Saiba como usar os juros compostos para dobrar de capital [regra dos 72]

ANÚNCIO

Se a gente analisar alguns estudos, livros e o que dizem os psicólogos da área das finanças, nós vamos ver que o ser humano passa por várias fases na vida financeira. Em uma delas, o foco está em aprender como usar os juros compostos para dobrar de capital.

Por exemplo, veja na prática. No começo, quase sempre, a ideia é de quitar as dívidas. Depois, a gente fala em começar a juntar dinheiro. Logo em seguida, vem os investimentos financeiros, que nos permitem ganhar juros e rendimentos.

ANÚNCIO

A partir disso, como somos imediatistas, queremos dobrar o capital ou triplicar ou algo assim. Nessas horas, a gente conhece a regra dos 72, que é muito falada hoje em dia. Sendo assim, se você está nessa fase da vida financeira, esse texto é para você.

Ah, curiosamente, a gente trouxe vários tópicos informativos bem legais aqui. Assim sendo, até o final do texto você vai ler sobre a regra dos 72 os seguintes pontos: o que é, por que usar a regra, quando usar, como usar e exemplos. Vamos nessa!

O que é a regra dos 72

No começo de 2018, há alguns anos, a gente fez uma matéria falando sobre a regra dos 72, que estava em alta, desde aquela época. A gente contou, de forma resumida, sobre como essa ferramenta digital funciona e como ela poderia ser usada.

ANÚNCIO

Até hoje, pouca coisa mudou. Porém, alguns temas foram atualizados, se é que você nos entende. Em um dos trechos, a gente conta que a “regra dos 72 tem uma fórmula na qual a pessoa usa o número 72 para dividir pela taxa de retorno da aplicação”.

Achou confuso? Calma porque não é nada estranho. Se a gente pensar em uma taxa de rendimento anual de 10% fica mais fácil. Assim, temos a conta de 72 dividido por 10. Logo, o resultado é de 7,2. Mas, o que é esse resultado?

O resultado indica o número de anos que a gente tem para dobrar de capital. E aqui a gente começa a falar com mais ênfase dessa questão central do artigo de hoje, que é sobre como usar os juros compostos para dobrar de capital. Bora lá?

Por que usar a regra dos 72

Esse segundo tópico, agora que você sabe o que é a regra, é sobre os motivos que a gente tem para usar essa regra. Basicamente, a gente sabe que investir dinheiro não é simples. Aliás, é simples, mas não é fácil porque a gente tem que ter um ótimo controle das finanças.

Sendo assim, alguns cálculos matemáticos, como esse, podem ser ótimas formas de nos manter mais motivados para isso. Além do mais, eles são rápidos e não exigem que a gente fique fazendo muita conta complicada – dá até para fazer de cabeça.

Logo, se você quer saber como usar os juros compostos para dobrar de capital, considere essa regra, que é fácil, simples, rápida e vai te dar um bom norte do quanto ainda falta ou de onde você pode chegar.

Quando usar a regra dos 72

A gente conhece o principal motivo para usar a regra, mas ainda não sabemos quando podemos fazer essa conta. Será que existe um momento ideal para isso? Dá para usar sempre. Mas, de fato, se há um melhor momento, com certeza, é antes de investir dinheiro.

Isso porque a gente pode usar quando temos em mente a ideia de alcançar novos objetivos, novos resultados e novos rendimentos. Com a regra, a gente consegue criar uma expectativa com base no tempo, a partir da taxa de rentabilidade.

Inclusive, saiba que ela também vale para dívidas que temos e não apenas para investimentos.  Resumidamente, podemos dizer que ela é uma aliada na nossa vida financeira.

Como usar a regra dos 72

Agora vamos focar no que interessa porque mesmo que a gente já contou acima como fazer a conta da regra dos 72, saiba que é importante relembrar aqui. Até mesmo porque quem investe dinheiro tem uma meta a ser alcançada e isso vai ser importante na conta toda.

Então, você vai pegar o número 72 e vai dividir pela taxa de juros da aplicação. O resultado será o número de anos necessários para você dobrar de patrimônio. Entendido? Mas, se você não entendeu ainda como fazer isso, não tem problema, abaixo os exemplos vão ajudar.

Exemplos da regra dos 72

como usar os juros compostos para dobrar de capital

Na verdade, trouxemos aqui apenas 2 exemplos porque julgamos que já serão suficientes. Afinal, as contas são fáceis e dá para fazer de cabeça, como já comentamos. Então, agora, vamos apresentar essa mágica para saber como usar os juros compostos para dobrar de capital. Bora lá.

1 – Investimento de R$ 5 mil com 4% ao ano

No primeiro exemplo, temos uma pessoa que tem R$ 5 mil para investir em uma aplicação financeira com taxa de rentabilidade de 4% ao ano. Isso é bastante possível no mercado. (Não hoje em dia com a Selic em queda, mas em outros momentos sim).

Então, vamos fazer a regra dos 72 aqui. A fórmula nos diz que devemos dividir 72 por 4. Então, vamos ver que serão necessários 18 anos para que conseguimos dobrar de capital. Logo, após 18 anos teremos R$ 10 mil na conta.

2 – Dobrar o patrimônio em 7 anos

Agora, vamos fazer uma outra conta, ao contrário. A gente quer dobrar o patrimônio em 7 anos. Logo, basta que a gente dívida 72 por 7. E o resultado vai ser 10,2%. Ou seja, para dobrar o patrimônio em 7 anos, a gente precisa de um rendimento de 10,2% ao ano.

Assim, fica bem mais simples a gente conseguir fazer umas contas rápidas de investimento, não acha? Então, dá para usar em vários sentidos, independente do seu capital, do tempo, do rendimento. É só substituir as incógnitas que o resultado é mostrado.

ANÚNCIO