Magnetis ou Vérios? Alkanza vale a pena? Qual o melhor consultor-robô?

ANÚNCIO

Consultor-robô, robô advisor, tecnologia para investir, automatização de aplicações, consultores financeiros digitais, serviço de consultoria tecnológica, serviço digital para investimentos… Há uma série de nomes para falar de uma coisa só!

O consultor-robô é um consultor de investimentos online, automatizado, digital.

ANÚNCIO

Por trás dele há uma série de pesquisas feitas que resultaram em algoritmos que analisam o perfil do investidor, traçando um alinhamento entre os objetivos e as diversas opções de aplicações para formar uma carteira de investimento equilibrada.

A pergunta que fica é a seguinte: será que essa tecnologia dos consultores-robôs vieram para transformar a vida das pessoas que lidam com o mercado financeiro?

Porque, veja bem, a comparação é a seguinte:

ANÚNCIO
  • o Netflix aposentou as videolocadoras e
  • o Waze digitalizou os guias de ruas…

Agora, esses robôs advisors querem mostrar o seu potencial também.

Há quem diga que eles vieram para ficar… Para outros, é só um boato que não vai se concretizar.

Nós não vamos tomar opinião sobre isso. Queremos apenas te apresentar os consultores-robôs – que pode ser (ou não) um divisor de águas no mercado financeiro.

O que é um consultor-robô?

É um sistema formado por algoritmos que automatizam cálculos, decisões, análises e tudo mais que for importante para os investimentos financeiros.

Um algoritmo é uma sequência finita de instruções que são bem definidas (sem ambiguidades). Cada uma é executada mecanicamente ou de forma eletrônica em um intervalo de tempo definido.

Note que um algoritmo não precisa ser um programa de computador (apesar de ser no caso dos robôs consultores), mas são essências para apresentar os passos necessários para realizar uma tarefa.

Logo, no mercado financeiro, ele faz o serviço de uma assessoria de investimentos… Com a criação de sistemas automáticos, que cruzam centenas de milhares de dados em tempo real.

Por que o consultor-robô pode revolucionar o mercado financeiro? Por que ele torna possível montar uma carteira de investimentos alinhada as melhores oportunidades do mercado – e dependendo do perfil de cada pessoa.

O serviço é barato… Mas, será que é garantido?

A automatização faz com que milhares de clientes sejam atendidos ao mesmo tempo – isso barateia o serviço. O ganho é demonstrado acima de uma consultoria tradicional.

Para quem apoia esses robozinhos do mercado financeiro, o melhor resultado é a democratização do acesso à uma consultoria de investimentos – feita ao usar a tecnologia para reduzir os custos do serviços.

Novamente… Resta saber sobre sua eficiência!

Quais as vantagens e os cuidados dos consultores-robôs

Viviane Ferreira é planejadora financeira e diz que os robôs de investimentos costumam ter custo menor comparado à aplicações de bancos – eles cobram até 1% ao ano para administrar uma carteira diversificada.

“O investidor ainda tem a facilidade de contar com a gestão da carteira, sem precisar escolher os títulos nos quais vai aplicar”, ela diz. “O importante é entender bem o perfil do investidor antes de usar essa plataforma”.

Separamos algumas das vantagens, leia.

I – Não há conflito de interesses

Você vai conseguir o que quer – rentabilidade.

Ao escolher um funcionário de um banco… Ele vai escolher “o melhor produto financeiro” a partir do que for vantajoso para ele – ele ganha comissão, lembra?

Já o robô investidor vai procurar as verdadeiras melhores opções do mercado financeiro disponíveis para contemplar o seu desejo – mesmo porque eles não têm a obrigação de vender algo para cumprir a meta do mês na instituição.

II – O Baixo Custo

Se você tem uma carteira de 15 ativos diferentes tem que administrar cada um dos ativos de forma individual… E isso pode ficar caro.

Só que no caso dos consultores-robôs, eles são diluídas e podem ficar entre 0,6% e 1% ao ano. Pensando em um único investimento isso é ruim, mas em uma gama deles, é ótimo.

Os serviços prestados por pessoas também tendem a ser mais caros do que pela nova tecnologia.

III – Nada de interferências emocionais

A falta de controle emocional é um dos principais fatores que fazem as pessoas perderem dinheiro no mercado financeiro, especialmente, na renda variável.

Com o robô advisor, não existe isso porque ele é puramente matemático e objetivo. Ao permitir o uso da tecnologia, essa tecnologia comprará ou venderá os ativos necessários e sem medo.

Há desvantagens nos consultores-robôs também…

Obviamente que tem pontos negativos também… Confira!

I – Sem contrato ou conversa

O robô deixa tudo mais fácil, mas não é tão flexível assim. Ele entende exatamente o que está acontecendo e, por isso, pode não ter “reações normais” para os humanos.

Então, ainda que você ache imprescindível conversar com um consultor, no caso dos robôs eles não terão tempo para isso… Logo, você deveria procurar algum humano.

II – Limitação de serviços em alocação

A tendência ainda é nova no Brasil e poucas empresas tem essa tecnologia. Logo, ainda há poucas opções no mercado para os fins de investimentos.

III – Pouco personalizável

Basicamente, existem alguns perfis de investidores que são selecionados. São eles:

  • Conservador (aplica quase tudo em juros pós-fixado),
  • Conservador-moderado (aplica em juros pós-fixado e prefixados),
  • Moderado (juros pós-fixados, prefixados e inflação),
  • Moderado-agressivo (juros pós-fixado, prefixados e inflação),
  • Agressivo (pós-fixados, prefixados, inflação, ações).

E claro que há ressalvas. Sendo assim, ainda que haja 5 tipos, nada foge disso!

Os tipos de consultores-robôs

Hoje em dia existem dois tipos de consultores-robôs. Confira…

I – Robô advisor

Ele faz a consultoria e a gestão da carteira de investimento de forma automatizada.

Os algoritmos usados analisam o perfil do investidor e os investimentos buscando o melhor mix de ativos para compor uma carteira de investimentos.

Ela pode incluir aplicações em renda fixa (como CDB, Letras de Câmbio, títulos do Tesouro Direto) e a renda variável (ações, câmbio e ouro).

Cada empresa pode ter um serviço conforme sua própria estratégia… Na maior parte das vezes, o foco é a diversificação dos ativos – que minimiza os riscos e maximiza o retorno no longo tempo.

II – Robô trader

O robô trader é um sistema usado para realizar operações de curto prazo, especialmente na renda variável.

É comum no uso das operações diárias (day trade)… Esses robôs permitem que um investidor programe uma venda de emergência caso ela fique abaixo do patamar (stop loss) ou estipule uma venda de ações (stop gain).

Ele é muito usado para quem não tem tempo de acompanhar a volatilidade do mercado e quer tentar ganhar dinheiro no curto prazo.

Consultor-robô e a análise humana

Por trás de cada robô advisor há uma equipe de especialistas que cria uma estratégia que é executada pelo robô. Logo, aplicar seu dinheiro nessa tecnologia não ignora a presença humana em um processo de estudos de cenários e da análise de mercado.

Os algoritmos não eliminam o trabalho do consultor – ao contrário, possibilita o aperfeiçoamento e fazem com que as pessoas possam ter acesso facilitado ao serviço.

A tecnologia não é rival das consultoras, portanto. Elas são ditas ferramentas digitais que ajudam a minimizar os riscos e a maximizar os lucros dos clientes.

Isso faz com que além da democratização haja também uma redução significativa nos custos dos serviços relacionados.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o robô advisor cresce muito e com maior margem do acerto das carteiras de investimentos montadas com o auxílio desses robôs tem representação de empresas como Betterment, Wealthfront e Personal Capital.

Para a consultoria At Kearney, os fundos gerenciados por robôs devem crescer e chegar a 5% em 2020. No Brasil, o custo é a metade do valor cobrado pelas consultorias tradicionais.

Como investir dinheiro com um Consultor-Robô?

Isso vai depender de corretora de valores para corretora de valores.

Mas, no geral, temos os seguintes passos:

I – Testar um robô advisor após responder um questionário que pede informações para determinar seu perfil e seus objetivos.

II – Depois, os algoritmos analisam as informações e mostra uma simulação de um plano de investimento – com gráficos e dados da provável carteira.

III – Se tudo for aceito, o investidor pode virar um novo cliente e transferir o seu dinheiro para a conta da corretora – normalmente, através de um TED bancário.

IV – Os robôs realizam as ordens de compra dos investimentos. O cliente pode acompanhar tudo através do “painel de controle” pelo celular. Com o tempo, há um rebalanceamento da carteira.

“A execução do portfólio de investimentos é automatizada, incluindo as ordens de compra de venda dos produtos, renovação automática de títulos e rebalanceamento periódico”, diz Luciano Tavares, da Magnetis.

No caso da Warren, o investidor recebe a sugestão da carteira com o perfil de risco e basta transferir o dinheiro para a conta da empresa ou pagar um boleto e tudo estará no sistema para aplicação imediata.

Nesse caso, porém, a lista de espera é grande e isso pode demorar algum tempo.

Investir com consultor-robô é seguro?

As corretoras (Rico), gestoras e administradoras dos recursos (Vérios, Warren) e as consultorias de investimentos (Magnetis) atuam sob a fiscalização do Banco Central e também pelo CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A BM&FBovespa também atua nessa regulação dos recursos e dos investimentos.

Essas empresas podem falir? A segurança existe porque os recursos são registrados e guardados com o nome do investidor e o CPF (Cadastro de Pessoa Física) na Cetip e também na câmara de ações.

Além disso, alguns investimentos financeiros, como a caderneta da poupança, CDB, LCI, LC, LCA tem a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), na qual o limite é de 250 mil reais.

Os títulos públicos do Tesouro Direto têm o risco ainda menor porque são garantidos pelo Tesouro Nacional.

Os fundos de investimentos possuem CNPJ próprios.

Logo, em caso de falência, das empresas que fazem a gestão, administração e a custódia do fundo… Os recursos aplicados podem ser transferidos para outra instituição.

Qual o melhor consultor-robô no Brasil para investimentos financeiros?

Essa é uma pergunta difícil de ser respondida, mas vamos nos ater a alguns fatores que podem te ajudar durante a sua escolha.

Atualmente, o mercado brasileiro tem alguns nomes importantes, como Magnetis, Vérios, Warren e Alkanza. Confira as características de cada uma delas…

Vérios e Warren

A Vérios e Warren administram e fazem a gestão da carteira porque são gestoras de recursos credenciadas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A Vérios aplica em títulos do Tesouro Direto e ETFs.  E as aplicações partem dos 12 mil reais e os aportes adicionais são de 100 reais.

A taxa da vérios é de 0,95% ao ano e inclui as despesas dos produtos, a taxa de custódia e de corretagem, além de outras.

Já a Warren opta pelos fundos de investimentos da renda fixa e multimercados. E as aplicações são a partir de 100 reais.

A taxa da Warren é de 0,80% ao ano e inclui todas as taxas.

Magnetis

A Magnetis é uma consultora de investimentos e monta a sua carteira de investimentos. Tem como parceira a corretora de valores Easynvest.

Ela aplica em fundos DI, CDB, Letra de Câmbio, LCI, LCA, fundos multimercados e ETFs (fundos de índices).

As aplicações financeiras precisam ser a partir de 10 mil reais e os aportes adicionais são de 100 reais.

O custo total varia entre 0,49% e 1,18% ao ano – incluindo a taxa das aplicações (taxa de administração, de corretagem, outras).

Alkanza

A Alkanza é um robô que só faz recomendações de carteiras que é gerenciada pelos investimentos da corretora Rico.

Investe em títulos públicos do Tesouro Direto e ETFs. Além dos Fundos de Investimentos.

As aplicações financeiras são a partir de 3 mil reais.

As taxas são de 0,50% ao ano. O percentual, porém, não inclui o custo de cada produto, que tem a taxa de custódia e de corretagem.

Magnetis ou Vérios? Alkanza vale a pena? Qual o melhor consultor-robô?
Reprodução: Google

Sobre investidor dinheiro através de uma corretora de valores

“De fato, o brasileiro estava acostumado a investir pelo banco, mas isso está mudando, tem muita gente indo para o Tesouro Direto via corretoras de valores, começa a haver um entendimento de que o banco não é necessariamente o melhor lugar para investir”.

A afirmação acima é de Luciano Tavares, da Magnetis, uma das pioneiras do assunto Brasil.

“Nossa ideia não é ser a casa de gestão ou o robô mais rentável. O robô é o meio para oferecer uma experiência fluida, rápida e simples para o investidor”, completa.

Para quem não sabe, na definição mais simples, uma Corretora de Investimentos é uma instituição financeira que faz uma intermediação entre o investidor e as aplicações financeiras.

Elas são parecidas com os bancos, com a grande vantagem de ser, especialmente, dedicadas aos investimentos financeiros.

O que isso quer dizer?

No banco, temos vários produtos financeiros, como empréstimos e financiamentos por exemplo. Na corretora, não. São apenas ativos voltados a investimentos.

Mas, qual a vantagem?

Se o banco também tem investimentos e, além disso, tem outros produtos financeiros, então, por que a corretora de investimentos seria mais vantajosa?

Justamente por ser especifica para investidores, ou seja, para quem tem a intenção de fazer o dinheiro render e o patrimônio aumentar.

Vamos tentar explicar isso na prática! 

Suponhamos que o seu banco tenha um CDB (Certificado de Depósito Bancário) que pague 90% do CDI (uma taxa que fica próxima à Selic).

Agora vamos imaginar que você descubra que outro banco, que não é o seu pague a mesma rentabilidade.

Ao que tudo indica, fica tudo na mesma.

Mas, você tem que pensar que a taxa de administração do seu banco pode ser um pouco maior, ainda mais se for um banco de grande porte.

Isso é importante?

Muito! Porque influencia diretamente na rentabilidade final e líquida do seu investimento.

Bom, muito, além disso, pense agora na quantidade de CDBs que existem em todos os bancos do Brasil… Muita coisa, não?

A corretora tem uma vantagem muito grande quanto à isso: ela busca e encontra o melhor produto para o seu perfil em qualquer canto do país.

Você, claramente, ganharia tempo e, mais do que isso, ganha em escolher o melhor investimento financeiro para você.

Mas, o foco de entrar em uma corretora de investimentos é apenas conseguir chegar ao melhor produto financeiro?

Na verdade, não. 

A especificidade das corretoras de investimentos e tratar somente das aplicações faz com que ela tenha condições, entre outras coisas, de acompanhar o mercado financeiro!

Mas isso é importante?

Sim! Porque os melhores investimentos hoje não, necessariamente, são os melhores investimentos de amanhã.

Bom, apenas para te orientar: o CDB é uma renda fixa que pode estar variando conforme a escolha do investidor – sendo com taxas fixas ou algumas que (ainda que oscilem) variam conforme o mercado.

Por isso, acompanhar o mercado financeiro é importante: pense só nessa queda de juros que estamos convivendo – há algum tempo, a Selic estava em 14% e agora a expectativa é que cai para 7%.

Uma diferença, no mínimo, representativa. 

Óbvio que as rentabilidades mudaram, assim como as melhores opções de investimentos.

Até a legislação mudou! E deve mudar mais. 

Governo Federal está estudando, por exemplo, cobrar imposto de renda em alguns títulos que eram isentos – LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio).

Isso diminuiria muito a rentabilidade desse ativo da renda fixa a ponto de deixá-lo inválido para o mercado financeiro.

Existe também um novo título, que mescla a renda fixa e a renda variável, que será usado para angariar fundos para o setor imobiliário.

Ah, e como estamos falando da Renda Variável, saiba que a Corretora de Investimentos é importante nesse ponto porque sem uma conta em uma delas, nenhum investidor consegue aplicar dinheiro na Bolsa de Valores.

Essa é uma forma de regular o mercado.

Mas, as Corretoras de Valores cobram taxas para administrar os negócios.

Isso é verdade, mas calma lá! Isso não quer dizer que por isso as corretoras te fariam perder dinheiro.

O que é preciso pensar é na rentabilidade líquida – somando todas as taxas e impostos, qual é o rendimento do ativo?

Cuidado quando você fizer essa pergunta por que provavelmente não vai gostar dos seus rendimentos do banco. Sim, eles rendem bem menos do que aqueles expostos pelas corretoras.

No fim das contas, vale sempre fazer as contas e saber o que é mais vantajoso. Observe que uma Corretora de Valores pode ser tão segura quanto um banco, se você tiver definido o seu perfil para investir.

Se você quiser continuar deixando seu dinheiro com os gerentes dos bancos, em aplicações.

Como Escolher uma Corretora de Valores

Para finalizar de forma resumida, selecionamos alguns pontos que devem ser levado em conta na hora de escolher a corretora de investimentos. Confira agora e crie sua conta para começar a ganhar dinheiro.

A decisão da escolha da corretora de valores é importante para aumentar de patrimônio, mesmo porque existem muitas pessoas com histórias negativas por aí. Ao analisar as opções disponíveis no mercado, compreenda qual é aquela que mais se adequa às suas necessidades e objetivos.

Nem sempre a melhor para alguém será a melhor para você.

Segurança 

Quando o assunto é dinheiro, segurança é fundamental. Escolha uma corretora de valores que ofereça regulamentações e esteja registrada em órgãos do Mercado Financeiro.

Diversidade 

Avariedade de produtos é um diferencial que todas as corretoras devem ter. Ela será orientada por especialistas do mercado e aumenta suas chances de ter melhores retornos financeiros.

Atendimento 

De nada adianta uma corretora que tenha boas taxas, mas não facilite a comunicação para solucionar problemas ou dúvidas. Pense nisso.

Transparência 

É quando ela te dá acesso à todas as informações que você precisa. Como saldo, transações realizadas ou carteira de investimentos.

Custo-Benefício 

Não deve ser o único fator analisado, mas é importante. Destaque sua escolha individual conforme o seu perfil para investir.

Custos de uma Corretora de Valores

Os custos para ter uma corretora de valores precisam ser analisados, como todos os outros fatores, principalmente pelo investidor iniciante. Separamos os principais, confira.

Taxa de Corretagem

É cobrada por cada ação de compra e venda de ativos no mercado de renda variável. Logo, ao fazer transações, o investidor dá comandos de compra ou venda e a cada comando, ocorre a taxa de corretagem.

Taxa de Custódia

É uma taxa que a corretora cobra para manter as informações referentes aos investimentos realizados. Ela ocorre em ambas as rendas, variável e fixa.

Taxas de Ted ou DOC

Também vale para todos os investimentos, já que quando eles vão acontecer é preciso fazer uma transferência de um banco para a conta da corretora de valores.

processo de transferência é cobrado e tem custos que vão depender do valor a ser transferido.

Logo, em valores pequenos, essa taxa costuma ser inviabilizada. Em um depósito de 500 reais, para se ter uma ideia, você pagará 8,50 reais por um TED, o que significa um prejuízo de 1,7%.

Mas, há de se levar em conta que existem contas que podem fazer tais transferências sem custos. Procure saber sobre isso.

Taxa do Tesouro Direto

Se optar pelo Tesouro Direto, o investidor terá que arcar com 2 taxas diferentes: a de Custódia da BM&FBovespa e a de administração cobrada pela corretora de valores. A primeira é fixa, de 0,3% e a outra dependa da corretora e em alguns casos é nula.

Com informações do magnetis, valor, uol

ANÚNCIO