Contas parcelas no cartão de crédito – saiba como ter uma atitude inteligente!

ANÚNCIO

Compras parceladas, contas em muitos meses, cartão de crédito. Tudo isso costuma ser motivo de alegria na hora do consumo, mas logo em seguida se torna dor de cabeça. Por isso, o assunto se tornou a pauta de hoje!

É um tema que atinge a maior parte das famílias brasileiras. E buscamos algumas reflexões e dúvidas que foram divulgadas em fóruns da internet.

ANÚNCIO

Confira alguns desses comentários antes de iniciarmos o nosso conteúdo!

– Eu tenho um saldo de compras parceladas no cartão em mais de R$ 1,2 mil mensais.

– Eu devo resgatar a poupança para quitar a fatura do cartão?

ANÚNCIO

– Eu sonho com investimentos que rendam bons frutos, mas estou com essa dívida.

– Como posso cobrir a dívida do cartão?

São dúvidas intercaladas, de várias pessoas, mas que sempre segue a premissa de que: a conta do cartão está muito alta e a dúvida é sobre tirar recursos dos investimentos para quitar a conta!

E você, tem uma opinião formada sobre isso?

Considerando as hipóteses

Vamos considerar a seguinte história para termos uma melhor base para a explicação.

Estamos falando de uma pessoa que deixou de pagar o total da fatura e optou por parcelar a fatura do cartão de crédito.

Agora, a pessoa está pagando em dia essa fatura.

No entanto, as novas compras a prazo que foram feitas estão se acumulando a ponto de gerar uma fatura mensal muito alta.

Hoje, quando a pessoa olha para a fatura do cartão, ela vê mais de R$ 1,2 mil, que é um valor que se soma com o parcelamento da fatura e mais as compras mais recentes.

E agora, a pergunta é: o que fazer?

Será que vale a pena resgatar recursos da poupança ou de algum investimento para quitar essa dívida do cartão de crédito?

Contas parcelas no cartão de crédito – saiba como ter uma atitude inteligente!

Considerando uma boa reflexão

O primeiro ponto é o que diz que você deve entrar em contato com a operadora do seu cartão de crédito para avaliar a viabilidade de uma possível renegociação ou quitação de débito.

Se você não tiver nenhum tipo de desconto ao antecipar esse pagamento, então, considere que já tem a resposta: sem desconto, não vale a pena quitar o débito.

Obviamente, não vale a pena deixar de investir o seu dinheiro que traz rendimentos até você pagar a fatura para pagar tudo a vista agora sem nenhum tipo de desconto.

Como não há nenhum tipo de negociação formal nesse sentido regularmente disponível no mercado, dificilmente você tem algum tipo de desconto por pagamento de valores parcelados no cartão.

Ainda mais se forem bancos grandes, como Itaú, Bradesco, Banco do Brasil.

Agora, se está te incomodando esse valor na fatura que se acumulou, considere avaliar que você, possivelmente, tem o hábito de manter algumas compras parceladas!

O que acontece é que se você continuar nesse processo de jogar para o futuro o cumprimento de obrigações referentes a compromissos do passado, você vai ter muitos sérios problemas!

O que pode ser feito para aliviar a fatura?

Uma boa dica é estabelecer um plano de emergência durante algumas semanas.

Ou, talvez, alguns meses.

Isso é importante para tentar deixar de consumir não só no cartão de crédito, mas esse gasto variável que você tem que vai redundar em compras parceladas.

Aí, some a isso o fato de deixar de lado também o cartão de crédito! Ponha ele na gaveta por alguns dias ou adote uma única semana do mês para ficar sem o cartão.

A ideia mais inteligente para o seu cartão é considerar umaa estratégia de consumo mais leve durante 3 meses, por exemplo. Isso, ao menos, vai manter a fatura do cartão e não aumentar.

Enfim, qual é a dica? Simplesmente, bolar uma estratégia para deixar de pagar um volume parcelado e ir aliviando o consumo do seu cartão nos próximos meses.

Essa ação de emergência que dura alguns meses é muito saudável e sempre deve ser feita de tempos em tempos por todo mundo.

É uma opção que alivia a fatura do cartão para que esse processo que não se acumule ao longo do tempo.

Cuidado com as compras!

Por outro lado, é interessante que você diminua o hábito de comprar a prazo também.

Quando você compra menos a prazo, você sempre fica restrito ao futuro.

Já percebeu que diante de algum tipo de imprevisto ou algum tipo de gasto não previsto que você tenha na sua vida, o fato de você ter um compromisso com pagamentos da fatura do cartão te inibe de várias coisas?

Isso te limita demais. E não apenas para os imprevistos, mas você pode perder boas oportunidades na sua vida simplesmente por estar com o limite do cartão alto demais.

Se você não consegue resolver os problemas só com seu orçamento mensal, você tem que resgatar dos investimentos para lidar com os problemas. E isso é ruim porque você deixa de ganhar juros.

O ideal num orçamento saudável é que você é adote a rotina de ter mais gastos variáveis pagos a vista.

Normalmente, a recomendação é que você gaste menos com lazer, evitando a dívida.

Então, evite parcelar a compra de um ingresso do cinema, por exemplo. Ou a entrada para visitar um museu, a ida ao circo, assim por diante.

Quando você tem dinheiro você paga esse tipo de lazer à vista. Se você não tem o dinheiro, você o evita. Isso é uma medida de emergência, entende?

A organização financeira

Basicamente, em um período que acontece algum tipo de imprevisto você cancela e usa o seu orçamento para lidar com esse problema. Para isso que serve o cartão de crédito.

Na real, não tem que resgtar o dinheiro que está previsto ou para reserva de emergência ou para a construção do seu futuro ou para a construção de um projeto mais ousado lá na frente.

Se você tem dificuldade de comprar a prazo, a recomendação é que comece a praticar um orçamento doméstico mais padronizado e organizado.

Isso é feito organizado os valores das suas compras e você não vai mais se incomodar com o fato de estar pagando agora o que você não consome mais e já consumiu.

Sempre que puder pagar sempre a vista! Porque estrategicamente você está deixando o seu orçamento mais leve nos meses seguintes para lidar com o imprevisto.

ANÚNCIO