Bitcoin na bolsa de valores: as criptomoedas chegarão na B3?

ANÚNCIO

Você decide abrir o home broker da sua corretora, parece um dia normal até que você se depara com um fato extremamente curioso: existem ali papéis relacionados ao bitcoin. É sério isso, produção? Tem bitcoin na bolsa de valores também?

Pode ser algo difícil de imaginar para nós, mas isso aconteceu nos Estados Unidos.

ANÚNCIO

Será que esse acontecimento, que é um acontecimento histórico, pode ser o começo para vermos o Bitcoin também entrando na Bolsa de Valores do Brasil?

Bom, para tentarmos encontrar a resposta a essa pergunta, é de extrema importância, precisamos concluir o texto até o final…

Isso porque, primeiramente, vamos falar sobre algumas coisas um pouco mais técnica – mas totalmente fáceis de serem entendidas.

ANÚNCIO

O Bitcoin

O bitcoin finalmente começou a ser comercializada em uma das bolsas de valores americanas.

E o fato relevante é que além de ser muito histórico para todo o mundo, isso fez o bitcoin chegar em 55 mil reais cada unidade.

Outro resultado foi que o site da CBOE, que é a maior bolsa de valores focada no mercado de opções, começou a cair.

Esse fato aqui provavelmente fez surgir três perguntas na sua cabeça:

  1. O que é um contrato futuro?
  2. O que é a CBOE?
  3. Existe a possibilidade de acontecer no Brasil?

Vamos às respostas…

O que é um contrato futuro?

Em si, o contrato futuro é basicamente um contrato de compra e venda feito por  dois investidores.

Ele funciona exatamente como um contrato, já que ele formaliza um acordo entre o investidor que está interessado em comprar o ativo com outro investidor que está interessado em vender esse ativo.

Só que a diferença dele está justamente no que diz respeito a palavra “futuro”.

Este acordo que o contrato formaliza é um acordo de compra e venda que não vai agora e sim no futuro acontecer.

Exemplo prático: vamos supor que você esteja vendendo a mesa da sua sala porque você quer trocar por uma maior.

Eu apareço como um grande interessado em comprar esta mesa, mas com uma condição, eu só vou comprar essa mesa de fato daqui um mês.

Para a gente formalizar esse acordo a gente faz um contrato futuro!

Só que nesse exemplo muita gente provavelmente vai achar que não faz sentido, oras, você adiar em um mês a compra de uma mesa?

Você tem razão, isso parece bobo demais!

Só que quando a gente traz isso para realidade da bolsa de valores, isso muda de figura.

Afinal, estamos falando do bitcoin na bolsa de valores, não é?

A agilidade da bolsa de valores

Isso acontece porque como a gente sabe que os preços dos ativos na bolsa de valores mudam de minuto a minuto.

E o preço de um ativo hoje, possivelmente, não será o mesmo preço desse ativo dessa classe de ativo daqui um mês.

É aqui que acontece a charada!

Outro exemplo um pouco mais próximo: você está querendo comprar dólar, mas você tem medo que daqui a um mês a cotação do dólar vai subir.

O que você faz?

Justamente por conta desse medo, você decidir realizar o contrato futuro de dólar.

Afirmando que daqui um mês na data de vencimento do contrato você vai pagar exatamente 3,30 reais por cada dólar de um total de mil dólares.

E aí pode ser realizado o contrato futuro.

Chegando o dia do vencimento do contrato futuro, o dólar do mercado pode estar 3,40 reais, que mesmo assim você vai pagar os 3,30 reais.

Ou seja, você saiu lucrando… E quem tem vendeu, saiu perdendo.

Bom, assim, “descobrimos” uma grande utilidade nos contratos futuros.

O contrato futuro pode ser importante justamente para a gente se proteger das oscilações do mercado, inclusive, essa é uma das grandes utilidades do mercado futuro no geral.

Essa é a capacidade de se proteger da oscilação que pode vir a acontecer no futuro.

É claro: se a cotação do dólar tivesse baixado você teria ficado no prejuízo e não no lucro.

Portanto, ainda que seja uma forma de se proteger, também tem seus riscos.

Bitcoin na bolsa de valores

Proteção nos investimentos

Mas, ainda assim, esse mercado tem um grande benefício para a segurança dos investidores.

E é justamente pensando nessa ideia de oscilação futura que os contratos futuros acabam se tornando úteis do Bitcoin.

Voltamos a falar sobre o bitcoin na bolsa de valores.

E com isso que provavelmente muitos investidores vão acabar apostando: na valorização ou na depreciação da moeda do futuro.

Ou se está se protegendo ou apostando em alguma coisa que vai [ou não] acontecer.

Leia Também como proteger seus investimentos da inflação?

E qual é a funcionalidade da Bolsa de Valores?

A bolsa de valores tem uma função muito importante no funcionamento dos contratos futuros porque é ela que acaba dando a infraestrutura e a intermediação deste contrato.

Então, pense na bolsa de valores, ao menos nesse caso, como uma instituição que dá segurança e conforto para esses investidores poderem operar, comprar e vender.

E no caso específico do bitcoin, a instituição que está desempenhando esse papel é a CBOE.

Ela nada mais é do que a maior bolsa do mundo especializada no mercado de ações.

Nos Estados Unidos existem mais de uma Bolsa de Valores.

Já aqui no Brasil, a gente está acostumado com BM&FBovespa que agora é chamada de B3.

Aqui pode fazer assimilação que em todo país só existe uma Bolsa, mas não é verdade.

Nos Estados Unidos tem a NYSE e a NASDAQ, que são duas das maiores bolsas do mundo.

Saiba Também como trabalhar na bolsa de valores?

E vamos para última pergunta…

Qual é a chance de termos bitcoin na bolsa de valores do Brasil?

Bom, como você já deve saber, há pessoas negativistas e otimistas quanto à moeda digital no Brasil assim como em todo o mundo.

Por isso, vamos responder a pergunta desse tópico e ao final dela vamos falar um pouco mais sobre o bitcoin para você entender como ele surgiu e como funciona, de fato.

Eventualmente, esse contrato futuro também vai acabar vindo para o Brasil, mas isso naõ deve acontecer tão rapidamente assim.

Isso porque estamos falando nos Estados Unidos, onde o Bitcoin já foi regularizado e classificado como uma commodity.

No Brasil, ele não é regulamentado.

Por conta disso, pode ser que demore um tempo ainda para o mercado brasileiro e a legislação brasileira conseguir amadurecer e agir.

Mas, o fato disso estar acontecendo nos Estados Unidos agora, com certeza é um bom combustível para que a gente possa ao menos esperar que isso também vai acontecer no Brasil.

Isso é muito legal de se ver, considerando que o mercado brasileiro em bitcoins é um dos mercados mais movimentados do mundo.

Bitcoin – como funciona

Visto essas fortes notícias, fica a pergunta sobre valer a pena ou não investir nas moedas digitais.

O nome remete à moedas e, obviamente, esse é o significado da palavra – Bitcoin é uma moeda. Mas, diferente de todas as moedas, ela não é palpável e nem física: ela é virtual.

O primeiro nome que aparece sobre essa moeda virtual é Satoshi Nakamoto, que surgiu com a ideia em 2009, onde, em principio, essa pessoa se identificou por seu nome. Mas, há quem fale em outros nomes importantes também.

A regra do bitcoin é a seguinte: a moeda deveria ser livre de ações estatais e normais políticas.

Por não ter emissão física, o Banco Central não controle o valor delas – o que dá a impressão de insegurança (mas, aparentemente, é só impressão).

Alguns nomes também mudam – quando um bitcoin nasce, ocorre o processo de mineração. E, assim, os computadores se confrontam a ponto de resolver problemas matemáticos.

O vencedor ganha a moeda e quanto mais ganha, maior é a produção de bitcoins.

A explicação ainda está um pouco confusa, mas calma. Nos tópicos seguintes tudo ficará mais claro, continue lendo.

Separamos tudo em 10 tópicos simples para que você não tenha mais dúvida. Confira!

1 – Como Ter Acesso aos Bitcoins?

Quando a moeda surgiu, qualquer pessoa poderia “minerar” os bitcoins. Hoje, não.

Se o indivíduo tiver interesse em produzir os bitcoins, precisará que o computador tenha um sistema totalmente equipado para a produção da moeda.

Outra forma de ter a moeda virtual é através das casas de câmbio. Sim, basta ir até um estabelecimento e comprar suas unidades de bitcoins.

O limite não é especifico e a pessoa pode comprar a moeda e aceitar criptomoedas quando se vende algo.

Já se o assunto for guardar moedas virtuais, então, é necessário ter um software instalado no computador, na qual será criado uma Carteira Virtual.

A pessoa só precisa se cadastrar e preencher um espaço com um código de letras e números para ser usado durante qualquer transação feita com a moeda.

Igualmente a forma com que se faz nas moedas convencionais: bitcoins são usados para várias funcionalidades. No Japão, como dito, são usadas para pagamentos.

Quanto às outras funcionalidades, é preciso buscar informação.

No Brasil, por exemplo, é possível contratar serviços como manutenção de computadores ou fazer compras pela internet com a moeda virtual.

Claro que, além de tudo, é preciso pensar na estratégia que vai usar com essas transações, que são registradas no sistema em ordem pública.

Porém, a identidade, do comprador e do vendedor, não é revelada na compra e qualquer transação não pode ser desfeita.

2 – Como é Feita a Determinação da Variação do Bitcoin?

Não existe uma pessoa que determina a variação, nem mesmo o Banco Central.

A moeda varia conforme o Bitcoin obedece a lei de oferta e procura. Assim, algumas instituições passam a funcionar como bancos virtuais, como a Bitcoin Exchanges.

3 – Como Usar Bitcoins nos Investimentos Financeiros?

Por mais surreal que pareça em um primeiro momento, o uso de bitcoins pode ser um bom negócio para quem quer investir no mercado financeiro – cada vez mais os mercados têm se mostrado abertos a pagamentos e outras transações com as moedas virtuais.

A valorização da moeda só aumentou desde sua criação.

Em 2013, por exemplo, o preço saltou para 1 mil dólar, sendo que o valor anterior era de 200 dólares.

Assim, você pode adotar o bitcoin como moeda para investimentos, porém, é preciso ter bastante ousadia e seguir a risca o mercado das moedas virtuais – o que se sabe é que a demanda das pessoas pela moeda é grande e, assim, a cotação tende a ser ainda maior.

Como todas as outras moedas, o bitcoin tem riscos e todas as situações tem que ser avaliadas com muita cautela.

Além de ser volátil, os bitcoins não tem certificação do BC e isso pode gerar uma desproteção.

Outra observação que tem que ser observada é sobre a produção da moeda, já que nem todo mundo pode produzi-la e mesmo quem tem acesso ao software e um computador terá custo para tal ação.

Com a falta de regularização, muitas casas de câmbio não fazem transações com a moeda, ainda que as reconhecem.

A opção que sobra é encontrar sites como bitcointoyoumercadobitcoin.

Fora isso, há de se ter cuidado com todos os males que a tecnologia trouxe – chaves de segurança, clonagens, armazenagens de dados mal feitos e problemas não incluídos no pacote de riscos.

4 – Quando Investir em Bitcoins?

Em recente notícia, analistas disseram que os tempos são bons para o que é chamado de moeda criptografada – mesmo após uma queda de quase 20%, a Ethereum Classic (ETC) teve crescimento de 4.500% no ano.

Bitcoin (BTC) lidera o mercado, até então, com 8,8% e pairando 2,3 mil dólares.

Os analistas previram que, certamente, este é um ótimo momento para as moedas criptografadas.

Murray Bernetson é um consultor de moedas e diz que assegurar os investimentos é a melhor escola.

Edward Cunninghan também falou sobre isso:

“Temos todo o conhecimento que mesmo em meses irregulares, o investidor tenha que segurar o seu investimento o máximo que puder”.

Já o presidente da Ghana Blockchain Institute, Samuel Dwomfour afirma que esse é o momento.

“Não estou perturbado. Este é o momento para todos aqueles que pensaram ter perdido o barco para embarcar”.

5 – Bitcoin é Especulação Financeira

Ainda que muita gente trate como investimento financeiro, para ganhar dinheiro com bitcoins é preciso saber ser um bom especulador de moedas.

Se você conhecer os riscos, poderá ganhar dinheiro – o problema é a falta de consciência.

Entenda que todo investimento financeiro, assim como toda especulação, é ruim se você não souber fazer da forma correta.

Para Leandro Ávila, que é especialista no mercado financeiro, “se você não entende a situação sobre o mercado, tem 50% de chance de ganhar dinheiro e 50% de perder”.

“Não podemos confundir investimento financeiro com jogos de sorte e azar”, ele garante.

A moeda tem características interessantes quando o assunto é moeda de troca. Foi para isso, afinal de contas, que ela foi criada.

Veja a conclusão do especialista:

“Eu acho fantástica a ideia de uma moeda mundial que não possa ser controlada pelos políticos de nenhum governo. Acho fantástica a ideia de uma moeda que possua uma quantidade limitada em circulação, que realmente possa ser usado como meio de troca seguro e estável”… E continua:

“O único problema que vejo é que isso precisa ser combinado com todas as pessoas do planeta e isso inclui os políticos que as pessoas elegem nas eleições que acontecem nos países democráticos”.

“As pessoas ainda não aprenderam a lidar com o próprio dinheiro, esse dinheiro normal, arcaico da era analógica. Mesmo assim, elas querem ficar ricas fazendo investimentos especulativos usando a moeda digital só por terem vistos mensagens na internet”.

Conforme Leandro, antes de tudo é preciso ter Educação Financeira e vamos falar um pouco disso antes de Citar um Guia Rápido sobre como Ganhar Dinheiro com Bitcoin.

A segurança de se investir em bitcoin

Tudo acontece devido à um código matemático único.

Depois, toda moeda é fiscalizada pelos blockchain.

O blockchain é uma tecnologia que é como se fosse um livro de registros e todas as transações são computadas nele. Isso garante a segurança e a integridade da moeda.

Toda vez que alguém faz uma transação, um novo código é gerado e adicionado ao código já existente do bitcoin.

Assim sendo, outro ponto que tem a ver com a segurança acontece na hora de comprar a criptomoeda.

Por se tratar de uma moeda digital, a compra é feita online, em plataformas especificas, chamadas de exchanges.

Para você investir em bitcoin, vai precisar ter um CPF válido e um computador conectado à internet – que pode ser também o seu smartphone.

No Brasil, existem plataformas como essa e as mais conhecidas são Mercado BitcoinBitcointoyou e Foxbit.

É como ter conta em uma corretora de valores e a plataforma é como se fosse o seu home broker.

A ideia é nunca deixar o dinheiro parado na conta, mas usá-lo de forma eficiente.

E, para isso, o mais recomendável, segundo quem investe em bitcoins, é criar uma carteira virtual para armazenar as moedas.

E, além do mais, há taxas.

Nós encontramos alguns números publicados na UOL, sobre essas taxas, confira:

– Mercado Bitcoin – taxa de 2,90 reais e mais 1,99% para cada depósito ou saque. Além disso, a empresa fica com algo em torno de 0,7% de cada transação (de compra e venda).

– Foxbit – taxa de 1,39% do valor depositado ou sacado e mais 8,95 reais. Além da comissão, que é de 0,50% para cada operação.

– Bitcoin To You – taxa fixa de 2,99 reais para depósitos de até 159 reais ou de 1,89 reais para depósitos acima de 160 reais. A comissão é de 0,60% para operações de compra e venda.

Outras 7 moedas além do Bitcoin

Em todo artigo focamos em como investir em bitcoin, mas talvez você ainda não saiba que o mercado de criptomoedas, apesar de ser novo, tem outras opções de produtos.

Nós buscamos as 7 outras opções que vão além do bitcoin e prometem fazer concorrência, veja.

1 – Litecoin

Esse é apontado como o concorrente número 1, chamado de prata digital (sendo que o bitcoin é o ouro digital).

Ela foi criada em 2011 (3 anos após o bitcoin) e foi criada por Charlie Lee, um ex-funcionário do Google, que buscou reduzir o tempo para confirmar as transações e ajustar a mineração.

“Minha visão é que as pessoas usariam Litecoin todos os dias para comprar coisas. Seria apenas o método de pagamento escolhido”, ele diz.

O limite de moedas é de 84 milhões unidades, sendo que o bitcoin tem 21 milhões.

O valor de mercado do Litecoin é de 13,5 bilhões de dólares e o desempenho anual foi de 6.000%.

2 – Monero

Tem um valor de mercado um pouco menor – 6,20 bilhões de dólares e acumulou desempenho acima dos 2.000% no último ano.

O criador, porém, é anônimo.

E nessa opção os detalhes incluem remetente, destinatário e tamanho, que são gravados em um sistema público, mas que não pode ser rastreáveis.

A moeda é indicada para empresas que querem mover o dinheiro sem que os concorrentes saibam.

Ao todo, são mais de 15 milhões de moneros em circulação.

3 – NEO

É o Ethereum da China, apelido que ganhou quando o fundador deu uma entrevista pública.

“Eu diria que há uma bolha nesta indústria, mas diria que está tudo bem. Toda tecnologia que seja tão perturbadora, definitivamente haverá bolhas, como o trem ou o automóvel”.

O NEO existem desde 2014, quando foi chamada de Antshares, depois mudou o nome.

Hoje são 65 milhões de NEO em circulação, que tiveram desempenho acima dos 99.000% em 12 meses.

O valor de mercado é de 8,16 bilhões de dólares.

4 – Cardano

No mercado, a empresa vale 20.21 bilhões de dólares e teve desempenho acima dos 3.000% nos últimos 12 meses.

O desenvolvedor criador foi o Blockchain Input Output Hong Kong (IOHK), em um projeto que começou em 2015 e ganhou fama pela sua filosofia cientifica.

Ele ainda é desconhecido se comparado aos concorrentes, especialmente ao bitcoin, só que já tem muitas trasações privadas.

Charles Hoskinson é o CEO da empresa e diz que ela se aplica em “sustentabilidade, interoperabilidade e escabilidade”.

5 – Ripple

No mercado, vale mais de 95 bilhões de dólares e teve desempenho de 41.000%.

Foi desenvolvida por Ryan Fugger, Chris Larsen e Jed McCaleb.

Eles trabalharam em empresas de softwares e criaram a Ripple em 2012, com a moeda digital XRP.

Para outros especialistas, é o sucessor do bitcoin.

Ela conecta bancos, provedores de pagamento, ativos digitais e empresas.

A tecnologia é licenciada a mais de 100 bancos e existem mais de 40 bilhões de XRP em circulação.

6 – IOTA

Vale mais de 11 bilhões de dólares no mercado e teve alta de 570% no último ano.

Criado por uma equipe de empresários, matemáticos e desenvolvedores tem como característica a taxa de negociação, mineradoras ou blocos.

7 – Bitcoin Cash

A última alternativa vale 45 bilhões de dólares e foi criada por uma equipe de pessoas.

É uma nova versão do bitcoin, só que mais rápido do que a moeda digital.

O desafio é ser adotado em grande escala, sendo preciso convencer as empresas a aceitar como forma de pagamento.

No máximo, são 21 milhões de moedas.

Com informações do Youtube

ANÚNCIO