CDB ou Tesouro Direto? Aprenda a escolher o melhor investimento financeiro

Investir em CDB ou Tesouro Direto ou quem sabe no LCI… Neste artigo vamos mostrar absolutamente tudo que você precisa levar em consideração antes de decidir qual investimento financeiro escolher.

Se você está lendo este texto deve saber que a caderneta de poupança é uma péssima forma de guardar e multiplicar dinheiro, não é?

Felizmente esta verdade está sendo muito divulgada nos últimos anos.

O problema é que saber que a poupança é ruim é mais fácil do que saber exatamente onde investir o seu precioso dinheiro.

Portanto, esse artigo é muito importante para você que vai sair da poupança em busca de rentabilidades melhores.

Todas as pessoas que querem obter sucesso financeiro devem montar uma carteira diversificada de investimentos que contenham um conjunto bem pensado de ativos.

E essa carteira, obviamente, deve incluir os ativos de renda fixa.

Mas é aí que entra o problema: o mercado de renda fixa possui uma enorme variedade de ativos.

Assim, escolher o melhor para investir nem sempre é uma tarefa fácil.

Se você busca mais segurança para tomar essa decisão importante, então, leia agora!

Esse conteúdo nada mais é do quem um guia, bem prático, com 5 passos para você conseguir definir onde vai estar seu dinheiro nos próximos meses:

– CDB ou Tesouro Direto ou Letras de Crédito?

E antes de explicar o processo, vamos falar rapidamente sobre alguns dos principais ativos da renda fixa que você como investidor precisa saber.

Ativo 1: os títulos públicos

Qualquer pessoa que gasta mais do que ganha em algum momento recorre ao empréstimo contraído uma dívida.

Sobre a dívida contraída há uma incidência de juros, que remuneram o banco que consegue dinheiro com governo.

Se o governo gasta mais do que arrecada ele precisa contrair uma dívida para sanar a esse descompasso receitas e despesas.

Só que em vez de recorrer em bancos, o governo emite títulos que prometem pagamento de juros para as pessoas interessadas em emprestar o seu dinheiro.

Ou seja, estamos falando dos investidores dos títulos públicos.

Os títulos públicos são os ativos mais seguros do Brasil.

Portanto, trata-se de uma opção totalmente conservadora, ideal para quem não quer risco.

Não existe nenhuma alternativa de investimento aqui no Brasil que seja menos arriscada do que o investimento nos títulos públicos, do que o Tesouro Nacional.

CDB ou Tesouro Direto? Se você quer apenas segurança, então, Tesouro Direto!

Isso porque o próprio governo é que é o emissor do título – e, logicamente, é ele quem manda no país também.

A segurança do tesouro

Em períodos de crise, o governo procura melhorar o seu resultado seja cortando despesas, seja aumentando receitas, através do aumento de impostos, de alguma forma.

Além disso, apenas o Banco Central brasileiro tem o poder de imprimir mais moeda para pagar suas contas.

E, em última análise, seria esse caminho que ele ia tomar em caso de problemas financeiros.

Isso porque o funcionamento de todo o sistema financeiro nacional depende de um governo que cumpra os seus compromissos.

Se o governo desse algum calote nos títulos públicos, muitos bancos quebrariam também.

E isso faria com que muitas empresas quebrassem também.

Formando um ciclo.

E, no fim, isso faria com que o desemprego subisse ainda mais, gerando toda uma reação em cadeia trágica, triste, obscura.

Isso seria porque todo o sistema financeiro nacional está lastreado em títulos públicos.

Sabe aquele fundo de renda fixa do banco?

Então, boa parte da carteira dele está investido em títulos públicos.

Bom, os títulos públicos são seguros e não há contestação nesse caso.

Ativo 2: os CDBs (Certificados de Depósitos Bancários)

O CDB é tipo um título público só que é emitido pelos bancos.

O risco de tomar calote seria teoricamente muito superior aos títulos públicos, entretanto existe um mecanismo chamado Fundo Garantidor de Crédito ou FGC.

Ele garante o ressarcimento dos investidores em até 250 mil reais, caso a instituição financeira que você investe quebre.

O FGC possui bala na agulha o suficiente para cobrir um belo quebra-quebra de bancos brasileiros dessa forma os CDBs acaba sendo também de baixo risco.

Assim sendo, entre CDB ou Tesouro Direto, a segurança de ambos é fortemente aconselháveis, especialmente para os investidores mais novatos.

Ativo 3: as LCs (Letras de Câmbio)

Apesar do nome, as letras de câmbio s não tem nada a ver com o câmbio de moedas.

Vamos ser bem sucintos aqui.

A LCs são iguais aos CDBs só que em vez de emitidas pelos bancos são emitidos pelas financeiras.

As financeiras são sociedades de crédito, de investimento, de financiamento.

E, assim como os CDBs, elas são garantidas pelo fundo garantidor de crédito.

Ativo 4: LCI (Letra de Crédito Imobiliário) ou LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)

Esses são investimentos bem semelhantes aos CDBs, com a grande diferença de que eles são isentos de imposto de renda (IR).

Os emissores de LCI e LCA também tem a obrigatoriedade de lastrear o valor captado em operações de crédito imobiliário para LCI, isso em operações de crédito do agronegócio para LCA.

Bom, passado essas explicações básicas vamos ao passo a passo para que você decida em qual ativo investir.

5 passos para escolher entre CDB ou Tesouro Direto ou outros

Esse é um passo a passo breve, mas importante, leia agora!

Passo 1: defina o prazo do investimento

Defina o prazo de investimento: curto, médio ou longo.

Para isso é bom que você faça as seguintes perguntas:

  • Eu preciso ter liquidez diária para o valor investido?
  • Posso ficar sem tocar nesse dinheiro durante um ou dois anos?

Lembrando que a liquidez diária é a possibilidade de resgatar o valor quando você quiser, no dia em que quiser, na hora em que quiser.

Essas duas perguntas são importantes para você entender se deve avaliar título sem liquidez diária para o investimento.

Os títulos que não possuem uma liquidez diária costuma oferecer uma rentabilidade bem maior para o investidor.

Por outro lado, você nunca deve sacar os recursos antes.

Passo 2: defina o valor do investimento

Depois de saber bem claro qual o seu prazo de investimento, você precisa saber o quanto você precisa investir.

O quanto que você vai investir é importante por dois motivos:

  • Existe ofertas de CBD, LCIs e LCAs que requerem o investimento mínimo,
  • O limite do FGC é de 250 mil reais.

Isso é importante porque alguns investimentos mínimos parte de 5 ou 50 mil reais.

E também porque se você pretende investir uma quantia maior do que 200 mil seria mais interessante você dividir o investimento em mais um título privado.

Afinal, lembre-se que isso inclui o valor aplicado mais os juros dos investimentos.

Passo 3: defina a frequência de investimento

  • Você pretende realizar aportes regulares esse investimento?
  • Se sim, de quantos reais por mês?

Se você pretende investir regularmente com aportes mais frequentes menores talvez seja mais interessante você optar por títulos públicos do tesouro direto.

Porque o tesouro direto possui uma liquidez diária em investimento mínimo muito baixo, que pode ser até 30 reais.

Logo, você vai conseguir entender que apesar de ambos serem conservadores, existem muitas diferenças na hora de escolher entre um CDB ou Tesouro Direto.

Passo 4: compare a rentabilidade líquida de IR

Pense nos 3 primeiros passos como se eles fossem um funil.

Na real, há exatamente essa ordem a ser seguida.

E isso porque dependendo das suas respostas você já deve optar diretamente pelo investimento em títulos públicos (tesouro direto) ou pelas outras rendas fixas.

Por exemplo, se você percebeu que o seu prazo de investimento é curto, então, deve optar pelo tesouro direto (Tesouro Selic) porque terá sempre liquidez diária.

Se você percebeu que o valor de investimentos é inferior a 5 mil reais, também deve optar pelo tesouro direto, que permite investimentos menores.

Se você percebeu que investir uma quantia de forma recorrente, muitas vezes inferior a 5 mil reais por mês, também é preferível que você invista no tesouro direto.

Agora, se você passou pelos três primeiros passos e ainda não eliminou a possibilidade do investimento.

Está na hora de comparar a rentabilidade dos títulos líquidos de imposto de renda.

Passo 5: escolha o ativo com a melhor relação prazo x rentabilidade

Depois que decidir o prazo de investimento, o valor a investir, a recorrência dos aportes e diferentes rentabilidades dos ativos analisados, você está pronto para realizar o investimento!

É claro que ao final deste artigo não vamos ter uma resposta íntegra e única.

Você pode optar pelo CDB ou Tesouro Direto e estar certo disso.

Tudo vai depender do seu perfil para investir, da sua necessidade atual, etc.

O importante é sempre estudar e comprar os ativos para saber qual é o melhor para você.

Não vai existir o melhor investimento financeiro do mundo, mas vai existir o melhor investimento financeiro para você.

Agora, se você ficou com alguma dúvida sobre os títulos públicos, vamos ter mais algumas explicações sobre ele, confira baixo.

CDB ou Tesouro Direto

Os títulos públicos – como funcionam

O mercado financeiro como um todo parece ser muito complicado, afinal, é cheio de siglas que para o público leigo parece ser muito complexo.

Título público 1: a LFT ou Tesouro Selic

LFT significa Letra Financeira Tesouro Selic.

Esse é um título com rentabilidade pós-fixada e atrelada à taxa Selic.

Um título com rentabilidade pós-fixada possui a sua rentabilidade atrelada a um indicador financeiro.

O nome pós-fixado é porque as pessoas vão saber ter em mente a rentabilidade desse indicador financeiro.

A taxa Selic é a taxa básica de juros da economia e ela é determinada pelo pessoal do Banco Central na reunião do Comitê de Política Monetária ou COPOM.

A grande vantagem do título pós fixado é que todo dia ele vai virar um retorno.

E é por isso que que LFT ou tesouro Selic é um bom título para manter seu dinheiro de curto prazo.

  • Sabe aquele dinheiro para lidar com as despesas futuras imprevisíveis?
  • Coisa que você já sabe que irá gastar no futuro?
  • Ou até mesmo reserva de emergência?

Esse é o único título público que possui essas características certas para você investir esse dinheiro.

Título 2: LTN ou tesouro prefixado

É um título pré-fixado e por ser pré-fixado você sabe previamente quando lhe renderá ao longo do tempo.

Quando você compra online você sabe exatamente qual será a taxa de juros que você receberá ao longo do período de investimentos.

Claro que desde que você mantenha seu investimento até o vencimento.

Isso porque essa taxa de juros prefixada varia com tempo.

Tem muitos investidores querendo comprar esse título sem saber que o preço do título aumenta e a taxa de juros de retorno cai.

O que pode acontecer.

Se existem muitos investidores querendo vender este título o preço do título cai e a taxa de juros aumenta, você precisa entender que essa é uma relação inversamente proporcional.

Uma relação entre a taxa e o preço desse título.

E é por conta dessa volatilidade de preço, que a recomendação é que você só invista em LTN, se você mantiver o seu investimento até a data de vencimento do título.

Caso o contrário, você corre o risco de obter perdas financeiras.

Título 3: NTN-F ou Tesouro prefixado com juros semestrais

A NTN-F apesar de seu nome ser diferente é tipo um LTN.

A maior diferença é que esses juros anuais são distribuídos para o investidor duas vezes ao ano.

Por isso que no Tesouro Direto o nome desse título é tesouro pré-fixado com juros semestrais.

Esse título é mais indicado para quem quer ter uma previsibilidade de fluxo de caixa.

No mais, as características deles são iguais a LTN.

Título 4: NTN B ou Tesouro IPCA mais com juros semestrais

A NTN B é um título híbrido.

E são híbridos porque elas têm características tanto de títulos prefixados quanto títulos pós-fixados.

Isso porque ela garante ao investidor o retorno da inflação mais uma taxa de juros acima da inflação, ou seja, a parte atrelada à inflação é pós-fixada.

Afinal, você só saberá a variação da inflação futura, no futuro.

E a parte dos juros acima da inflação é prefixada porque você pré-fixa ela na hora de fazer os investimentos.

Essa taxa acima da inflação é distribuída ao investidor duas vezes por ano semestralmente e esse valor é chamado no jargão do mercado financeiro de cupom.

Por isso que no tesouro direto, esse título é chamado de Tesouro IPCA mais com juros semestrais.

Ou seja, só invista nele no caso você pretenda manter o investimento até o vencimento.

Título 5: NTN- B principal ou Tesouro IPCA +

Esse título é igual o Título 4, com a diferença de que não há pagamento semestral de  cupons.

Ou seja, a taxa que você fixar acima da inflação não será distribuída para você.

Ela será acumulada no preço do título, como se fosse um reinvestimento e você recebe todo o acumulado no seu vencimento.

Tributação dos títulos públicos

Agora, vamos entender como eles são tributados.

Existe é basicamente uma tabela de imposto de renda devido que varia conforme o prazo da aplicação.

Essa tabela é chamada de regressiva porque quanto mais tempo passa menor a incidência do imposto.

É importante ressaltar que sempre que você for comparar os rendimentos entre os títulos públicos e outro de renda fixa que não tenham incidência de imposto de você precisa considerar o retorno líquido.

O retorno líquido é o retorno descontado do imposto devido.

E como saber com qual imposto líquido?

Basta apurar um lucro da operação seria o valor que seria resgatado menos o valor investido e multiplicar esse lucro por um menos a alíquota de imposto.

Orientações para quem vai investir pela 1ª vez no tesouro

Para algumas pessoas que queiram investir em títulos públicos, a história diz que provavelmente elas já têm um histórico de investimentos em fundos de clientes privados.

De maneira geral, esses bancos já investem em títulos públicos, só que o investidor nem sempre sabe disso!

Porque, veja bem, se você investe em um fundo de renda fixa, você está transferindo o seu dinheiro para um gestor de investimentos que aloca o seu dinheiro em uma carteira de títulos públicos – logo, do tesouro nacional.

Para isso, há uma cobrança de uma taxa de administração para colocar em prática uma estratégia que é descrita lá no prospecto deste fundo.

Então, existem várias formas de investir em títulos do tesouro nacional e a renda fixa é uma delas, ainda que seja de forma indireta.

Outra forma, muito mais direta, é entrar no site do tesouro nacional e cadastrar o seu conta, que tem que ser agenciada por uma corretora de valores.

Assim, é possível fazer a compra de forma direta.

E convenhamos: essa é uma forma inteligente porque você acaba fugindo das altas de administração dos bancos.

Só que tem um porém: você precisa conhecer o mercado financeiro para conseguir boas rentabilidades.

Isto porque os fundos de investimentos cobram taxa de administração para colocar o seu dinheiro em uma carteira em títulos públicos.

Atenção…

Quando você investe através da corretora, você não foge completamente de um custo porque existe a taxa de corretagem e custódia.

Algumas corretoras não cobram taxa de corretagem, mas tem a taxa de custódia da BM&FBOVESPA do mesmo jeito.

E essa taxa de custódia é fixa a partir da entrada no investimento dos títulos do tesouro nacional:

– 0,4% no primeiro ano e esse você vai pagar se ficar durante 15 dias ou durante 360 dias.

É importante entender que as vezes, quando você tem acesso a um fundo de renda fixa com taxa reduzida de 0,5% ao ano…

Por exemplo…

Pode ser que você esteja colocando o seu dinheiro em uma opção mais rentável do que investir diretamente em títulos públicos.

Resta a você fazer as contas…

Cabe você avaliar qual o custo que você vai ter de deixar esse investimento no fundo, qual vai ser o custo de manter em títulos públicos diretos, mas de certa forma hoje, emprestar o dinheiro ao governo é algo muito simples.

Quem tinha dinheiro na caderneta de poupança e nunca fez isso, quer começar?

Vai ter que vencer a barreira do conhecimento, da primeira informação, de preencher a ficha cadastral, talvez dedicar uma ou duas horas no primeiro movimento de investimento!

Mas, fez isso uma vez, todas as demais aplicações serão muito mais simples, provavelmente, através de app do tesouro ou da corretora no seu smartphone.

O dinheiro está na conta, transferiu para a corretora, aplique quantos reais?

A partir de 30 ou 40 reais você consegue comprar uma fração de títulos públicos.

É simples, é acessível, recurso pequeno, o dinheiro fica disponível na sua mão quando você precisa.

Resgatou nesse momento até as 6 horas da tarde você tem na sua conta!

Ou seja, liquidez imediata. Não há empecilhos, não há entraves para você deixar de investir em títulos públicos.

Consideração final sobre Investir dinheiro no tesouro direto

Está mais do que provado que viver de renda no tesouro direto é possível.

E logo mais vamos falar sobre viver de renda com os aluguéis dos imóveis.

Mas, para o momento, vamos considerar a vantagem desse título público na atualidade.

No cenário atual, o rendimento de um investimento em Tesouro IPCA+2024 será superior ao de uma LCI ou LCA (Letra de Crédito Imobiliário e do Agronegócio) que paguem 90% do CDI.

Isso mesmo com o recuo da inflação no ano, já que o rendimento do Tesouro Direto é em parte composto pelo resultado do IPCA (antigas NTN-B)…

Que devem, portanto, continuar atraentes em relação aos seus concorrentes financeiros.

Espera-se que até o fim do ano, o IPCA esteja em 3,46%, conforme economistas consultados pelo Banco Central.

Assim, conforme o prazo do título e da perspectiva de melhora da economia, o rendimento pode superar as LCA e LCI, que são as queridinhas do mercado.

Já que tem a isenção do Imposto de Renda e são garantidas pelo FGC em um limite de até 250 mil reais.

O atual cenário

O professor de finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA), Alexandre Cabral, mostrou que, como o atual cenário, o rendimento pode ser maior.

Isso porque o IR pode ser de 17,5% sobre o rendimento se manter um bom prazo de aplicação.

Mas, se você quer viver de juros por um bom tempo, também terá que investir em um bom prazo.

Na simulação do especialista, em um investimento de 10 mil reais o ganho líquido – já descontando o IR – seria de 784,17 para o Tesouro IPCA com vencimento em 2024.

Ou de 767,21 para LCI ou LCA de 90% do CDI, após 1 ano de aplicação.

Para um CDB (Certificado de Depósito Bancário) que pague até 100% do CDI, o ganho líquido seria de 706,20 reais no mesmo prazo.

Sendo que a maior parte das LCs estão atreladas ao CDI, esse indexador acompanha a taxa de juros, sendo o que o rendimento deve ser menor à medida que a Selic cair.

Com informações do Youtube