7 Papéis para serem investidos ainda essa semana e outros 8 para 2017

Faltam apenas 2 dias para o fim do ano, mas a XP Investimentos divulgou uma carteira de ações recomendadas para essa semana. Segundo os analistas, com uma agenda vazia, a semana será marcada pelo resultado do governo e dados de emprego do Caged e PNAD.

Na semana passada, a agenda a instituição avançou 2,8%, valor superior ao do Ibovespa, que foi de 2,1% no mesmo período.

Veja as recomendações:

  1. Itaú Unibanco (ITUB4), com peso de 30%
  2. Fibria (FIBR3), com peso de 10%
  3. BB Seguridade (BBSE3) com peso de 15%
  4. Gerdau (GGBR4), com peso de 05%
  5. Banco do Brasil (BBAS3), com peso de 15%
  6. Eletrobras (ELET6), com peso de 10%
  7. Petrobras (PETR4), com peso de 15%

Leia Também:

  1. 16 ações que mais valorizaram na Bolsa de Valores e 8 companhias que estarão fora do mercado
  2. Santander lista 7 Small Caps para apostar em 2017 e Klabin ganha espaço na Bolsa de Valores
  3. Ações da Vale saltam 240% em 2016 e deixam analistas financeiros inquietos

Mercado financeiro em 2017

Deixando de lado o cenário do ano passado e as incertezas de 2016, os analistas veem um possível avanço em 2017 para o cenário econômico. No exterior, novas pressões também devem movimentar o mundo, principalmente nos Estados Unidos, sob o comando de Donald Trump.

Good Trump? Um dos mercados mais rentáveis do país desfaz metade de seus investimentos em ações

Na Bolsa de Valores daqui, por exemplo, o avanço da reforma da Previdência deve garantir o fôlego das ações, que, para alguns analistas, pode chegar à sua máxima histórica, ou seja, ultrapassando os 74 mil pontos, no segundo semestre.

Reprodução: Google

Reprodução: Google

Já a Renda Fixa vai continuar sendo uma alternativa de carteira para quem está em busca de rentabilidade com pouco risco. Confirmação que vem do crédito sobre o recuo da taxa básica de juros, a Selic. O Santander, por exemplo, prevê que a projeção atual é de 9,5% ao fim do ano que vem.

“Renda Fixa continuará a ser atraente em 2017”, afirmam os especialistas

Ações para o próximo ano

Com foco no próximo ano, a XP Investimentos divulgou um relatório com ativos para janeiro. A escolha aumenta a exposição da Fibria, já citada no início do artigo e retira o papel da Embraer.

10 dicas do mercado financeiro para começar 2017 com o pé direito e ficar rico

A carteira da XP apresentou queda de 10,8% em dezembro, no mesmo período em que o Ibovespa teve recuo de 7,7%. Já no ano, a carteira teve desempenho positivo, de 31% enquanto o Ibovespa avançou 31,7%. Veja, abaixo, a listagem:

  1. Itaú Unibanco (ITUB4), com peso de 29%
  2. BB Seguridade (BBSE3), com peso de 10%
  3. Banco do Brasil (BBAS3), com peso de 15%
  4. Sabesp (SBSP3), com peso de 6%
  5. Fibria (FIBR3), com peso de 12%
  6. Gerdau (GGBR4), com peso de 10%
  7. Petrobras (PETR4), com peso de 15%
  8. Eletrobras (ELET6), com peso de 3%

Com relação è Eletrobras, os analistas disseram que: “Com o anúncio do plano de negócios e a venda da Celg, acreditamos que as ações tenham precificado uma parte expressiva das mudanças que a nova gestão vem implementando. Assim, optamos por reduzir nossa exposição ao ativo”.

Smiles (SMLE3)

Outras instituição, a BTG Pactual, também elaborou um relatório, só que para a compra de um único ativo: da Smiles. Com preço-alvo estimado à 65 reais no próximo ano, o potencial foi totalizado à uma alta de mais de 50% em relação ao final do próximo ano.

Ações da Vale saltam 240% em 2016 e deixam analistas financeiros inquietos

“Com um forte dividend yield de 10% esperado para 2017, nós reiteramos nossa visão positiva, marcada por um contexto de impulso robusto nos lucros e fundamentos fortes de crescimento”.

Ações no Mercado Externo

Os investidores trazem perspectivas para os mercados onde a política está melhorando e os ativos são menos vulneráveis a choques externos no próximo ano. Assim, em mercados estáveis, os analistas procuram avaliações mais baixas e com capacidade de regular um rali nos preços das commodities.

A NN Investiment Partners, por exemplo, vê um mercado de ações na Rússia como principal candidato. Com as altas nos preços do petróleo, o fortalecimento do rublo e a redução da inflação, o país pode encorajar o Banco Central do país à flexibilizar a política monetária.

Já o Deutsche Bank projeta prevê uma política local beneficiadora à dívida russa e sul-africana, sendo que a Rússia deveria tirar proveito de um melhor relacionamento com os EUA e a África do Sul.

Sem liquidez, banco mais antigo do mundo despenca e, por aqui, Banco do Brasil é destaque para 2017

E a Global Evolution recomenda a Nigéria aos investidores que querem arriscar porque lá uma estabilidade política em 2017 deve fazer o governo realizar uma segunda tentativa de adotar uma taxa flutuante para a moeda local.

Com informações do Infomoney e Estadão