5 dicas para diversificar carteira de investimentos aumentando os ganhos e diminuindo os riscos

Uma dúvida muito comum dos investidores quando começam a aprender sobre investimentos é sobre como diversificar a carteira de investimentos de forma leve e correta.

Isso porque a mudança de ativos pode significar até mesmo o pagamento de juros ou tem aquele lance do IOF, sabe? Que é cobrado para quem investe menos de 30 dias.

E a pergunta sempre vem com um quê de “como evitar riscos e aumentar os ganhos”.

Então, vamos ao que interessa, jovem. Separamos as principais dicas para quem quer diversificar a carteira de investimentos aumentando os ganhos e diminuindo os riscos.

1 – o momento certo

É verdade que existe um momento de você fazer diversificação de investimentos e existe um momento de você não fazer essa diversificação.

Isso porque o simples fato de fazer uma diversificação pode não te ajudar e pode, inclusive, te prejudicar nos ganhos.

Por isso, começamos bem, o jeito certo para saber o melhor momento de diversificar é estudando.

2 – os objetivos

Bom, uma coisa que você tem que ter em mente é o seguinte: a diversificação de investimentos é uma ideia muito boa, mas que precisa ser vista junta com os objetivos.

Vai elaborar os seus projetos? Pense nos objetivos de curto, médio e longo prazo.

Se você tem, por exemplo, um objetivo de aposentadoria, então, você vai começar a acumular um determinado patrimônio que vai ser útil para a aposentadoria.

E os investimentos de longo prazo tem características e condições diferentes daqueles investimentos de curto prazo.

Já se você está montando a sua reserva de emergência, você vai ter investimentos adequados à reserva de emergência. Entendido?

Se você tá juntando dinheiro para fazer uma viagem daqui 3 anos para assistir à Copa, por exemplo, ou para fazer um MBA fora ou qualquer outro sonho de consumo que você queira realizar, então, o prazo desse investimento vai te colocar também em características de investimentos diferentes da aposentadoria e da reserva de emergência.

A dica é que é ter em mente que a primeira diversificação vai se dar a partir do seu planejamento e dos seus objetivos.

3 – o foco

Se eu estou começando agora a juntar meu dinheiro, eu não preciso pensar ainda nos meus objetivos de médio e longo porque eu preciso constituir minha reserva de emergência.

E a minha reserva de emergência eu não preciso diversificar porque ela perderia rentabilidade. A dica aqui é ter foco.

Eu posso ter um produto como um fundo DI, por exemplo, e seguir com ele até formar uma reserva de emergência.

Depois que juntar o valor que equivalha a pelo menos 6 vezes a minha renda, eu parto para o próximo passo e isso me dá segurança.

Em um primeiro momento, como é que eu vou diversificar os investimentos se eu estou começando a fazer um único investimento? Não faria sentido! Só me daria trabalho adicional.

4 – os percentuais

Outra forma de diversificação equivocada é aquele investidor que ele tem tantos produtos diferentes de investimento que alguns têm um percentual tão insignificante na carteira que nem que aquilo tivesse a maior rentabilidade do mundo ia fazer efeito.

Logo, o percentual na carteira é muito pequeno.

Quando você pega uma carteira que tem lá um investimento que é 1% na carteira ou 2% na carteira, saiba que ele pode não significar muita coisa.

Isso, costumeiramente, não tem nenhuma vantagem e não traz nenhum benefício a não ser uma dificuldade de você olhar os seus próprios investimentos e entender o que está fazendo.

5 – comprar produtos

Até aqui já deu para entender que a diversificação começa, primeiro, a partir do momento que você monta uma reserva de emergência e depois quando você traça os outros objetivos.

Porque os outros objetivos vão requerer investimentos de prazos de maturação diferentes.

E você não deve fazer uma diversificação entendendo que simplesmente comprar um monte de produto te fará rico diversificado.

Na real, a diversificação é uma elaboração de carteira adequada com o seu planejamento financeiro e com as suas necessidades e com seus objetivos. Logo, tudo isso é importante.

Aí sim você vai conseguir comprar os melhores produtos para a sua carteira.

A diversificação não é uma compra aleatória de vários produtos. É por isso que hoje em dia tem alguns investidores que não sabem muito bem o que estão fazendo e por isso reclamam que os investimentos estão ruins.

De uma maneira geral, ao olhar várias carteiras poderíamos notar isso.

Ao passo que tem investidor com carteira de 5 produtos que está otimamente diversificada.

5 dicas para diversificar carteira de investimentos aumentando os ganhos e diminuindo os riscos

Assim dá para saber qual é o seu momento certo!

Por fim, considere que uma boa diversificação precisa estar ancorada no seu planejamento e que nem sempre ter muitos produtos significa que você está diversificando de forma exata.

Além do que tem gente que compra produtos que fazem a mesma coisa. Isso não é a diversificação. Diversificar é escolher ativos diferentes, para fins diferentes.

E escolher produtos com o mesmo risco também não é legal.

Saiba o momento de fazer a diversificação e se o seu momento é inicial, concentre-se primeiro em não diversificar absolutamente nada! Acumule patrimônio para só depois partir para o próximo passo.

Monte a sua reserva de emergência num único produto para depois, na hora que você for destrinchar os outros objetivos em médio e longo prazo,  aí sim você vai começar a pensar em diversificação.