5 detalhes para não errar no imposto de renda!

O assunto do imposto de renda está bombando no Brasil. Está nos jornais, na internet e na boca de todo mundo. Só que ele ainda gera dúvidas.

Nós separamos alguns detalhes importantes para quem vai declarar o IR e está com medo. Saiba que é simples e quando feito de forma correta não gera problemas financeiros para ninguém.

Bora lá?

Os detalhes importantes!

O imposto de renda chegou e finalmente a gente tem que prestar as contas para o leão da Receita Federal.

O medo nem é do leão, mas da malha fina. E para não cair nela, a dica é fazer tudo certo, sem querer burlar o sistema.

Isso é importante de saber porque às vezes as pessoas caem na malha fina não é por que não pagou ou por que fez algo absurdamente errado. Mas, sim devido a erros simples.

Meio que no “sem querer querendo”, sabe?

Então, para evitar os erros mais comuns do imposto de renda, termine de ler este conteúdo agora mesmo e evite-os, para ter uma declaração tranquila.

1 – Omissão de Rendimentos

O primeiro erro bastante comum que a gente sempre vê por aí é sobre a omissão dos rendimentos.

Mas, o que é a omissão de rendimentos? É um dos principais erros cometidos pelos contribuintes e, talvez, o mais comum deles.

Por exemplo: é comum que a pessoa não declara um trabalho que tenha realizado como autônoma ou aquele emprego na qual tenha ficado apenas pouco tempo durante esse ano.

Isso já pode gerar a omissão de rendimentos.

Isso porque a empresa, geralmente, evita enviar as informações para Receita Federal.

Só que as informação de rendimento omissas acabam gerando um único resultado: o da malha fina!

2 – Dependentes com Rendimentos

Outro erro bastante comum tem a ver com o fato de que todo mundo quer ter muitos dependentes para amenizar o pagamento de impostos.

No entanto, quando esses dependentes tem rendimentos é preciso declarar também.

E um erro comum que costuma levar muita gente à malha fina.

Então, o contribuinte que inclui na sua declaração um dependente com renda mas não informa esse rendimento vai ter que prestar esclarecimentos.

Por exemplo: um filho que faz estágio ou um pai que recebe aposentadoria. eles podem estar como dependentes sim. Só que também é preciso incluir os rendimentos deles.

3 – Despesas médicas sem comprovações

Outro erro bastante comum é com as despesas médicas!

O que a gente precisa se atentar é para o fato de que ao declarar despesas médicas que não têm comprovação, a gente corre sério risco de cair na malha fina.

Assim como colocar gastos com saúde que podem ser deduzidos integralmente a declaração.

Você pode, a qualquer momento, ser obrigado a comprovar esse gasto. E a Receita Federal pode pedir a comprovação de toda as despesas que a pessoa declara, inclusive essas.

Sendo assim, é importante guardar todos os recibos por, pelo menos, 5 anos a partir da data da entrega da declaração, incluindo as retificadoras. Ok?

É importante também ficar atento com as despesas que não podem ser deduzidas, como a vacina, que ainda que seja médica, não pode ser deduzida. E há remédios que também não aceitam isso.

Aliás, cuidado com reembolso eventualmente recebido de alguma despesa médica – esse valor ele tem que ser informado de forma clara, independente se for parcelado ou reembolsado depois.

O esquecimento também pode levar à malha fina porque a Receita Federal não está nem aí se você esqueceu sem querer ou se você esqueceu de propósito – o resultado é sempre a malha fina.

4 – Erros de digitação na declaração

5 detalhes para não errar no imposto de renda!

A falta de atenção ao digitar números também pode prender a declaração na malha fina!

E a própria Receita Federal alerta isso dizendo que se, por exemplo, o programa gerador da declaração não considera os pontos como separador de centavos.

Assim, se a pessoa digitar R$ 1.064,00 de forma errada, ela pode parecer como R$ 106,4 e isso costuma causar vários problemas.

5 – A pensão alimentícia

Outro erro bastante comum é com pensão alimentícia.

Quem é essa bênção alimentícia? É aquele pagamento de pessoas que estão separadas e um tem que auxiliar nos gastos do filhos. É uma pensão, quase sempre, paga pelos pais separados.

Então, precisa declarar o rendimento, independente de qual for o valor e quem paga pensão alimentícia pode deduzir integralmente o valor pago em pagamentos efetuados – desde que obrigado por uma decisão judicial ou acordo homologado em cartório.

A declaração do imposto de renda

Em 2019, o imposto de renda teve alterações na sua declaração. Agora, é preciso ficar ainda mais atento, já que, como se sabe, a Receita Federal está fazendo varreduras para encontrar erros devido à crise financeira do país.

Quanto menos motivos para o erro a pessoa der, menos dores de cabeça terá. A dica é ficar atento à tudo que falamos aqui e fazer a declaração do IR de forma correta.

Dá para fazer isso pessoalmente, no seu computador, baixando o software da Receita. E isso nem é tão difícil assim. Mas, é preciso paciência.

Para quem não sabe nem por onde começar ou não tem tempo para fazer, a dica é procurar um contador especializado.