Análise sobre a Bolsa de Valores nos dias Atuais: Vender ou Comprar Ações?

ANÚNCIO

Separamos esse tópico para citar alguns acontecimentos importantes do Mercado Financeiro que movimentou os últimos dias. As notícias são importantes para os investidores que têm que ficar atentos ao mercado para saber exatamente quando vender ou comprar ações.

Nessa parte do texto você vai ler os seguintes títulos:

ANÚNCIO
  1. Copel Vai Fazer uma Oferta de Ações de 4 Bilhões de Reais
  2. Petrobras pede Certificação na Listagem Nível 2 da B3
  3. Ações da Apple Caem Após Nova Versão de iOS
  4. Fundos de Ações sofrem com Crise Política

As notícias foram distribuídas pela mídia e aqui tem fins apenas informativos. Confira cada um desses tópicos, agora!

1 – Copel Vai Fazer uma Oferta de Ações de 4 Bilhões de Reais

A estatal paranaense de energia tem um plano de fazer a oferta, conforme informações do Valor Econômico. Essa operação tem como objetivo reforçar o caixa e pode resultar em uma diluição da participação do governo do Paraná.

A informação veio à tona após a Copel pedir aos bancos e escritórios de advocacias que tem interesse em assessorá-la no processo para que apresentem suas propostas, levando em conta as medidas práticas para o pedido que deve ser protocolado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

ANÚNCIO

O prazo da operação ainda não foi definido. A expectativa, porém, é que ela seja primária, o que deve levantar um dinheiro novo para a companhia, que tem 2,7 bilhões de reais em dívidas de curto prazo.

No mercado, as ações da companhia tem negociadas à 22 reais, mais ou menos. Sendo que o Paraná tem 58,62% dos papeis e com direito a voto.

A notícia termina levando em conta as recentes mudanças estruturais que aconteceram na empresa, sendo que Luiz Eduardo Sebastiani foi substituído por Adriano Rudek de Moura, no cargo de Diretor Financeiro e Relações com Investidores.

Recentemente, foi aprovada a distribuição de 506,212 milhões de reais aos acionistas, sendo 50% do lucro ajustado do ano de 2016.

2 – Petrobras pede Certificação na Listagem Nível 2 da B3

A Petrobras pediu a certificação no âmbito do Programa Destaque em Governança das Estatais. O intuito é implementar medidas de governança corporativa que vão além das exigidas por Lei das Estatais.

As iniciativas para a adesão mostram que a Petrobras está buscando melhorar sua governança, alinhando-se às práticas do governo.

Para que isso aconteça, a companhia tem que atender as medidas previstas no Programa. Os documentos e o conjunto foram encaminhados pela Estatal e serão analisados pela Diretoria de Regulação de Emissores (DRE) da B3, que emitirá relatório e parecer sobre o pedido da companhia.

Para que uma companhia consiga chegar ao nível 2 de governança corporativa, ela precisa acatar à uma série de condições, que tem, entre elas, a inclusão de 25% de ações em livre circulação, sendo que o presidente do Conselho não pode acumular este cargo com o de principal executivo da companhia.

Para que isso se efetive, é preciso de aprovações de todos os órgãos externos necessários, além da celebração com a B3, do Contrato de Participação do Nível 2 de Governança Corporativa.

Leia TambémComo as ações da Petrobras… Será que é hora de voltar a investir na estatal?

A produção do petróleo caiu 3% em março deste ano e foi para 2,12 milhões de barris por dia. A queda aconteceu devido às paradas programadas das plataformas. Já a produção de gás natural da estatal seguiu na mesma queda, de 3%, com a produção de 77,7 milhões de metros cúbicos por dia.

“O resultado se deve às paradas para manutenção”, disse a empresa!

No começo de abril, o Ibovespa registrou queda de 1,21% com forte influencia da informação de que os Estados Unidos usaria a “maior bomba não-nuclear” da história. Nesse período, as ações da Petrobras tiveram grandes perdas, também com aversão ao risco que se instalava nos mercados mundiais.

A Petrobras previu uma geração de 31 bilhões de reais em receitas para a União com a produção da área de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, até 2025. Para cumprir o prazo, a petroleira pediu permissão à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para liberar regras do local.

O atraso na entrega poderia gerar uma redução na receita de até 6 bilhões de reais por ano. O projeto prevê também investimentos de cerca de 5,5 bilhões de dólares.

E por esses motivos, entre outros, que os investidores têm apostado na Petrobras!

Continue Lendo…

3 – Ações da Apple Caem Após Nova Versão de iOS

O preço das ações caiu após os investidores conferirem as novidades da Companhia Americana em um Evento Internacional. Nele, a empresa apresentou novidades, como a atualização para o sistema móvel iOS e o novo HomePode (speaker com funções de assistente pessoal).

A queda foi de 0,98% e ficou à US$ 153,93.

Ainda durante o evento, a Apple mostrou os seus resultados não positivos de 2016, com o preço das ações caindo em 1,37%, e encerrando as negociações a US$ 97,34.

4 – Fundos de Ações sofrem com Crise Política

Os Fundos de Ações também estão sendo afetados pela Crise Política (além das Rendas Fixas e Fundos Multimercados). A informação foi provada pela Anbima (Associação das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Após as denúncias contra o presidente Michel Temer, a Bolsa de Valores caiu 9% e o dólar subiu 8% no dia seguinte.

Ao longo da semana, as perdas foram amenizadas, porém, o mercado continua volátil até hoje, já que todos estão aguardando o desfecho do julgamento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Todas as carteiras dos Fundos de Ações tiveram rendimentos negativos, com perdas que ficaram em 3%, abaixo do recuo de 4,12% do Ibovespa, um índice que reúne as ações mais negociadas da BM&FBovespa.

Entre os Multimercados, a Carteira Macro (uma das principais dessa classe de ativos) caiu 1,26% no último mês. E na Renda Fixa, o de Duração Alta Soberano perdeu rentabilidade de 0,48%.

Leia Também: 10 Ações do Ibovespa que os Fundos de Investimentos mais alocaram em 2017

O ranking foi produzido pelo Comdinheiro e mostra os papéis que receberam mais recursos dos fundos. Isso levando em conta que no país há mais de 15 mil fundos, dos quais quase 2 mil aplicam exclusivamente em ações, conforme a Anbima (Associação Brasileira das Entidades do Mercados Financeiro e de Capitais).

O estudo foi feito com base nas carteiras de investimento de dezembro do último ano, e são consideradas informações consolidadas. Abaixo estão as ações, a empresa e o valor investido, respectivamente, conforme divulgado pelo site da Revista Exame.

Ação Empresa Valor investido pelos fundos
BBDC4 Bradesco R$ 6,92 bilhões
ITUB4 Itaú Unibanco R$ 5,85 bilhões
BBAS3 Banco do Brasil R$ 5,44 bilhões
PETR4 Petrobras R$ 5,34 bilhões
PETR3 Petrobras R$ 5,15 bilhões
ITSA4 Itaúsa R$ 5,03 bilhões
EQTL3 Equatorial R$ 3,88 bilhões
VALE3 Vale R$ 3,79 bilhões
CIEL3 Cielo R$ 3,23 bilhões
BRFS3 BRF RS 3,19 bilhões

Quando Vender e Quando Comprar Ações?

Depois dessas notícias, algumas tristes, resta saber: qual o momento certo de vender ou comprar uma ação? Porque, na verdade, a Bolsa de Valores é o melhor lugar para enriquecer, no entanto, para tal não há garantias. Ou será que há?

  • “Comprar na Baixa e Vender na Alta”.

Essa é a resposta que você pensou quando leu o título deste tópico, não é? No entanto, muitas pessoas tendem a começar a investir quando a bolsa está em alta, o que leva tudo por água abaixo.

Separamos o último tópico deste artigo para falar mais sobre “Comprar na Baixa e Vender na Alta”. É um caso de sucesso que mostra porque fazer isso pode NÃO ser vantajoso. Confira a leitura até o fim e tire suas próprias conclusões.

  • “Comprar papéis de Empresas Consolidadas”.

Você pode ter pensado nisso também. Afinal, essas empresas nunca quebram… Será? Na verdade, é muito importante observar que não há certeza nesse mercado e, assim sendo, empresas grandes podem quebrar sim.

Lembra-se da Varig, a maior companhia de aviação da América Latina, então, ela já quebrou. O mesmo aconteceu com a OGX.

Relembre: Com a prisão de Eike Batista, como ficam as companhias do grupo EBX?

Eike Batista, 60, é ascendente alemão e ganhou muito dinheiro com a exploração de minérios, petróleo, gás, logística, energia, indústria naval e carvão mineral. Fundou o Grupo EBX e, de acordo com a Forbes, teve, em 2013, uma fortuna estimada em 900 milhões de dólares. No fim das contas, o empresário foi preso em um desdobramento da Operação Lava Jata, tornando-se, posteriormente, réu pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Entenda, bem resumidamente, um pouco da história do empresário desde 2012!

  • 2012: Teve a fortuna ampliada em 10 bilhões de dólares à vender parte da EBX para o fundo Mubadala Development. Isso fez com que Eike se tornasse a 3ª pessoa mais rica do Brasil e a 75ª mais rica do mundo, com um dinheirão de 12,4 bilhões de dólares. No mesmo ano, o SBT afirmou que Eike era o 21º maior brasileiro de todos os tempos.
  • 2013: Teve a fortuna diminuída em 200 milhões de dólares, segundo um ranking da Bloomberg.
  • 2014: Teve, mais uma vez, redução de patrimônio em 1 bilhão de dólares.
  • 2015: Teve os bens bloqueados e passou a responder por 6 crimes na Justiça Federal.
  • 2017: Tornou-se foragido pela Justiça Brasileira após um mandato de prisão decretado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro. Mas, no último dia do primeiro mês do ano, foi preso ao desembarcar no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro.

Sobre o Grupo EBX: É formado por 6 companhias listadas no Novo Mercado da Bovespa, são elas: OGX de Petróleo, MPX de Energia, LLX de Logística, MMX de Mineração, OSX da Indústria Naval e CCX de Mineração de Carvão. O grupo está presente em 9 estados brasileiros, no Chile e na Colômbia, além de ter um escritório em Nova York (EUA). Agora, entenda como está a atualidade de cada uma dessas companhias!

Como Saber o Momento Certo para Investir em Ações, então?

Estudando… É isso. Estudo e saiba tudo sobre o mercado de ações. Quando você lê notícias como essas que acabamos de apresentar, você fica sabendo quem está perdendo valor na bolsa e quem está ganhando. É muito simples.

Só que você precisa entender que quando a Bolsa estiver bem, em Alta, e todo mundo estiver falando bem dela, não é o momento certo para você entrar nela. Se ela está em alta, você deve vender e não comprar.

Assim, o indicador geral é o noticiário.

Uma Breve Análise sobre a Bolsa de Valores nos dias Atuais

“As empresas, na média, ainda vão ter um crescimento do lucro na casa dos dois dígitos este ano, em especial devido ao gasto menor com juros. Quando comparamos com outros emergentes, os lucros no Brasil crescem mais rápido por conta desse processo de alavancagem”, diz o estrategista-chefe da corretora Santander, Daniel Gewehr.

Ele fala que o cenário para a aprovação de reformas econômicas ficou mais difícil após a Delação dos Executivos da JBS, que mexeram com o presidente de Michel Temer. No entanto, como visto na frase acima, a taxa básica de juros em baixa deve equilibrar os números.

No ano passado, por exemplo, a Selic esteve em 14,25% ao ano e isso prejudicou as empresas.

Agora, com a Selic em queda, as companhias têm conseguido gerar uma sobra no caixa, o que abre muitas possibilidades de ganhos maiores, o que deve levar à valorização dos papéis.

Buscando um argumento que equilibre os pontos positivos com os negativos, o especialista também diz que a crise não atrapalha a perspectiva de valorização das ações, mesmo porque o Santander aposta no Ibovespa, que é o principal índice da B3 (ex- BM&FBovespa e Cetip).

Algumas empresas do setor elétrico, por exemplo, devem ficar na defensiva, como a Equatorial. O mesmo vai acontecer no setor de Shopping Centers.

“Mas também há empresas de qualidade ligadas ao ciclo da economia doméstica, que já está em recuperação. É importante olhar papéis de companhias que já apresentaram um bom retorno sobre o capital”, afirma Gewehr.

O Ideal é Mudar de Carteira de Investimentos?

Para o gestor de Renda Variável da Daycoval Asset Management, Juan Carlos Resende Morales, a resposta é negativa. O que se pode fazer é aumentar a exposição em ações que aliem perspectiva de crescimento e uma boa gestão, com baixo endividamento.

“Olhamos ações que estão negociadas abaixo da média de preços históricas, mas que também tenham bons modelos de negócios, tentando identificar quais as mais defensivas”.

Boa Gestão, Fluxo de Caixa e Receitas Garantidas também são pontos primordiais na escolha das empresas, conforme Luiz Gustavo Pereira, que é estrategista-chefe da Guide Investimentos.

“Neste momento, o que sobressai são ativos de qualidade para um cenário de incerteza que não sabemos quanto tempo vai durar”.

Por que Comprar na Baixa e Vender na Alta pode NÃO ser um bom negócio

No mercado acionário, a matemática é bem mais complicada. E pode ser perversa. Essa lógica é garantida por Fábio Alperowitch, gestor da Fama Investimentos, que fez uma apresentação no Congresso Value Investing Brasil 2017.

Ele conta que o desempenho do fundo da Fama, que detém mais de 1,2 bilhão de reais em ativos, compra a estratégia de que comprar ações de qualidade é que gera bons resultados.

Em 1 década, o fundo tem rentabilidade de 46%, que é 3 vezes mais do que o acumulado no Ibovespa, que teve 15% no mesmo período. Em 2016, por exemplo, o Ibovespa subiu quase 39% e o Fama FIC FIA superou o índice, com 55,2%.

Já em 2017, o fundo tem performance de 17,2% enquanto o índice da bolsa sobe apenas 5%.

Para o especialista, é preciso encontrar o ponto exato de reversão e carregar uma empresa que está em um momento ruim em termos de resultados pode custar muito caro ao investidor. A exemplo disso, ele cita a Hering.

A companhia subiu 2 mil por cento desde o início de 2009 e chegou à sua máxima histórica, que é de 39,98 reais em novembro de 2012. Nesse período, passou a ser uma empresa têxtil para virar uma varejista de moda, desde então a Hering está em queda. Um reflexo do cenário macroeconômico desafiador para o setor.

Por outro lado, a Localiza é uma das queridinhas da Fama.

“O Business da Localiza está na capacidade de comprar um ativo barato e vende-lo caro. Com a escala que ela tem, ela sempre vai comprar mais barato que a Movida, sua concorrente que entrou na bolsa em 2017 e vai ter um custo de capital menor, com muito mais capilaridade… à medida que o tempo passa, as forças da Localiza vão ficar mais evidentes”.

O especialista faz a afirmação após mostrar o resultado da ação, que teve sua máxima histórica (48,45 reais) e mostrou toda sua resiliência em meio ao cenário de caos político.

Assim, o representante da Fama diz que não é preciso ter medo de comprar uma ação só porque ela está cara demais. “Se você confia nas suas estimativas, o que é caro hoje pode ficar ainda mais caro amanhã”.

10 Passos para Aprender a Investir Dinheiro com a Queda da Selic

Os especialistas dizem que existem boas opções de renda fixa com a queda da Selic, porém, é preciso se preparar porque esse cenário tende a mudar nos próximos anos, o que pode proporcionar um risco maior para encontrar os melhores rendimentos.

1 – Relação entre Juros e Inflação

Se os juros caem, a inflação segue a mesma linha.

Portanto, quando for escolher uma aplicação financeira, não veja apenas os juros pagos e sim a expectativa da inflação para os próximos anos. Isso é possível de ser feito calculando a taxa real de juros e descontando o efeito da inflação.

2 – Rendimentos Menores

Não espere mais do que 12% ao ano em aplicações prefixadas. Um investimento que prometa 11% ao ano nos próximos anos é uma ótima opção de escolha. “Os rendimentos estão magros”, dizem os especialistas.

Análise sobre a Bolsa de Valores nos dias Atuais: Vender ou Comprar Ações?
Reprodução: Google

3 – Investir por Mais Tempo

Se você pode optar por investir por mais tempo, ou seja, no longo prazo, pode ganhar mais dinheiro. Claro que para tanto, você não poderá sacar nada no meio do caminho.

O Tesouro Selic é um exemplo clássico disso, já que oferece boa rentabilidade, com risco muito baixo e excelente liquidez, pois permite sacar o dinheiro de um dia para o outro.

“Quem puder abrir mão da liquidez e investir parte do patrimônio por quatro ou cinco anos vai encontrar papéis com rentabilidade superior ao Tesouro Selic, e com risco muito baixo também”, diz Ricardo Zeno, sócio-diretor da AZ Investimentos.

4 – CDBs dos Bancos Menores

O próprio Ricardo Zeno diz que os CDBs dos bancos médios podem pagar 118% do CDI, desde que não seja resgatado em menos de 4 anos. Já o valor mínimo para aplicação é de 5 mil reais.

O ideal é buscar um CDB que pague, no mínimo, 100% do CDI para superar o rendimento do Tesouro Selic. Em termos comparativos, os bancos grandes, os CDBs estão em torno de 84% do CDI e a maioria não oferece liquidez diária.

A dica final para os CDBs é que os investimentos não passem de 250 mil reais, que é o valor coberto pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

5 – CDB para Dinheiro Rápido

O CDB também é indicado para quem quer investir em questões de meses, ou seja, investimentos curtos.

“Para quem precisa de liquidez diária, há CDBs específicos, que pagam entre 100% e 102% do CDI. Essa taxa é ligeiramente superior ao Tesouro Selic. Além disso, o Tesouro Direto apresenta custos, como custódia (0,3% ao ano) e corretagem (que varia de Zero a 0,5% ao ano), que tiram rendimento de aplicações mais curtas. Já os CDBs não têm custos extras para aplicar”.

6 – Impostos

Nos dois investimentos citados acima – Tesouro Direto e CDB – o investidor está sujeito a uma alíquota de Imposto de Renda de 22,5% para saques feitos menos de seis meses após a aplicação.

Quando for comparada à poupança, essas aplicações ainda rendem mais, mesmo depois de descontado o IR pela alíquota mais alta, diz Zeno.

O rendimento tem que ser de, no mínimo, 8% para uma aplicação com IR de 22,5% superar o rendimento da poupança, que é isenta de IR.

7 – Correr Riscos

Opinião comum entre os especialistas é que correr riscos pode te fazer ganhar mais dinheiro. Principalmente, se pensarmos em curtos períodos de tempo.

“Hoje, ainda é possível encontrar aplicações de renda fixa, com risco muito baixo, que pagam um juro real”, diz Illan Besen, da BR Advisors.

8 – Dinheiro nas mãos dos Profissionais

Com um cenário de muitos riscos, as pessoas têm que se informar melhor e conhecer a fundo os diversos tipos de aplicação, tais como as ações, debêntures, contratos de juros futuros e ativos cambiais.

Logo, se você não entende muito sobre os investimentos ou se não tem tempo para acompanhar o rendimento das suas aplicações, é recomendável buscar fundos ou consultorias, conforme o seu patrimônio disponível para aplicações financeiras.

“Uma coisa é tomar uma aspirina para aliviar uma dor de cabeça simples. Outra é tratar de uma infecção. Você vai precisar da ajuda de um médico para receitar o antibiótico certo. A renda variável exige um acompanhamento constante. Você precisa ficar em cima, monitorando os papéis e as notícias. Se você não tem tempo para isso, pode correr um risco ainda maior”, diz Besen.

9 – Fundos Multimercados e de Ações

“É importante ler o prospecto e saber em que determinado fundo investe. Analise o histórico de rentabilidade. Pesquise quais são as expectativas para os ativos investidos pelo fundo. Veja se aquele gestor possui boas qualificações. E fique atento também à taxa de administração”, afirma Besen.

Para ele, os fundos multimercados e de ações cobram, em média, a taxa de administração de 2% ao ano e os investimentos mínimos são de 10 mil reais.

Vale pensar também no acompanhamento de índices, como o Ibovespa, Energia ou buscar papéis de companhias que paguem bons dividendos, que sejam elevados e com regularidade.

10 – Quando Vai Precisar do Dinheiro

“Quem puder abrir mão da liquidez por mais tempo, sempre vai conseguir rendimentos melhores”, diz Ricardo Zeno, da AZ. No cenário de riscos, o especialista diz que não adianta pensar apenas em ganhos.

Com informações do Valor, ultimoinstante, canaltch, exame e infomoney

ANÚNCIO