“Depois que ela regularizou a situação, eles religaram a energia, mas nem ouvi desculpas pelas grosserias que ela disse. Deixei para lá porque morar com outra pessoa requer paciência, se não estraga a convivência”, garante Maristela.

Bianca Oliveira é uma estudante de medicina que também sofre com o fato de dividir moradia com outras pessoas. “Sempre ouço, um dia antes do vencimento das contas, que elas não tem dinheiro para pagar. Eu, mesmo muito apertada, dou um jeito de complementar”, ela desabafa.

“Ela, como é professora de inglês e tem aulas particulares, deveria se programar mais em relação às contas”, complementa Bianca.

Se você se vê em alguma dessas situações, melhor continuar lendo… A solução está nos próximos tópicos e vale muito a pena!

Como Lidar com Colegas de Apartamento

Paciência é a palavra de ordem – mas nunca deixar de pagar as contas.

O mantra usado pela Bianca, no exemplo acima, é perfeitamente aplicável, como dizem os especialistas do dinheiro.

Sulivan França é especialista em comportamento humano e presidente da SLCA@ Coaching (Sociedade Latino Americana de Coaching). Ele afirma que compartilhar espaços é uma forma de parceria, portanto, todas as partes tem que ter consciência e comportamento ético para que tudo dê certo.

A primeira tentativa de solucionar o problema, para Sulivan, é uma conversa franca.

“Isso pode ajudar a esclarecer exatamente quais são os pontos de desacordo. É preciso deixar claro que, apesar de se compreender as dificuldades que o colega possa estar enfrentando, a postura dele quanto a essa questão pode estar prejudicando diretamente alguém a quem ele deu a sua palavra”, explica.

O tom tem que ser amigável nesse momento – com os números e as contas na mesa.

“Mostre-se aberta a discutir opções e entender o problema. Caso isso não resolva, passe a investir em conversas mais duras e incisivas. Mas nunca perca a cabeça porque isso não será bom para o relacionamento e não vai resolver o problema”, garante.

Também é importante ouvir com atenção.

“Desta maneira, é possível ter pelo menos uma ideia do quanto a negligência das contas se trata de um contratempo de força maior ou quando a pessoa está argumentando para acobertar uma ação premeditada de má-fé”, ele orienta.

Se a conversa não der certo, é importante começar a investir em avisos por escrito – isso dá dimensão e seriedade para servir como prova caso o problema chegue à Justiça.

“Discuta e busque um acordo sobre os valores a serem pagos por cada parte previamente, ressaltando a responsabilidade em relação aos juros e multas que podem ser cobrados por conta de atrasos”, aponta França.

Mora com Amigos? Guia Rápido para Dividir Custos e não Ficar no Prejuízo

Reprodução: Google

Guia Rápido para Dividir Custos e não Ficar no Prejuízo

Fizemos um brevíssimo guia para você que está nessa situação ou que vai entrar nela. Observe atentamente os pontos e se orientar por ele para não correr o risco de ficar no prejuízo – porque isso pode te levar à dívidas.

Escolha da Região

Pode parecer que esse ponto não é nada assim tão importante… Mas é! Atente-se a escolher um bairro bom para morar e que seja próximo do seu destino – escola ou trabalho. Se tiver comércio, melhor ainda, já que você precisará se deslocar menos.

Por outro lado, evite os lugares super valorizados. Nesse caso, a conta pode não fechar e a diferença de gasto será muito grande para outro bairro mais afastado.

Organização das Contas

Seja organizado com as contas – não tenha vergonha de usar as boas e velhas planilhas do excel, inclusive, saiba que elas podem ser compartilhadas na nuvem. Existem também aplicativos que fazem esse compartilhamento entre celulares.

A ideia, porém, é anotar todos os gastos – como serviço de faxineira, aluguel, condomínio, contas, entre outros.

Conheça o Perfil do Colega

Avalie muito bem o perfil da pessoa que vai dividir o apartamento com você. Claro que se for um amigo próximo pode ser melhor porque vai ter o fator de confiabilidade, no entanto, se ele for bagunceiro demais, isso pode ser um peso contra o sucesso da divisão.

O ideal, conforme especialistas, é escolher alguém que tenha características semelhantes às suas – lembre-se que ter uma boa convivência é importante nos momentos de apertos financeiros.

Canal de Comunicação Aberto

Tente sempre manter o canal de comunicação entre todos os participantes da casa em aberto. Os assuntos, não apenas do dinheiro, mas todos os outros devem ser falados, comentados, discutidos, compartilhados.

Evite fazer comunicação apenas por telefone, celular ou internet, use a comunica verbal e pessoal também.

Saber o que o outro está pensando, se está de acordo ou não, é importante para levar uma vida boa, ainda que se tenha grandes contas a pagar.

Mobília da Casa Nova

Normalmente, dividir a casa com outras pessoas é uma medida temporária e dificilmente se tornará duradoura. Assim, é possível encontrar locais que já venham mobiliados, mas isso é raro.

Para os outros casos, vale a pena procurar os móveis e os utensílios domésticos em lojas de usados. Se a compra for feita quando todos já estiveram na casa ou apartamento, vale a ideia de dividir o valor da compra e posteriormente da venda.

Mas, se uma só pessoa levar o móvel, saiba que ela será a dona dele, quando o compartilhamento do local chegar ao fim.

Para economizar dinheiro nessa hora, vale muito a pena selecionar todos os itens que precisam ser comprados e separar entre os moradores, onde casa um ficaria responsável por alguns deles.

A forma que mais dá certo é essa que citamos aqui: cada integrante da casa deve pagar por seus artigos para que, na hora da divisão, não seja necessário separar os valores – cada um fica com o que pagou. Tá? Essa é uma dica importante.

Administração dos Gastos

Com o tempo e o aumento dos impostos, as contas podem começar a ficar altas – mas, se desde sempre os participantes se preocupam em falar sobre o dinheiro, a adaptação fica mais fácil. O intuito tem sempre que ser o de solucionar a questão.

O ideal, em todos os casos, é que os valores sejam divididos igualmente – quando houver consumos diferentes, então, é importante que as pessoas os comprem separadamente, principalmente se forem caros.

Separamos, agora em subtópicos, alguns dos possíveis gastos que precisarão ser divididos. Confira!

Alimentação

“A organização financeira começa a se definir nos gastos básicos da casa. O próximo passo é saber dividir despesas como as do supermercado”, diz Ângela Maria, professora de Finanças do Insper.

Almoçar e Jantar fora todos os dias é um hábito que pode resultar em um custo considerado elevado em qualquer situação por mais barata que seja a refeição. Isso sem contar que nem sempre ela vai ser saudável. A acessibilidade e comodidade pode custar caro, vias de fato.

Então, vale a pena conversar isso em reunião – alguém vai ficar responsável pela comida?

  • Cada um faz o próprio prato?
  • Quem vai almoçar em casa?
  • Quem vai jantar fora?

Tudo isso pode ser previsto, ainda que exista algumas alterações no decorrer dos dias, com imprevistos.

A se pensar nisso, é preciso considerar ir às compras. Existem muitos alimentos que podem ser comprados em conjunto, o que barateia os gastos, como arroz, feijão, farinha, óleo.

Tente entender da seguinte forma: se você jantar fora todos os dias, pode ser que tenha um gasto de 16 reais diários, o que dá 480 no final do mês. Com esse valor, é possível comprar 2 cestas básicas no supermercado, conforme base de cálculo do Procon.

Na hora de ir no supermercado também é preciso conversar e o ideal é sempre que as compras sejam feitas em conjunto até que uma pessoa identifique os gostos da outra.

Aluguel e Condomínio

Normalmente, esses gastos – aluguel e condomínio – são os que mais pesam no orçamento financeiro de uma casa. E, como sabemos, liberdade e segurança são importantes nos dias de hoje.

Assim, o que se recomenda é que esse valor seja repartido e pago por todos os moradores, já que são fixos – isso facilita na hora do balanço no final do mês. É muito importante, no entanto, que se defina a data do pagamento, evitando deixar tudo para a última hora.

Telefone e Internet

As tarifas do telefone são caras, mas o do aparelho celular é muito maior, acredite. Portanto, ainda que possa parecer um gasto supérfluo, ter um telefone em casa pode ser mais vantajoso do que não ter, tudo vai depender das suas contas.

Essa conta, junto com a da internet, tem que ser dividida também. O melhor é encontrar pacotes que tenham valores fixos, independente do número de ligações ou de canais. O valor pago também seria fixo, como do aluguel.

Outros

Dos móveis já falamos. O que temos em vista aqui é falar de objetos e produtos que são de uso de todos, como as lâmpadas, conserto na máquina de lavar, copos, sabão em pó, entre outros gastos que precisam ser levados em conta.

Mora com Amigos? Guia Rápido para Dividir Custos e não Ficar no Prejuízo

Reprodução: Google

Na prática, como Dividir os Gastos

Também na internet encontramos o caso da designer Camila Cogo, que mora com 2 amigas. Ela contou como faz a divisão dos gastos e como mantém um bom relacionamento com as colegas. Observe.

Ela conta que cada moradora gasta 700 reais por mês com as contas em conjunto, que incluem aluguel, condomínio, conta de água, de luz e telefone.

“Também dividimos igualmente os gastos com produtos de limpeza e o pagamento de serviços da faxineira”, diz Camila. “Mas, como revezamos quem pagará pelo serviço, fazemos as anotações em um calendário. Nunca deu problema”, ela garante.

Ela diz que manter os pagamentos das contas em dia nunca foi um obstáculo – com o total de gastos fixos estabelecidos, cada uma entrega o valor antecipadamente à “síndica” da vez para que tudo seja pago na data correta.

Elas guardam todas as notas do que foi comprado em comum e reúnem-se para discutir o orçamento apenas em situações como quando há reajustes do condomínio ou das despesas extras.

“O indicado é que os moradores tenham controle e regularidade de encontros para discutir suas finanças e bater as contas. Fazer reuniões semanais ou pelo menos uma vez por mês ajuda muito”, diz Ângela.

Francisco Gonçalves França é um ilustrador que também faz o “acerto de contas” regularmente – há mais de um ano ele divide o apartamento com um amigo.

Francisco paga metade das contas fixas, que é de 800 reais mensais. Porém, eles não fazem anotações, o que vai contra a opinião dos analistas.

Em situações assim, a relação de confiança é fundamental para que não haja problemas, mas quem conhece do assunto diz que desentendimentos estão mais propícios a acontecer.

“Um dos grandes erros de quem divide imóvel é combinar uma data para acertar as contas e atrasar o pagamento, isso desgasta muito a relação de amizade. Nesse caso, é preciso ainda fazer um acordo, já que haverá a cobrança de juros para algumas contas”, avalia Nélson de Souza, que é professor de finanças do Ibmec.

Se os moradores ficarem inadimplentes, o problema é ainda maior – “caso a inadimplência seja passageira, é possível fazer uma negociação e combinar com o morador que esteja passando por dificuldades uma prestação de serviço como meio de amortizar a dívida”, diz Souza.

“Mas, se o caso for mais grave, o grupo deverá repensar a participação deste integrante e comunica-lo o mais brevemente possível”, diz Mauro Calil, que é consultor financeiro.

A convivência do grupo também pode ser alterada a partir de atitudes como hospedar parentes e namorados no imóvel coletivo.

“O morador que trouxe o hospede deve fazer compras no supermercado e aumentar sua contribuição em contas como água, luz e gás, já que haverá um excedente de consumo”, diz.

“Além disso, no caso de algum objeto danificado, é preciso fazer a reparação imediata por meio da compra de um novo produto ou do ressarcimento financeiro”, diz.

Gestão Financeira Pessoal Para Controlar os Gastos Mensais

Quando não se tem um planejamento financeiro bem organizado, a consequência é eminente: dívidasgrandiosas e incontroláveis. Elas causam o maior alvoraço na sua vida – traz problemas pessoais, profissionais e familiares.

A questão é conseguir controlar os gastos pode te fazer ter gestão financeira efetiva. E fazer isso é muito fácil – não leva mais do que 5 passos, confira.

Conforme pesquisa do SPC (Sistema de Proteção ao Crédito), o consumidor brasileiro não tem o hábito de poupar dinheiro e quando o faz, geralmente, possui perfil conservador, de baixo risco, como as poupanças.

Aliás, é muito difícil controlar o orçamento financeiro doméstico em um país onde os preços do supermercado no mês anterior já não são iguais aos da compra atual. Ou, não raro, quando o salário não tem acompanhado as elevações da economia.

No Final do Artigo teremos 2 Bonificações: Planejamento Financeiro para Idosos e Gestão Financeira para Empresários. Leia!

O segredo nós vamos contar abaixo, mas em síntese leve em conta os seguintes itens: dar prioridades às contas necessárias e cortar os gastos extras, procurar pendências com taxas de juros elevadas e renegociar elas e, mais importante que tudo, investir dinheiro em aplicações financeiras que rendam algum juros periodicamente.

Encare os Números

Nada de “anotar depois” ou “é um gasto pequeno, não preciso anotar”. Você nunca vai conseguir organizar as suas finanças se não fizer o controle exato que entra e do que sai de dinheiro todos os meses.

Registro dos Gastos é fundamentalmente importante.

O lado bom é que você pode escolher o seu próprio método para fazer isso – existem aplicativos para celulares, planilhas de controle de gastos do excel e registros manuais.

Aqui no blog já ensinamos como Fazer o Registro Manual através da Técnica dos Envelopes. “É mais vantajoso porque você nunca vai esquecer de anotar com o que gastou o dinheiro, além disso, poderá fazer uma análise sobre quanto imaginava gastar e quanto acabou realmente gastando”, disse o criador da técnica, Robinson Trovó.

Se você quer entender um pouco mais como funciona essa técnica, clique aqui.

Para todos os casos, o mais importante é manter os números atualizados diariamente, incluindo os centavos, os empréstimos, os boletos, as balas, entre outros. O seu cafezinho, por exemplo, pode custar apenas 5 reais hoje. Mas, se o valor for diário, pode representar um gasto exorbitante de 1,8 mil reais no ano todo.

Identifique os Gastos Supérfluos

Com as despesas registradas, fica mais fácil reconhecer os gastos que são supérfluos, ou seja, não necessários. Mais importante do que reconhecer é saber que eles podem comprometer o seu orçamento financeiro muito mais do que você imaginava.

Depois que listar todas as possibilidades de corte desses gastos, leve em conta definir aquilo que é prioridade. A questão é muito simples de ser resolvida – normalmente, os gastos necessários são: alimentação, saúde e educação. O restante pode ser considerado supérfluo.

“Você tem que economizar sem sacrificar o bem-estar”, afirma Rodolfo Amstalden, que é sócio-fundador da Empiricus Research. “De todos os gastos que você teve no mês, quais são aqueles dois quais você se arrepende”?

“Não estou falando para deixar de sair e ficar só em casa assistindo aos filmes do Netflix. Mas é importante equilibrar estes gastos. Se você puder analisar seu extrato, apontar aquilo que não traz algo bom e tentar cortar gastos no mês seguinte, vai sobrar mais dinheiro para investir”, diz Rodolfo.

Evite Parcelar as Compras

Mesmo que você deixe de comprar o que é prioridade, você continuará fazendo compras. Aliás, o supermercado tem que ser feito todos os mesmos para que não falte comida em casa. A dica, para as compras prioritárias é não parcelar.

O Cartão de Crédito, por exemplo, pode ser usado de forma positiva, mas muito raramente. Enquanto você estiver trabalhando o seu orçamento financeiro e definindo suas prioridades, o ideal é que deixe ele no “banco de reservas”. Dê um tempo ao seu cartão de crédito e faça compras apenas à vista.

Todo pagamento à vista gera desconto, além de tudo.

Dan Ariely entrevistou muitas pessoas e pediu que analisassem seus extratos bancários. A grande maioria das pessoas disse que se arrependem quando gastaram muito dinheiro na balada, saindo para um bar ou em um restaurante. Pense nisso.

Tenha uma Reserva Financeira

Ter um Fundo Financeiro Emergencial é importante para evitar que Imprevistos desmorone sua vida. Existem dois exemplos clássicos – e tristes – que explicam por que é importante ter essa reserva:

1) para o caso de perda de emprego e

2) para o caso de doenças sérias que exigem tratamentos imediatos e caros.

E não adianta vir dizer que você tem “sorte” ou que “essas coisas não acontecem com você”. Porque em todo momento da vida acontecem imprevistos. O carro pode quebrar, a casa pegar fogo, o remédio custar caro… E uma infinidade de ações que não estavam no planejamento.

Por isso, ter uma reserva financeira é importante e fará com que você tenha facilidade em tomar atitudes, sempre pensando no crescimento financeiro. Se você não tem nada guardado, fica difícil até mesmo planejar o pedido de uma promoção no trabalho, para se ter uma ideia.

Quanto ao valor, os especialistas não tem uma opinião única, mas na média, fala-se em reservar o equivalente à 6 meses de trabalho. Por exemplo, se sua Renda Mensal é de 3 mil reais, então, imagina-se que sua reserva seja de, pelo menos, 18 mil reais.

“As pessoas ficam felizes quando identificam que investiram em algo que vai trazer retorno positivo”, diz Rodolfo.

Procure As Melhores Opções de Investimento

Existem muitas opções de investimentos no Mercado Financeiro atual. Então, se você é daquelas pessoas que só conhecem a poupança, melhor olhar para frente e para os lados. Conheça mais sobre o mercado.

Aliás, Aplicações Financeiras não é só sobre Investir Dinheiro na Bolsa de Valores.

Existe, por exemplo, a Renda Fixa que é um tipo de investimento muito seguro e tem rentabilidades superiores ao da poupança. Normalmente, são títulos de bancos ou do Governo Federal. O importante é fazer sua reserva render e ter segurança para que ela não fique abaixo do índice de inflação.

Quando você encontra tais investimentos que dizem respeito ao seu perfil investidor, você começa a entender um pouco mais sobre investir, lucrar e multiplicar, que são verbos que passam pela cabeça de quem se preocupa em ter um patrimônio financeiro que garanta um futuro tranquilo.

“Economize um pouco a cada mês, investir aquela economia. O dinheiro que você não gastou ainda vai se multiplicar. Será um ciclo virtuoso bom de acompanhar”, finaliza o especialista.

Além de levar em conta os investimentos financeiros, pense também em formas de ganhar dinheiro extra, além da sua renda mensal.

Com informações da UOL e CatracaLivre