Aposentadoria por tempo de serviço – o que é importate saber

Será que você vai mesmo ter que trabalhar até se aposentar? Com a nova regra, que está para ser aprovada, a aposentadoria por tempo de serviço passa a fazer parte de um contexto onde se inclui também o tempo de vida da pessoa…

Sabe o que isso quer dizer? Que para você aposentar bem (ao menos com 100% da média salarial que teve durante toda a vida) vai precisar ter 65 anos de idade (ou 60 se for mulher) e mais um tempão de contribuição com o INSS.

INSS é o Instituto Nacional do Seguro Social.

Então, vamos reforçar a pergunta: será que você vai mesmo ter que trabalhar até se aposentar?

Existe um fenômeno ainda pouco estudado que mostra que mesmo as pessoas que se planejam “bem” para um futuro abastado (com um bom dinheiro) estarão ativas no mercado de trabalho no período em que planejavam estar aposentadas.

Se uma ideia simples era se aposentar aos 50 anos, hoje isso é praticamente inviável.

Obviamente, não estamos falando das pessoas que não possuem planejamento financeiro, mas sim aquelas que consomem tudo que ganham no trabalho e têm a necessidade de trabalhar durante o mês para pagar as contas do mês seguinte.

O nosso foco aqui são as pessoas que continuarão trabalhando por causa da liberdade de escolha resultante da independência financeira.

Essas são pessoas que sabem que podem conseguir se aposentar com antecedência porque elas fazem por merecer e não ficam dependentes do governo.

Eis que estamos falando de independência financeira, está bem?

Leia Também – Como juntar 640 mil reais para a aposentadoria com 100 reais por mês

Trabalhar ou fazer o que gosta?

Essa liberdade adquirida que transforma o trabalho em uma atividade prazerosa que poucas pessoas podem usufruir. É o trabalhar por hobbie, por vontade própria, por gosto e não apenas para ter dinheiro e pagar as contas necessárias.

Se você não tem nenhuma reserva financeira, sabe que a qualquer dificuldade que encontrar na vida vai ter que se expor ao risco de mudanças ousadas – como abandonar um emprego para se arriscar em outra atividade e por aí vai.

Só que quem não se arrisca também não evolui e isso leva a um desgaste profissional que, ironicamente, só aumenta o desejo de você se aposentar com o passar do tempo.

Mas, quem se planeja adequadamente para o futuro, vê a realidade de outra forma: e se sente mais seguro e amparado para ousar profissionalmente.

Leia Também – 30 tendências de negócios 2018 – como ganhar dinheiro agora?

É fácil entender: se você tem dinheiro guardado, se fez a lição de casa na economia financeira, terá um leque maior de opções para arriscar algo ousado, novo, que vá lhe render bons recursos financeiros.

É como as diversas formas de pagar: quem tem dinheiro a vista, consegue os melhores preços porque os vendedores dão descontos. Na vida é assim também: quem tem dinheiro consegue optar pelas melhores “compras” que a vida oferece.

Isso significa experimentar oportunidades que a maioria das pessoas não tem simplesmente por não levar em conta um controle financeiro mais adequado.

Quem tem mais chance de escolha, tem também um maior leque de experiências e referências e isso dá um diferencial no currículo que só elevará o número de convites para novas oportunidades.

Outra coisa: quando você alcança a independência financeira sua bagagem profissional somada à liberdade de ousar e arriscar te oferecem tantas oportunidades que dificilmente você não encontra algo que te atraia.

Afinal, pode arriscar mesmo, já que não depende mais da renda do trabalho para se manter.

O objetivo de trabalhar não é apenas ganhar dinheiro, mas se manter inspirado.

É por isso que, em vez de só usufruírem da fortuna acumulada tantos empresários  e profissionais de sucesso optam por se manter tão ativos quanto na juventude ao chegarem à idade típica da aposentadoria.

Agora, leve em conta que são pontos distintos: uma coisa é você estar em um emprego chato até a aposentadoria e outra coisa é fazer o que gosta pelo resta da vida.

Qual desses vocês preferem?

O segredo é ter independência financeira

A ideia aqui, a reflexão, é para você pensar nisso porque todo mundo tem capacidade de ter independência financeira se começar a levar a sério a ideia de controlar o próprio dinheiro.

O assunto da aposentadoria por tempo de serviço vai continuar sendo muito importante e imprescindível na vida das pessoas, especialmente para aquelas que dependem do governo.

A nossa dica aqui é justamente essa: não dependa do governo – monte sua própria fortuna.

Antes de prosseguir, veja esse vídeo sobre como alcançar a independência financeira:

Sinceramente, você vai ter que trabalhar até seus últimos dias de vida independentemente de ter se planejado financeiramente ou não. Resta saber se isso será prazeroso para você ou não. Se você tem opção de escolha, então, opte por fazer o que gosta.

Até porque seus gastos vão crescer com o passar do tempo, seja com a sua saúde ou com suas necessidades de conforto.

Mas, é importante saber como vai ser esse trabalho.

Por isso, cuide da sua educação para se manter valorizado pelas próximas décadas e para poder fazer escolhas melhores para a sua vida.

E então, você já sabe como manter valorizado no mercado para que seu sustento no futuro não se torne um fardo para você, para seus filhos ou para seus netos?

Para te ajudar a pensar um pouco mais nisso, separamos mais dois tópicos no decorrer deste artigo: por que a aposentadoria não funciona e previdência ou títulos públicos?

Primeiro, vamos mostrar porque a aposentadoria do governo não deve ser uma prioridade para você e porque você tem que criar a própria fortuna. Depois, vamos falar de duas opções de guardar dinheiro para o futuro. Leia!

Por que a aposentadoria não funciona

Agora, vamos falar um pouco sobre o futuro, ou melhor, por que o futuro para muitas pessoas é uma ameaça, um perigo?

A maioria das pessoas não planeja sua aposentadoria, sua vida pós-carreira e o erro começa aqui. Elas apenas contam com governo ou com a saúde da família e dos filhos.

E se você está entre os que planejam, será que merece os parabéns? Depende!

Depende de qual é a forma que você faz isso!

As chances são muito grandes você esteja seguindo o caminho errado, o caminho que a maioria segue e que vai gerar muita frustração lá na frente.

Pensar que tem uma previdência privada é tudo que você precisa é um erro e vamos falar disso no último tópico!

Pensar no futuro é importante, mas fazer escolhas certas é que é o diferencial.

Aliás, considere aqui que nem estamos falando em aposentadoria por tempo de serviço, está bem? Nosso foco agora é a independência financeira.

Para tanto, não basta estabelecer uma renda futura e se contentar com ela. Pode ter certeza: ela não será suficiente.

E vamos explicar com uma história o porquê que isso acontece.

Só pensar não basta. Entenda!

Imagine que você tem uma vida ainda jovem, uma vida que seja uma rotina claramente estabelecida, que traz muito conforto a você.

Daí, o hábito é tirar 15 dias de férias por ano, fazer uma compra do mercado, sua rotina de exercícios, visitar amigos, família  e que você planeja o seu futuro.

Somado à isso,  você planeja sua aposentadoria da mesma maneira que você vive hoje, ou seja, você quer tirar 15 dias de férias por ano, você quer fazer suas compras, manter sua rotina.

Logo, a conta é simples: se você tem uma renda de 4 mil reais que dá para fazer tudo isso, no futuro, precisará também de 4 mil reais por mês. É isso? Claro que não!

Aliás, basta ter a renda atual lá na frente (ou a renda atual corrigida pela inflação) para que você mantenha seu estilo de vida? Não.

E isso pode ser explicado por uma razão muito simples.

Imagina um jovem de 25 anos tirando 15 dias de férias. 15 dias podem ser muito interessantes, muito divertidos, muito confortáveis.

Ele vai passar esse tempo dormindo num albergue, num hotel de banheiro coletivo, dividindo o quarto com os amigos, dormindo talvez num banco de trem, de praça e mesmo assim serão férias memoráveis, férias divertidas.

Para muitos, essa é uma das melhores fases da vida, né!

Mas, já com 35 anos, se você for tirar férias, talvez a preocupação esteja em encontrar um hotel que tenha monitores para cuidar dos seus filhos, que tenha uma refeição seus filhos possam comer, um grau de conforto um pouco maior.

É outra fase da vida – totalmente diferente!

Com 45 anos, o ideal é que esse hotel esteja próximo do ponto turístico.

Com 55 ou 60 anos, o melhor é pensar que esse hotel seja no ponto turístico.

Você já caminhou tanto durante a vida, agora você quer mais conforto, mais conveniência.

Com 75 ou 80 anos, talvez você tenha que ter um hotel que ofereça tecidos antialérgicos na cama em que você vai dormir e que elas sejam também mais elevadas – é um grau de conforto maior.

Talvez, mas só talvez, possamos pensar até mesmo em seguradores no banheiro, para você não cair ao sentar no vaso sanitário.

Ou seja, o que era luxo para jovem de 25 ou 30 anos é o conforto (o básico) para uma pessoa de 75 ou 80, que pretende continuar viajando.

E, por mais que doa, a verdade é que nós envelhecemos quando não conseguimos mais manter em nossa vida aquilo que era básico, aquilo que era nossa rotina.

Então, você não pode se iludir, acreditar que basta manter o mesmo padrão.

O que você precisa é de um projeto pra ter não uma renda futura estável, mas sim uma condição perpétua de renda sempre em crescimento, de renda crescente.

Aposentadoria por tempo de serviço – o que é importate saber

Reprodução: Google

E a aposentadoria do governo?

Agora sim vamos mexer na ferida.

Você acha que o INSS tem condições de te pagar mais do que você ganhou durante toda a sua vida? Afinal, seus gastos serão maiores, não acha?

É óbvio que não!

Você não pode fazer vistas grossas para este tipo de coisa!

O governo está criando uma nova reforma para te pagar bem menos do que os 100% da sua média. Ou seja, se você ganhava 4 mil reais, ele vai te pagar 3 mil reais. O que acaba nem sendo justo – mas não vamos entrar nesse mérito.

Entenda a Reforma da Previdência!

E, como falamos neste tópico, ao invés dos 4 mil reais, você precisaria de algo em torno de 5 mil reais e não 3 mil reais. Entende essa diferença e por que é tão importante refletir sobre isso?

Então, qual é a ideia? A ideia é usar a aposentadoria do governo, se você tiver direito e somar a isso outra renda – que pode vir de investimentos financeiros. E é sobre isso que se trata a parte final deste artigo!

Previdência ou títulos públicos 

Se você tem a ideia de complementar a renda do governo, então, está buscando o que chamamos de renda complementar ou títulos complementares, salário complementar… Bem, não importa o nome!

O fato é que você quer juntar dinheiro hoje, enquanto é jovem, para ter uma aposentadoria confortável, já que nessa época você terá mais gastos. Certo?

Então, a partir disso, pensamos em criar uma “poupança” para o futuro. E é aqui que fica a grande questão deste artigo: qual é a melhor aplicação para guardar dinheiro para o futuro?

Na verdade, são tantas as opções que não conseguiríamos ditar todas. E, dessa forma, optamos por responder a principal dúvida dos leitores: previdência privada ou tesouro direito!

Então, vamos lá!

Previdência x Tesouro

Primeiro, vamos explicar que são serviços financeiros diferentes!

Títulos Públicos

Uma coisa é investir em títulos públicos, que é emprestar dinheiro ao governo em troca de remuneração. Isso pode ser feito com um serviço de gerenciamento de diluição de risco que o meu banco oferece a minha empresa de gestão de ativos oferecem – fundos.

Aliás, também dá para optar por investir em fundos específicos da renda fixa, que nada mais é do que investir em títulos públicos só que com alguém gerenciando minha carteira de títulos públicos!

Apesar de ter taxas administrativas altas, se bem escolhidos, os fundos podem conseguir o que é chamado de “diluição de risco”, que traz maior estabilidade na carteira de investimentos.

Basicamente, é como tem alguém cuidando do meu investimento e, obviamente, eu pago uma taxa por isso.

Então, sai mais caro pagar a taxa de investir num fundo de renda fixa?

Nem sempre!

Isto por que investir em títulos públicos envolve uma taxa de custódia que as corretoras cobram.

Para quem tem um volume razoável de recursos acima de 100 mil reais anualmente a administração dos fundos de investimentos igual ou até melhor do que a taxa de custódia cobrada nas corretoras.

Então, tesouro direto, títulos públicos é para quem está numa fase de construção de patrimônio. Ou seja, é quando as pessoas que não tem nada guardado resolvem acumular dinheiro pensando lá na frente.

Antes de escolher um desses, porém, é preciso ter acesso aos melhores fundos que fazem uma gestão mais interessante considerando vários fatores.

Falamos bastante disso em um ebook que produzimos. Se tiver interesse, leia: Como Investir em Renda Fixa: O Guia Definitivo!

Previdência privada – o que é?

É um serviço mais complexo do que o serviço de fundo de investimento!

O plano de previdência privada conta com a figura do corretor de seguros, tá?

Isso já é bastante significativo de se pensar.

É provável, por exemplo, que o se seu gerente vai te oferecer um plano de previdência privada ao invés de um título público.

Por quê?

Porque ele é como um corretor quando vende previdência, ou seja, ganha comissão por isso. Já quando vende títulos públicos, ele não ganha nada. Aí, fica a pergunta: qual você acha que ele vai querer te vender?

Depois de conversar com o corretor/gerente de banco será feito um plano que envolve o quanto investir durante um determinado tempo.

Isso pode embutir, por exemplo, um seguro – que pode dar garantias aos filhos, mulheres, netos.

Tudo isso e muito mais vai estar detalhado em um pacote de serviços, que inclui também a gestão do investimento. Você vai pagar um pouco a mais do que a taxa de carregamento do tesouro, obviamente.

Existem opções de previdência que cobram até pela entrada neste tipo de investimento financeiro.

Isso quer dizer que é preciso muito conhecimento para escolher um bom plano de previdência privada porque o pacote inclui planejamento (até mesmo sucessório). Dessa forma, a previdência pode ser vista até mesmo como um testamento.

Aposentadoria por tempo de serviço – o que é importate saber

Reprodução: Google

Qual é o melhor tesouro ou previdência?

Não existe o melhor ou o pior. Tudo vai depender do seu ponto de vista e da sua necessidade de investir dinheiro e para que.

O que podemos dizer é que na grande maioria dos casos, o tesouro é mais compensador. Mas isso não é regra.

O jeito é pesquisar sobre as taxas, as regras e as rentabilidades.

Se a sua ideia é fazer um testamento, então, pode pensar sim na previdência. Mas, se a sua ideia é acumular patrimônio para ter uma aposentadoria sem depender do governo, é muito provável que os títulos públicos sejam mais viáveis.

Agora, se você ainda não sabe muito sobre os títulos públicos, temos um bônus.

Se você ainda não está satisfeito com a resposta, leia agora mesmo:

Previdência privada ou Tesouro Direto para a aposentadoria? 5 Comparações

Bônus – o melhor título público?

Na verdade, saber qual é o melhor título público, é uma decisão que você toma a todo o momento que passa a considerar os seus melhores papéis.

Esses papéis e as rentabilidades mudam diariamente.

É por isso que é tão importante ter uma corretora de investimentos para fazer análise de qual papel é o mais adequado no momento.

Essas corretoras podem fazer até mesmo comparações especificas para você entre as previdências e os títulos públicos, incluindo nisso um terceiro elemento: os fundos de investimentos.

E nós não estamos fazendo jabá para nenhuma corretora não, tá bom?

Os que queremos dizer que é elas são muito mais confiáveis do que os bancos. E isso porque os profissionais que atuam nelas não são como corretores que ganham apenas em cima de um único investimento.

Para eles, quanto mais você ganhar, mais eles ganham também. Portanto, acredite: quase sempre eles vão te ofertar o melhor produto do mercado e não apenas de um banco.

Descubra como escolher uma corretora de valores:

O ideal é você fazer um exercício de auto análise e avaliar qual é o seu tempo de aprendizado para conhecer mais sobre o melhor papel para você e como montar uma carteira de investimentos que se adeque ao seu perfil.

Busque as informações de vários jeitos diferentes: internet, com ebooks, vídeos, workshops, especialistas, nas corretoras e até mesmo nos bancos. Depois, faça um apanhado geral de tudo que aprendeu.

Agora, existem algumas regras que precisam ser seguidas.

Por exemplo, se você não tem tempo para investir até se aposentar, ou seja, se falta poucos anos para isso, nem cogite aplicar no tesouro, o ideal é pensar em algo mais arriscado do que isso.

Lembrando que é uma relação de custo benefício – você está pagando por isso, portanto seu desempenho será menor no longo prazo e provavelmente é rentável mesmo com uma gestão de carteira ativa.

Então, saber qual é melhor depende de você!

Lembre-se de fazer a auto avaliação, com conhecimento financeiro, educação financeira e estudo aprofundado que também vai ajudar você a ter esse entendimento!

Busque mais informações sobre o assunto e você vai descobrir qual é o produto mais adequado para você!

Da redação com informações do youtube