7 dicas extraordinárias para quitar dívidas rapidamente e sair do SERASA/SPC

Se você tem alguma dívida, fique calmo porque você não é o único! No Brasil, hoje são mais de 60 milhões de endividados… Para todos eles, a indicação é uma só: acertar o débito. Isso é possível a partir de uma negociação.

Essa negociação de dívida é importante e pode ser benéfica para os devedores e os consumidores – no fim, todos saem ganhando!

Tudo começa quando a empresa se dispõe a conhecer as razões do cliente que está em atraso – isso abre uma brecha para uma negociação que tem a ideia de viabilizar o crédito. Listamos alguns pontos que provam a essa atitude pode mudar a sua vida!

O Procon de Santa Catarina divulgou um material contando como é possível quitar a dívida e liquidar os débitos.

Richard Rytenband foi o especialista que consolidou as questões a serem analisadas e explicou alguns métodos que as credoras disponibilizam para a negociação.

A dívida, para ele, pode ser vista de forma geral, como a do cartão de crédito, cheque especial, comércio ou qualquer empréstimo feito com instituições financeiras.

O alerta dele é justamente se atentar à nova realidade do país – de queda de juros. Isso é considerável na hora de exigir melhores condições durante a negociação.

A primeira opção que ele cita é a RENEGOCIAÇÃO COLETIVA que reúne uma série de devedores do mesmo credor que renegociam todas as dívidas em uma única proposta – existem empresas que cobram porcentual do valor que conseguirem economizar.

Sobre isso, ele ainda alerta para o fato de que após 5 anos, a dívida não caduca, como muitas pessoas pensam. O nome do devedor até pode sair da lista das empresas de análise de crédito, mas o consumidor ainda terá restrições com as compras.

Outra opção é totalmente individual e tem a ver com a CONSCIÊNCIA FINANCEIRA. Assim, o cliente precisa saber que a partir do momento que renegociar a dívida, precisará arcar com um valor mensalmente para que essa renegociação não seja em vão.

“Não adianta aceitar a nova proposta se ela não for cumprida, mesmo que o credor no primeiro momento insista que não tem como facilitar mais. O credor tem todo interesse em receber, lembre-se disso”, avisa o economista.

Para dar certo, portanto, a dica é lista todas as dívidas que possui e priorizar aquelas que têm maiores taxas de juros – a fim de se evitar o famoso efeito bola de neve, que é quando a dívida começa a crescer de forma descontrolada.

“Dependendo do tamanho da sua dívida, venda algum bem material, assim, será possível pagar ou amortizar parte da dívida, sem se enforcar cada vez mais”, garante Richard.

No caso específico do Cartão de Crédito, ele diz que uma boa maneira de renegociar é ligar diretamente no setor de cobranças. “Normalmente, o atendente faz uma primeira proposta e esta não é a mais vantajosa”.

7 dicas extraordinárias para quitar dívidas rapidamente e sair do SERASA/SPC

Hoje nós vamos falar como sair das dívidas com 5 dicas muito uteis.

1 – Listar as dívidas

A primeira coisa, que é o primeiro passo, e não é nada tão difícil… Liste as suas dívidas!

É o momento que você vai encarar aquilo de verdade e ver que: “Poxa, essa é a minha realidade: estou no fundo do poço”.

Você vai encarar uma coisa que é importante você resolver o quanto antes. É aquela ideia de entrar na jaula e enfrentar o leão, sabe? Porque o problema realmente existe, então, temos que solucionar, de alguma forma.

E a gente lista as dívidas como? Confira alguns dados importantes que é necessário que você veja em cada uma das suas dívidas:

  • Qual é o valor da dívida?
  • Para quem estou devendo dinheiro?
  • Qual o prazo que tenho que pagar esse débito?
  • Em quanto tempo preciso quitar a bendita conta prolongada?

E já deixa anotado quando você deve terminar, para saber, depois da negociação, se vai cumprir o prazo.

Ah, considere também os juros! Porque as vezes você tem a documentação toda da dívida e não tem essa informação. Qual é o juro que tem na minha dívida? – é imprescindível fazer essa pergunta porque o Brasil é um dos países mais caros do mundo nesse assunto.

Porque é bom que você saiba disso para evitar fazer novas dívidas no futuro.

A, além do mais, isso será importante para os próximos passos.

2 – Faça um diagnóstico

Com a lista das dívidas em mãos, fica mais fácil você fazer um diagnóstico financeiro para saber por onde começar a quitar as dívidas rapidamente.

É importante entender o quanto você ganha, quanto você gasta e qual é o tamanho do problema financeiro que você possui em relação as dívidas que você já contraiu!

O diagnóstico você começou no tópico acima… Agora é hora de dar a medicação para a sua dor. É muito comum que as dívidas variem muito – o segredo é identificar quais as prioridades, ou seja, aquelas que precisam ser pagas primeiro.

Por exemplo, as dívidas de crédito pessoal tem uma determinada taxa de juros. E aí, tudo bem. Porque conforme pesquisas, elas tem as menores taxas de juros do mercado.

Mas, se você deve no cheque especial ou no cartão de credito… Aí f***! Porque essa taxa de juros tende a ser bem maior – talvez seja a maior do mundo!

Se você tem um crédito consignado ela já é menor do o do cheque especial também.

Então, isso é diagnosticar. Ter uma lista em mãos e separar as prioridades!

Ah, você tem que organizar isso em paralelo com o seu orçamento financeiro familiar – onde você vai listar quanto você ganha e quanto gasta! Do orçamento, nós vamos encontrar uma maneira para reestruturar essas dívidas.

O primeiro passo é saber quais são as dívidas e quanto elas estão valendo hoje em dia.

Aqui, a gente pode falar também em realidade das dividas prioritárias! Que é uma expressão usada para mostrar qual dívida devemos pagar primeiro e qual pode deixar para depois.

A dica é muito fácil: você tem que pagar aquelas dividas que são mais caras!

3 – Organizar o orçamento financeiro

Organizar o seu orçamento…

Para todas as dicas financeiras que a gente for passar aqui, você precisa saber qual seu poder de negociação: quanto tenho para arcar com minhas dividas? Você só vai saber disso quando colocar suas finanças em dia – nem que seja apenas no papel.

Qual o meu poder? Se for baixo – ou seja, se você não tem nada de dinheiro para quitar o débito – é nesse momento que você tem que começar a cortar os gastos.

É por um tempo limitado, mas é muito necessário mesmo que tenha que ser um pouco radical!

Como vai fazer para pagar as dívidas? Vai ter que sair de algum lugar esse dinheiro. Da onde vai sair? Da sua renda mensal? Vai fazer uns extras? Vai reduzir qual gasto?

Para você se livrar das dividas vai ter que enxugar o orçamento financeiro – essa é, sem dúvidas, a sua melhor opção.

Planejamento Financeiro para uma vida próspera – e livre de dívidas

Mas, você precisa saber quanto consegue, com toda força-tarefa da família e tudo mais, economizar de dinheiro todos os meses. Qualquer 2 reais que você economiza em um dia e outros 10 em outros já vai fazer muita diferença!

Outra questão que você tem que levantar: 1uanto eu consigo fazer sobrar para pagar as dívidas? Conheça seu orçamento e descubra qual o seu poder de negociação.

Porque você vai precisar saber na hora de argumentar algumas coisas com o seu gerente ou com o cara da instituição que te emprestou o dinheiro ou o lojista – com que for, você tem que saber argumentar, falar, se expressar e pontuar suas condições.

Eu tenho tanto! Então é com isso que você consegue se responsabilizar agora.

A sua motivação é quitar suas dívidas. É sair disso logo. E você tem que fazer tudo para conseguir isso.

Para, só depois, começar a investir dinheiro, procurar outro sonho. Mas, o seu sonho, neste momento, é quitar suas dívidas. Tem que ser prioridade. PRIORIDADE, sacou?

7 dicas extraordinárias para quitar dívidas rapidamente e sair do SERASA/SPC

Reprodução: Google

4 – Juros e taxas

Lembra que a gente falou dos juros, taxas, tudo que você precisa saber quando custa sua dívida? Pois é: é você liquidar e focar nas dívidas mais caras antes de pensar em qualquer outra coisa.

Porque se ela custa mais caro, quanto mais rápido você quitar, mais alivio vai sentir – tanto emocionalmente quanto no seu orçamento financeiro. A sensação é de tirar um peso das cosas, já sentiu isso?

Ah, e tem 2 dicas na hora de saber qual pagar primeiro: essa que tem os juros, custos, mais caros. Ou quando você é uma pequena, você deve determinar em 3 meses a liquidação dela.

5 – Negocie suas dívidas

“Tenho 200 reais por mês e quero liquidar essa dívida”.

“Banco, eu tenho tanto, minha dívida está assim, eu quero muito liquidar, estou muito interessado em terminar minha dívida, quero pagar”.

Converse com quem você está devendo dinheiro… Como a gente consegue negociar isso?

O ideal é nunca aceitar a 1ª proposta – pergunte quanto eles conseguem baixar, quanto de desconto podem dar e quanto você mesmo consegue pagar por mês!

A partir disso, você poderá fazer uma contraproposta.

“Eu tenho tanto, é isso que consigo arcar de verdade”.

Então, é hora de renegociar!

É outro passo importante: você consegue tirar bastante juros se você demostrar interessado.

Portanto, vai lá e faça uma proposta: veja o que eles têm para te oferecer e depois você faz uma contraproposta. Simples assim.

Por isso, é importante que você tenha clareza em relação a quanto você vai conseguir pagar por mês com essa dívida. Nunca chegue lá sem saber o quanto você pode pagar porque assim você acaba fazendo um acordo que você não vai poder honrar necessariamente.

E o negócio vai começar a ficar complicado – mais do que já está.

Toda vez que você não cumprir uma negociação, mais difícil fica para você conseguir descontos futuros. E outra coisa bem importante: renegociou? Arque com o que você falou. Cumpra sua palavra que você consegue mais crédito no futuro e limpa o seu nome do SPC.

Uma boa renegociação pode te ajudar a alongar o prazo de pagamento das dívidas diminuindo o valor das parcelas e quitando aquelas que forem possíveis de serem quitadas.

Você precisa entrar em contato com os credores, com os bancos, com as instituições financeiras para quem você está devendo e eventualmente fazer propostas para poder pagar aquela dívida que você tem.

É comum que essa negociação ou renegociação aconteça muitas vezes de uma forma natural de uma forma tão simples. Você pode precisar de ajuda de um órgão de defesa do consumidor ou até mesmo de um consultor financeiro.

6 – Devo não nego, pago quando puder

Porém é o seguinte: você já viu as suas condições financeiras, já renegociou o que dava, focou nas prioridades entre mais caro e menores, mas aí viu que tem umas 3 que não está dando conta, não entrou no orçamento, não consigo dar conta delas agora?

Vou dizer a real para você: por um tempo vai ter que deixar algumas coisas de lado.

Pare de pagar as que não vão conseguir ser arcadas durante o mês porque você vai pagar um mês tentando dar conta de tudo, no outro já não vai dar para pagar. E nesse meio do caminho seus juros aumentam – vira uma bola de neve.

O que você está tentando pagar, com a ilusão de que está conseguindo dar conta, são juros.

E isso não vai te levar a lugar nenhum.

Então, assim, sangue frio! Respira fundo: o que você identificou que não cabe no seu orçamento, não adianta, deixe para depois. Posso? Não posso diminuir as dividas que tenho, então não dá para ver resultados.

Se não focar no seu objetivo, você vai ficar se enrolando, tentando pagar tudo e ao mesmo tempo e perdendo muito dinheiro.

Se você viu no orçamento que tem condições de arcar com todas, negociar todas, ótimo. Faça todas ao mesmo tempo. Aqui nessa quinta dica é não dar conta de todas.

Então, entenda que algumas você não vai conseguir pagar agora. Daí, depois você tem a oportunidade de ter dinheiro e de renegociar e apresentar as suas possibilidades.

Uma coisa de cada vez, é verdade…

Mas sempre leve em conta o fato de estar fazendo corpo mole. Se você pode fumar 1 maço de cigarro por dia, tomar café na padaria aos finais de sábado, se tem TV a cabo… Isso prova que você tem condições de pagar as dívidas. Reveja!

7 – Aprenda com o seu erro

É que você use todo esse processo para aprender com o seu erro, admita que você se endividou demais, porque você exagerou em alguma coisa que você comprou ou porque você viu o apelo de consumo aumentar bastante na sua cabeça, você perdeu o controle.

É mais inteligente assumir essa responsabilidade do que culpar o sistema dizendo que os juros são altos, ou que o banco fez alguma coisa que você não gostou ou que a culpa é do cartão de crédito.

Enfim se você se defende e usa essa justificativa dificilmente você vai aprender e você pode repetir esse mesmo erro em um momento futuro então assuma a responsabilidade assuma que você é a pessoa responsável por esse problema e ai você vai aprender com esse erro.

Lembrando sempre que o mais importante que a riqueza é uma questão de escolha, nós podemos escolher ser rico e mudar de atitude.

Isso também tem a ver com honrar as suas dívidas. Então, se você fez uma renegociação se você identificou os problemas do seu endividamento, se você conversou com os credores e definiu um plano para honrar essas dívidas.

Esse passo diz respeito você realmente assumir esse compromisso e honrar esses pagamentos.

Você teve que fazer o encaixe dentro do seu orçamento para encontrar saídas para renegociar suas dívidas.

De repente você precisou vender algum bem material – como um carro, moto, bicicleta – para encontrar o dinheiro para honrar uma das dívidas que você fez… Então, execute esse plano!

Se você precisa vender e não tem outra saída, não conseguiu renegociar, faça isso para você não ter problemas com os juros.

7 dicas extraordinárias para quitar dívidas rapidamente e sair do SERASA/SPC

Reprodução: Google

Bônus – Canal do Youtube ensina pessoas como quitar as dívidas

O problema ainda sobre com um problema que vai muito além da Crise Financeira – a falta de Educação Financeira.

As pessoas não seguem uma cartilha recomendada para quando começam a ganhar o primeiro salário – quando ganham muito, gastam muito e quando ganham pouco, acabam entrando em dívidas.

O assunto, por sinal, ainda é tabu para muitas pessoas, mulheres, famílias, jovens. Dificilmente fala-se sobre dinheiro em rodas de conversas, mesas de bar, encontro de amigos. Isso é um erro fatal.

Na contramão, os bancos são as empresas que mais lucram todos os anos. A poupança é o investimento mais tradicional e mais usado. Os títulos de capitalização têm grandes apostadores. O cartão de crédito é uma das formas de pagamento mais usadas.

Obviamente, é possível concluir que a falta de educação financeira gera um comportamento incorreto nos brasileiros e, não a toa, hoje são mais de 60 milhões de endividados por aqui.

Com este cenário em vista, Robinson Trovó criou uma escola de educação financeira – A Trovó Academy.

Trovó Academy no Youtube

Trovó Academy é uma instituição educacional que tem o foco voltado para o mercado financeiro– a ideia é chegar ao aprendizado de assuntos como dinheiro, finanças e investimentos financeiros que é tão raro hoje em dia.

No Youtube, o canal tem quase 30 mil inscritos que assistem vídeos periódicos sobre a educação financeira e a importância de buscar conhecimento sobre o assunto.

Separamos um, confira agora!

GANHAR POUCO NÃO SIGNIFICA SER POBRE

Tempo: 7 minutos / Visualizações: mais de 32 mil

Nesse 3º vídeo, nem começamos a falar de investimentos financeiros ainda, mas já temos uma grande lição de moral: não é por que você ganha pouco que tem que ser pobre.

Acredite: existem pessoas que ganham um salário mínimo que são mais ricas do que quem ganham 10 vezes mais. É vero!

Imagina que você ganhe bem pouco – um salário mínimo – mas que mesmo assim, consiga viver dentro da sua realidade – ou seja, economizando onde pode, pagando as contas em dia, não usando desenfreadamente o cartão de crédito e nem pagando juros absurdos aos bancos.

Agora, pense em alguém que ganhe 10 mil reais por mês, mas que tenha uma vida de ostentação. Vai na balada todo final de semana, tem um Helicóptero e sonha em comprar a casa do Michael Jackson.

Essa pessoa atrasa o pagamento de algum boleto e fica devendo para o banco.

Ela começa a pagar juros e isso se torna uma bola de neve… Ela ficará endividada em breve.

Notou a diferença? No fim das contas, não vai importar muito o quanto você ganha todos os meses e sim como você administra esse dinheiro.

Outro exemplo simples – pense na possibilidade de:

  • 1 pessoa que ganha 1 mil reais por mês, mas investe 10% do salário mensalmente,
  • 1 pessoa que ganha 10 mil reais por mês, mas que não investe nada.

Qual você acha que ficará mais rica em 1 ano ou 2 anos ou 10 anos? Óbvio que a pessoa que investe, mesmo que pouco, ficará mais rica – mas sobre investir dinheiro falaremos a seguir.

Esse vídeo agora é para você entender que nem sempre o seu baixo salário vai ser desculpa para você ficar amargurando na pobreza!

Com informações do Youtube