O CDI acompanha a Selic. Mas, por que o CDI é menor que a Selic? Descubra

Você sabe qual é a diferença entre CDI e Selic? Aliás, sabe o que o CDI e o que é a Selic? Bom, o que todo mundo ouve dizer, quando vai começar a investir, é que o CDI acompanha a Selic. Isso é verdade. No entanto, é um acompanhamento, mas as taxas são diferentes.

Então, o que a gente quer saber é por que o CDI é menor que a Selic. Bom, para entender todas as perguntas que fizemos acima, que podem ser dúvidas suas, a gente precisa entender mais das taxas. Inclusive, é isso que vamos fazer agora. Por partes. Devagar. Vamos lá.

O CDI e a Selic nos investimentos

Para começar, vamos recapitular o que falamos acima. Quando a gente vai escolher um ativo da renda fixa, geralmente, a gente procura saber sobre a taxa de rendimento. Assim, vemos que a maioria dos investimentos estão atrelados ao CDI.

Por exemplo, nós encontramos CDBs que pagam 100% do CDI ou a LCI que paga 90% do CDI. No entanto, a gente descobre que quando a Selic cai, a rentabilidade da renda fixa também cai. Portanto, fica claro que há uma relação direta entre as taxas.

O primeiro ponto é saber que tanto CDI como Selic servem como remuneração em empréstimos entre bancos. Assim, o grande objetivo disso é complementar o caixa dos bancos para encerrar o dia com o valor mínimo definido pelo Banco Central.

Em resumo, dá sim para concluir que o CDI acompanha a Selic. Então, vamos entender os motivos nos próximos tópicos.

O que é a Selic e o que é o CDI

A taxa Selic é muito comum em empréstimos feitos entre bancos. Assim, é como se fossem empréstimos de curto prazo, com garantia dos títulos do Tesouro Nacional. Logo, as operações são registradas no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). Daí, o nome.

Esse é o sistema que armazena as informações dos títulos públicos. Inclusive, a taxa também tem o nome de Selic Over e fica um pouco abaixo da Selic Meta. Já a Selic Meta é a taxa definida a cada 45 dias pelo Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central.

Portanto, temos na Selic uma taxa usada em toda política econômica do país, que tem o intuito de controlar a inflação. Como assim? Para isso, o Banco Central atua no mercado de títulos públicos, para que a Selic Over acompanhe a Selic Meta.

Por outro lado, vem o CDI, que é o Certificado de Depósito Interbancário. Ou seja, é aplicada quando os bancos emprestam dinheiro entre si. Assim, o registro se dá pelo Centro de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (Cetip).

As diferenças das taxas

Até aqui nós entendemos que a taxa CDI acompanha a Selic. Mas, também sabemos o que são essas taxas. Agora, a gente tem que saber qual é a diferença entre elas. Afinal, o CDI é sempre um pouco menor que a Selic, certo? Vamos ver os motivos disso.

De forma histórica, o CDI fica abaixo da Selic. O motivo principal está no fato de que há um risco de empréstimo com garantia de recursos dos bancos, que é como dos títulos públicos. Porém, são parecidos, mas não idênticos.

Ainda não entendeu, não é? Vamos ser práticos. Considere que a taxa Selic tem o risco do governo. Logo, ela é calculada com base nos financiamentos diários para os títulos públicos. Enquanto isso, o CDI tem o risco dos títulos privados, que são emitidos pelos bancos.

Agora ficou mais fácil, certo? Resumidamente, saiba que a Selic tem risco zero. Por isso, ela é a taxa básica de juros da economia. Assim, serve como base para os outros juros, como é o CDI. Isso explica a diferença das taxas, que sempre estão alinhadas, mas são diferentes.

Curiosamente, essa diferença residual fica em 0,2% na maioria das vezes.

Quando o rendimento do investimento fica abaixo das taxas

Se você entendeu tudo até aqui, ótimo. No entanto, considere que tem vezes que o seu investimento pode ficar abaixo da taxa que foi contratada. Vamos usar um exemplo de um CDB de 5 anos que pagará 150% do CDI.

Logo, para que o rendimento fique abaixo ou acima do rendimento, você tem que avaliar outros itens e detalhes. Por exemplo, se você resgatar o título antes de 5 anos, com certeza, vai receber menos do que o combinado.

Do mesmo modo, tem que saber sobre as condições do resgate, o perfil de risco do emissor e até mesmo a demanda do mercado. Por exemplo, nesses últimos meses muita gente sofreu ao ver que os títulos do Tesouro Selic ficaram negativos.

A gente até fez um artigo para explicar isso, que recebe o nome de “marcação a mercado”. Então, você pode ler a matéria aqui ou também pode ver o vídeo abaixo, que tem explicação do especialista Gustavo Cerbasi, que fala do mesmo assunto.

Qual é o melhor investimento?

A partir disso, sabendo que o CDI acompanha a Selic, mas não tem a mesma taxa, será que tem uma resposta para a pergunta sobre qual é o melhor investimento? A gente pode concluir algumas coisas a partir disso.

Por exemplo, na hora de aplicar na renda fixa, o ideal é que o investimento sempre tenha rentabilidade acima das taxas, Selic e CDI. Outra coisa é saber que analisar esse rendimento é legal porque geralmente esses ativos não possuem riscos de aplicação.

O motivo é que os títulos públicos têm a garantia do governo e os bancários possuem a garantia do FGC, Fundo Garantidor de Crédito.

CDI acompanha a Selic

Outro detalhe é se atentar ao movimento da Selic. Por exemplo, se a indicação for de queda da Selic, então, uma boa ideia pode ser pensar em aplicações prefixadas. Enquanto isso, se for movimento de alta, então, as pós-fixadas podem ser mais indicadas para o momento.