7 dicas para gastar menos do que ganha

ANÚNCIO

Com tantos boletos vencendo, tantos serviços a serem pagos, conta no vermelho, salário baixo, aumento nos preços… Será que é possível manter o controle financeiro? Sim, com essas dicas para gastar menos do que ganha.

A ideia é sintetizar várias ideias que são simples, mas nem sempre são seguidas.

ANÚNCIO

E não há segredo: a prática leva ao hábito e o hábito leva ao sucesso.

Para você ter uma ideia da magnitude deste artigo, confira um pequeno glossário:

  1. Como comprar presentes gastando menos
  2. Como parar de gastar dinheiro compulsivamente
  3. Férias: como gastar menos dinheiro
  4. Mensagem para quem gasta muito
  5. Quanto gastar com o consumo
  6. Comprar barato também empobrece
  7. Como parar de gastar e guardar dinheiro

Bom, nós pensamos em tópico e tentamos fazer um apanhado geral. Agora, se você é apressadinho e quer ler primeiro algum deles… Pode ir direto ao número destinado.

ANÚNCIO

Por exemplo, para gastar menos do que ganha nas férias, você pode ir no número 3 diretamente. Só que se quer fazer isso para conseguir guardar dinheiro, vá ao 7.

E assim por diante.

Bora para o show?

7 dicas para gastar menos do que ganha

Abaixo as dicas. Confira com atenção.

1 – Como comprar presentes gastando menos

Compras, consumo, impulso. É sobre isso o nosso primeiro tópico e uma das primeiras dicas para gastar menos do que ganha.

Isso interessa muita gente que vê em datas comemorativas tudo… Exceto motivos para comemorar de verdade – afinal, é a hora de comprar presentes.

Você também pensa assim? Saiba que aqui estamos falando algo como “gastar dinheiro compulsivamente” e acredite: isso não é bom.

Calma, vamos devagar.

Ao longo do ano não faltam datas em que (por convenção social ou pela vontade de agradar pessoas queridas) somos confrontados com a necessidade de ir às compras.

Natal é presente. Páscoa é ovo de páscoa. Aniversário também tem presente. Na viagem, as lembrancinhas. Nascimento do bebê também. E assim por diante.

Aliás, podemos citar aqui também a comemoração de casamento, o dia dos namorados e isso para falar das datas mais básicas.

Cuidado especial com as contas

Entre as dicas para gastar menos do que ganha está: o cuidado com essas contas.

E como fazer? Preste atenção nisso:

Esses mimos que compramos têm consequências, como o surgimento de dívidas (que, obviamente não são planejadas) e podem se transformar em um grande peso no seu orçamento financeiro.

Isso impede que você mantenha um o equilíbrio financeiro com os gastos para ter uma rotina mais tranquila.

Logo, perde também as oportunidades de fazer escolhas melhores.

Regras de ouro na hora de comprar

É por isso que na hora de comprar um presente é importante se atentar para algumas regras de ouro que nada mais são do que dicas para gastar menos do que ganha e evitar dores de cabeça.

Isso com algo que deveria ser apenas motivo de satisfação para você e para a pessoa presenteada. É o famoso tiro no pé!

Vamos lá, a principal delas é: evite as arapucas comerciais.

Essas propagandas de marketing fazem você ir às compras às vésperas de datas comemorativas para comprar algo que nem queria.

Essa é a primeira armadilha e pode ser muito custosa para o seu bolso.

Veja: você consegue se planejar?

Ou, como a maioria das pessoas, você é vítima de um marketing de vendas previsível que o comércio faz em seu calendário anual?

Como todo mundo sai às compras nesses períodos os preços simplesmente disparam.

É uma questão óbvia, muito usual no mercado e chamada de oferta e procura. Vale até mesmo para a compra de carros, imóveis e não só presentes.

Planejamento para comprar

Por isso, se você quer presentear uma pessoa querida em uma dessas datas, faça um planejamento financeiro para isso.

Essa é outra das dicas para gastar menos do que ganha durante a compra de presentes em datas especiais ou comemorativas.

Em vez de ir às compras na mesma semana ou algumas semanas antes, planeje-se para ir com ao menos 45 dias de antecedência – isso é economizar dinheiro.

E fique atento as dicas que a pessoa que você quer presentear te fornece no dia a dia. Dessa forma, você não corre o risco de gastar dinheiro a toa.

Mesmo que o presente desejado extrapola completamente o orçamento do mês, tem uma regra: nunca  entre em empréstimos ou financiamentos, que sempre embutem a taxa de juros.

Oras, como faz então? Não compra!

Dez vezes sem juros? Esqueça! Isso não existe!

Faça reservas para o futuro e poupe para comprar à vista e negociar descontos.

Dinheiro investido cresce, enquanto dinheiro financiado perde seu valor.

Se o lojista se recusa a dar desconto á vista, vá ao concorrente.

E nunca feche negócio até ouvir a última oferta do gerente, não do vendedor.

Comprar bem é uma verdadeira arte, que todos nós podemos desenvolver.

dicas para gastar menos do que ganha
Reprodução: Google

2 – Como parar de gastar dinheiro compulsivamente

Agora, estamos aqui para falar sobre atitudes que você precisa abandonar para acabar com o seu impulso de fazer compras, ao menos às compras indesejadas.

E se você notou, esse é um tópico complementar ao número 1, que também tem tudo a ver com dicas para gastar menos do que ganha com o consumismo.

A maioria das famílias tem uma grande dificuldade em priorizar no orçamento financeiro os recursos para itens importantes, que prezem a qualidade de vida e a realização pessoal.

Só que a dificuldade de gastar com o que realmente dá satisfação leva essas famílias à adotar um estilo de vida em que os gastos com prazer são substituídos por gastos com coisas bem menos recompensadoras.

Com o passar do tempo, essas oportunidades de consumo se transformam em escolhas impulsivas – um comando do cérebro para tirar o atraso por vontades não realizadas.

A pessoa faz dívidas para comprar o carro ou a casa que não pode pagar.

Nesse meio tempo, gasta com roupas e sapatos que não vai usar.

Acumula livros que não quer ler e estoca alimentos que não vai comer.

E tudo por quê? Porque a publicidade a convenceu a fazer isso.

No fim, ela desperdiça o seu dinheiro ao mesmo tempo em que diminui o seu poder de compra.

Muitas vezes, esse impulso também é gerado pela ausência de objetivos claros estabelecidos – “se você não sabe onde vai, qualquer caminho serve”, sabe?

Na prática

Por exemplo, pense em uma pessoa que está poupando dinheiro arduamente para férias dos sonhos.

Qual seria uma das dicas para gastar menos do que ganha nesse caso?

Muito provavelmente, essa pessoa não vai ter a mesma sede de comprar quanto a outra pessoa que corre para o shopping e sai da loja com cinco pares de sapatos.

Essa é uma ótima dica: ter objetivos financeiros bem traçados.

Isso porque na maioria das vezes esses itens serão comprados de forma impulsiva, como uma válvula de escape para compensar a falta de prazeres cotidianos.

Sabe quando a pessoa está nervosa ou triste? Ela compra, como se isso fosse um santo remédio. Mas não é!

A verdade é que todos nós adoramos fazer uma compra para quebrar a rotina e nos sentir mais felizes, afinal, consumir é sim um ato de prazer.

Mas, isso não tem nada a ver com nenhuma das dicas para gastar menos do que ganha.

É essencial que você garanta verbas para o consumo regular do que é importante para assim, diminuir as verbas gastas com itens não necessários.

Curta mais a vida para que o prazer das compras se torna pequeno diante do resto que você quer.

E crie objetivos claros para evitar que a compulsão abale a sua inteligência financeira.

E você? Consegue controlar o impulso na hora de fazer as compras?

3 – Férias: como gastar menos dinheiro

As férias escolares é um assunto que deixa muitos pais com o cabelo arrepiado.

Então, se você se identificou, esse tópico é para você que quer dicas para gastar menos do que ganha. Bora?

A loucura está na conciliação entre a rotina de trabalho com esse período de diversão. Mas, não precisa ser assim tão estressante.

São quase dois meses em que as crianças, cheias de energia, querem fazer novas atividades todos os dias e estar sempre entretidas. Isso é férias!

E, geralmente, cabe aos pais prover isso.

Mas, as férias escolares não precisam ser sinônimo de alegria e descanso para as crianças e de bolso vazio e cabeça inchada para você.

Nesse caso, entre todas as dicas para gastar menos do que ganha, a melhor é: como durante o ano inteiro, se você faz um planejamento cuidadoso para elas, tudo pode ser bem diferente.

Dicas para gastar menos do que ganha nas férias

Pense em uma sessão de cinema, por exemplo!

Se você levar as crianças para ver um filme em qualquer sala de shopping ou galeria, dificilmente vai gastar menos de 40 reais por cabeça, incluídos os gastos com bebidas e pipocas.

Por outro lado, se você organizar uma sessão na sala da sua própria casa, os gastos com um grande grupo de crianças podem ficar em menos de 30 reais, com filmes, refrigerantes, pipocas e doces.

Quer outro exemplo?

Quanto custaria uma ida a um parque de diversões?

Provavelmente algumas centenas de reais, dependendo do número de crianças envolvidas.

Agora, e se você trocar essa opção por um parque gratuito ou por alguma atividade organizada pela prefeitura da cidade?

Faria outra grande economia, não faria?

Da mesma forma que é possível organizar as atividades para ter o mínimo de gastos possível, você também pode e deve fazer o mesmo para evitar os altos níveis de estresse.

E a melhor maneira de fazer isso e atuando em atacado.

Por exemplo: e se, em vez de passar quase dois meses criando atividades para entreter seus filhos, você compartilhasse essa preocupação com os outros pais?

Por que não revezar o cuidado das crianças com pais do colegas de seus filhos para que, de dois em dois, cada um acompanhe e crie atividades para grupos de 8 ou 10 crianças?

Essa é uma boa maneira de diminuir tanto o estresse quanto os gastos.

Com o revezamento, você não precisa consumir toda a sua cota de férias nas férias de seus filhos.

A casa é desarrumada apenas uma vez por semana e os custos com os gastos de cada reunião de crianças acabam sendo dividido entre as famílias.

Essa economia ainda gera reservas financeiras que poderão ser usadas em casos de imprevistos, como por exemplo, um dia de chuva que inviabilize atividades ao ar livre.

Planejamento é tudo

Planejar de forma criativa as férias de seus filhos não é bom só para você, mas também para as crianças.

Férias criativas são mais envolventes, mais divertidas.

E ainda são uma oportunidade para seus filhos aprenderem sobre a importância de sempre manter o planejamento como uma prática essencial para todas as atividades da vida.

E você? Costuma planejar férias criativas para seus filhos?

dicas para gastar menos do que ganha
Reprodução: Google

4 – Mensagem para quem gasta muito

“Que conselho para os milhões de desempregado que estão consumindo toda a sua reserva de vida enquanto não conseguem recolocação”?

Essa é uma mensagem para quem gasta muito. Mas, mais do que isso para quem está perdendo toda reserva de emergência no desemprego.

Portanto, aqui as dicas para gastar menos do que ganha são relativas. Levando em conta que você ainda tem uma reserva ou o seguro desemprego.

Bom, consumir a reserva tem data para acabar e você não sabe quando vai ter uma condição de renda quando vai retornar o emprego então é importante.

Vamos deixar bem claro que a partir do momento que nós temos emprego, que nós temos renda, nós definimos um padrão de vida.

Como se vamos ou não vamos ter carros, vão ter moradia num certo lugar, se vamos ou não vamos pagar um plano de saúde.

Enfim, você tem uma série de escolhas a fazer como consequência da renda que você tem quando você já traz um padrão de consumo.

E não tem a figura da renda no tempo livre ocioso decorrente até da prova de emprego, você tem pelo menos duas missões metade do tempo pelo menos tem que dedicar reorganização da sua vida.

Fazer escolhas que implica um gasto certo diante de um ganho certo ou inexistente.

E na outra metade do tempo correr atrás de soluções para a sua renda, uma das soluções conseguir emprego como que você tinha antes que você espera manter ao longo da sua vida.

Renda Extra

Outra solução é você talvez fazer fonte de renda através de bicos e atividades temporárias é dirigir seu carro no Uber

Em que você consiga sustentar pelo menos parte do consumo da família diante da disponibilidade de tempo que você tem mais uma coisa é certa manter o estilo de vida simplesmente consumindo sua reserva não é e nunca será uma boa escolha.

Porque você está sempre pressionado pelo esgotamento dessa reserva e isso aumenta a sociedade.

Isso que põe prazo para conseguir sucesso que não depende de você com ansiedade você nunca se dar bem em uma entrevista, isso pode até comprometer suas possibilidades de trabalho.

Então, cabeça calma, ajuste seu estilo de vida, simplifique as suas escolhas para poder lidar melhor com essa reserva que você tem

5 – Quanto gastar com o consumo

“Qual é a porcentagem ideal com gastos de moradia, alimentação, estudos e transporte”?

Vai dizer que você nunca se perguntou isso. Aliás, quais as dicas para gastar menos do que ganha e ainda conseguir pagar todo consumo que temos mensalmente?

E a verdade é não há uma resposta à essa pergunta.

Uma razão muito simples para isso está na frase de muitos especialistas (principalmente gerentes de bancos) que falam que nunca se deve gastar mais do que 30% com a moradia.

Isso por causa do financiamento imobiliário, que impõe essa regra.

Aí, eles ainda arriscam dizer que um bom número seria 10% a 15% para o automóvel, 20% para a educação…

Mas, a resposta certa é que: você escolhe o quanto gasta com a sua vida porque a vida é sua e não minha ou do seu gerente do banco.

Se você perguntar, em termos financeiros, qual é o ideal mesmo para gastar com moradia? Vamos ousar a dizer que é zero!

Ué, more de favor e gaste 100% da moradia com lazer!

Isso faz muito sentido. E se não acredita, pergunte aos médicos e psicólogos.

É que nem sempre dá certo.

Mas, se for viável, você vai ter uma vida com muito mais fazer muito mais diversão.

A questão é o que é viável? Não confunda parâmetros de orçamento de gastos de vida com aquilo que o IBGE publica.

Cuidado com dados do IBGE

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) diz que 30% da renda dos brasileiros é consumidas com moradia e algo em torno de 15% com transporte (automóvel), 10% educação…

Isso, claro, dependendo do padrão de vida.

Mas, isso IBGE é isso não é recomendação.

Isso é como o brasileiro gasta mais que se espera que tem certo padrão porque se hoje você for buscar financiamento imobiliário no banco o limite de gastos, você pode ter uma prestação do financiamento é 30% da sua renda.

Por isso, os brasileiros gastam 30% do que ganha com a moradia não quer dizer que isso é certo porque a maioria dos brasileiros está endividada.

Quais as dicas para gastar menos do que ganha, então, com os gastos?

É você que escolhe, jovem!

A questão é que existe uma ordem adequada para as escolhas na sua vida.

Qual a ordem antes de adotar um padrão de vida antes da sua moradia?

Antes de escolher como vai se transportar para a escola?

Para o trabalho?

O ideal é primeiro colocar em discussão em pauta.

Discussão financeira

Comece a discutir com você mesmo quanto vai custar instrução dos seus sonhos.

Você vive para realizar grandes sonhos na vida, grandes o projeto, de fazer um curso fora, comprar uma casa, de se aposentar de dar volta ao mundo, de ter uma celebração de casamento?

5 Passos para Organizar um Casamento Simples e Elegante

Quanto custa esses projetos?

Quanto que você daquilo que você ganha, vai reservar para seus grandes sonhos?

Existem muitas dicas para gastar menos do que ganha, mas tudo parte da definição dos objetivos e também de uma discussão em torno disso.

Dependendo de como você vive e se você vive com os pais, por exemplo, você tem um custo muito baixo pode poupar metade do que ganha, 60% do que ganha é com a construção do seu sonho.

A segunda preocupação quanto custa a sua qualidade de vida ou o que é que faz você feliz?

Algumas pessoas podem não gostar de nada, mas basta estar com a família (e isso não tem custo) que você vai ter um momento único feliz.

O momento de desconcentração é como uma válvula de escape para uma semana árdua e trabalhosa.

Para outras pessoas, essa felicidade cotidiana envolve se vestir bem e viajar uma vez por ano, envolve comprar coisas que façam parte do seu kit esportivo.

O importante é sair da rotina de trabalho.

E quanto custa quando essa felicidade?

Quando você define esse gasto aquilo que você reservou para construções tirando a sua qualidade de vida o que sobra é o que você tem à sua disposição para montar a sua vida.

Você tem que avaliar tudo.

Dá para comprar uma casa, pagar o aluguel… Se isso fizer parte dos seus objetivos financeiros.

Enfim, reflexões serão feitas de maneira criativa para que você não deixe de construir sonhos e aquilo que é bom na sua vida.

Crie uma ordem correta na sua vida

Então, lá vai mais uma das dicas para gastar menos do que ganha: adote uma ordem correta nas suas escolhas!

Defina primeiro quanto poupar para futuro, que envolve ações de curto, médio e longo prazo.

Defina o quanto gastar para você não ter restrições naquilo que é importante para você, como cuidados pessoais, lazer.

E adote uma vida mais simples para que esses elementos inicialmente abordados funcionem na sua vida.

Provavelmente você vai ter uma moradia mais barata que seus colegas e vai ter talvez um custo é com transporte menor. Mas, sua vida será mais rica em experiências e construção de sonhos.

6 – Comprar barato também empobrece

Quero perguntar para você se você sabe o quanto a qualidade do que você compra afeta sua riqueza?

Você certamente ouviu dizer que o barato sai caro. Mas, em nossa economia de renda mal distribuída é um hábito enraizado comprar sempre o mais barato, aproveitar o que está com desconto, correr atrás de promoções.

O resultado: há um grande desequilíbrio nessa balança de escolhas.

E nesse caso, quais as dicas para gastar menos do que ganha?

Vamos recorrer a nossa realidade.

Um importador brasileiro certa vez falou da dificuldade que ele sente de negociar com grandes exportadores chineses.

Primeiro, porque ele diz que no Brasil a escala de consumo é muito pequena, a riqueza é muito baixa e como ele compra menos que um importador norte- americano, menos que um importador mexicano, importador alemão… Fica ruim.

Ele tem uma condição de barganha, uma condição de negociação, muito pior que aqueles que compram em escala maior. Isso é claro

Segundo, ele disse que como ele já consegue um preço pior, para ele seria muito mais interessante se mudar para Miami, por exemplo, para fazer uma negociação, do que continuar morando no Brasil.

Ao perguntar o porquê dessa reflexão… Acompanhe o tópico abaixo.

O que isso tem a ver com importar?

Ele disse: quando um importador norte-americano compra da China, ele vai recepcionar a carga no porto, a China, com toda escala que produz, tem uma questão de qualidade que não é das melhores.

Então, muitos produtos são rejeitados no porto norte-americano, são mandados para devolução.

Se ele estivesse em Miami, para comprar o que foi rejeitado pelo comprador norte-americano, poderia comprar com um desconto muito maior aquele produto rejeitado do que o produto que ele compra com preços menos interessantes.

É assim que muitos importadores trazem para o Brasil tecidos, brinquedos, eletrodomésticos e até automóveis.

Qual é a consequência disso?

Estamos comprando aquilo que o mundo não compra.

Então, a busca pelo preço baixo é oportuna.

Afinal, temos que valorizar o nosso dinheiro, mas em busca de baixo preços, estamos comprando embalagens menores de alimentos ou alimentos com menos nutrientes.

Estamos comprando embalagens que não abrem ou desperdiçam, eletrodomésticos que consomem mais energia, veículos que não funcionam com a mesma qualidade fora do Brasil.

Em busca de menor custo, empresas oferecem serviços piores maltratando seus consumidores.

Uma toalha de papel é suficiente para secar suas mãos, desde que seja colocado um papel para secar e não um guardanapo.

O que está faltando? Está faltando ao consumidor que cobre mais qualidade. Precisamos mudar isso.

Valorize produtos de qualidade, reclame do que não funciona, mesmo que dê trabalho.

Na hora de comprar, adote o hábito de perguntar ao vendedor ou de se perguntar sempre: por que este é mais barato?

Haverá sempre uma resposta. Geralmente, a resposta será que o mais barato está tentando te ludibriar. É quando o barato sairá mais caro.

7 – Como parar de gastar e guardar dinheiro

Samy Dama é professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), autor de livro de finanças e atualmente está apresentando um quadro na televisão brasileira. Ele diz que o ideal é fazer uma divisão de

  • 50% da renda mensal para que sejam pagas as despesas obrigatórias,
  • 30% devem ir para entretenimentos e extras
  • e os outros 20% para investimentos financeiros.

“É claro que isso pode variar dependendo do estilo de vida e da renda de cada família. O mais importante é estabelecer uma meta do quanto se deseja poupar e fazer o orçamento do que é gasto, para conseguir estabelecer uma rotina”.

Com essa divisão feita e acertada – lembre-se de ser justo, não opte pelo exagerado nem pelo singelo demais – vamos falar das opções de aplicações financeiras para o seu dinheiro.

O mercado se divide entre a Renda Fixa e a Renda Variável. Uma é segura e conservadora, a outra tem mais chances de lucro, porém é arriscada.

“O Brasil é um dos países com taxas de juros mais altas do mundo. Então, a longo prazo, títulos de Renda Fixa costumam apresentar bons resultados”, garante outra especialista, Juliana Inhasz, que é professora de finanças do Insper, em São Paulo.

Exemplos e Situações

Caroline Scheidt – “pensando no futuro do meu filho, de 2 anos, optei por fazer uma previdência privada para ele, que poderá ser resgatada daqui a 20 anos.

O objetivo é garantir que ele tenha recursos para uma faculdade particular. Escolhemos a opção com seguro”.

Camilla Talao – “decidi comprar títulos do Tesouro Direto para que a filha Maria Luiza, 2 meses, possa fazer um intercâmbio no exterior.

Investimentos uma determinada quantia todos os meses e nossa meta é continuar fazendo isso até ela completar 18 anos”.

Lainne Guimarães – “escolhi a poupança para Helena, de 5 anos, pela praticidade. Investimentos sempre que possível e gostaríamos que ela comprasse um imóvel no futuro”.

Observe que todas as situações descritas aqui são de longo prazo, pensando no futuro dos filhos. Logo, você pode ter objetivos de médio ou curto prazo também.

Mas, levando em conta essa situação, vamos nos empenhar em imaginar investimentos mais longínquos.

Como podemos analisar, antes de tudo, há uma gama infinita de opções no mercado financeiro. Devido as taxas, vale saber que as previdências privadas, assim como o FGTS, não tem bons retornos.

A poupança também perde para a inflação. Logo, dos citados, o melhor investimento seria o do Tesouro Direto.

Com informações do youtube

ANÚNCIO