Sobrou dinheiro no fim do mês e agora, qual aplicação financeira escolher?

A luta para fazer o dinheiro sobrar no fim do mês é árdua e incessante, no entanto, algumas vezes conseguimos tal êxito financeiro. Porém, com o desgaste, acabamos por ficar em dúvida sobre qual investimento financeiro é o melhor para a ocasião.

Este artigo vai te ajudar.

Bem, se você leu o título deste artigo, desconsidere que estamos falando de usar o seu esforço financeiro, visto em alguns reais para comprar presentes ou passivos. Nosso foco é falar sobre produtos financeiros que vão gerar renda para você no futuro.

– Desconsidere as compras por impulso e os gastos supérfluos.

Portanto, esse texto também pode ser direcionado para ocasiões onde foi possível conseguir algum dinheiro extra, como o 13º salário, bônus das férias, entre outros.

Além disso, o investidor tem que considerar alguns pontos importantes na hora de aplicar dinheiro no mercado financeiro.

Daniel Zamboni é assessor da BR Investe, confira os pontos que ele considerou fundamentais.

A Importância da Inflação

“O que realmente importa na hora de aplicar é o ganho real, ou seja, a parcela da rentabilidade que ultrapassa a inflação, garantindo o nosso poder de compra ao longo do tempo”, diz o especialista.

Ele fala isso ao comentar que os ganhos da poupança são enganosos – nos últimos três anos, o ganho nominal foi de 7,85% ao ano e o real ficou em 0,77% ao ano.

A Nova Regra da Poupança

Com a queda da Selic para números abaixo de 8,5% ao ano, começa a valer a nova regra da poupança – que rende 70% da Taxa Selic somada à Taxa Referencial e não mais os 0,5% mais a Taxa Referencial que acontecia.

Com a atual Selic, o rendimento caiu de 6,2% ao ano para 5,7% ao ano.

Poupança só rende no Aniversário

Ele lembra que todas as aplicações financeiras têm relação com a carência, mas na poupança isso é acentuado porque ela remunera diariamente, a partir do mês seguinte à data de depósito.

“Muitas pessoas nãos e atentam às datas de aniversário de seus depósitos na poupança, sendo que vários aplicadores nem sabem o que isso significa”, argumenta.

Fundo Garantidor de Crédito – FGC

O FGC foi criado para proteger o sistema financeiro bancário contra possíveis problemas de insolvência para valores de até 250 mil reais por CPF.

Além da poupança, essa segurança está também em produtos como CDB, LCI, LCA, LCs.

Por outro lado, os títulos públicos não tem a garantia do FGC, porém, são segurados pelo Governo Federal, através do Tesouro Nacional.

As Rentabilidades dos Produtos Financeiros

O baixo retorno de alguns investimentos é o que faz com que os investidores migrem de um produto para outro – por mais que a diferença pareça pequena, ao longo dos anos ela torna-se exponencial.

“Há um tempo assessorei um casal que estava relutante em sair da poupança por julgar que a diferença no rendimento era pequena, mas após colocarmos tudo na ponta do lápis, o diferencial na rentabilidade os levou para a Europa”, conta o assessor.

Onde Aplicar o Dinheiro que sobrou?

Também vamos levar em conta que você está com as contas em dia, sem dívidas ou sem boletos atrasados – o que faz com que o investimento seja a melhor aplicação financeira.

Mesmo porque seu receio pode vir do mito de achar que para investir dinheiro é preciso ter muito dinheiro – isso não é verdade. Com uma pequena quantia já é possível começar a caminhar para a riqueza em um processo contínuo e progressivo.

CDB – Certificado de Depósito Bancário

É um título de renda fixa na qual o investidor já sabe quanto o dinheiro vai render no futuro.

No CDB, o investidor ganha o lucro do seu empréstimo, que é previamente determinado.

Na prática, você investe dinheiro no banco e ele te paga juros por isso.

Quanto maior o investimento e mais tempo, melhor a rentabilidade.

Para esse tipo de aplicação, quantias de 1 mil reais já é possível para prazos de 2 anos.

Fundos de Renda Fixa

Esse investimento é aquele onde o investidor empresta dinheiro para empresas privadas ou bancos – sendo que o rendimento pode ser pré-fixado o pós-fixado. Ambos são conservadores, ou seja, com riscos baixos.

A aplicação, como o CDB, acarreta o imposto de renda, a taxa de administração e, algumas vezes, taxa de performance. Isso tudo é importante para não correr a rentabilidade final.

Títulos Públicos

Essa é a alternativa número 1 quando se fala em investimento mais rentável do que a poupança – e que tenha a mesma segurança.

Nesse caso, o dinheiro é emprestado ao governo e não à instituição financeira privada, como bancos. Daí, o governo usa para fins como infraestrutura, tecnologia, saúde, educação, outros.

Os títulos rendem super bem no longo prazo e são seguros, mas também incidem no imposto de renda.

Poupança

Esse é o tipo de aplicação financeira mais comum no Brasil e leva em conta a facilidade, já que não tem cobranças, taxas e nem impostos. No entanto, a rentabilidade é uma das mais baixas.

Esse caso é recomendável apenas para pessoas que tenha pouquíssimo dinheiro e estão pensando em poupar um pouco mais para investir.

Mas, atente-se ao fato de que o Tesouro Direto já permite aplicações de somente 30 reais.

Sobrou dinheiro no fim do mês e agora, qual aplicação financeira escolher?

Reprodução: Google

O Melhor Investimento Financeiro para 1 Mil Reais – Qual é

Antes de escolher uma opção para investir o seu dinheiro é totalmente necessário saber para que fim o dinheiro vai ser aplicado – avalie o risco e o tempo para o resgate.

Apesar da oferta excessiva que o mercado financeiro dispõe, existem títulos que tem a ver com os seus sonhos.

Se o dinheiro que você conseguiu fazer sobrar e acumular é de 1 mil reais ou um pouco menos, temos algumas opções específicas para você escolher com as atuais oportunidades – lembrando que a poupança não rende muito.

Tesouro Selic

“É uma ótima opção para quem não tem um valor inicial muito alto, a partir de 30 reais já é possível investir”, afirma a assessora de investimentos da Praisce Capital, Licelys Marques.

Para ela, a aplicação rende muito mais do que a poupança desde que o investidor preste atenção nas taxas que serão cobradas pelas instituições financeiras, a partir da qual é possível avaliar o retorno.

Para o assessor de investimentos da Alta Vista Investimentos, André Albo, a visão está correta.

“De fato vale muito a pena, devido à liquidez diária e por poder ser resgatado a qualquer momento. Pode funcionar como um fundo de emergência a curto prazo”, garante.

O Tesouro Selic tem a incidência do Imposto de Renda, também.

Tesouro IPCA

Max Scamtimburgo é da Atlas Invest e diz que o Tesouro IPCA é o mais indicado nessa situação: “se esses 1 mil reais fossem meus e eu tivesse algum prazo, iria para a NTN-B 2019”, comentou.

Para ele, a rentabilidade real é muito boa se você conseguir levar o título até o vencimento.

Sobre o NTN-B 2019, ele é um título que tem o rendimento composto por duas parcelas, sendo uma a de juros prefixada e outra que varia conforme a inflação, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), com vencimento para 2019.

“Se o mercado melhorar, como eu acredito, o fiscal sendo encaminhado, inflação diminuindo e o Banco Central baixando os juros, a taxa vai baixar. É um risco razoável e uma rentabilidade muito boa”, garante o assessor.

Fundos DI

O Fundo DI fica atrelado ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

“O fundo de investimento funciona como uma associação de investidores que juntam dinheiro para ter um volume maior e conseguir um investimento melhor e que renda mais para todos”, diz a assessora da Praisce.

A recomendação, como todos fundos de investimentos, é analisar bem as taxas, que interferem na rentabilidade da aplicação.

“Uma taxa que vale a pena não deve passar de 1% e mesmo assim não vai render tanto como poderia com uma taxa menor”, afirma Marques.

“A questão do Fundo DI é que os bancos costumam colocar uma taxa de administração muito alta em aportes mínimos e aí não compensa o retorno do investimento”, diz Scatimburgo.

“Não é porque é um investimento conservador que você pode sair investindo sem avaliar os riscos”, lembra o assessor da Atlas.

Os fundos também tem Imposto de Renda na incidência.

Previdência Privada

Existe também a opção das previdências privadas, mas apenas para quem não pensa em resgaste breve – no longo prazo, pode valer a pena.

“Se você investir 100 reais por mês, depois de uns 20 ou 30 anos é muito interessante”, contou Marques.

Para Albo, esse é um dos melhores investimentos. “A previdência é a melhor opção para aqueles que não tem disciplina financeira de guardar dinheiro”, ele diz.

O débito automático “facilita guardar 100 reais todos os meses garantindo essa eficiência porque sai direto da conta. É mais fácil de continuar poupando e investindo”, avalia.

Do lado da cautela, “você deve avaliar a taxa de administração e de carregamento da previdência. A de carregamento incide sobre cada depósito que é feito. E serve para cobrir despesas de corretagem e administração”, diz o assessor.

Por que investir dinheiro hoje?

A maioria dos jovens não pensa em investir dinheiro devido à falta de motivos.

Porém, esse hábito (mesmo que não seja comum na vida dos brasileiros) é essencialmente importante para todos que querem equilibrar os gastos e manter o orçamento financeiro em dia, no azul.

É importante observar que é possível viver, se divertir e ter qualidade de vida sem que para isso prejudique as finanças – basta pesquisar preços e estabelecer prioridades, por exemplo.

A partir do momento que esses adolescentes entram na vida adulta, começam a ver a necessidade de estar preparados para as emergências que a vida traz ou mesmo para o futuro, onde os gastos serão maiores e a renda mensal pode não ser suficiente.

Também é muito didático entender que investir dinheiro tem a ver com ter ativos financeiros, ou seja, aplicações que geram receita, geram lucro e não o contrário. Para se ter uma ideia do que estamos falando, leve em conta o carro, que é um passivo, já que só dá gastos e dificilmente, lucros.

Ainda que te leve mais rapidamente para o seu destino, ele terá custos como o de manutenção, combustível, seguro, impostos. Enquanto que na hora da venda você terá perdido poder de compra, levando em conta a depreciação.

Planejamento Financeiro

O planejamento financeiro, por sinal, é o primeiro passo para se chegar onde quer que seja – independência financeira, aposentadoria milionária, comprar um carro, comprar uma casa, viajar para a Disney, Las Vegas, Caribe.

Tudo o que você quer conquistar terá que ter um planejamento – até mesmo cursar a faculdade, ter um filho ou trocar de celular, por exemplo.

E o que é ter um planejamento financeiro concreto? É muita coisa! De verdade, o planejamento está em quase tudo na sua vida – desde a hora em que acorda.

Você faz caminhadas pela manhã? Lê o noticiário? Busca informações do mercado financeiro? Tem uma boa rede de contatos? Tudo isso faz parte de um bom planejamento.

Mas, como estamos falando em dinheiro, vamos focar!

Planejamento Financeiro, no seu âmago, é entender quanto dinheiro você recebe mensalmente e quanto dinheiro você gasta no mesmo período. É um saldo do que entra e do que sai. E é a partir disso que você saberá que conseguirá viver de juros ou não.

Bem, perguntinha básica: você gasta mais dinheiro do que ganha no mês?

Se a resposta for positiva, esqueça! Você está voando na contramão do sucesso financeiro. É inevitável, você não vai ficar rico nunca. Ninguém no mundo fica rico se gasta mais dinheiro do que ganha, ninguém.

A ideia é muito simples – se você ganha 10 reais, deve gastar, no máximo 9! E ponto final.

Tem muitas contas para pagar? Empréstimos? Cartão de Crédito? Juros do Cheque Especial? Dê um jeito de quitar isso logo ou se não você só vai se afundar no poço das lamentações.

Gastar menos do que se ganha é a regra de ouro deste artigo. É o primeiro passo, o ponto principal, o fermento que vai fazer o bolo crescer. Se você ainda não consegue fazer isso, nem precisa ler o restante do artigo.

Agora, se você não consegue, mas gostaria de mudar de vida – então, temos algumas matérias que foram publicadas recentemente e pode te ajudar a equilibrar os gastos, mantém um padrão de vida e ainda fazer sobrar dinheiro no fim do mês. Leia:

Ah, também é interessante que você disponha no seu planejamento financeiro os seus objetivos financeiros! Você quer viver de juros, tudo bem, mas quanto dinheiro acumulado precisa ter para isso? Em quanto tempo? Pense nisso.

Os valores são importantes na hora de transformar pequenas quantias em grandes resultados financeiros. E esse é o nosso próximo tópico.

Com informações da Organizze, Infomoney