Quanto Vou Receber de Juros na Renda Fixa?

Quanto Vou Receber de Juros na Renda Fixa?

Hoje temos um videozinho com muitas solicitações: “Trovó, eu quero saber quanto é que eu vou receber em dinheiro se eu colocar 5 mil reais na Renda Fixa”?

E é sobre isso que a gente vai falar hoje, ok?

Por sinal, você já sabe como escolher a melhor Renda Fixa?

As pessoas querem saber o passo a passo para saber exatamente qual é o valor líquido que vão receber de juros ao ano!

A primeira coisa que vocês tem que fazer, pessoal, é separar esses 7 itens aqui!

Se, ao final do texto, você achar que ficou confuso volta e vai anotando o passo a passo!

Hoje você vai sair daqui sem dúvida!

Veja Como Investir Dinheiro e Ficar Rico em 2017.

No exemplo de hoje a gente vai considerar um CDB, tá?

O CDB é uma renda fixa!

É quando você empresta dinheiro para o banco em troca de juros!

Conheça também outros tipos de Rendas Fixas, como o LCI e o LCA.

1 – O CDB está atrelado à uma taxa! Geralmente, o CDI e ele está em 14.13!

2 – Tempo de investimento: vamos considerar aqui um ano!

3 – Imposto de Renda: a regra é a seguinte, quanto mais tempo você deixa investido, menos imposto de renda você paga!

Abaixo de 6 meses, você vai pagar 22.5%!

Entre 6 meses e um ano, que é o nosso caso aqui, é 17.5%!

Então 17.5%.

Vai para o governo, o valor a ser investido!

4 – Vamos considerar, neste exemplo, 5 mil reais!

“Trovó, o é esse k”?

O k é o símbolo que a gente usa pra investimentos! Ele equivale a mil!

5k é igual a 5 mil!

5 – Rentabilidade da renda fixa: nesse exemplo, que como eu falei é um CDB e está atrelado a taxa do CDI, nós vamos pegar hoje 112%!

Um belo CDB!

6 – O lucro anual: que é isso que vocês querem saber se investirem 5 mil!

Neste CDB, ao final de um ano, quanto que eu vou receber de dinheiro, produção?

7 – 650 reais! Pronto!

Olha como é fácil!

“Trovó, é exatamente isso que eu quero saber: como é que você chegou nesse 650 reais”?

Vamos ao passo a passo, então!

Lembram do que eu falei pra vocês primeiro?

Vou explicar os 7 itens!

Coloquem os 7 itens bem detalhados no papel de vocês!

Ou no excel, tá?

Saiba como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal usando 10 Envelopes.

Como fazer essa conta para chegar a esses 652 reais?

Vou pegar o valor do item 1, que é o valor do CDI e que estava 14.13!

Vezes o item 5, que é o valor da rentabilidade do CDB!

Então, eu vou pegar o 14.13 vezes 112%… Isso dá quanto produção?

15.82%!

Era isso que eu ia ganhar no ano!

Mas, o problema é o nosso governo vai cobrar imposto!

Você vai pegar os 15.82 e subtrair por 17.5!

Se for ficar um ano investido, quanto que sobra produção?

13.05! É isso que meu capital cresce no ano 13.05 líquido!

Que equivale aos 652 reais!

“Trovó, mas tem a inflação… Tem que descontar a inflação?”.

Perfeito!

Vamos pegar esses 13.05 menos 7.34 da inflação!

Quanto que eu cresci de patrimônio, produção?

5.71!

Eu paguei imposto de renda tive a inflação e mesmo assim meu capital cresceu 5.71!

É muita coisa, tá?

Aqui, então, o passo a passo de como chegar!

Todo mundo me pergunta: “Trovó, eu vou investir 5 mil reais quanto que eu ganho no ano”?

Nesse exemplo aqui, 652 reais!

Agora, veja 7 Passos para Viver de Juros.

7 Passos para Viver de Juros

7 Passos para Viver de Juros

 

Hoje vou compartilhar com vocês uma coisa super importante.

Uma coisa que eu gosto de fazer…

Aliás, está na moda caçar Pokémon, não é?

Mas… E caçar juros? Já Tentou caçar juros? Não?

É muito mais gratificante!

E isso eu posso falar por experiência própria: viver de juros é muito gostoso.

Fazer o dinheiro trabalhar para você – e não o inverso!

Então, hoje eu vou falar para vocês quais são os 7 passos para você começar a viver de juros:

1 – Controle Financeiro

Tem um vídeo aqui no canal que eu explico como fazer o controle financeiro usando a regra do envelope, tá? Planejamento Financeiro Pessoal Simples e Eficaz Usando apenas 10 Envelopes.

Para que serve o controle financeiro, se você não sabe o quanto você ganha e não sabe o quanto você gasta?

Você nunca vai conseguir fazer sobrar dinheiro para investir e começar a receber juros!

Então, o primeiro passo é o Controle Financeiro.

2 – Poupar 10% do seu salário

Essa é a sobra que você vai começar a investir.

Se não sobra dinheiro, você não investe. Se você não investe, você não recebe juros. Se você não recebe juros está caminhando para onde mesmo? Ó, para a pobreza.

Aprenda a Poupar 10% do seu Salário! 

“Mas, eu tenho dinheiro ainda, Trovó”.

Mas você ainda não recebe juros, por isso, você está caminhando para a pobreza.

Saiba Como Funciona a Pobreza! 

Então, é o seguinte:

Uma vez que você economizou 10% do seu salário, a regra é: 90% do que poupou você deve colocar em uma Renda Fixa para começar a receber juros, os outros 10% vai para a Renda Variável.

E o item 3 e o 4 – Vocês nunca devem colocar todo capital na Renda Variável

Isso é amadorismo!

Um profissional tem que proteger seu patrimônio.

Esse conceito de 90% na Renda Fixa e 10% na Renda Variável é chamado de conceito de Risco Zero porque o lucro que vem dos 90% da Renda Fixa é suficiente para cobrir todo o prejuízo dos 10% da Renda Variável, caso você venha a falir esse patrimônio aqui ó.

Se você falir 10% que estão na bolsa, a única coisa que você vai perder é tempo.

Mas se você tiver dinheiro guardado na poupança e o seu banco falir… Bem, aí a história é diferente. Saiba o porquê.

Não vai perder dinheiro não, vai perder tempo.

Ano que vem você começa dessa forma.

Como Investir Dinheiro para Ficar Rico em 2017 em 6 passos.

Seu capital vai crescer de forma saudável, sem se expor.

5 – Dedicar pelo menos 2 horas por dia ou à noite

“Ah, Trovó, eu trabalhei o dia inteiro, chego em casa cansado, quero assistir novela..”.

Novela é gostoso né, mas 2 horinhas por dia para dedicar aos investimentos é super importante.

E não precisa mais do que isso.

Tem que ficar o dia todo acompanhando investimento? Não, não, não, não!

Só 2 horas é o suficiente.

Enquanto sua esposa está assistindo à novela ou seu marido está jogando futebol, você pode estar acompanhando seu investimento.

Entenda o que é o Mercado Financeiro.

6 – Ter um planejamento de investimento

Uma vez que você sabe qual é o capital que você tem para investir, vindo da sobra dos 10%, você pode estar perguntando:

“O que vou fazer com esse dinheiro, Trovó? Quanto dinheiro eu tenho? Para onde vai?”.

No link abaixo eu explico que, dependendo do capital que você tem, existe uma boa Renda Fixa para você pode investir, tá?

Escolhendo a Melhor Renda Fixa! 

É a mesma coisa na Renda Variável!

Vamos esclarecer uma coisa muito importante: Capital Baixo!

O que é capital baixo?

São destinados para os investimentos abaixo de 5 mil reais.

Eu também acho que 5 mil reais é muito dinheiro, mas para efeito de investimento, é considerado de capital baixo… Não me culpem, tá?

  • Abaixo dos 5 mil reais, a gente vai investir nos turbinadores de lucro.
  • Entre 5 e 30 mil reais, o nosso foco vai ser mini índice de mercado nacional.
  • E acima de 30 mil reais, aí sim, a gente começa a investir em ações.

Então, se o seu capital é baixo, você não deve investir em ações…

Por quê?

Por que as taxas cobradas pelas corretoras são muito altas para quem tem capital baixo e aí seu lucro vai para o ralo.

Aprenda a Comprar Ações na Bolsa de Valores em 3 Passos

7 – Conseguir que seu capital cresça, pelo menos, 20% ao ano

E não 20% ao mês ou ao dia.

É uma meta bem profissional.

Aí, em 4 anos, com os juros compostos, você dobra o seu capital.

Curta esse vídeo e se inscreva no nosso curso gratuito de como Investir com Risco Zero, tá?

Workshop 100% Online e Gratuito: Risco Zero nos Investimentos

Esse curso é gratuito mesmo, só clicar e cadastrar seu e-mail.

Tem muita dica legal e eu tenho certeza de que se você gostou desse vídeo, você vai gostar desse curso também.

Compartilhem conhecimento que é super importante.

Um abraço, até o próximo vídeo.

Tchau.

3 Motivos Para Não Investir na Poupança

3 Motivos Para Não Investir na Poupança

 

Olá pessoal, aqui é o Trovó e hoje a gente vai falar sobre 3 motivos pelos quais você não deve investir na poupança.

Investir na poupança é o que muitos brasileiros fazem. Aliás, você sabe Quantos Brasileiros Têm Dinheiro na Poupança? Descubra aqui.

Visto isso, hoje a gente vai entender o porquê investir na poupança é um erro!

1 – A rentabilidade da poupança perde para a inflação!

Para entender esse tópico, vamos, primeiramente, definir o que é a Taxa Selic: é a menor taxa de juros que existe.

Geralmente, é o valor que um banco cobra de outro. O empréstimo entre bancos costuma ser chamado de Taxa Selic, ok?

Detalhe: a Taxa Selic refere-se apenas ao empréstimo entre bancos. O empréstimo que você faz é outro. Você paga os juros propriamente dito e não a Taxa Selic. Então, não confunda porque o valor de juros que você paga é muito maior!

Eu pesquisei agora pouco e vi que hoje em dia a Taxa Selic está na média de 13,5%.

O que isso tem a ver com a poupança?

É que a partir de 2012 uma nova regra da poupança entrou em vigor e o resultado é o seguinte: quando a Taxa Selic estiver acima de 8,5%, a poupança vai pagar apenas 6,5% ao ano mais uma TR (pequena taxa).

Agora, você precisa de outro dado, que eu também acabei de consultar: a média da inflação em agosto desse ano estava em 8,84%.

Sabe o que significa isso?

Você vai perder, em média, 2% ao ano de patrimônio!

Você está descapitalizando!

Com a Taxa Selic em 13,5%, a poupança em 6,5% e a inflação em 8,8%… Você está perdendo dinheiro, definitivamente!

Em poucas palavras, você não está caminhando para a riqueza, e sim para a pobreza!

Saiba como funciona a pobreza

2 – A poupança tem a mesma garantia da Renda Fixa!

“Ah Trovó, a poupança é segura. Já me falaram que é tranquilo e seguro”.

Então, eu lhes digo: desde que seu banco não quebre, não é?

Em 2008, nos Estados Unidos, um banco gigantesco – 3 vezes maior que o Bradesco – chamado Lehman Brothers, quebrou!

Então, pense bem: se um banco gigantesco como esse pode quebrar em pleno Estado Americano, os nossos bancos também podem, obviamente!

Mas e se o meu banco falir?

Para você saber a resposta da pergunta acima, basta clicar no link. Mas, vou te adiantar aqui que: existe o famoso seguro, que é chamado de Fundo Garantidor de Crédito.

Ele te dá uma garantia de até 250 mil reais, para cada CPF (Cadastro de Pessoa Física) e por cada instituição financeira.

Você está protegido na poupança?

Da mesma forma que está na Renda Fixa!

Veja quais são os tipos de Rendas Fixas

A diferença é que na Renda Fixa você vai receber praticamente o dobro de juros do que você receberia na poupança!

E com a mesma garantia!

Como investir meu dinheiro?

Vale a reflexão: se a poupança e a renda fixa têm a mesma garantia, ambos com o Fundo Garantidor de Crédito, e os juros que você recebe na Renda Fixa são maiores do que na poupança, por que você vai continuar deixando o seu dinheiro na poupança?

3 – Na poupança você não recebe juros!

Recapitulando: qual é o caminho para riqueza?

Vocês se lembram do primeiro vídeo sobre pobreza e riqueza?

Riqueza:

1 – Você ganha mais do que você gasta.

2 – Sobra dinheiro.

3 – Você investe essa sobra em uma Renda Fixa.

4 – Você recebe juros!

Aprenda a poupar 10% do seu salário!

Nessa linha, você está caminhando para a riqueza.

E a pobreza?

1 – O dinheiro que você ganha é menor do que o que você gasta!

2 – Falta dinheiro.

3 – Para cobrir a falta dinheiro, você faz um empréstimo com o banco.

4 – Com o empréstimo, você paga juros!

Entendeu?

Então, Fuja dos Empréstimos dos Bancos!

Conclusão: o caminho para riqueza é receber juros e o caminho para a pobreza é pagar juros!

Quando você está na poupança, você não vai receber juros e, por isso, você vai perder poder aquisitivo!

Na poupança, você não vai aumentar seu patrimônio.

Poupança? Tô fora.

Então, a partir de agora, saiba que a Renda Fixa tem a mesma segurança da poupança!

A gente tem um grupo no WhattsApp na descrição do vídeo, para quem quiser participar do grupo de Renda Fixa.

É gratuito! É só se cadastrar, tá?

Se você gostou desse vídeo e quer aprender um pouquinho mais sobre investimento, e cadastre seu e-mail no curso gratuito “Como Investir Com Risco Zero”.

Um abraço!

Tchau

Fuja dos Empréstimos dos Bancos

Fuja dos Empréstimos dos Bancos

 

Quando você faz um empréstimo, você paga juros. Quanto mais juros você paga, mais você fica pobre e mais o seu banco enriquece. O resultado disso é que os 3 maiores bancos lucraram mais de 100 bilhões de reais no último ano. Entenda essa história!

Tudo começou no vídeo passado, em que me perguntaram: “Trovó, o que quer dizer essa camiseta que você está usando”?

Quer dizer exatamente isso, que eu, Trovó, não curto pagar juros!

E por que eu estou falando isso?

Porque essa semana a revista Exame – do setor de Negócios, Economia, Tecnologia e Carreira – publicou uma matéria que nossa… me deixou com dor no coração!

Sabe qual foi o lucro dos 3 maiores bancos privados do Brasil – Bradesco, Itaú e Santander – no último ano?

Chuta!

Fala pra mim, quanto?

Quase 100 bilhões de reais!

Sabe por que eles tiveram esse lucro?  Porque os endividados, que não tiveram Controle Financeiro, continuam fazendo empréstimos após empréstimos.

Planejamento Financeiro Pessoal Simples e Eficaz Usando 10 ENVELOPES

E o que acontece quando você paga juros? Você fica mais pobre e enriquece o banco.

E tudo tem a ver com o que eu já falei aqui, no vídeo anterior, sobre o pensamento das pessoas ricas. Um assunto muito importante!

O pior pensamento que existe é o pensamento pobre! Pensamento pobre é você viver em função do que os outros pensam.

Quando acontece isso, o seu gasto acaba sendo maior do que o seu ganho. E aí falta dinheiro no final do mês! E aí você tem que pagar juros! E a bola de neve vai aumentando.

O que quero dizer com pagar juros? Quer dizer que você vai pegar dinheiro emprestado dos bancos ou de outras instituições financeiras.

E quando você pega dinheiro emprestado dos bancos, quem você acha que está enriquecendo? Você tem 100 bilhões na sua conta? Não tem né?

Então, preste atenção!

Como Ficar Rico?

O segredo é, de todas as maneiras possíveis, evitar pegar empréstimo!

Sabendo disso, trago aqui outra informação importante: você sabe qual é o principal motivo do endividamento das pessoas, ou melhor, dizendo do fato de as pessoas fazerem um empréstimo financeiro?

É a ostentação!

Procure ter conforto, mas evite ostentar!

Isso é super importante: a maioria dos brasileiros que entram em dívidas ostentam demais, querem aparecer para as pessoas à sua volta!

Esse é um dos motivos que podem te levar à falência, conheça os outros: 3 Motivos que Podem Te Levar á Falência.

E, na verdade, não precisa disso!

Porque, quando você estiver em uma situação ruim, ninguém vai te ajudar!

É o seguinte: lembra-se da regra dos 70%, 20% e 10%?

70% de tudo que você ganha, você pode torrar!

De todo seu salário, você guarda 20% para o fundo de emergência!

E 10% você investe!

Aprenda como comprar ações na Bolsa BM&F Bovespa em 3 passos

Vamos simular que você ganhe 1 mil reais mensalmente. Desse valor, 700 reais são para gastos, 200 reais é para um fundo de emergência e 100 reais para o investimento.

“Ah, mas eu estou endividado”.

Então, você soma todas as suas dívidas em uma única conta e usa os 20% da emergência para quitar essa dívida. Lembre-se que se você ganhar 1 mil reais, deve usar apenas 200 para quitar as dívidas, então, procure um banco que aceite essa solicitação.

É assim que você deve caminhar porque mesmo ganhando pouco não significa que você seja pobre.

O grande detalhe é que se você gasta mais do que 70% de tudo que você ganha, você provavelmente vai gastar mais do que ganhar e vai faltar dinheiro no final do mês.

O resultado você já sabe né? Você vai pegar dinheiro emprestado do banco e vai pagar juros, podendo até entrar em dívida.

3 coisas que são dívidas e ninguém considera

Aí, saem essas matérias como citei acima, o que me deixa muito chateado.

Em resumo, esse não é o caminho!

Hoje são quase 60 milhões de brasileiros endividados, com uma média de dívida que gira em torno de 5 mil reais!

É muita gente devendo muita grana aos bancos!

E o Mercado Financeiro aí, cheio de oportunidades.

E se você acha que nunca vai sair dessa situação, não se preocupe!

Que tem vídeos aqui no nosso canal explicando o passo a passo, tá bom? Então, não se desespere!

Então, eu espero que a próxima reportagem seja a seguinte: “Milhões de brasileiros hoje estão investindo, parando de pagar juros e começando a receber juros”.

Será que é utopia? Vamos pagar para ver!

PARTICIPE do Workshop Online Gratuito – Risco Zero nos Investimentos: Clique aqui.

Até o próximo vídeo!

Como ficar Rico?

Como ficar Rico?

 

Essa semana saiu uma reportagem na Infomoney, uma das principais revistas sobre dinheiro do país, mostrando qual é a quantidade de dinheiro que você precisa ter para se tornar parte do 1% das pessoas mais ricas do mundo.

Sabe de quanto é esse valor?

Muito bem, pessoal, segundo a matéria, a quantia que você precisa ter para fazer parte do grupo seleto do 1% das pessoas mais ricas do mundo é o equivalente à 1,6 milhões de reais.

Os 10 Maiores Investidores do Mercado Financeiro.

Exatamente isso, se você tiver 1,6 milhões de reais na sua conta, você faz parte do 1% das pessoas mais ricas!

Não é muito dinheiro!

A questão é que seu cérebro não foi educado para ganhar dinheiro, resultante fiel da Educação Financeira NÃO ensinada na escola.

Aproveitando o gancho dessa matéria, vamos falar de outra pesquisa, tão importante quanto para você aprender como ficar milionário.

Há alguns anos, 2 pesquisadores de investimentos – William Dankos e Thomas Stelin – fizeram uma pesquisa que se alongou por mais de 2 décadas.

A pesquisa tinha o intuito de descobrir se as pessoas milionárias, ou seja, aquelas que têm mais de 1 milhão de dólares, tinham alguma coisa em comum.

O que vocês acham que eles descobriam?

  • Que os homens, para ficarem ricos, se casaram com mulheres ricas?
  • Que eles ganharam na loteria?
  • Que nasceram gêmeos?

Nada disso!

Os pesquisadores descobriram que as pessoas ricas tem uma única coisa em comum: a forma de pensar!

Eu separei duas dicas para vocês, com base nessa pesquisa.

Prestem atenção!

1 – As pessoas ricas não ostentam!

A pesquisa provou que as pessoa que possuem mais de 1 milhão de dólares não ostentavam. Elas não viviam em função do que os outros pensavam.

E olha que engraçado, esse tem sido o grande problema dos brasileiros: hoje temos quase 60 milhões de brasileiros endividados por causa disso.

Quando entrevistaram os brasileiros, os pesquisadores descobriram que a maioria estava endividada porque “precisava” aparentar para a sociedade a fama de bem sucedida.

Inclusive, sobre esse assunto, temos uma matéria que mostra essa farsa apresentadas pelos filmes. Leia: 3 Mentiras que os filmes contam sobre o Mercado Financeiro.

Essa fama de pessoa bem sucedida custa muito caro. E acaba gerando a compra excessiva: é daí que surgem as dívidas.

Quando você está endividado ninguém vai te ajudar, certo?

“Ah, Trovó, mas os playboys ostentam”.

Esse cara aí não é investidor! Ele é filho ou neto de alguém rico. Ele não se esforçou, ele recebeu, de graça! Geralmente, essa fortuna vem de uma herança! E tudo aquilo que vem fácil, vai fácil!

Então para de viver em função do que os outros pensam! Ponto.

2 – 98% das pessoas atingiram o primeiro milhão de dólares, começaram, praticamente, do zero.

Pessoal, as pessoas milionárias se esforçaram, caíram fora daquela rotina, daquele mundinho e não deram muita bola pro que os outros falavam!

Vocês precisam fazer como eles.

As pessoas vão querer te puxar de volta e você tem que ter um pouquinho de persistência para poder atingir o objetivo, que, por sinal, é diferente das pessoas que estão ao seu redor.

Outra coisa importante: eles também compartilham conhecimento com as pessoas.

Quem tem pensamentos milionários compartilham conhecimento!

Saiba tudo sobre o Mercado Financeiro.

Vamos ter atitude: compartilhar conhecimento é super importante.

Resumo da ópera

Então, a pesquisa diz o seguinte: o que faz a pessoa conseguir atingir o primeiro milhão de reais é não viver em função do que os outros pensam.

Sair da casinha, procurar coisas diferentes, confiar no talento, não ostentar, compartilhar conhecimento e acreditar no seu potencial… É isso que você precisa fazer, se quiser fazer parte do 1% das pessoas mais ricas do mundo e ter, por volta de, 1,5 milhões de reais!

E para isso, o primeiro passo é evitar despesas e poupar 10% do salário!

Compartilhar conhecimento e investimento, tá?

Invista 10% de tudo que você ganha em renda variável.

Aprenda a investir em ações em 3 passos.

Oras, não vá me dizer que você tem medo de investir…

Então, leia essa matéria e descubra de onde vem esse medo!

Um abraço.

Até o próximo vídeo, tchau!

Comprou um veículo? Saiba quais são os gastos

Comprou um veículo? Saiba quais são os gastos

 

Olá pessoal!

Outro dia eu gravei um vídeo sobre os 3 motivos para você pixar fora do financiamento de carro, lembra?

Nele eu cito um exemplo real: de um carro 2009 que vale 36 mil pela tabela FIP, mas que eu pago 49.720 mil reais quando pego ele através de um financiamento. Ah, sim, quando eu termino de quitar todas as parcelas, o carro passa a valer 21.200 mil reais devido à desvalorização.

No fim, com o financiamento, eu tenho uma perda financeira de quase 30 mil reais.

Bom, dá uma olhada lá no blog que você vai entender muito melhor essa história!

Inclusive, depois que esse vídeo foi publicado, eu recebi muitos e muitos e-mails, vocês não fazem ideia da quantidade.

E os principais comentários… Bem, os principais comentários não eram comentários, eram alguns chororôs, vejam:

– “Trovó, não dá para comprar um carro à vista”!

– “Trovó, a única opção que tenho é financiar um carro, se não, fico à pé”.

– “Trovó, está difícil a situação do país”.

Oras, e vocês acham que eu não sei. Mas vocês precisam admitir que financiar um carro em 60 vezes também não dá.

O Financiamento de Carro faz parte das 3 coisas que são dívidas e ninguém considera.

E por que não dá?

Porque esse é um dos comportamentos que vão te levar à falência, é o segundo comportamento que eu cito em um dos meus vídeos: PAGAR JUROS ABUSIVOS.

Veja todos os comportamentos que podem te levar à falência.

Então, é o seguinte, se você acha que não tem mesmo nenhuma opção a não ser financiar o seu tão querido bem de consumo, você tem que seguir uma dica de ouro.

Dica de ouro: qual o valor máximo do carro que você pode financiar?

Saiba que quem dá a resposta é o seu salário e não você.

Leia também: Controle Financeiro de Forma Simples e Eficaz.

Bom, e essa é a 1ª questão!

1 – Qual o valor do veículo que será financiado?

A regra é a seguinte: pegue o valor do seu salário mensal e multiplique por 6. O resultado é o valor máximo do carro que você poderá financiar.

Exemplo: um salário de 3,3 mil reais multiplicado por 6 vai dar um valor médio de 20  mil reais.

“Mas Trovó, quero um carro que custa 50 mil reais”.

Ok. Dê um jeito de melhorar o seu salário e aí você poderá comprar um carro de 50 mil reais.

Preste atenção! E pare de viver em função do que os outros pensam, já falamos sobre isso. Ostentar é jogar dinheiro fora!

Ganhar pouco não significa ser pobre, lembra disso não é?

Se você conseguir o equilíbrio com base nesses valores, você vai financiar o seu carro por pouco tempo e assim pagará menos juros.

2 – Gastos anuais com seu veículo

“Trovó, eu gasto mais ou menos uns 300 reais no mecânico. Pneu quase não precisa trocar mesmo”.

Não é assim que se faz um planejamento, você sabe né?

Aliás, as pessoas se endividam justamente por não contar com aquele gasto extra, o que gera um empréstimo. E pegou empréstimo, pagou juros. Pagou juros, caminhou para a pobreza.

Saiba como funciona a pobreza!

Vamos á regra do tópico 2!

Seu gasto anual com o carro é, em média, 12,5% o valor do automóvel.

Lembre-se que vai entrar IPVA, seguro e manutenção.

No exemplo acima, com uma pessoa que recebe salário de 3,3 mil reais e que tem um carro de 20 mil reais, os 12,5% dará, em média, 2,4 mil reais.

Seu gasto anual com o veículo será de 2,4 mil reais.

Então, pegue esse valor e já deixa reservado para não ter surpresas. Aliás, pode ser que esse gasto venha de uma só vez. E como você já sabe: fazer empréstimo não é um bom negócio.

3 – Depreciação

Esse é o mais importante!

Vamos relembrar o que é a depreciação: a cada ano que passa, o seu carro desvaloriza em média 10%.

Então, olha que interessante, se você comprar um carro que esteja em um valor muito acima dos 6 meses de salário e você não considerar os gastos anuais, você vai entrar em um ciclo vicioso de dívidas.

Nessa aula de hoje o importante é entender que não é preciso comprar um carro muito caro porque quanto maior é o valor do carro, maior será o gasto anual.

E prestem atenção nessa frase de Tony Robbins:

Na vida um monte de gente sabe o que fazer, mas poucos fazem, de fato, o que é preciso. Saber não é suficiente. Você precisa agir”.

Aqui no blog tem mais 9 frases célebres dele, leia.

Gostou? Agora, conheça os 5 Passos Simples que já Transformaram a Vida Financeira de 2.536 Pessoas Comuns em Tempo Recorde. http://trovo.academy/u/nlGaBKN0x_0

Um abraço

3 mentiras que os filmes contam sobre o mercado financeiro

3 mentiras que os filmes contam sobre o mercado financeiro

 

Olá pessoal, hoje vamos falar sobre um assunto que chega a ser engraçado: é sobre as mentiras que os filmes contam sobre o mercado financeiro.

Se você gosta de cinema, provavelmente já viu um filme chamado “O lobo de Wall Street”, estrelado por Leonardo Di Caprio.

E, depois de assistir, você deve ter pensado: “Investimento não é pra mim”.

Mas, pode ficar tranquilo, que nós vamos desmistificar algumas informações, ok?

Vamos começar pelas mentira mais tradicional:

Mentira 1: Vivemos em iates e em festas todos os dias.

Isso não faz o menor sentido.

Primeiro você precisa entender que as pessoas que investem dificilmente tem o hábito de ostentar. Porque pra elas, ostentar é sinônimo de viver em função do que os outros pensam. E ter essa vida em prol dos outros faz com que os seus gastos aumentem e você gaste mais do que ganha, caminhando para a mentalidade da pobreza.

De fato, quem vai querer ostentar com iates e festas são os filhos e sobrinhos dos investidores. E também os netos dele.

Eu estou nesse mercado há 13 anos e isso nunca me aconteceu. O que a gente faz é estar sempre com a família e com os amigos.

De segunda a sexta a gente trabalha, para chegar ao final de semana e dar aquela relaxada com a família. Mas, sem ostentar.

Conheço muita gente desse mercado que é, aliás, totalmente contra esse mau comportamento.

Saiba o que é o Mercado Financeiro?

Que fique claro: iates e festas só acontecem em Hollywood.

Mentira 2: Só investe quem tem muita grana.

No mesmo filme que citei logo no começo do vídeo, o personagem principal – vivido por Leonardo Di Caprio – está montado no dinheiro. A impressão que fica é que aquela realidade está muito distante da nossa realidade.

Mas, você sabe quanto precisa ter para começar a investir?  

Você precisa ter o que sobra no final do mês. É a subtração do quanto você ganhar menos o quanto você gasta, seja, 100, 50 ou 70 reais.

Seu cérebro não foi feito para ganhar dinheiro?

Você investe e começa a receber juros. Assim, aos poucos, seu investimento vai ficando cada vez mais denso.

A gente vai ter um vídeo falando sobre isso, mais pra frente.

Então, essa história que tem que ter muita grana e que tem que ser um milionário para poder começar a investir é mentira e só acontece em filmes!

Conheça os mitos que bloqueia você de investir.

Mentira 3: Seu local de trabalho parece um harém.

Rodeado de mulheres lindas, poderosas, com champanhe, um telão de led…

É mentira!

Só para você ter uma ideia, a maioria das pessoas que eu conheço e que investem no mercado financeiro, trabalham em casa.

Você precisa de muito pouco para começar a investir: um computador, uma internet e um local tranquilo.

Com isso, por mais simples que possa parecer, você está apto a ser um grande investidor.

Então, pare de reclamar e seja logo um milionário.

Em resumo, fica a dica: da próxima vez que vocês assistiram algum filme de Hollywood, que vai dar ênfase ao mercado financeiro e aos investimentos, prestem bastante atenção, combinado?

Se você também é apaixonado por futebol, saiba que com ele podemos aprender várias lições para investir no mercado financeiro. Quer ver? Acesse!

Gostou? Agora, conheça os 5 Passos Simples que já Transformaram a Vida Financeira de 2.536 Pessoas Comuns em Tempo Recorde. http://trovo.academy/u/nlGaBKN0x_0

3 coisas que são dívidas e ninguém considera

3 coisas que são dívidas e ninguém considera

 

Hoje vamos falar sobre 3 coisas que são dívidas e ninguém as consideram como tal.

1 – Financiamento de Casa

É dívida ou não é dívida?

O critério de dívida é o seguinte: dívida é quando você caminha para a pobreza. E você caminha para a pobreza quando paga juros. Você paga juros, normalmente, quando faz um empréstimo.

SAIBA COMO FUNCIONA A POBREZA.

Então, podemos concluir que o financiamento de uma casa é um pagamento de empréstimo, que gera juros para você, então, sim, é uma dívida.

Fato diferente de quando você faz um investimento, que você recebe juros. É quando você está caminhando para a riqueza.

Ah, oras oras, você ainda tem medo de investir ou não faz ideia por onde começar? Bem, nesse caso, você tem uma ótima opção: ler esse texto que publiquei mostrando de onde vem esse medo de investir.

Voltando ao assunto da sua nova habitação, vamos imaginar que você queira me dizer: “Mas, quando eu terminar de pagar a minha casa, ela estará super valorizada”.

A resposta é: não, não e não!

Essa valorização que você diz, acontecerá daqui a três décadas. E eu estou falando do agora: você está pagando juros? Então você tem uma dívida e não um investimento.

“Mas a casa é minha”, você pode querer retrucar.

E eu lhes digo: não! A casa só será sua quando você terminar de pagá-la. Se em 30 anos, você não conseguir pagar, a casa não será sua! Enquanto isso, ela é do banco.

Você vai querer me perguntar o seguinte:

“Trovó, então o que compensa mais: financiar uma casa ou viver pagando mensalidades de aluguel”?

Esse é um assunto ótimo, mas que reservamos para o próximo vídeo. Porém, vou adiantar o seguinte: se os juros que você recebe do seu investimento for suficiente para pagar o aluguel, então, a resposta é: compensa pagar o aluguel.

Por quê?

Eu não estou utilizando o meu capital para pagar o aluguel! Eu estou utilizando os juros que rendeu desse capital para pagar o aluguel. Isso faz toda diferença.

“Mas, a única opção que tenho é financiar uma casa”, você afirma.

Bom, nesse caso eu tenho uma regrinha de ouro para vocês: saiba qual é o valor da casa que você pode financiar!

Como fazer isso?

Segue um exemplo: você recebe um salário mensal de 3 mil reais. Ok?

Você vai pegar esses 3 mil reais e multiplicar por 12 meses, o que vai dar em 36 mil reais por ano.

Esse é o seu salário anual, que quando multiplicado por 3, resulta em 100 mil reais, aproximadamente.

Esse é o resultado. 100 mil reais é o valor máximo para você financiar uma casa, se for acima disso, você vai caminhar para a pobreza e entrar em ruína financeira.

Falando de ruína financeira, eu selecionei um texto muito bom para você com as melhores dicas para você não entrar em estado de falência.

3 comportamentos que podem te levar à falência”.

Vai chegar uma hora que seu orçamento ficará muito apertado com o valor da parcela e isso vai te comprometer.

Ah, e antes que eu me esqueça, saiba que “Mesmo ganhando pouco não significa que você seja pobre”. Dúvida? Leia esse post.

2 – Financiamento de Carro

Ficou fácil: Você está pagando juros ou recebendo juros?

Então, você já pode considerar esse financiamento como uma dívida.

Por sinal, eu gravei um vídeo mostrando como perder 28 mil reais em 5 anos. Porque é exatamente isso que você perderá, se financiar um carro 2009, como usei de exemplo. Veja agora esse vídeo.

“Como eu vou comprar um carro à vista”?

Saiba que é possível. E vamos falar disso em uma próxima oportunidade!

3 – Fatura mínima do cartão de crédito

Esse é o grande vilão.

E já vou avisando: seu cartão de crédito não é salário! E nem complemento do salário. Ele é como a kriptonita do superman: terrível, destruidora.

O cartão de crédito pode até facilitar a sua vida e parcelar as suas compras, mas olhem só: pagando a parcela mínima, você está pagando juros.

Você está falando assim para o banco: “Eu quero pagar juros!”.

Saibam que o cartão de crédito é legal sim, mas só quando você quita o valor integral porque aí você não paga juros!

E por que é bom? Porque você pode comprar parcelado e ganhar milhas, além de outras bonificações.

Temos vários vídeos explicando tudo isso – Cartão de Crédito: Ter ou não Ter – mas vou adiantar a regra para você saber se está caminhando para pobreza ou para riqueza. É a seguinte:

Se você está pagando juros, você está enriquecendo alguém e se está enriquecendo alguém, você está caminhando para a pobreza. Se o objetivo é enriquecer você próprio, você tem que receber juros.

A partir de agora, então, vamos focar no jeito certo: com estratégias corretas e agindo com a razão para você ficar buscar equilíbrio financeiro.

Aproveite e veja nosso vídeo sobre Controle Financeiro Simples e Eficaz.

Se você gostou desse vídeo quer aprender um pouco mais se inscreva gratuitamente no nosso curso Risco Zero de Investimentos.

Um abraço e até o próximo vídeo.

Cartão de Crédito – Ter ou não ter

Cartão de Crédito – Ter ou não ter

 

Hoje nós vamos descobrir se o cartão de crédito é realmente amigo ou inimigo.

Falar sobre o Cartão de Crédito é falar, instantaneamente, na facilidade de uso que ele proporciona e, sucessivamente, no alto poder de compra que ele transmite. Sim, ele nos dá poder e autonomia. Ele nos dá facilidades!

Afinal, Mesmo Ganhando pouco não significa que você seja Pobre!

Hoje em dia, com esse tipo de cartão, você pode comprar em qualquer lugar, a qualquer hora, em qualquer momento, situação ou país e, inclusive, através da internet. E na internet é assim: com um clique, você compra.

  1. Caso tenha guardado o cartão, mas não sabe onde e ainda tem o número dele, você compra também.
  2. Precisa abastecer o carro, mas hoje é dia de pagamento e os bancos estão lotados? “Passa no crédito”, você diz ao frentista.
  3. Quer fazer uma compra parcelada? O cartão de crédito te dá essa autonomia, sem precisar correr no banco para buscar folhas de cheques.

Mas todas essas situações acima, bem como todas as compras parceladas, devem ser feitas com controle. Vamos falar disso mais adiante.

Quanto às lojas físicas, praticamente todas, como farmácias e restaurantes, possuem as maquininhas que aceitam esse tipo de cartão. E com isso, você não precisa andar com dinheiro na carteira ou na bolsa. Essa é a maior facilidade.

E, caso alguém roube seus pertences, basta você ligar na operadora e bloquear o cartão. Está tudo resolvido.

Outra vantagem do cartão de crédito é o acúmulo de milhas. As milhas são importantes para quem viaja muito ou para quem quer viajar muito. Funciona mais ou menos assim:

Em cada passagem aérea que você compra com seu cartão de crédito é disponibilidade uma quantidade de milha. Essa milha se duplica e gera outra igual em uma conta adjacente. Com o tempo, as somas dessas milhas podem gerar um novo bilhete para você. Assim, você ganha uma passagem aérea. Ou então, pode obter descontos, da mesma forma.

Então, se você compra muitas passagens aéreas, aí sim, o acumulo de milhas é super importante e, de uma forma ou outra, você tem benefícios.

Mas, é claro, não é porque você pode acumular milha que vai usar o cartão de crédito toda hora. Ele tem que ser apenas uma consequência do que você tem planejado.

Em resumo, listamos três, dos principais pontos positivos. São eles:

  1. A facilidade do poder de compra,
  2. O acúmulo de milhas e
  3. As comprar facilitadas pela internet.

Esses pontos realmente tornam o cartão de crédito o nosso amigo, o nosso herói.

Mas saibam vocês que esse mesmo cartão de crédito é uma das principais causas de dívidas do nosso país. São 59 milhões de brasileiros que estão endividados por comprar por impulso, devido, obviamente, à facilidade do uso do cartão de crédito.

Eis, então, que surgem os problemas. O contraponto dos pontos positivos. É quando o cartão de crédito vira inimigo. Um vilão.

E tudo começa com os juros abusivos e absurdamente altos. Vejam só o que eu tenho ouvido constantemente:

“Trovó, eu gasto aproximadamente R$ 1 mil por mês no cartão de crédito e isso não pesa muito para mim porque eu pago a fatura mínima, que, via de regra, é 15% do valor da fatura”.

Não faça isso!

Quando você paga a fatura mínima me lembro daquela isca que é usada durante a pesca, que você joga a linha para atrair o peixe.

A fatura mínima é exatamente isso porque você está dizendo o seguinte para o seu banco: “Eu quero pagar juros”.

É como financiar um automóvel. Fizemos até uma simulação com um financiamento real, já viram? 3 Motivos para “Pixar Fora” de Financiamento de Carro.

Mas você quer mesmo pagar juros? É claro que não!

Por que isso acontece? Porque o pagamento da parcela mínima é um financiamento da sua dívida. Se você gastou R$ 1 mil no mês e vai pagar só R$ 100, os outros R$ 900 será financiado pelo banco.

E cada vez que você paga a parcela mínima, o valor financiado aumento e o juros também. Consequentemente você paga mais e mais e mais e mais.

Então, a dica é: se for para usar o cartão de crédito, quite a fatura integral.

Se você não tem condição de quitar, você está tendo um descontrole financeiro, que é quando você não tem noção do quanto está gastando. Em outras palavras, você está gastando mais do que ganha e logo vai ficar endividado.  

Você voltou a fazer dívidas? Isto não é brincadeira!

Temos, na contramão, outros três pontos, agora, negativos:

  1. Os juros abusivos cobrados pelos bancos,
  2. A armadilha da fatura mínima e
  3. A perda de controle financeiro.
É por isso que 59 milhões de brasileiros estão em endividados.

Afinal, como visto aqui, nem tudo são flores. Mas, olhem só, se você tiver controle sobre as suas finanças não há problemas. Você pode fazer as compras normalmente usando o seu belo cartão de crédito, desde que tenha controle.

Mas e, então, Trovó, voltando ao questionamento inicial do texto:

É melhor ter ou não ter cartão de crédito, eis a questão?

Essa dúvida eu vou deixar para vocês responderem. Respondam aqui embaixo, nos comentários. Eu quero saber a sua opinião.

Se você gostou desse vídeo e quer aprender um pouquinho mais, clique no banner, cadastre seu e-mail e se inscreva gratuitamente no nosso curso: Risco Zero de Investimentos.

Poupança? Tô fora

Poupança? Tô fora

Se você é como eu e ama os animais de estimação, então, definitivamente os porquinhos não são pra vocês. Hasta la vista presuntinho!

Hoje vou fazer um programa “Bê-a-Bá: dicas de ouro” para falar um pouco sobre uma das alternativas paralelas – e mais eficazes – à poupança: a LCI.

Aliás, como todos nós já sabemos, o rendimento da poupança está tomando uma goleada da inflação. E mesmo assim, boa parte dos brasileiros usam a poupança como meio de economizar dinheiro. 

Saiba quantos brasileiros tem dinheiro parado na poupança?

Bem, não sei se todos vocês sabem, mas, vou repassar aqui uma informação super importante sobre o fato de “guardar” as economias na poupança.

Vamos supor que você tenha disponibilizado na poupança um valor acima de 1 milhão de reais e o seu banco vá à falência.

Sabe quanto você receberá, por direito?

Apenas 250 mil reais. Em poucas palavras, apenas um quarto do valor total ali “investido”.

Eis, então, que vocês podem estar refletindo: “Mas Trovó, é muito difícil um banco ir à falência”.

E eu lhes pergunto: “Será que é tão difícil assim”?

Vou relembrar uma história real: em 2008, o Lehman Brothers, um banco 3 vezes maior que o Bradesco e que contava com mais de 10 mil funcionários, simplesmente, quebrou.

E isso aconteceu em um país considerado de primeiro mundo, em uma cidade nada menos do que Nova Iorque, possuidora de uma das maiores economias globais.

Leia também: Se o seu banco falir?  Tá tranquilo, tá favorável?

Então, acredite quando eu falo que um banco pode, realmente, falir.

É válido saber também que, para evitar essas incômodas surpresas, foi criado um órgão chamado Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que funciona como se fosse o seu seguro. Ou seja, caso o banco não puder reaver o seu dinheiro, o FGC atua na sua proteção.

É ele quem administra o mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores, permitindo a recuperação de créditos, caso a instituição financeira venha à falência, como é o nosso exemplo.

E aí que você vai receber aqueles 250 mil reais, lembra?  O Fundo Garantidor de Crédito te garante, por direito, até 250 mil reais por CPF (Cadastro de Pessoa Física), por instituição financeira.

Então, está mais do que provado que a poupança também é um investimento de risco.

Mas, vamos continuar supondo que você tenha 1 milhão de reais e quer, de todas as formas, deixa-lo na poupança. Nesse caso, o ideal seria distribuir o valor em 4 fatias de 250 mil reais em instituições financeiras diferentes, uma fatia para cada banco.

Mas, como dito lá no início, demos adeus ao nosso querido porquinho, o símbolo da poupança.

E agora vamos falar de um modelo de investimento conhecido como LCI (Letras de Crédito Imobiliário).

O LCI nada mais é do que uma renda fixa, na qual você empresta dinheiro ao banco e ajuda-o a financiar vários projetos imobiliários.

Veja Quais são os Tipos de Renda Fixa?

O que você ganha em troca? Juros! Como qualquer investimento de renda fixa, você recebe remuneração paga em intervalos e condições preestabelecidas.

E isso é muito bom, diga-se de passagem.

E, por que, LCI é mais vantajoso do que a poupança? Vou responder em tópicos. São três grandes vantagens, vejam:

1 – Se você for uma pessoa física, você fica isento de Imposto de Renda (IR).

Essa talvez seja a maior vantagem, já que, comparado com outros investimentos, como CDB (Certificado de Depósito Bancário) e título públicos, o LCI é o único que isenta o famoso IR.

as Ações do Mercado Financeiro Nacional que tiveram alta de mais de 100% em 2016 na Bolsa de Valores

2 – Se o seu banco da renda fixa quebrar, você tem a mesma garantia da poupança.

Ou seja, o risco é exatamente o mesmo da poupança. Ambos são considerados baixos. Se mantivermos o mesmo exemplo, na qual você tem 1 milhão de reais, e sua instituição financeira quebre, você será ressarcido em 250 mil reais. Valor esse que também é garantido pelo FGC.  

3 – Os juros que você recebe são muitos mais atrativos do que a da poupança.

Comparado especificamente à poupança esse é o melhor benefício, com certeza. Vamos lá, apenas para efeito de comparação:

Hoje a nossa inflação está por volta de 11% ao ano e a poupança rende na média 9,5% ao ano. Ou seja, estamos perdendo 1,5% de todo o nosso patrimônio, ao ano.

No LCI, se você deixar um valor investido durante 6 meses (que é considerada uma LCI mediana), você terá um retorno de 14% ao ano, contra 11% da inflação. Com isso, o nosso capital estaria aumentado em 3% ao ano.

Lembrando que isso tudo com a mesma segurança e garantia da poupança.

Vamos voltar ao exemplo da poupança. Já sabemos que investindo
nela, você perde 1,5% ao ano, então, nos próximos 30 anos você teria corroído
metade do seu patrimônio.

Enquanto que, na LCI, nos mesmos 30 anos, você teria dobrado o seu capital.

E agora, interessou pelo assunto, não é?

Então se quer saber quais são as melhores rendas fixas que existe hoje em dia no mercado, deixe aqui embaixo o seu comentário. Existem outras opções, tão bem como a LCI, que são mais vantajosas do que a poupança.

E se você gostou do tema de hoje e quer continuar aprender sobre investimentos de uma forma muito simples, bem humorada e de fácil entendimento, clique no nosso banner e se inscreva no nosso curso “Risco Zero de Investimentos”.

O curso é totalmente online e gratuito, basta se inscrever e juntar-se ao time do Trovó Academy.  

Até o próximo vídeo, tchau!

7 lições que o futebol pode nos ensinar sobre finanças

7 lições que o futebol pode nos ensinar sobre finanças

Olá pessoal, hoje vamos falar sobre futebol e investimentos.

E vocês, senhoritas, não fiquem tristes se não entenderem nada de futebol, pois, em breve, faremos um texto especial para vocês, provavelmente, ligado ao tema “moda”.  

Mas, hoje, vamos mostrar aos meninos como o futebol pode nos ensinar sobre finanças. Leia abaixo as “7 lições que o futebol pode nos ensinar sobre finanças”.

1 – Dívida gera maus resultados

Provavelmente vocês já perceberam que quando um time está endividado, a primeira consequência é o atraso de salários dos jogadores.

E, sucessivamente, quando isso acontece, os jogadores entram em campo fazendo “corpo mole”. Ele passa a não se importar mais com o resultado final do jogo, afinal, ele quer receber o que é de direito dele: o salário.

O resultado, óbvio, é que a campanha do time vai ser prejudicada.

Na vida pessoal acontece a mesma coisa: a dívida é prejudicial. Se você tem dívida, provavelmente, seu emocional será afetado. E entre as consequências está um casamento mal resolvido.

Um exemplo disso que podemos citar é um dado fornecido recentemente por uma consultora de relacionamentos: 90% dos divórcios são ocasionados por causa de problemas financeiros. Que depois gera vício, comportamento agressivo e muitos outros problemas.

Então, lembre-se: ter dívida nunca é bom!

3 Comportamentos que Podem te Levar a Falência

2 – A vitória é construída jogo a jogo

No futebol sabemos que para ganharmos um campeonato não é preciso ganhar todos os jogos. Na média, para chegar ao título, é preciso de, aproximadamente, 75% de aproveitamento. Ou seja, isso significa que você pode ter 25% de perda.

No mercado financeiro acontece uma previsão idêntica: você não vai acertar todas as operações em todo o tempo. Se alguém disser o contrário, estará mentindo.

Você, com certeza, terá perdas. Mas, o importante é o contexto todo, a soma de perdas deve ser menor que a soma de vitórias para, no final, você chegar ao pódio e aumentar o seu patrimônio.

3 – É preciso ter disciplina ao longo prazo

Suponha que você seja o presidente de um time e decida desmanchar a equipe toda. É claro que você não vai contratar “pernas de pau”, porque isso não lhe trará bons resultados.

E você tem que ir contratando aos poucos. Convoca um técnico e inicia a montagem do elenco. Mas, qual é a probabilidade de você ser campeão no próximo campeonato? Pouca. Pode até acontecer, mas o mais provável é que você precise de entrosamento entre os seus jogadores.

Você vai precisar de tempo para criar uma estratégia e conhecer os pontos fortes e fracos de cada jogador. Com o tempo, paciência e disciplina, você vai conseguir ser um campeão do torneio.

Investir é a mesma coisa. Você não vai ficar rico da noite para o dia. Isso não existe. É o trabalho da formiguinha, que começa aos poucos.

Quebrando Mitos que Bloqueiam Você de Investir seu Dinheiro

Tem um ditado que diz “uma árvore precisa de, mais ou menos, 100 mil litros de água para que ela possa viver a vida toda. Mas, se você colocar toda essa água de uma vez, ela morrerá afogada e a semente não germinará”.

Então, tenham paciência!

4 – O conhecimento comanda a prática

De que adianta você ter jogadores super talentosos, se não tiver uma boa estratégia para a equipe? No mercado financeiro também é preciso criar estratégia. E aplicar na hora certa.

Umas das estratégias mais importantes é o controle de risco, ou seja, é a pergunta que você deve fazer toda vez à um profissional de investimento: “quanto eu posso perder se tudo der errado?”. Depois de respondido, aí sim, você deve continuar: “Então, quanto posso ganhar se tudo der certo”.  

Nesse caso, o controle de risco é muito mais importante do que o próprio aumento de patrimônio.

5 – Saber reclamar gera resultado

Há tempos os times de futebol estão reclamando da tabela. Em outras palavras, é possível dizer que o número de jogos está altíssimo, um absurdo. Com isso, jogadores se lesionam mais vezes do que estávamos acostumados a ver.

Os gastos com viagens também geram revolta no futebol.

No mercado financeiro também funciona assim. Você tem razão quando acha que o serviço não está bom ou que o seu assessor não tem feito um bom trabalho.

Mas você nunca deve reclamar por reclamar e sair dizendo palavras exacerbadas. É preciso argumentar com a instituição e provar que o serviço por ela disponibilizado não está legal.

Assim, haverá uma melhoria.

6 – Paciência é a chave

Muitas pessoas entram no mercado financeiro e querem enriquecer rapidamente, da noite para o dia. E você deve estar se perguntando: “mas isso não pode acontecer?”. Pode, infelizmente pode. Mas é algo parecido com o fato de alguém ganhar na loteria, é o menos provável.

O mais provável é que você quebre a cara. Então, é preciso ir devagar, evoluir aos poucos.

Quer um exemplo do futebol? A seleção da Alemanha foi campeã em 2014, mas a equipe dela vem sendo montada há 10 anos. Com um planejamento que tinha como meta vencer o campeonato de 2014.

Eles se deram bem e nós fomos a vítima, não é?

E, olhem só, o tópico 7 tem tudo a ver com a goleada que levamos: 7 x 1.

7 – Diversificar táticas

Um time de futebol tem uma estratégia pré-definida que, normalmente, depende do adversário. É preciso ter uma estratégia especifica quando o outro time tem uma defesa muito sólida, por exemplo. Então, você opta por avançar o jogo pelas laterais.

Se o adversário tem um meio de campo truncado, você treina seu time para fazer bons lançamentos. Ou seja, cada jogo é um jogo.

Assim como em um campeonato com tantos times e diversidades, o mercado financeiro também muda em todo momento. E você tem que estar apto a acompanhar essas mudanças.

Conheça os Tipos de Renda Fixa?

Se a estratégia que você está utilizando hoje não está mais gerando bons resultados, procure entender o que está acontecendo e adapte o seu elenco.

Então, é isso, o futebol tem tudo a ver com investimentos.

Importante: Agora, anotem aí, se vocês gostaram desse texto e querem aprender mais sobre investimentos, clique no banner ou cadastre seu e-mail e se inscrevam no nosso curso “Risco Zero de Investimentos”. Aproveitem, porque o curso é gratuito!

3 Comportamentos que Podem te Levar a Falência

3 Comportamentos que Podem te Levar a Falência

 

Hoje vamos falar de um assunto super bacana. Só que se você não seguir a risca, pode dar diferença na sua vida financeira. Vamos falar dos 3 Comportamentos que podem te levar a falência.

Comportamento 1 – Falta Controle Financeiro

A maioria das pessoas não tem ideia de quanto ganham, e pior do que não saber quanto você ganha é não saber quanto você gasta. As pessoas não tem ideia e fecha no vermelho.

“O que é fechar no vermelho, Trovó?”
O dinheiro que você ganha é menor que o dinheiro que você gasta e você caminha para a pobreza porque vai faltar dinheiro. Assim você precisará de um empréstimo e nesse empréstimo, pagará juros.

Comportamento 2 – Pagar Juros Abusivos

Como você começa o pagamento de juros abusivo?

Justamente com a falta de controle financeiro. Você gasta mais do que você ganha e você pagará juros. Geralmente você tem um cartão de crédito que você acha que é seu amigo quando na realidade é o seu maior inimigo.

O juros que você recebe nunca vai ser maior que o juros que você paga.

Se você for um profissional de investimento, já possui uma rentabilidade por volta de 1 a 1,5% ao mês, que não é fácil de conseguir. Mas os juros que você pagar pode chegar a 10% ao mês. Você nunca vai conseguir competir com os juros do banco.

Comportamento 3 – Viver em função do que os outros pensam

Esse vai te levar para a ruína mesmo… Você quer comprar um carrão, mas não porque você gosta do carrão e sim porque você gosta de mostrar para as outras pessoas que você tem um carrão. O mesmo acontece em viver numa casona ou usar roupas super chiques.

Você não tem condições de pagar e a maioria das vezes as dívidas que você acaba fazendo é por viver em função do que os outros pensam, do que elas podem comentar.

Eu vou te dar uma sugestão… Seja você mesmo!
Porque quando você estiver em apuros com as dívidas lá em cima, essas pessoas que se preocupavam muito com a sua imagem e que ficavam dando palpite para você o tempo inteiro, elas não te ajudarão e aí você pensa se realmente valeu a pena.

Na maior parte das vezes a resposta é não, então viva em função do que você pensa, do que você se sente melhor. E a partir de agora comece o seu controle financeiro.

Parar de pagar juros abusivos é parar de viver em função do que os outros pensam.

Um abraço!

Trovó