Conheça todos os passos sobre como investir no Tesouro Direto pela Caixa Econômica

Hoje em dia, investir em títulos do Tesouro Direto é algo bastante simples e até mesmo barato. Sendo assim, além de fazer isso pela corretora, você também optar pelos bancos. Tanto é que hoje vamos falar sobre como investir no Tesouro Direto pela Caixa.

A própria Caixa Econômica Federal diz que “as operações são feitas pela internet, no site do Tesouro. Assim, a Caixa atua como agente de custódia, com cadastro e habilitação para aquisição ou resgate dos títulos”. Ou seja, o banco, nesse caso, é como a corretora.

O cadastro no Tesouro

Considere que o cadastro é feito no próprio site da Caixa, ou seja, no internet banking. Ou dá para ir até uma agência bancária fazer isso, se você preferir. Mas, é importante considerar que tem que ser a agência que você tem a conta corrente da Caixa.

Após o cadastro feito, você vai ter uma senha provisória, que vai para o e-mail do interessado. O próximo passo é a renovação da senha. Ou seja, a criação de uma nova senha, conforme aparece no site do Tesouro.

Os valores do investimento

Esse passo também é importante. Porém, não tem tudo a ver com a Caixa, mas sim com as regras do Tesouro. Assim, os investimentos são múltiplos de 0,01 do título. Isso equivale 1% do valor do título, descontando as taxas de serviços cobradas.

No entanto, há uma próxima regra: o valor da fração não fica abaixo de R$ 30. Então, esse é o valor mínimo para investir em títulos do Tesouro. Enquanto isso, o máximo é de R$ 1 milhão, que vale para a carteira toda de títulos do investidor durante um único mês.

As compras dos papéis

O próximo passo que responde como investir no Tesouro Direto pela Caixa tem a ver com a compra dos papéis. Assim sendo, é importante saber que a liquidação acontece entre as 0h00 até as 18h00 dos dias úteis. Ou seja, isso é dado pela sigla de D0.

Por isso, “o cliente tem que ter o valor total do investimento na conta da Caixa no mesmo dia útil da compra, até as 16 horas”. Já os que são feitos aos finais de semana ou feriados vão ser liquidados no próximo dia útil. Ou seja, D1, até as 15 horas.

Os preços dos títulos

É legal saber que os preços dos papéis apresentados são referências. Assim, o que é praticado, incluindo as taxas, é o que aparece durante a abertura do mercado, que pode ser no mesmo dia ou no próximo dia útil após a operação.

Curiosamente, considere que isso também tem a ver com os resgates antecipados, que acontecem antes do prazo contratado. Assim sendo, as operações também serão liquidadas com os preços de abertura do próximo dia útil e não do feriado ou final de semana.

Os riscos 

Mais um passo importante é sobre conhecer os riscos desses ativos, que são da renda fixa e garantidos pelo Governo Federal. Saiba que, ainda assim, há alguns riscos a serem considerados antes das aplicações.

Um deles é o sistêmico, que tem a ver com condições macroeconômicas, como crises. Depois, tem o de liquidez, que significa que alguns ativos podem não ser vendidos pelos melhores preços, dependendo de quando você fizer isso. E o risco operacional, que pode ser um erro ao digitar a quantidade de papéis, por exemplo.

Os tributos

Chegando ao fim desse texto sobre como investir no Tesouro Direto pela Caixa, considere aqui os tributos e as taxas para negociar esses papéis. Quanto aos impostos, eles são dois. O Imposto sobre Operações Financeiras a cobrança é somente para quem faz o resgate antes de 30 dias.

Já o imposto de renda segue tabela regressiva, mas também tem a ver com o tempo do investimento. A alíquota menor é de 15% sobre os rendimentos nas vendas e vale para prazos maiores do que 720 dias, por exemplo.

As taxas

Do lado das taxas, saiba que a Caixa não cobra a taxa de custódia. No entanto, a B3 faz essa cobrança por gerenciar os ativos. O valor é de 0,25% ao ano sobre o valor aplicado. Porém, a taxa acontece a cada 6 meses direto da conta corrente do cliente.

Atualmente, para papéis do Tesouro Selic, a taxa de custódia não tem a cobrança se o investidor aplicar menos do que R$ 10 mil. Isso vale somente para pessoas físicas.

Então, como investir no Tesouro Direto pela Caixa?

Se você leu a matéria até o fim, com certeza, você sabe a resposta. De todo modo, considere que também trouxemos aqui um passo a passo bem simples e rápido para você se lembrar. A primeira coisa é ter uma conta bancária na Caixa. Depois, acessar o internet banking.

como investir no Tesouro Direto pela Caixa

Então, a partir disso, basta: escolher a opção de investimentos, ir em Tesouro Direto, preencher os dados solicitados, ler o Termo de Adesão, confirmar, ler o Contrato de Serviços e confirmar todos os dados. Isso tudo é para finalizar o cadastro, que pode durar 2 dias.

Em um próximo passo, o investidor recebe a confirmação no e-mail, com a senha provisória. Então, basta trocar a senha. A partir disso, basta ir em investimentos, no Tesouro Direto e em “comprar e vender”.

Para tirar dúvidas, a Caixa deixa um canal de atendimento direto para o investidor, que é o 3004-1105 ou o 0800-726-0505. E para ir direto ao ponto, saiba que basta digitar o número 5, que é para ir na área de investimentos.

Aliás, todas as informações acima foram tiradas do site da Caixa.