4 Coisas Sobre o Dinheiro que Deveriam ser Ensinadas na Escola

4 Coisas Sobre o Dinheiro que Deveriam ser Ensinadas na Escola

O conteúdo de hoje é focado nos papais e mamães do nosso Brasil, para quem tem um menininho ou menininha. E eu preciso que vocês me ajudem numa campanha para este conteúdo ser implantado nas escolas, pois educação financeira começa desde cedo. E hoje o nosso país está muito carente dessa educação financeira.

Quais são as lições que as escolas deveriam ensinar sobre dinheiro?

Lição 1 – Ensinar que a vida não é somente Chokito e coxinha

O Chokito e a coxinha que simbolizam guloseimas, na cabeça da criança tem qual significado?

Tudo que eu quiser eu posso. É como se fosse um carro ou uma casa para você.

É importante que ela saiba desde cedo que o querer nem sempre é poder. A partir dos 6 e 7 anos de idade já pode conversar com seus filhos de igual para igual tranquilamente, que eles entenderão que a situação está apertada.

“Trovó, ela é muito pequenininha e não vai entender…”

Isso é mito e provavelmente vem de crenças antigas. A criança a partir dos 7 anos já tem total capacidade de entender. Se você sentar e conversar e explicar cuidadosamente ela vai entender. Tipo: “Papai e mamãe esse mês está apertado, estamos sem condições”.

Não faça das tripas coração entrando em dívida para começar a atender as vontades. O Chokito e a coxinha se resumem também a brinquedos e um monte de outras coisas.

Lição 2 – Nem tudo pode ser comprado

A criança tem que entender isso.
“Papai, eu vi num comercial a bonequinha X e minha prima tem uma. Eu também quero”.

Basta responder: “Agora não dá para ter a bonequinha X ou o brinquedinho Y”.

Eu conheço muitos pais que infelizmente dão tudo o que a criança quer e uma boa parte dessa culpa é sua por você não sentar e explicar a ela que esse mês está complicado.

Se os professores conseguirem focar nisso na escola, seria importante. A começar pela lista de materiais escolares. É importante vocês começarem a comparar o preço do materiais para que a criança tenha essa noção de preço. Porque como toda criança, ela vai querer comprar o coloridinho que pisca. Mas nem tudo que é barato é ruim, é preciso ter essa consciência.

Lição 3 – O que as escolas deveriam ensinar

E isso também começa em casa… Aprender a comparar preços.

Vou dar uma dica legal para vocês fazerem com seus filhos de 6 e 7 anos, pois nessa idade as crianças já sabem fazer soma.

Pegue a lista de material escolar e quando for comprar leva o seu filho junto e peça para ele anotar os preços. Depois some tudo e compare preços.

“Filho, o nosso objetivo é tentar gastar menos e se sobrar dinheiro talvez possamos te dar aquele bônus que é o brinquedo ou aquele passeio só por você ter nos ajudado”.

Esse passeio pode vir da própria economia de material que ela te ajudou a comprar mais barato. É muito gostoso a criança participar e poder entender.

“Nossa papai, essa caneta está custando 10 reais, na outra loja custava 8 reais.”

Operação de soma e subtração a criança consegue fazer. Isso é importante porque ela terá noção desde pequenininha.

A lição 3 é que, ao contrário do que todo mundo pensa , o comportamento do investidor começa cedo. A criança tem que saber desde cedo qual é a importância de saber poupar, saber a importância de fazer um orçamento e comparar preços.

Concordo que hoje as propagandas são muito apelativas porque focam e trabalham no emocional da criança. Se a criança vê aquilo ou se o amigo levou aquilo na escola, ela vai fazer birra e você, não sabe como agir e acaba comprando. Lá na frente quando essa criança crescer ela terá um problema e é importante desde cedo que ela entenda.

“Filho, seu amigo comprou aquele brinquedo mas a situação dele é diferente da nossa.”

Eu vou te explicar porque que nesse momento não podemos comprar o que a criança pede. A criança não entende muito de marca pessoal, pois ela age por impulso. Se você explicar para ela como funciona e que naquele momento é um jogo de troca, se ela fizer isso você a presenteia com aquilo. Não tem essa de ficar dando, dando, dando, pois depois que ela crescer, vai achar que na vida tudo é fácil, que dinheiro vai cair do céu, que dá em árvore.

A criança tem que saber que dinheiro não dá em árvore e muito disso é por conta das escola que a partir do 7 e 8 anos já deveria ensinar.

Comece a pegar na mão do seu filho desde cedo, pegue a calculadora na mão e comece a fazer conta de mais e de menos e, conforme ela for crescendo, você vai complicando essa conta. Só assim ela vai pegar gosto e quando ela crescer ela terá esse comportamento.

Isso fará toda a diferença na vida financeira dela.

Um abraço!

Trovó

Corretora de Investimentos: Como Escolher a Melhor para Você

Corretora de Investimentos:  Como Escolher a Melhor para Você

 

Olá!

Eu recebi muitos e-mails de pessoas perguntando qual é a melhor corretora de investimentos.

“Trovó, como eu faço para escolher uma corretora?”

Tem muita gente perguntando isso e hoje vou dar 3 dicas para vocês aprenderem a escolher a melhor corretora de investimentos.

Dica 1 – Saber quem é a sua corretora

Hoje temos o Google e está muito fácil saber, antigamente tinha a barça, não sei se vocês se lembram ou já ouviram falar da Coleção Barça.

Pesquisem qual é o tamanho da corretora. A regra é a seguinte… Quanto maior a corretora mais lastro ela tem e quanto mais lastro ela tem, menor o risco dela quebrar. Em contra partida quanto menor a corretora, menor o capital que ela tem disponível e maior o risco dela quebrar.

“Trovó, mas as corretoras grandes compram mais”.
Daqui a pouco a gente vai falar sobre isso, mas o foco é o seguinte… Procurem as maiores, independente de quanto cobram, procurem as maiores porque na hora que a corretora quebrar meu amigo, você vai falar assim: “Ai, também cobrava R$3,00 de corretagem”.

Não tem chororô, o barato vai sair caro e tão importante quanto a escolha da corretora é o seu assessor.

Dica 2 – A escolha do seu Assessor

Se você nunca abriu conta numa corretora, vai ter uma pessoa especializada que vai fazer esse link entre você e ela que é o assessor, ele quem vai te ajudar nos cadastros, com dicas sobre investimento, fazendo comparações, ajudando a escolher a melhor renda fixa. E aqui vai uma surpresinha…

A Trovó Academy tem um assessor para quem quiser aprender um pouco mais sobre investimentos. O nome dele é Jansen e o cara é nota 10. É meu assessor há mais de 10 anos, uma pessoa super confiável e talentosa. Ele e seu irmão Jailson são espetaculares, são pessoas de família e isso eu prezo muito.

Nós criamos um grupo no whatsapp gratuito para quem quiser receber dicas sobre renda fixa. O contato dele é (12) 9 9739-7655.

Se você tiver uma corretora boa com um assessor ruim que vai te deixar na mão na hora que der o pepino, você vai se dar mal, não vai adiantar nada.

Hoje tem milhões de assessores, então tem que prezar pela confiança. Eu já testei muitos assessores para chegar nesse aqui que hoje eu considero top.

Dica 3 – Qualidade do Serviço

QUALIDADE DO SERVIÇO e não preço do serviço. Hoje o principal meio que as pessoas amadoras utilizam para escolher uma corretora é quanto elas cobram de taxa. Ai vem aquela pergunta muito amadora. Porque?

Se você escolhe pelo preço significa o que?

Provavelmente o capital que você tem pra investir é muito pequeno e se é muito pequeno você não deveria entrar para investir em ações. Não é o momento certo ainda, você deveria começar pelos turbinadores de lucro que são mercados alternativos a esse, inclusive eu vou falar em outro artigo sobre isso.

Se a taxa de corretagem pesa para você hoje e se esse é o critério de escolha que você utiliza, saiba que provavelmente você está investindo no lugar errado e que ações não é para você ainda. Quanto mais barato for a taxa de corretagem provavelmente pior é a qualidade do serviço. Não tem como comprar barato e ter um serviço top, isso não se sustenta porque são tecnologias que são investidas.

Eu falo por experiência, se colocar um capital mais alto lá e a corretora trava ou dá um problema na hora de executar uma ordem, você dança.

Por isso eu digo que o barato sai caro. O preço de uma corretora não é critério e tem que ser qualidade de serviço, confiabilidade do assessor e uma corretora que tenha lastro, isso é o mais importante.

Um abraço.

Seu Cérebro Não Foi Feito Para Ganhar Dinheiro

Seu Cérebro Não Foi Feito Para Ganhar Dinheiro

E se eu te perguntar agora… Você quer ganhar mais dinheiro?
Provavelmente a resposta da maioria seria: Sim!

Mas, então porque 90% da riqueza do Mundo está na mãos de somente 67 pessoas?
Querer realmente é poder? Vamos descobrir…

Hoje eu quero compartilhar um pensamento com você. Será que você foi realmente educado para ganhar dinheiro? Será que seu cérebro foi elaborado para que você ganhe dinheiro?

Antes de continuarmos, curta este conteúdo e inscreva-se em nosso canal do Youtube.

Muito bem, quero propor um desafio super simples, que pode dizer e muito se você tem ou não tem aptidão para enriquecer.

Vamos imaginar três tipos de investimentos:

1 – Investimento que dê um lucro 80% das vezes;
2 – Investimento que dê um lucro 70% das vezes;
3 – Investimento que dê um lucro somente 30% das vezes;

Qual você escolheria?

Escolheu?

Não venha me dizer que escolheu 80%… Aqui vai meu primeiro puxão de orelha virtual em você. A resposta para este tipo de pergunta sempre tem que ser: “Depende, Trovó!”

Seguida de outra pergunta: Qual é o risco de cada alternativa?
Você só disse qual o provável índice de acerto. Então, vamos recomeçar.

A primeira alternativa te dará um lucro 80% das vezes. De cada 10 tentativas, em 8 vezes você vai ganhar R$100,00 quando acertar. Em duas vezes, você vai perder R$415,00. Anotou?

A segunda alternativa te dará um lucro 70% das vezes. Quando você ganha, o ganho é de R$50,00 e quando você perde seria R$126,60. A cada 10 tentativas, 7 você vai pagar e 3 você vai perder.

E a terceira te dará um lucro de 30% das vezes. De cada 10 tentativas você vai acertar somente 3 e irá errar 7 vezes. E quando você acertar você ganha R$200,00 e quando você errar você perde R$90,00.

Agora olhe para estas três alternativas e escolha a qual se adequá ao seu perfil. Você já tem o índice de acerto, o lucro e o risco de cada uma das alternativas.
Estas são as três respostas que você precisa ter para escolher um investimento. Escolheu?

Vamos então entender o seu perfil e o porque de cada decisão que você tomou. Se você escolheu a alternativa que te dá 80% de lucro, o motivo deve ter sido em função da alternativa que te dá o maior lucro, com o maior índice de acerto. A sua escolha provavelmente é motivada pela ganância.

Se você escolheu o índice de acerto de 70%, provavelmente foi por dar um lucro mediano.

Se você escolheu a alternativa 30% de acerto, provavelmente você a escolheu por ela ter a menor perda de quando você erra mediante as outras duas alternativas. Esta última alternativa, somente 10% das pessoas escolheram e a sua decisão provavelmente foi motivada pelo medo.

E ai qual destas três é a melhor alternativa?

Releia este texto, pense e deixe seu comentário. Se você gostou e quer saber mais sobre investimentos de uma forma simples, bem humorada e de fácil entendimento, clique aqui e se inscreva no nosso curso Risco Zero nos Investimentos. Este curso é gratuito, basta se inscrever e se juntar ao time Trovó Academy. Te espero no curso.

Um abraço.

Trovó