Aumenta número de pais preocupados com aposentadoria dos filhos, diz pesquisa

ANÚNCIO

O estudo foi feito pela Boa Vista SCPC e mostrou que o percentual desses pais aumentou de 42% referente ao mesmo período do ano passado para 59%. De todos os pais que poupam dinheiro para os filhos, mais da metade optam pela caderneta da poupança.

Na ordem crescente, 8% optam pela previdência privada. 7% optam pelos fundos de investimentos, ações ou CDBs (Certificado de Depósito Bancário). 6% pelos títulos de capitalização.

ANÚNCIO

Para Ricardo Paixão, que é economista e conselheiro do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES), o número de investidores que optam pela poupança mostra que falta conhecimento sobre as opções de investimentos financeiros.

“A poupança é uma boa aplicação, mas se a pessoa não tiver muito disciplina, é bem provável utilize que aquele recurso para outra finalidade antes do prazo determinado”, disse.

Paixão conta que é importante conhecer outras opções que vai além da caderneta, especialmente aquelas que oferecem rendimentos mais atrativos no longo prazo.

ANÚNCIO

“Quando se fala em guardar dinheiro para o futuro dos filhos, trata-se de aplicação a longo prazo. Nesses casos, é recomendável definir a finalidade da poupança, depois escolher o produto financeiro mais adequado”, comentou.

“Por exemplo, o CDB e a previdência privada podem ser mais vantajosos”, completou.

Para escolher o produto financeiro mais adequado você tem que conhecer um pouco mais sobre a renda fixa – e nós temos um guia completo e GRATUITO sobre ela. Baixe sem Custos agora mesmo > Como Investir em Renda Fixa: O Guia Definitivo!

A preocupação com o futuro dos filhos

O que se sabe é que pensar no futuro dos filhos não é tarefa fácil – não mesmo!

Isso porque existem os gastos com estudos, carros, viagens e muitos sonhos que acontecem ao mesmo tempo – a solução é ter um bom planejamento financeiro.

Esse plano de finanças tem a ver com o fato de poupar dinheiro desde o nascimento da criança – isso não peça no bolso dos pais.

As alternativas para isso são várias: previdência privada, títulos de renda fixa e debêntures são opções mais rentáveis do que a poupança para o longo prazo – e exigem aporte inicial baixo.

Osvaldo Ferreira Júnior é administrador de empresas e diz que aplica 400 reais todos os meses em previdência privada desde quando sua filha (Lorenza) nasceu.

“Se sobra um pouco de dinheiro no fim do mês, também guardamos”, conta.

A quantia não tem destino certo, mas a prioridade é assegurar a educação da filhota.

Se não for possível poupar desde os primeiros dias de vida, a ideia é pensar após o primeiro ano – mas que se comece o quanto antes.

“É só deixar de tomar um café por dia”, afirmou o Mauro Calil. Se o café custa 4 reais, em um mês dá 120 reais e no ano mais de 1,4 mil reais.

A partir de 25 reais já é possível contratar planos de previdência privada.

Com 100 reais, há os fundos de debêntures incentivadas – que tem melhor rentabilidade. Esse é um título privado de renda fixo emitido por companhias ligadas a projetos de infraestrutura, como rodovias e aeroportos.

Se o pai tem mais de 500 reais para iniciar as aplicações financeiras, recomenda-se o CDB, que é uma boa alternativa e o funcionamento é muito parecido com a das debêntures.

Isso porque, para Calil, “investir dinheiro na poupança no longo prazo é perder dinheiro”.

A previdência privada para as crianças – quais os benefícios

A previdência infantil pode assegurar o pagamento integral de uma faculdade ou realizar os projetos futuros dos filhos – esse investimento, portanto, não tem que ser pensado como gastos para enxoval, fraldas e o quarto do bebê.

Os pais costumam ter uma visão ao longo prazo pensando nos projetos dos filhos, normalmente, faculdade ou carros!

“Com o avanço de iniciativas à educação financeira, os pais estão cada vez mais conscientes da necessidade de se planejar para o futuro. Investir na previdência infantil é uma boa alternativa, pois a administração do dinheiro fica sob a responsabilidade de especialistas”.

Martin Iglesias é do Itaú Unibanco e foi quem fez a afirmação acima.

Os planos de previdência têm seus benefícios, separamos alguns. Confira!

Benefício Fiscal

Uma previdência privada infantil pode ser deduzida em até 12% da sua renda na declaração do imposto de renda atual. Além disso, os filhos podem sacar as quantias sem ter que pagar o imposto de renda.

Na prática, pense em uma renda tributável mensal de 10 mil reais – que dá 120 mil reais ao ano. Ao aplicar 12% desse valor, a pessoa terá mais de 14 mil reais para deduzir no próximo ano – a Receita Federal pode tributar apenas 105 mil reais e não o valor total.

Esse imposto é pago no momento do resgate.

Quanto antes melhor

A previdência pode ser feita em qualquer idade, desde os primeiros dias de vida.

Os bons rendimentos da previdência valem para prazos maiores do que 10 anos.

Se o plano começar desde o berço, o valor mensal da contribuição pode ser mais baixo.

É importante ressaltar também o fato de que a criança pode começar a entender sobre o dinheiro logo na fase infantil para que continue poupando com o decorrer do tempo.

A educação financeira é benéfica tanto para mentor quanto para a criança.

Os tipos de planos

É importante conhecer os tipos de planos antes de iniciar um investimento financeiro.

Na previdência, existem dois tipos: PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). A maior diferença está na tributação e na dedução.

Aposentadoria para todos!

A aposentadoria deve ser pensada para todas as pessoas e não apenas para as crianças.

A diferença é o planejamento, entre o prazo de resgate e o tempo do investimento. Quanto mais tempo, maior o acumulo de patrimônio.

A grande questão é entender que não se pode mais ficar dependente do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

A aposentadoria é marcada por ser uma transição da passagem da vida para uma nova fase, ainda que muitas pessoas optem por continuar trabalhando ou conseguem antecipar tal período. No entanto, sempre vai haver mudanças.

Ao que diz respeito à isso, podemos falar, inicialmente, do estilo de vida, que vai depender, irremediavelmente, das escolhas financeiras que fizermos hoje. Se não juntarmos nenhum dinheiro, obviamente, ficaremos na dependência de tudo que vem do poder público.

E, como sabemos, nem sempre podemos contar com ele.

O foco deste artigo é mostrar como é possível ter um plano de aposentadoria que seja confortável e seguro, a fim de que o trabalhador consiga aproveitar a vida da melhor forma e sem ficar dependente do governo ou de outras instituições financeiras.

Por que pensar na aposentadoria é importante

Quando o assunto é a aposentadoria, os brasileiros podem se dividir em muitos grupos:

– Têm aqueles que trabalham com Carteira de Trabalho e acham que estão seguros com o INSS, só que aí, logo, lembram-se das grandes mudanças que estão acontecendo no atual governo, o que deixa um mundo inteiro de incertezas.

– Tem os trabalhadores informais que recolhem o Imposto do Governo e estão praticamente na mesma situação: vendo o atual cenário e se assustando com o futuro.

– Tem aqueles um pouco mais informais, que não recolhem o imposto e tentam fazer o que dá para poupar dinheiro e jogar na poupança, com medo do futuro e com as incertezas se no mês que vem terão trabalho.

– Tem aqueles que estão prestes à se aposentar, tem os já aposentados que ainda continuam trabalhando, tem o que não fazem ideia de quanto vão se aposentar e aqueles que estão contando os minutos.

Enfim, as situações são as mais diversas. E, para todos, pensar na aposentadoria é algo que dá frio na barriga.

Sim, até para aqueles que estão em parceria com o INSS, aliás, vai dizer que você nunca viu algum caso de alguma pessoa que pagou o teto do INSS durante toda a vida e na hora de se aposentar conseguir somar apenas 3 salários mínimos? São muitos casos como esses…

Aumenta número de pais preocupados com aposentadoria dos filhos, diz pesquisa
Reprodução: Google

Como Construir uma Aposentadoria Milionária!

Qualquer extremo vai te fazer mal e te prejudicar na hora de construir uma aposentadoria milionária.

Se você é daqueles que não poupa nada, e não está nem aí para o futuro, você corre grande risco de ficar dependendo do governo e de outras pessoas no seu futuro e lembre-se que o seu futuro, como é natural do homem, pode te reservar muito além dos cabelos brancos, assim como as dores nas costas, entre outros.

Outro extremo é o de poupar muito dinheiro e não viver o hoje.

É claro que não adianta você guardar 95% do salário para aposentadoria e passar fome, ficar doente, não investir na educação. Você precisa estar vivo, estar bem, estar completo para aproveitar a sua aposentadoria milionária.

REVELADO O SEGREDO PARA TER UMA APOSENTADORIA PROTEGIDA

“Tem que fazer uma poupança de longo, uma de médio e uma de curto prazo. Assim, para o de curto prazo, o ideal é guardar dinheiro para as férias de julho e para trocar de celular, por exemplo. Para a de médio prazo, você guarda dinheiro para trocar de carro ou fazer intercâmbio no exterior. E a de longo prazo, você usa para fazer uma previdência”, afirma Augusto Sabóia.

“O ideal é que toda projeção seja conservadora, para estes casos. De forma que deve-se estimar rentabilidades mais baixas e deixar-se de ser surpreendido por rentabilidades mais altas, caso aconteça. Este conservadorismo também é protetor da inflação que pode ser mais alta do que o estimado”, diz Ronaldo Bella, da Allux Investimentos.

Quanto é preciso para ter R$ 1 Milhão?

“Não existe idade correta para começar a investir em plano previdenciário. Quanto mais cedo melhor. Para aqueles que têm filhos, o ideal é começar a investir assim que eles nascerem”, diz Domingos.

Daniel Zamboni é assessor de investimentos na Br Investe e parece ter a resposta: quanto mais tempo a pessoa tiver até a data da aposentadoria, menos ela terá que poupar por mês – devido ao poder dos juros compostos.

Para isso, ele recomenda definir quantos anos lhe faltam: 15, 30 ou 45, por exemplo.

A partir disso, o ideal é pensar na economia mensal necessária para alcançar o milhão.

O especialista levou em conta duas taxas reais – de 5 e 7% ao ano e como é impossível prever a inflação, considerou os valores em forma de que o poder de compra seja mantido, considerando os efeitos da inflação.

Assim, os valores da tabela equivalem ao valor de 1 milhão de reais hoje.

Para Zamboni, as melhores opções para a aposentadoria são os títulos do Tesouro Direto, que pagam o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) mais 5% ao ano, como no caso do Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais e o vencimento em 2035.

“Tais títulos são garantidos pelo Tesouro Nacional e preservam o poder de compra, pois pagam a inflação, que é o IPCA acrescida de uma taxa real”.

Levando em conta esses pressupostos, veja quanto é preciso juntar para ter uma economia milionária na aposentadoria (1 milhão de reais), conforme o período de tempo investido.

Prazo (Anos)       Taxa Real          Economia Mensal

  • 45                                          7%                                      280 reais
  • 25                                          7%                                      1.250 reais
  • 15                                          7%                                      3.200 reais

Prazo (Anos)       Taxa Real           Economia Mensal

  • 45                                          5%                                       500 reais
  • 25                                          5%                                       1.700 reais
  • 15                                          5%                                       3.750 reais

Dicas para quem não consegue poupar dinheiro

Os especialistas dizem que mesmo que seja em poucos valores, o mais recomendável é poupar mensalmente. Se não for possível economizar com o valor do salário, vale a pena pensar em ter uma renda alternativa para conseguir dinheiro extra, ainda que seja eventual.

Os pequenos aportes mensais podem parecer insignificantes, mas não são. Após alguns meses já é possível ver um saldo razoável para lidar com situações de emergência, como consultas médicas ou despesas corriqueiras – como a manutenção do veículo.

Dos brasileiros que tem esses hábitos, a intenção é lidar com imprevistos. Cerca de 38% economizam para prevenir os problemas familiares. Outra parte – 30% – fazem isso pensando na possibilidade de perder o emprego.

E um mesmo número diz que a finalidade é ter uma reserva para aumentar a qualidade de vida.

“Você poupa por precaução. Um sistema como o brasileiro, que paga aposentadorias semelhantes à renda da vida ativa a pessoas relativamente jovens, estimula a gastar em vez de poupar porque você sabe que está protegido”, diz Luis Henrique da Silva de Paiva, pesquisador de previdência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea.

Com informações do eshoje, dgabc, ig e uol

ANÚNCIO