As 7 melhores dicas para fazer investimentos financeiros

ANÚNCIO

Aprender a investir dinheiro é uma tarefa que exige tempo e dedicação. Não: não basta ir até o banco e dizer que vai fazer uma aplicação financeira. O ideal é você conhecer sobre elas. Por isso, selecionamos as melhores dicas para fazer investimentos financeiros.

É claro que não vamos conseguir te trazer todo conselho do mundo – porque investir tem suas nuances, mas, com certeza, podemos te fazer refletir sobre isso.

ANÚNCIO

Confira o texto na íntegra e se até o final você achar que ele não agregou valor ao seu conhecimento, deixe-nos um comentário solicitando uma nova pauta para um próximo artigo.

A nossa ideia é a de te ajudar a investir mais e a investir melhor também.

1 – Os custos dos investimentos financeiros

A primeira dica é entender que todo investimento financeiro tem custo.

ANÚNCIO

Tá, aí você vai dizer: “Ah, mas na poupança eu não gasto nada para investir”.

Ok, isso é verdade.

Mas, vamos ser breves: estamos falando em investimentos de verdade, tá.

Ele tem que estar, ao menos, acima da inflação.

Então, vamos considerar os títulos de renda fixa e de renda variável.

Aqueles que vão te dar uma boa rentabilidade ao final do período de aplicação.

Bom, todas as instituições oferecem vários tipos e uma das dicas para fazer investimentos financeiros é justamente considerar os custos.

E quais são esses custos? Vários, mas vamos citar os principais:

  • Taxa de performance,
  • Taxa de administração,
  • Taxa de custódia,
  • Taxa de liquidação,
  • Emolumentos, etc.

E tudo isso é cobrado em toda aplicação? Não!

É por isso que pesquisar e conhecer cada ativo é tão importante.

2 – Os impostos dos investimentos financeiros

Para quem está começando a conhecer as aplicações, outro ponto importante é sobre conhecer os variados tipos de impostos que tem a ver com cada ativo.

No geral (mas isso não é regra), as aplicações recebem a incidência do imposto de renda (IR).

E, quando as aplicações são menores do que 30 dias de prazo, há também o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Os impostos fazem parte de todos os custos dos investimentos e eles podem sim diminuir a rentabilidade das aplicações.

Esta está entre as melhores dicas para fazer investimentos financeiros porque mostra que é preciso considerar todos os cálculos durante a escolha do seu ativo – para que seja positivo.

Entenda mais sobre os impostos…

“Nada é certo nesse mundo, exceto a morte os impostos”, Benjamin Franklin, cientista e político americano.

O Brasileiro é o que mais paga impostos no mundo – disso ninguém mais duvida.

Mas, mais irritante e injusto do que isso é perceber que quase nunca o dinheiro volta em forma de benefícios e questões básicas para a vida dele.

Afinal, se pagamos tantos impostos por que não temos cidades com boas infraestruturas, saúde, transporte, cultura? Para onde vão os impostos?

Na teoria, para garantir a prestação de serviços úteis e básicos às comunidades, o Governo retira dinheiro do povo em parcelas de sua riqueza: isso acontece em forma de impostos.

O que devia acontecer, porém, é um retorno imediato em atendimentos e serviços de qualidade e eficientes.

No Brasil, toda essa prestação de serviço do Governo é visto como ineficiente ou inexistente.

Se você quer entender essa questão dos impostos de forma simplificada… Leia outro artigo que escrevemos especifico sobre o assunto:

Para onde vai o dinheiro dos impostos?

3 – O acompanhamento dos investimentos financeiros

Performance do investimento.

Isto é: saber o desenvolvimento do seu ativo – será que está positivo ou negativo?

As pessoas, especialmente os novos investidores, deixam de lado esse acompanhamento porque acreditam que é preciso apenas investir e nada mais.

Só que não é assim, não.

É através dessa análise diária que é possível evitar prejuízos e mais do que isso: identificar as novas oportunidades para ganhos maiores.

Ah, e mesmo que seja um fundo de investimento (onde o gestor vai acompanhar as escolhas para você), fazer esse acompanhamento é importante, tá bom?

4 – Os índices dos investimentos financeiros

Inflação, taxa Selic, CDI… Você sabe o que é tudo isso? Pois deveria!

Uma letra de crédito ou um CDB, por exemplo, tem rentabilidade em cima do CDI.

E o CDI, por sua vez, é uma taxa que fica próxima à Selic.

Já a Selic é a taxa básica de juros da economia do país.

Achou meio complicado? Mas, fique tranquilo porque não é, não.

Basta estudar um pouquinho.

A inflação é a 1ª que precisa ser analisada: ela é o valor que o preço médio dos produtos sobe.

Então, se a inflação é de 10% em um período.

Então, quer dizer, teoricamente, que os preços dos produtos subiram 10% também.

Logo, independente do seu motivo para investir, a ideia é que sempre fique acima da inflação.

Porque, imagine que a inflação foi de 10% e seu lucro de 8%…

Então, é como se você tivesse perdido dinheiro.

Saiba mais sobre os índices financeiros…

Entender a situação macroeconômica de uma região ou de um país pode beneficiar o investidor na tomada de decisão e no planejamento da estratégia.

Pensando nisso e a fim de criar um bê-á-bá dos indicadores econômicos, selecionamos os principais.

Confira os principais Indicadores Econômicos do Nível de Atividade, que servem como termômetro para a economia, na matéria a seguir:

Indicadores econômicos: O que são?

5 – Os prazos dos investimentos financeiros

Para que você está investindo dinheiro?

  • É para ficar rico amanhã?
  • Para ter uma aposentadoria confortável?
  • Para juntar dinheiro para viajar em 2020?
  • Para pagar a faculdade do filho daqui há 5 anos?
  • Para fazer um intercâmbio?
  • Simplesmente, para ter um fundo para recorrer caso precise?

Essas perguntas é muitíssimo importante, sim.

Os seus prazos vão definir os seus investimentos financeiros.

Um CDB com liquidez diária não é indicado para o longo prazo, mas pode ser ótimo para o curto prazo.

E esse é só um exemplo.

Da mesma forma que o tesouro Selic é mega indicado para quem quer formar reserva de emergência. Já o tesouro IPCA é melhor para quem está pensando na aposentadoria.

E assim vai.

Leia Também:

6 – As estratégias dos investimentos financeiros

A estratégia da sua aplicação tem a ver com vários fatores: seu perfil, seu período, seu valor inicial, seus aportes, etc.

Então, se você vai investir para a aposentadoria, terá que pensar numa estratégia de longo prazo, que vai se beneficiar com o passar do tempo.

Já se o seu foco é ter uma reserva de emergência, vale a pena pensar em outra opção.

Pensar nas estratégias é outra das dicas para fazer investimento financeiro, portanto, considere.

Ah, mas, vamos imaginar que você já tenha um bom valor aplicado, então, qual seria uma boa estratégia?

Diversificar o seu investimento, né.

Você pode deixar uma parte investida na renda fixa (que é mais conservadora) e pode deixar uma outra parte (menor), na renda variável (bolsa de valores).

Agora, quanto você vai deixar em qual aplicação é que será sua estratégia.

Tem gente que diz que tem que ser sempre uma proporção exata, como 20% em renda variável e 80% em renda fixa.

Mas, o que se sabe é que isso não tem regra, não.

Tudo vai depender do seu conhecimento, das suas expectativas, objetivos, etc.

Saiba mais sobre diversificar investimentos…

Montar uma carteira de investimentos é uma estratégia muito comum na vida dos grandes investidores e que tem que fazer parte da sua vida também.

São dois os motivos principais: reduzir riscos e elevar o potencial de ganhos.

O que se sabe é que se você consegue montar uma carteira de investimentos diversificada você fica, praticamente, imune ao cenário econômico.

Bom, vamos colocar os pingos nos is.

O que é uma carteira de investimentos?

Ela nada mais é do que um conjunto de aplicações financeiras de um mesmo investidor – que pode ser pessoa física ou jurídica.

No linguajar financeiro, ela também é chamada de cesta de investimentos ou portfólio de investimentos.

Agora que você já sabe o que é uma carteira de investimentos, resta saber para que ela serve.

Ela reúne todos os ativos financeiros de uma pessoa – que podem ser da renda fixa ou da renda variável, assim como dólar, imóveis, ouro. Tudo o que uma pessoa tem investido.

Lembrando que o foco é lucrar mais, mas também proteger o seu patrimônio.

Agora, se você tem interesse em saber como montar a sua carteira de investimentos, melhor ler o texto a seguir:

Carteira de investimentos diversificada – 7 coisas que você precisa saber

7 – As recomendações dos investimentos financeiros

Muito mais do que ser uma das dicas para fazer investimentos financeiros, a ideia aqui é te orientar para tomar cuidado com as recomendações financeiras que você recebe.

Sabe, o seu gerente do banco nem sempre vai te indicar as melhores opções do mercado.

Ele pode te ajudar sim, mas dá para contar na mão aqueles que fazem isso de forma a te ajudar mesmo e não a conseguir bater a meta de vendas mensal da empresa dele.

Da mesma forma, aquele seu parente que tem 5 casas alugadas não terá uma visão totalmente atual sobre investimentos financeiros.

Não que investir em imóveis está errado, não é nada disso. Só que hoje existem maneiras mais eficazes e rentáveis de fazer isso.

A sua melhor alternativa, portanto, é estudar todos os tópicos anteriores, fazer análises diárias, conhecer os investimentos e analisar o mercado.

E sim, depois disso você pode ouvir o que seu gerente tem a dizer.

Agora, se ele vier falar de caderneta de poupança ou previdência privada, então, melhor repensar tudo isso – afinal, o dinheiro investido é seu e você não vai querer fazer qualquer uso dele, né.

Sobre conselhos financeiros…

Todos os dias nós recebemos diversos conselhos financeiros de diversas pessoas. Mas, nem sempre temos entendimento para filtrar o que é verdade do que não dá para colocar em prática.

Neste texto, vamos fazer uma breve reflexão sobre isso – afinal, não dá para acreditar em tudo que ouvimos, né.

É importante saber que a partir do momento que você decidi aumentar o seu patrimônio financeiro por meio das alternativas mais eficientes do mercado, surgem argumentos a serem questionados!

E, quase sempre, as pessoas próximas a você, normalmente mais velhas, contam uma série de histórias para desmotivar o seu plano.

Quem nunca ouviu dizer que “a bolsa de valores vai te fazer perder todo o dinheiro que tem”?

Mas, será que esse é um dos bons conselhos financeiros?

Confira os que realmente valem a pena, clique aqui.

dicas para fazer investimentos financeiros

Bônus – perfil para investir

Outra das dicas para fazer investimentos financeiros que não poderia ficar de fora é sobre conhecer o seu próprio perfil para investir.

Geralmente, quando você se cadastra em um banco ou em uma corretora de valores, é preciso se identificar como sendo conservador, moderado ou arrojado.

E isso é a qualificação do seu perfil.

É fácil entender: se você for arrojado, vai ter mais chances de correr riscos, como na bolsa de valores. Agora, se for conservador, a indicação será a renda fixa.

Isso é importante não apenas para o banco, mas para você mesmo.

E a explicação é porque ele vai determinar o risco que você estará sujeito a correr – quanto mais arriscado, maiores as chances de lucros altos, mas também de perdas.

O Trovó criou um texto para quem quer saber o próprio perfil para investir.

Se você quer fazer ele, saiba que não leva mais do que 10 minutos.

Veja no vídeo abaixo:

Com informações do Seu Guia de Investimentos

ANÚNCIO